OUTROS OLHARES

JÁ OUVIU FALAR EM FUMAR COTONETE?

Desafio viral do TikTok pode afetar pulmão de crianças e adolescentes

Depois de países da Europa, o desafio perigoso de “fumar cotonete” também está circulando em redes sociais de usuários do Brasil. A nova moda entre crianças e adolescentes tem preocupado pais e especialistas, que alertam para os riscos à saúde provocados pela liberação de substâncias tóxicas a partir da queima do produto. Além de causar doenças respiratórias – com necessidade de internação em casos mais graves -, o uso prolongado pode causar o surgimento de câncer. Em vídeos publicados em redes sociais, jovens aparecem acendendo a haste flexível, que é conhecida popularmente como “cotonete” e utilizada para a higienização de ouvidos, nariz e umbigo. Em seguida, eles inalam a fumaça provocada pela queima do algodão (que fica nas pontas) e do plástico da haste flexível.

“O cotonete tem uma haste de plástico e as duas pontas de algodão. A queima desses materiais vai liberar substâncias que são tóxicas para o pulmão e para a saúde, de um modo geral. Estudos científicos ainda vão se aprofundar sobre os riscos, mas, em princípio, o plástico quando submetido à combustão libera substâncias comprovadamente cancerígenas. Ou seja, a exposição por um longo prazo pode aumentar, inclusive, o risco de câncer”, alerta Cláudio Luiz Ferraz, pneumologista da Beneficência Portuguesa de São Paulo.

Já o algodão tem fibras orgânicas que, quando são submetidas à queima, liberam substâncias tóxicas que causam inflamação e irritação. “Podendo ocasionar um estreitamento das vias aéreas, que pode provocar tosse, falta de ar, chiado no peito, broncoespasmos e internações”, acrescenta o pneumologista.

DOENÇAS RESPIRATÓRIAS

“Além de intoxicação pela fumaça do plástico e do algodão, a ação pode ainda provocar queimadura nos lábios e face (pelo plástico que pode pegar fogo e se alastrar), além de induzir o hábito de fumar”, acrescenta Caroline Peev, pediatra e coordenadora do Pronto-Socorro do Sabará Hospital Infantil.

“Os pacientes asmáticos ou com bronquite têm maior ‘hiperreatividade brônquica’, que significa maior chance de ter uma crise grave induzida por qualquer apercebo externo, incluindo o algodão e substâncias liberadas pelo plástico aquecido”, reforça Caroline.

O pneumologista Cláudio Luiz Ferraz concorda que o risco é ainda maior para pessoas que já sofrem com doenças respiratórias. “O risco de fumar cotonete é mais acentuado em pacientes com rinite alérgica e asma, doenças mais prevalentes em pessoas mais jovens, assim como em casos de enfisema pulmonar, como é popularmente conhecida a Dpoc (doença pulmonar obstrutiva crônica), em pessoas acima de 40 anos, principalmente com o risco de aumento de crises e de internações, como observamos em pacientes quando expostos durante período de queimadas pelo País”, afirma ele.

Ninguém deve fumar. Mas, caso a pessoa faça uso e tenha falta de ar, após inalar a fumaça, é importante que procure auxílio médico o quanto antes. “De falta de ar e chiado no peito até sinais de intoxicação por monóxido de carbono, como dor de cabeça, náusea, sonolência e cianose (lábios e extremidades roxas), que apontam para o risco de parada cardiorrespiratória”, ressalta Ferraz.

GESTÃO E CARREIRA

COMO SUPERAR UMA DEMISSÃO E RETORNAR AO MERCADO DE TRABALHO

Especialistas dão dicas de providências após o desligamento de uma empresa; uma das saídas é se abrir para o mercado e experimentar novas alternativas

Relatos de trabalhadores insatisfeitos com o tratamento dado pelos empregadores no processo de demissão têm viralizado nas redes sociais. Muitos deles se queixam da falta de justificativa para o desligamento e da insensibilidade para tratar do assunto. É o caso de Caroline Marci, de 33 anos, que decidiu compartilhar sua história de demissão na rede.

