EU ACHO …

COPA DO MUNDO E LÂMPADA DE ALADIM

Conforme notei, o campeonato mundial de futebol ocorre nas Arábias – a terra das mil e uma noites, dos camelos e desertos, das burcas, do puritanismo islâmico, dos tapetes voadores e da lâmpada de Aladim. Futebol entre árabes era inimaginável para a minha paroquiana geração. Gente que descobriu o futebol nos anos quarenta e – depois de roubá-lo dos branquelos ingleses (chamados de “pernas de pau”) – tornaram-se mestres na arte do pé-na-bola. Curioso que ninguém tenha observado essa contrariedade da teoria clássica da colonização, já que o futebol a inverte, provando como o colonizado pode ser melhor do que o colonizador.

A Copa de 1950 foi a primeira depois da Segunda Guerra Mundial. Foi a Copa que hospedamos e para ela construímos o maior estádio do mundo: o Maracanã. Uma arena futebolística rival do Coliseu, com a capacidade de abrigar 200 mil espectadores! No caso, alucinados “torcedores” pelo selecionado brasileiro que, naquela edição, não jogava bola, mas a devorava e “comia”, carregando a terrível e maravilhosa responsabilidade de nos livrar da inferioridade de “povo mestiço e inferior”, essa praga que a todo momento atribuímos a nós mesmos.

Mas como o futebol (e os esportes em geral) faz parte da vida e, em certos momentos, com ela competem e até mesmo conseguem superá-la, foi justo nessa Copa de 50 que perdemos no último jogo para o Uruguai, deixando de ficar com a taça Jules Rimet que, depois veio a ser definitivamente nossa e em seguida foi devidamente afanada, tornando-se um troféu – como tantos outros – apaixonadamente conquistado e paradoxalmente perdido.

Coisas brasileiras que remetem à Arábia e ao Aladim, cujo gênio aprisionado na lâmpada maravilhosa contraria expectativas e promove milagres — isso que é o traço essencial das disputas e dos jogos, dos concursos, eleições, aplicações financeiras e do esporte. Essa dimensão das contradições dos costumes que consegue reunir com mais consistência e rara objetividade, desejo e vontade numa combinação, cujo ponto culminante é o que ninguém esperava, o súbito sublime ou mortal das loterias e surpresas (esses espíritos do inesperado) que o gênio da lâmpada mágica simboliza ou encarna. E que tem vontade própria, independente do Aladim que, dono apenas da lâmpada, o liberta por acaso.

Nada, pois, melhor do que esse emparelhamento entre a Copa e a lâmpada de Aladim – esse personagem que tão bem representa o nosso desejo e a nossa esperança de vitória – de sermos, mais uma vez, donos da taça gloriosa da vitória e favoritos dos gênios e deuses.

ROBERTO DAMATTA – É antropólogo, escritor e autor de ‘Carnavais, Malandros e Heróis’

Publicidade

Autor: Vocacionados

Sou evangélico, casado, presbítero, professor, palestrante, tenho 4 filhos sendo 02 homens (Rafael e Rodrigo) e 2 mulheres (Jéssica e Emanuelle), sou um profundo estudioso das escrituras e de tudo o que se relacione ao Criador.

Blog O Cristão Pentecostal

"Tão certo como eu vivo, diz o Senhor Deus, não tenho prazer na morte do ímpio, mas em que o ímpio se converta do seu caminho e viva. Convertam-se! Convertam-se dos seus maus caminhos!" Ezequiel 33:11b

Agayana

Tek ve Yek

Envision Eden

All Things Are Possible Within The Light Of Love

4000 Wu Otto

Drink the fuel!

Ms. C. Loves

If music be the food of love, play on✨

troca de óleo automotivo do mané

Venda e prestação de serviço automotivo

darkblack78

Siyah neden gökkuşağında olmak istesin ki gece tamamıyla ona aittken 💫

Babysitting all right

Serviço babysitting todos os dias, também serviços com outras componentes educacionais complementares em diversas disciplinas.

M.A aka Hellion's BookNook

Interviews, reviews, marketing for writers and artists across the globe

Gaveta de notas

Guardando idéias, pensamentos e opiniões...

Isabela Lima Escreve.

Reflexões sobre psicoterapia e sobre a vida!

Roopkathaa

high on stories

La otra luna de Picasso

El arte es la esencia de la espiritualidad humana.

%d blogueiros gostam disto: