GESTÃO E CARREIRA

UBER CHAMANDO

Empresa que reinventou o conceito de mobilidade fará seu IPO no próximo mês e deve valer (muito) mais que a Ford.

Uber chamando

Há um poderoso dilema pairando sobre o IPO da Uber, que acontecerá no próximo mês. Comprar uma ação significa apostar suas economias em uma empresa que faz receitas de US$ 21,5 mil a cada 60 segundos. Ao mesmo tempo, representa a aposta numa companhia que perdeu o equivalente a US$ 3,4 mil por minuto ao longo de 2018. A startup americana que mudou a definição a respeito de mobilidade no mundo fará a abertura de capital e a projeção é de que levante US$ 10 bilhões, o que será um dos 15 maiores IPOs da história — Alibaba, que fez US$ 21,8 bilhões em 2014, lidera o ranking.

De acordo com a história oficial da Uber, seus dois fundadores , Garrett Camp e Travis Kalanick, não conseguiam um táxi numa manhã de neve em dezembro de 2008, em Paris. Ali decidiram pensar um aplicativo, o UberCab, que seria lançado em São Francisco, EUA, quatro meses depois. De início, era para chamar carros de luxo. A primeira corrida foi feita em julho de 2009. Em dezembro de 2011, ao internacionalizar a operação e estrear em Paris, mudou o modo como pensamos a mobilidade.

O IPO da Uber contém esse componente inescapável. Uma empresa disruptiva de um lado, mas deficitária do outro. Espécie de Dr. Jekyll e Mr. Hyde da tecnologia. Seu faturamento anual foi de US$ 11,3 bilhões em 2018, 43% acima do ano anterior. Suas despesas, porém, somaram US$ 14,3 bilhões, 19% mais que em 2017. O prejuízo no ano passado bateu US$ 1,8 bilhão (a conta exclui outras despesas com aquisições e/ou vendas de ativos), bem abaixo dos US$ 4 bilhões de 2017. Receita ascendente com despesas e prejuízos descendentes são bom sinal. Mas não no curto prazo. Em carta a investidores, o CEO, Dana Khosrowshahi, não esconde isso. “Não vamos deixar de fazer sacrifícios financeiros de curto prazo quando vemos benefícios claros a longo prazo.”

O paradoxismo também se dá em terreno que envergonha a empresa. Por um lado, ela se tornou uma máquina de empregabilidade a pessoas de diferentes formações. Por outro, vive às voltas com casos de agressão sexual por parte de motoristas, relatos de assédio internamente, práticas de espionagem da concorrência e outros penduricalhos que culminaram, em 2017, com a saída de Kalanick do cargo de CEO.

Para adensar o cenário, a concorrência aumentou. Tanto a local (Lyft) quanto a global (Didi, que no Brasil opera como 99). Esta, aliás, é a maior no segmento, com 550 milhões de usuários e 30 milhões de corridas diárias — a Uber tem 75 milhões de usuários (22 milhões no Brasil, seu segundo maior mercado) e faz 15 milhões de corridas por dia. Concorrentes de peso exigem recursos contínuos. Além disso, os serviços são cada vez mais diversificados. Scooters, aluguel de bikes, carros autônomos, delivery de comida, tudo entra no radar. O que pede mais dinheiro.

Então, por que o IPO da Uber deve se tornar um dos maiores da história? Porque, entre outros motivos, estima-se que seu valor de mercado atinja US$ 100 bilhões. A Ford Motor Company vale um terço disso (US$ 37,1 bilhões), o que não deixa de ser irônico. Fundada em 1903, ela revolucionou a mobilidade ao introduzir, para a produção da série Ford T, a linha de montagem. Aí aparece uma startup 106 anos mais nova, que nem dá dinheiro, e é percebida como três vezes mais valiosa.

Anúncios

GESTÃO E CARREIRA

AS CARÊNCIAS MAIS SENTIDAS PELOS MILENNIALS

Profissionais jovens percebem em si mesmo falta de habilidades relacionadas à inteligência emocional e pensamento crítico.

Carências mais sentidas pelos millenials

Brasileiros jovens entram no mercado de trabalho e se ressentem de um déficit de habilidades fundamentais para a vida profissional. Uma pesquisa recente da empresa de educação online Udemy colheu respostas de mais de mil profissionais com idade entre 21 e 35 anos. Para quase dois terços deles, o que mais faz falta não são conhecimentos técnicos, e sim capacidades que deveriam ser treinadas na escola e na universidade, relacionadas a inteligência emocional, comunicação, gestão do tempo e pensamento crítico – todas fundamentais para a produtividade e para os ambientes de trabalho mais competitivos de hoje. Além das deficiências óbvias em transmissão de conhecimento, o sistema educacional brasileiro falha também no desenvolvimento dessas habilidades, diz Sérgio Agudo, diretor da Udemy no Brasil. O executivo lembra que esse tipo de ponto fraco é hoje considerado problema grave num profissional e pode prejudicar carreiras seriamente. Um quarto dos jovens também se ressentiu de falta de habilidades de liderança, o que é facilmente compreensível em profissionais na primeira metade da carreira. Cerca de 95% dos respondentes consideram que existe uma lacuna de habilidades profissionais no país.

Carências mais sentidas pelos millenials. 2.jpg

GESTÃO E CARREIRA

CARREIRAS MÚLTIPLAS

Atuar em mais de uma área acelera o desenvolvimento, aumenta a empregabilidade e ainda gera satisfação. Saiba o que fazer para conciliar várias tarefas e ingressar nesse novo time de profissionais.

Carreiras múltiplas

Se o LinkedIn, rede social para profissionais, existisse durante os anos do Renascimento, Leonardo da Vinci teria dificuldade em resumir, em seu perfil, tudo o que fazia. Afinal, o italiano era pintor, escultor, desenhista, cientista, engenheiro, anatomista, inventor, matemático, arquiteto, botânico, poeta, músico. Se quisesse pontuar todas as suas áreas de atuação, ele teria de lançar mão das barras – e colocá-las separando cada atividade. O desafio do gênio da Renascença não poderia ser mais atual.

Ter várias carreiras simultaneamente é uma tendência que, nos Estados Unidos, recebeu o nome de portfolio career, ou “carreira em portfólio”, na tradução literal para o português. O fenômeno está ganhando mais adeptos por causa da flexibilização do mercado, mas já era descrito no início da década de 90 pelo guru dos negócios Charles Handy. Ele disse que esse comportamento significa “perseguir um portfólio de atividades – algumas que fazemos por dinheiro, algumas por interesse, algumas por prazer, outras por uma causa”.

A movimentação em torno do tema tem crescido nos últimos anos e levou a americana Marci Alboher a criar mais um termo para o fenômeno: slash efect, ou “efeito barra”, símbolo do teclado que precisaria ser usado por Da Vinci em seu hipotético currículo “Percebi que as pessoas estavam com dificuldade em preencher o perfil no LinkedIn porque não tinham mais apenas uma profissão. E, então, adotaram a barra para descrever seu portfólio de atividades”, diz Marci, autora do livro One Person / Multiple Careers (“Uma Pessoa / Múltiplas Carreiras”, ainda sem edição brasileira, e-book por 12,49 reais na Amazon).

Segundo especialistas, esse tipo de atuação não é mero bico. Isso porque se caracteriza como um projeto de vida que é construído em torno de uma coleção de habilidades e interesses em comum. “Bico é quando as pessoas usam o tempo livre para ganhar um troco a mais, sem frequência. Mas, quando você investe seu tempo com paixão e propósito, está construindo uma nova carreira”, diz Marcelo Veras, co- fundador da Inova Escola de Negócios.

EQUAÇÃO EQUILIBRADA

Você pode estar pensando: “Duas carreiras? Eu já fico esgotado investindo em uma só”. No entanto, para muitos, a dupla – ou tripla – jornada tem sido a recarga de combustível que faltava para dar aquele gás à vida profissional. “Vivemos em uma época de busca por propósito e identidade. Encaramos o trabalho como uma arena de realização pessoal, e não apenas como uma fonte de renda”, explica Mônica Barroso, coach e também diretora de aprendizagem da The School of Life Brasil, escola com sede em São Paulo que se dedica a desenvolver a inteligência emocional.

Para essa turma, quando existe equilíbrio entre trabalhar por dinheiro e trabalhar para perseguir interesses pessoais, há mais felicidade. Prova disso é um estudo realizado em 2017 pela And Co, empresa criadora de um aplicativo para autônomos, que revelou que 68% das pessoas sentem ter mais qualidade de vida quando gerenciam diversos projetos ao mesmo tempo. Além disso, 94% dos entrevistados disseram ter escolhido conscientemente viver dessa maneira – e têm a pretensão de continuar nesse esquema para sempre.

Embora no Brasil ainda não existam estudos específicos sobre o assunto, a sensação dos especialistas é que a tendência vai crescer por aqui, considerando a aptidão das próximas gerações para o autogerenciamento. De acordo com um levantamento global desenvolvido pelo europeu Grupo Sage, 66% dos millennials não querem emprego formal. Entre os brasileiros, o número salta para 71%. “É uma geração que busca o propósito e o bem-estar e que nem sempre encontra isso no mercado corporativo. Por esse motivo, passaram a buscar a realização em paralelo a uma carreira formal”, diz Alexandre Attauah, gerente sênior de recrutamento da consultoria executiva Robert Half.

MUITAS RAZÕES

As motivações para ter mais de uma carreira são diversas. Do ponto de vista pessoal podem variar da vontade de atuar numa área complementar ao desejo de aprender coisas novas e à necessidade de encontrar maneiras de ampliar os ganhos financeiros em atividades que gerem satisfação. Do ponto de vista do mercado, é inteligente se preparar para uma realidade na qual trabalhar por projeto e com contrato flexível será a regra. ”À medida que a economia avançar para contratos de curto prazo e projetos freelances, será útil cultivar mais de uma maneira de ganhar a vida. Assim você poderá se movimentar conforme as mudanças das condições de mercado”, diz a americana Marci. “Uma pessoa que tem uma vivência diversa possui mais repertório e pode ampliar suas f rentes de atuação”, diz Henrique Dias, diretor de planejamento da consultoria Box 1824.

Além de aumentar o escopo de trabalho, um profissional múltiplo fortalece sua empregabilidade, pois desenvolve habilidades altamente demandadas, como o poder de adaptação, a agilidade frente às mudanças e a boa e velha resiliência. “Essas são qualidades bem-vistas por qualquer empresa.”, diz Alexandre.

PERFIL ESPECÍFICO

Mas esse tipo de carreira não é para todo mundo (faça o teste no final do post). Aqueles que forem apegados à rotina e à estabilidade financeira provavelmente serão infelizes atuando em mais de uma frente, a não ser que consigam conciliar um trabalho de meio período com as atribuições de outra carreira. As características mais importantes para se sentir realizado nesse esquema são: gostar de desenvolver vários projetos ao mesmo tempo, ter aptidão para criar relacionamentos, sentir vontade de desbravar um novo mercado, ter certa tolerância ao risco e, claro, ser curioso. “Quem descobre que uma segunda profissão faz sentido já pesquisou e experimentou vários tipos de trabalho. Sabe que o mundo está rodando e que precisa rodar junto”, afirma Eduardo Migliano, um dos fundadores da 99 Jobs, plataforma que conecta profissionais a empresas.

Criatividade e organização também são essenciais. “Essas pessoas têm vontade e energia acima da média, porque a dupla jornada requer maior esforço e disciplina, já que é preciso lidar com duas ou mais agendas”, diz Alexandre, da Robert Half.

Os atributos podem até parecer excessivos. Mas não se desespere: ninguém precisa ser um gênio da Renascença para trabalhar desse jeito. Tudo é uma questão de perfil. Por isso, antes de encarar a jornada, lance mão de uma boa dose de auto­conhecimento para entender se esse estilo tem, ou não, a ver com você. Afinal, só vale a pena entrar numa tendência se ela realmente fizer sentido para sua vida. Se parecer que essa não é sua praia, faça testes e reflita sobre os resultados. Essas são duas das verdadeiras habilidades dos gênios. Certamente Leonardo da Vinci aprovaria a atitude.

 

MULTIPLIQUE-SE

Destacamos atitudes que ajudam a encontrar (e a equilibrar) mais de uma área de atuação.

 PENSE NO QUE DÁ PRAZER

Avalie seus hobbies e interesses. Invista tempo refletindo sobre as atividades que lhe dão mais satisfação. Quando não está trabalhando, como gosta de passar o tempo? O que lhe daria muito prazer em fazer mesmo que não ganhasse dinheiro?

CRIE UMA LISTA

Anote todas essas atividades em um bloco de papel e considere se alguma delas poderi ser transformada em fonte de renda.

REFLITA SOBRE SI MESMO

Identifique no que você é bom e quais atividades fazem seus olhos brilhar. Quais são seus valores? Com que tipo de pessoa você deseja interagir? Quais projetos ou clientes o ajudarão a criar o impacto que deseja no mundo?

AMPLIE SEU REPERTÓRIO

Concentre-se em dominar algumas habilidades que se alinham com seus pontos fortes. Se necessário, busque conhecimento por meio de cursos extras e especializações.

REÚNA COMPETÊNCIAS

Quando pensar em quais carreiras seguir, prefira as que se complementam – tanto do ponto de vista das competências quanto dos possíveis clientes. Alguns exemplos são: executivo e consultor corporativo, jornalista e escritor de um blog especializado, advogado e professor.

USE O TEMPO LIVRE

Comece devagar com projetos que realmente o empolgam e que possam ser feitos em seu horário vago, como trabalhar ao lado de um amigo ou atuar como voluntário.

PRECIFIQUE CORRETAMENTE

Não negocie tempo por dinheiro. É melhor cobrar por projeto, e não por hora trabalhada. Caso contrário, você se verá trabalhando exaustivamente e correrá o risco de perder a flexibilidade.

REDISTRIBUA AS ATIVIDADES

Se puder, reduza seu trabalho principal para focar o crescimento de sua nova carreira. Um fisioterapeuta, por exemplo, que atende na própria clínica pode atuar três dias no consultório e usar os outros dois para a outra atividade.

TRABALHE COM EQULLÍBRIO

Organize sua agenda. Lembre-se de que ter mais de uma carreira não significa dormir menos horas, mas equilibrar as atividades e o tempo. Trabalhar 2 horas a mais por dia (pela manhã e à noite) e fazer um almoço mais rápido são algumas saídas.

MEÇA SEU DESEMPENHO

Trate sua outra carreira com a importância que dá a um grande cliente ou projeto. Elenque as prioridades e faça métricas de seus resultados.

IMAGINE O FUTURO

Tenha um plano para os próximos anos. É importante pensar sobre quais são os possíveis empregadores e clientes e em que local você teria de trabalhar caso a segunda carreira crescesse muito.

TROQUE IDEIAS

Use seu networking. Converse regularmente com as pessoas em sua rede sobre tendências em suas empresas e setores, especialmente no que se refere à terceirização e ao processo de contratação de consultores ou contratados independentes. E não se esqueça de expandir sua rede à medida que você entrar em novas áreas.

MANTENHA O NÍVEL

Cuide de sua reputação. Ela é a alma de quem está buscando novas atuações, pois são as indicações de clientes e colegas que vão ajudá-lo a encontrar novos projetos.

ESCOLHA A DEDO

Aprenda a dizer não. Ter uma carreira múltipla não significa fazer vários trabalhos como freelance por um tempo, mas construir fortes possibilidades de atuação em mais de uma área.

 

 SERÁ QUE É PARA VOCÊ?

Escolha uma das alternativas nas questões abaixo e saiba se seu perfil é adequado a desenvolver múltiplas carreiras.

1 – EM UMA ENTREVISTA DE EMPREGO, QUANDO O RECRUTADOR PERGUNTA SE HÁ ALGUMA DÚVIDA SOBRE A EMPRESA, O QUE VOCÊ QUESTIONA?

A – Como é o pacote de benefícios, a remuneração e os bônus

B – Se há possibilidade de home office e jornada flexível

2 – VOCÊ FICA MAIS FELIZ QUANDO É DESIGNADO PARA LIDERAR UM GRANDE E LONGO PROJETO OU PREFERE VÁRIAS ENTREGAS NO CURTO PRAZO?

A – projeto único

B – várias entregas

3 – EM RELAÇÃO A ASSUMIR RISCOS, VOCÊ SE SENTE:

A – confortável.

B – muito confortável.

4 – SE PUDESSE, FARIA MAIS HORAS EXTRAS PARA GANHAR MAIS DINHEIRO?

A – sim! quanto mais melhor

B – não troco minha qualidade de vida por grana extra

5 – Seu chefe dos sonhos seria:

A – Um líder inspirador que recompensa financeiramente seu esforço

B – vários contratantes de diferentes empresas

 

GABARITO

Conte suas escolhas

 MAIS LETRA A

Você é mais tradicional quando se trata de carreira e prefere manter o foco em uma área de atuação num único empregador. Não hã nenhum problema nisso, mas, caso queira ter mais flexibilidade, comece a pensar em quais de suas habilidades poderiam ser usadas para exercer uma nova atividade.

MAIS LETRA B

Suas respostas demonstram que você não teme o risco, que valoriza mais flexibilidade do que um pacote de benefícios associado à estabilidade de um emprego formal e que qualidade de vida e inovação estão entre suas prioridades. Você está mais alinhado ao estilo de vida de quem atua em múltiplas carreiras.

GESTÃO E CARREIRA

MESTRE EM SUPERAÇÃO

Primeira professora com síndrome de Down no Brasil, Débora Seabra de Moura lutou para conquistar seu espaço no mercado de trabalho. Hoje, ela é uma referência na inclusão de pessoas com deficiência.

Mestre em superação

“O que será que essa professora ensina?” Esse foi o comentário que a desembargadora Marília Castro Neves, do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, fez no Facebook quando soube que o Brasil tinha uma educadora com síndrome de Down. A fala dizia respeito à Débora Seabra de Moura, que desde 2005 é auxiliar de uma classe de ensino fundamental em Natal (RN). A profissional não se intimidou como preconceito e respondeu sobre seu trabalho em uma carta aberta: “Estudo planejamento, participo das reuniões, dou opiniões, conto histórias acompanho aulas de inglês, música e educação física e muitas outras coisas”. O amor pelos livros começou na infância, quando Débora pôde estudar numa escola que não era específica para quem tem Down. Isso gerou uma sensação de acolhimento e estimulou sua vontade de trabalhar na área. Para conquistar o objetivo, entrou no magistério da Escola Estadual Luiz Antônio e, mais uma vez, enfrentou o preconceito. Alguns colegas foram intolerantes e o coordenador do curso teve de intervir. Com a ajuda da mãe, que a auxiliava nos estudos, ela superou os obstáculos e conquistou o diploma. Formada, bateu à porta de uma escola particular de Natal e se voluntariou como educadora auxiliar. “As professoras me ajudaram a aprender o trabalho.” Mas suas tarefas não se limitam aos quadros-negros. Débora é vice-diretora da regional do Nordeste da Federação Brasileira das Associações de Síndrome de Down, função que a Ieva à viajar pelo Brasil e para o exterior – já ministrou palestra até na sede da ONU em Nova York. Além disso, é autora de um livro de fábulas infantis sobre superação e amizade.

GESTÃO E CARREIRA

AS REGRAS VÊM AÍ

Até aqui, as empresas de tecnologia têm vivido uma espécie de paraíso libertário: não há regulamentação que limite suas ações. Mas esse tempo já está acabando.

As regras vêm aí

É comum elogiar as novas empresas de tecnologia chamando-as de “disruptoras”, no sentido de que ameaçam as concorrentes estabelecidas não por combatê-las de frente, mas por mudar as regras do jogo. A ideia da ruptura é, mais do que vencer os competidores, torná-los irrelevantes –   como aconteceu com as companhias de iluminação a gás quando surgiu a luz elétrica, ou com as carruagens quando apareceu o automóvel. Essa imagem, porém, é incompleta: as rupturas não se limitam ao mercado em disputa. Em seu conjunto, elas têm afetado a própria compreensão de como funciona (ou deveria funcionar) nossa sociedade. Um dos primeiros pontos de transformação é o mercado de trabalho. Quando as empresas se definem como plataformas, que em vez de empregar diretamente as pessoas dão a elas a oportunidade de prestar serviços a outros clientes, chacoalham-se as normas estabelecidas para um ambiente de dicotomia entre capital e trabalho. O novo profissional não está em nenhum dos campos. É um misto de empreendedor e empregado, de autônomo e funcionário, de subordinado e cliente. Como regular o horário de trabalho de um motorista de aplicativo, para impedir que ele cumpra jornadas exaustivas, se é ele mesmo quem liga ou desliga a máquina que o torna disponível? De um lado, os trabalhadores dessa nova economia são completamente independentes, na escolha dos clientes a quem servir e dos horários a cumprir. De outro lado, porém, a empresa não é uma plataforma neutra de encontro entre um prestador e um tomador de serviço: ela controla o preço, manipula incentivos para obter os comportamentos que deseja e, principalmente, pode “demitir” seus operários sem nem ao menos o desgaste psicológico de ter de chamá-los a uma sala e dar-lhes a notícia – faz isso bloqueando­ lhes o acesso ao aplicativo, no momento que lhe aprouver.

De certa forma, a realidade se adiantou à reforma trabalhista aprovada durante o governo Michel Temer. As normas rígidas de relação entre empregados e empresas têm sido curvadas pelo aumento do número dessa nova classe que poderíamos chamar de “empreendegados”, empreendedores – empregados. Como assegurar-lhes direitos sem eliminar a oportunidade de trabalho? Nos Estados Unidos, Alan Krueger, professor de economia na Universidade Princeton, e Seth Harris, ex-secretário do Trabalho no governo Obama. propõem que a legislação se adapte para contemplar esses trabalhadores autônomos, concedendo-lhes muitas das garantias, mas não todas, de um trabalhador usual – como o direito de organizar-se coletivamente em sindicatos para negociar taxas e condições de trabalho ou permitir que as empresas contribuam para sua aposentadoria sem caracterizar um vínculo empregatício que as leve a arcar com onerosas obrigações.

Como se as complicações trabalhistas já não fossem o bastante, as novas empresas digitais impõem um desafio crescente para diversas normas civis. As inovações representam um desafio regulatório em quatro casos diferentes, de acordo com uma pesquisa de Sarah Light, professora de estudos legais e ética na Escola de Negócios Wharton, da Universidade da Pensilvânia, em colaboração com outros três acadêmicos. A primeira forma de impacto é quando uma empresa presta um serviço semelhante ao de uma companhia existente, mas alega que as regras não se aplicam a ela. É o caso da Uber e de seus congêneres, que argumentam não ser empresas de táxi e dizem que, portanto, seus motoristas não precisam de licenças municipais.

O segundo desafio é quando cidadãos são isentos de seguir normas exigidas para as empresas – mas um app torna possível reunir esses cidadãos num conjunto que se comporta como uma companhia. Assim como a luz pode ser tratada como uma onda ou como um feixe de partículas, é difícil definir se a regulação a ser aplicada é a das pessoas físicas ou a das jurídicas. O exemplo mais claro é do Airbnb: hotéis não podem discriminar que tipo de hóspedes aceitam, mas em sua casa você pode convidar ou não deixar entrar quem você quiser. Se uma pessoa manifesta intenção de alugar uma casa maravilhosa, mas o dono da casa a recusa, seja por alguma reclamação postada no site, seja pela cor de sua pele, a quem ela vai apelar?

Um terceiro desafio regulatório, de acordo com Sarah, é quando um serviço inovador não está previsto nas normas. É o caso das entregas com drones ou dos carros sem motorista. Há que se decidir de quem é o espaço aéreo ou de quem é a responsabilidade em caso de acidente. Finalmente, um quarto desafio é o das tecnologias que resolvem algum grave problema, mas esbarram em normas feitas para outras situações. É o caso das placas solares, que já permitiriam às casas não apenas dispensar o uso da energia da rede, mas também agir como fornecedoras da rede…se houvesse um mercado regulamentado.

A esses quatro desafios é preciso acrescentar a questão das externalidades: os efeitos que um contrato entre duas partes provocam em terceiros, alheios ao negócio. Uma externalidade negativa do serviço de entregas de comida é o aumento de custos para ambulâncias e hospitais, devido aos acidentes com motociclistas. Uma segunda é o excesso de patinetes estacionadas na rua, em alguns casos atrapalhando o tráfego de pedestres. Outra externalidade negativa é para os vizinhos de um apartamento transformado por seu dono em hospedaria. Fica claro que o empreendedor que quiser de antemão resolver todas as pendengas que sua inovação possa provocar não criará coisa alguma. É daí que se explica um dos ditados preferidos do Vale do Silício, o berço da cultura digital. “É melhor pedir desculpas do que pedir licença”. Ou seja, pecados de comissão são mais leves do que os de omissão. No cômputo geral, as inovações têm saldo positivo não apenas na conta bancária dos empreendedores, mas também na vida das pessoas.

As regras vêm aí. 2

NICHO LIBERTÁRIO

Uma consequência dessa postura é o posicionamento ideológico radicalmente contra a regulação. O Estado é comumente definido, para quem está imerso nesse ambiente, como um incômodo e um freio ao progresso. Não à toa, durante décadas o Vale do Silício foi identificado como um nicho libertário dentro dos Estados Unidos. Libertarianismo é, em essência, a crença de que o mercado pode até não ser perfeito, mas é melhor do que qualquer alternativa: o controle estatal, até mesmo em áreas como saúde e segurança pública, provoca ineficiências e abre espaço para a corrupção ou o fortalecimento de uma casta parasitária (os controladores da máquina estatal), que, além de não produzir riqueza, absorve a de quem criou.

Nas décadas de 70 e 80, a propaganda libertária era intensa. O slogan de John Kennedy (“Não pergunte o que seu país pode fazer por você, pergunte o que você pode fazer por seu país”) era comumente reinterpretado como “Não pergunte o que o país pode fazer por você, faça você mesmo”. Até a virada do milênio, o libertarianismo reinava. Mas, embora ainda haja libertários famosos, como o empreendedor serial Peter Thiel cofundador do PayPal, essa já não é a ideologia reinante no Vale do Silício.

Um estudo conduzido em 2017 pelos professores de economia política David Broockman e Neil Malhotra, da Universidade Stanford, e pelo jornalista Greg Ferenstein, com 600 fundadores e executivos ­chefes de empresas de tecnologia, revelou que seus valores são quase totalmente identificados com o ideal progressista do Partido Democrata. Não é de espantar, visto que 97% das doações para campanhas políticas na região vão para candidatos democratas. Há, porém, duas divergências cruciais em relação ao credo progressista. Eles compreensivelmente atribuem muito mais valor à atividade empreendedora (em vez da ênfase no dirigismo estatal) e são muito desconfiados em relação a sindicatos e à regulação estatal.

 O termo que melhor os define, de acordo com os acadêmicos Brink Lindsey e StevenTeles, é “liberaltarianismo”, um amálgama do credo liberal (no sentido que os americanos lhe dão, de progressista com preocupações sociais) como credo libertário. Isso explica outra expressão cara à cultura empreendedora do Vale do Silício, com ecos aqui no Brasil: todos querem como defendeu Steve Jobs num célebre discurso à universitários, colocar sua marca no universo, fazer algo que tenha impacto positivo na vida das pessoas. A tendência. porém, é que a elite tecnológica perca a briga contra a regulação. Em grande parte, porque a classe se desgastou com tantos conflitos e, quando teve de pedir desculpas e reparar algumas de suas ações ousadas, ficou devendo. Eles ainda são vistos como heróis, mas também como gente mimada, ciosa de seus privilégios.

Em segundo lugar, e não menos importante, os governos estão ficando mais espertos em relação à regulação. São Francisco, por exemplo, proibiu o uso de patinetes elétricas nas ruas, mas desde meado do ano passado a prefeitura está conduzindo um programa-piloto para averiguar que limites pode dar ao serviço de forma que ele funcione como auxiliar do trânsito sem provocar externalidades insuportáveis. Da mesma forma, a cidade de Nova York estabeleceu limites ao número de motoristas de Uber que podem circular pela cidade, mas as regras estão sujeitas a reavaliação daqui a um ano, quando houver mais dados para decidir a intensidade e a direção das regras.

Não é mera coincidência que o cofundador e executivo-chefe do Facebook, Mark Zuckerberg, tenha se tomado um defensor da regulação. No dia 30 de março, ele publicou no jornal The Washington Post um artigo em que defende intervenção em quatro áreas: conteúdo malicioso, integridade das eleições, privacidade e o direito de portabilidade dos dados entregues a uma empresa. Não é que ele tenha se convertido. É que entendeu que a regulação – como mostra o avanço das regras e punições a empresas de tecnologia na Europa – é inevitável e quer pelo menos influenciar o modo como ela será definida.

As regras vêm aí. 3

GESTÃO E CARREIRA

CRIE A FAMA E EVITE A LAMA

A lista das empresas com melhor reputação no Brasil está se tornando mais estável. Para subir aos primeiros postos, é preciso fazer um baita esforço. Quem cai muito, normalmente, é porque cometeu muitos erros.

Crie a fama e evite a lama

Construir a reputação de uma empresa não é tarefa simples. Exige um esforço constante e coerente para cativar todos os públicos com os quais a companhia se relaciona. Mas perdê-la também não é fácil. “Se a empresa é sólida em todas as frentes, dificilmente perderá a reputação”, afirma Lylian Brandão, diretora-geral da Merco, empresa dedicada a avaliar a imagem corporativa. Somente uma grave crise pode pôr tudo a perder”. Publicado com exclusividade, o ranking da Merco sobre reputação está em sua quinta edição no Brasil.

Uma crise grave é o caso da mineradora Vale. Do segundo lugar no ranking de 2013, e sexto no ano seguinte, a Vale caiu para o 70° em 2016. logo após o rompimento da barragem de Mariana. O ranking deste ano ainda não reflete a catástrofe de Brumadinho, ocorrida no fim de janeiro – a Vale está no 46° lugar. “Isso mostra que, depois de uma crise, a queda é rápida; e a recuperação, demorada”, diz Lylian. “Com Brumadinho, ela deve despencar novamente”.

É também o caso do setor de construção. Os escândalos de corrupção derrubaram a Odebrecht de 2015 em diante. E a crise do setor imobiliário escanteou a Gafisa, que esteve na lista em 2017 e 2018. Outra empresa que vem sofrendo desgaste é o Facebook, atingida por escândalos de fake news e falta de segurança nos dados dos usuários: tudo isso a fez cair da 20ª para a 44ª posição na lista.

Poderia ser considerado um escândalo também o fato de que não há, no ranking nacional, nenhuma empresa do setor da educação. Na Colômbia existem 14. No Peru, sete. Na Espanha são cinco. É um alerta de como o Brasil está longe de ter a educação como prioridade. E um sinal das enormes oportunidades nesse setor.

Tirando esses casos extremos, a lista da Merco está se tomando mais estável. Há apenas 16 novas empresas entre as 100 primeiras – no ano passado foram 20; e no ano anterior, 30. As ascensões e quedas também estão mais discretas. Em 2018 havia ganhos de mais de 50 posições e perdas de mais de 70 posições. Neste ano, as oscilações máximas ficaram entre 20 e 31 posições. “É uma tendência internacional. As empresas brasileiras estão fazendo trabalhos sólidos para melhorar a reputação”, diz Lylian.

Nesse contexto de estabilidade, entrar no clube das dez melhores reputações é um feito. Foi o que se deu com a Toyota, no ano em que comemorou 60 anos no Brasil. A montadora japonesa subiu nove posições, para o décimo lugar. Em boa medida, a melhora no ranking tem a ver com os ótimos resultados da Toyota no país e seu trabalho de aproximação e transparência com os consumidores.

Crie a fama e evite a lama. 2

A Merco investiga uma série de quesitos, com base em 3.164 entrevistas realizadas com três grandes grupos: executivos de grandes empresas, especialistas de vários setores (analistas financeiros, membros do governo, acadêmicos e representantes de ONGs, entre outros) e consumidores. O resultado é auditado pela consultoria KPMG. De todas as variáveis, no entanto, duas são cruciais. Entre os empresários os resultados comerciais e financeiros foram os mais citados como essenciais à reputação. Entre os consumidores as questões de ética e de transparência foram os fatores positivos mais mencionados.

E isso explica a ascensão da Toyota. A empresa terminou o ano com recorde histórico de 200.000 carros vendidos, 5.3 % mais do que em 2017. Também exportou para a América Latina 65.000 unidades. Em 2019, ela espera elevar as vendas em 9.5 %. No ano passado, começou a testar, no modelo Prius, a tecnologia híbrido­ flex, que une o motor elétrico ao motor a combustão (tanto a gasolina quanto a álcool). Neste ano, o sistema será aplicado a um modelo ainda não divulgado. “O Brasil será o primeiro país a produzir carros com essa tecnologia”, diz Rafael Chang, presidente local da Toyota. A empresa também fortaleceu o debate sobre mobilidade urbana e energias limpas nos comitês internos de governança. E intensifica a comunicação com consumidores. “O pessoal quer que eu fale diretamente com nossos clientes nas redes sociais. Ainda prefiro papel e caneta, mas topei o desafio”, afirma Chang.

O Bradesco também entrou no clube das dez primeiras. Recuperando-se de uma queda abrupta em 2018, o banco subiu 23 posições, para o oitavo lugar. Novamente, a ascensão pode ser explicada por resultados financeiros, inovação e atenção ao consumidor. No balanço mais recente, bateu recorde de lucro (21.6 bilhões de reais, 13.4% mais do que em 2017), embora tenha sido ultrapassado em rentabilidade pelo Santander. A carteira expandida de crédito cresceu 7.8 %, para 351 bilhões. O Bradesco investiu 6 bilhões de reais em tecnologia, com a assistente virtual Bia, o banco digital Next e a atualização do sistema de informações. “A Bia já tem 90% de acurácia e completou 100 milhões de transações com 8,3 milhões de clientes”, diz Leandro Miranda, diretor executivo do Bradesco. O banco também criou um novo logo, de inspiração mais inclusiva. “Agora há um degradê que passa pelo vermelho. mas vai do roxo ao rosa. É a maneira de mostrar nossa diversidade de colaboradores e clientes”, afirma. Hoje, 51% dos funcionários são mulheres e 26% são negros.

A Merco também produz um ranking dos 100 líderes com melhor reputação, com as opiniões de diretores de empresas. Essa lista mudou pouco. Luiza Trajano, do Magazine Luiza, manteve a liderança. Roberto Setúbal, do Itaú Unibanco, assumiu o segundo lugar. Só um nome saiu da lista dos dez primeiros: Silvio Santos, que caiu da oitava para a 11ª posição. Em seu lugar entrou Bernardo Pinto Paiva, da Ambev, em nono. Apesar de Luiza estar no topo, a lista é dominada por homens. A segunda mulher, Paula Bellízia, da Microsoft, aparece em 14º lugar. A porcentagem de mulheres é baixíssima, mas reflete a proporção delas em cargos de liderança, segundo Sofia Esteves, fundadora da consultoria de carreira Cia de Talentos. É uma ascensão ainda a ser construída.

Crie a fama e evite a lama. 3

GESTÃO E CARREIRA

A VEZ DA REALIDADE AUMENTADA

A tecnologia que permite ver imagens virtuais sobre objetos reais ganha cada vez mais espaço nos setores industrial e de serviços, impulsionando um mercado que deve superar 60 bilhões de dólares em cinco anos.

A vez da realidade aumentada

Toda vez que uma fábrica detecta um defeito num equipamento, um diagnóstico precisa ser feito e um componente substituído. É um processo que pode levar horas ou dias, e, dependendo do problema, a produção precisa ser interrompida até que o conserto seja realizado. Para acelerar o tempo de reparo e melhorar a manutenção das máquinas, indústrias de todo o mundo começam a ver na tecnologia de realidade aumentada uma solução para esse problema. A tecnologia funciona em óculos especiais que contam com câmeras para filmar o ambiente diante do usuário. Na tela dos óculos, a pessoa enxerga uma imagem digital sobreposta aos objetos físicos – daí o nome de realidade “aumentada”. É possível ver vídeos, acessar documentos, consultar dados na internet ou assistir a transmissões ao vivo com outras pessoas. Quando o Google começou a apostar nessa tecnologia, em 2013, esperava-se que, um dia, esses óculos se tornassem tão populares quanto os smartphones. O sonho não vingou. Mas a realidade aumentada encontrou seu espaço no mercado corporativo – e, especialmente, no chão de fábrica.

Com essa tecnologia, trabalhadores braçais têm um computador completo diante dos olhos e podem seguir instruções supervisionadas por especialistas. Uma das empresas que apostam nessa tendência é a Microsoft, que oferece desde 2015 os óculos HoloLens. Para David Epp, diretor global de parcerias da Microsoft, a empresa finalmente entendeu para que o HoloLens serve. “Primeiro, acreditamos que ele seria usado para games ou para assistir a jogos de futebol. Tudo isso é interessante, mas começamos a receber pedidos de aplicação na indústria e na construção. Agora, temos um dispositivo relevante, que permite tocar em objetos digitais e isso oferece muito valor para os profissionais”. afirma Epp.

A fabricante suíça ABB, conhecida por seus robôs industriais e pela ampla gama de serviços para a indústria, é uma das empresas que hoje usam dispositivos de realidade aumentada para agilizar reparos. A solução tem sido aplicada em fábricas na Austrália e nos Estados Unidos. Numa demonstração realizada em um evento em Houston, no Texas, representantes de diferentes setores da indústria paravam diante do estande da ABB para entender como aqueles óculos futurísticos poderiam ser úteis. Os óculos podem conectar especialistas e técnicos para poupar tempo e custo de deslocamento e, assim, aumentar a produtividade nas fábricas. Funcionários têm acesso às informações digitais sem precisar usar as mãos para segurar um celular, tablet ou computador – uma facilidade que pode evitar acidentes de trabalho. “Com a realidade aumentada, é possível ensinar as pessoas a realizar reparos com o auxílio de especialistas que podem estar em qualquer lugar”, diz Guido Jouret, chefe de soluções digitais da ABB. Além disso, os óculos permitem que o funcionário faça treinamentos usando réplicas digitais dos equipamentos que vão manusear.

A aposta nessa tecnologia é um fenômeno crescente. Segundo a estimativa da consultoria britânica PwC, 29% das empresas do setor industrial terão feito algum investimento em realidade aumentada até o fim do ano que vem, ampliando quatro vezes o número registrado em 2017. Outra previsão indica que o gasto das empresas com tecnologias imersivas de realidade aumentada deverá passar de 4.3 bilhões de dólares, em 2017, para 8 bilhões, em 2019.

Com a expansão dos investimentos, será cada vez mais comum encontrar exemplos de uso como o da montadora americana Ford, que percebeu os benefícios de conectar sua força de trabalho com a tecnologia. A empresa, com sede em Detroit, usa óculos de realidade aumentada em projetos piloto em São Paulo, na Bahia, em Brasília e em Santa Catarina. O objetivo é parecido com o da ABB: nas concessionárias da Ford, os mecânicos são orientados a distância por um time de engenharia na hora de fazer consertos em veículos. Joaquim Arruda, diretor de serviço ao cliente da Ford na América do Sul, conta que o projeto já foi levado a outros países e o Brasil deve ser o primeiro a usar amplamente a tecnologia na América Latina até 2020. “‘Se o engenheiro encontra uma falha, ele pode enviar um vídeo ou um documento para auxiliar no reparo”, afirma Arruda. A solução usada pela montadora é fornecida pela empresa de tecnologia brasileira Total Power. Com base na experiência realizada até agora, os gastos com viagens dos engenheiros diminuíram até 70 % e a produtividade das equipes aumentou até três vezes com o uso da solução. “Com a tecnologia, o trabalhador aprende na prática a realizar o serviço e minimiza o risco de cometer erros”, afirma Fabiano Freitas, diretor executivo da Total Power. Não são apenas as empresas que enxergam os benefícios. Nas universidades a tendência também é vista com bons olhos. William Uricchio, professor de mídia no Instituto de Tecnologia de Massachusetts, nos Estados Unidos, é um entusiasta da tecnologia. “A imagem do mundo ao nosso redor pode ser enriquecida com informações digitais para dar mais contexto. Com tecnologias assim podemos ser muito mais criativos”, diz Uricchio. Para ele, logo será comum usar a realidade aumentada em setores como turismo, marketing, saúde, serviços e jogos. Com esse farto conjunto de mercados, o faturamento com as vendas de hardware e software de realidade aumentada deverá ultrapassar 60 bilhões de dólares em 2023, de acordo com a consultoria americana Marketsand ­ Markets. Já o número de dispositivos vendidos poderá chegar a 68 milhões em quatro anos, segundo a consultoria americana IDC. No Brasil, as vendas projetadas são de 372.000 unidades.

A vez da realidade aumentada. 2

ALÉM DOS ÓCULOS

Graças a avanços trazidos pela Apple e pelo Google, que têm ferramentas para desenvolvedores criarem aplicativos de realidade aumentada, a tecnologia não ficará restrita aos óculos. Ela pode ser usada também no smartphone. Um componente indispensável é a câmera. Qualquer que seja o celular, é pela câmera que a pessoa vê a camada digital aplicada sobre os objetos físicos. Esse é um dos motivos pelos quais o mercado de sensores de imagem – um componente que mostra o ambiente à frente e é essencial para a tecnologia de realidade aumentada – deverá passar de 18 bilhões de dólares, em 2019, para 23 bilhões, em 2023, segundo a consultoria P&S lntelligence. É uma ótima notícia para empresas como a fabricante japonesa Sony, líder do ramo de sensores de imagem. Desde 2013, a Sony oferece recursos de realidade aumentada em seus smartphones, que são usados, principalmente, para enfeitar fotografias com imagens gráficas.

A vez da realidade aumentada. 4

O crescimento do mercado de realidade aumentada também está impulsionando o surgimento de uma nova variedade de empresas de tecnologia. Um levantamento da consultoria americana Pitch Book, mostra que os investimentos de capital de risco em startups de realidade aumentada subiram 175% de 2014 a 2018, passando de 1,2 bilhão de dólares para 3,3 bilhões nesse período. A empresa que mais recebeu aportes é a americana Magic Leap, fabricante de óculos de realidade aumentada para entretenimento, que arrecadou quase 2,3 bilhões de dólares. Porém, a startup que, até agora, levantou mais recursos em uma única rodada de investimentos é a Epic Games, produtora do jogo Fortuite (a maior febre no mundo dos games da atualidade), que recebeu 1,25 bilhão de dólares de investidores em 2018. O dinheiro está sendo usado para desenvolver a tecnologia gráfica da Epic Games, bem como recursos de realidade aumentada para seus jogos. O setor de games, que teve faturamento de 110 bilhões de dólares em 2018, é um dos que mais utilizam a realidade aumentada. Um exemplo é o jogo Pokémon Go, da americana Niantic, que fez sucesso em 2016 ao incorporar a tecnologia.

Enquanto as startups utilizam a realidade aumentada para fazer sucesso nos games ou para criar aplicativos que se aproveitem dessa ferramenta, a briga entre as grandes empresas de tecnologia é para saber qual delas vai se consolidar como a plataforma líder. “A Microsoft não quer que o HoloLens seja o melhor dispositivo. Seu objetivo é demonstrar como essa tecnologia será usada no futuro. Assim como o Windows hoje reina nos PCs a Microsoft quer que sua plataforma seja dominante no mercado de realidade aumentada”, diz Tyeng Nguyen, analista sênior da consultoria americana Gartner. Pode não ser da noite para o dia, mas a realidade aumentada será cada vez mais presente, seja na indústria, seja nos smartphones, seja nos games do momento.

A vez da realidade aumentada. 3