Após três anos como analista socioeconômico-ambiental em uma fundação instalada em Belo Horizonte, Caroline foi demitida, sem poder dar adeus aos colegas de trabalho ou até mesmo acessar o computador que usava. “Como profissional, não fiquei tão chateada porque sei que é o movimento do mercado. Mas, como pessoa, eu fiquei envergonhada, constrangida.”

Esse é um dos sentimentos citados pela psicóloga Ana Paula Nunes, de 33 anos, doutora em Medicina e Saúde pela Universidade Federal da Bahia e especialista em terapias comportamentais, como mais suscetíveis a surgir após a demissão. Mas, para ela, a melhor forma de lidar com esse trauma é, justamente, não se fechar no seu círculo.

“A pessoa precisa primeiro buscar uma rede de apoio (família, amigos) e aceitar que a demissão é um processo que faz parte quando se está vinculado a uma empresa.” Ana Paula também sugere que, tendo esse apoio, o trabalhador passe para a próxima fase: partir em busca de novas oportunidades.

“A demissão muitas vezes não caracteriza algo pessoal ou que a pessoa não é competente para aquele cargo. Simplesmente não houve compatibilidade entre os interesses da empresa e do trabalhador”, considera a psicóloga, que ressalta que a demissão pode servir como um impulsionador para que a pessoa busque um ambiente de trabalho com maior identificação.

A psicóloga Thais Knittel, que trabalha há oito anos na área de recursos humanos, afirma que o trabalhador fica vulnerável após uma demissão, mas esse momento também pode ser aproveitado para refletir. “É um bom momento para entender quais os pontos positivos e o que ela agregou à empresa; conversar com colegas para entender quais são suas fortalezas e o que ela pode oferecer em futuros empregos.”

Além disso, Thais ressalta a importância de considerar outros meios e não ficar preso apenas na busca por um emprego com carteira assinada. “Será que o melhor não seria migrar para uma carreira acadêmica ou até mesmo empreender? Há outras possibilidades no mercado que podem ser exploradas.”

Assim como Ana Paula, Thais acredita que o próximo passo natural é sair em busca de novas oportunidades. Para isso, a psicóloga recomenda o uso do LinkedIn, já que é a plataforma de negócios mais usada no mundo. “É muito importante mantê-lo atualizado, com dados da sua carreira, experiências anteriores, falar sobre suas realizações”, afirma.

Nas próximas entrevistas de emprego, seja sincero sobre os motivos da saída. “Muitas vezes os empregadores podem conversar, pedir referências aos antigos”, diz Thais Knittel.

EU ACHO …

ÚTERO E O OUTRO

Nada humano é mais metafórico que o útero. Em baixa desde a revolução de costumes dos anos 1960 e também por conta da explosão demográfica e da questão social do aborto, o útero se tornou desprestigiado, conservador e até um transtorno. Útero é a Métra, grego derivado do indo-europeu mater, a mãe, a fonte e origem de toda vida. Um órgão com design e função de formar um novo ser dentro de um ser. Um órgão com a misteriosa chave capaz de descortinar sentido e propósito.

É, portanto, um órgão umbilical com o projeto da vida já que é uma peça do corpo que não atende a si próprio; um elemento implantado em si para servir a um futuro corpo estranho e exterior ao seu. Seu prodígio maior é convencer o resto do organismo a não tratar o hospedado como um antagonista competidor e, mais incrível ainda, acolhê-lo organicamente. Repartir nutrientes, desconjuntar a anatomia para abrir espaço e atrelar sua programação sistêmica para servir por nove meses é transcendente. Daí, com certeza, a hospitalidade feminina.

A propriedade do útero de alterar o  sistema imunológico para não tratar o novo corpo como um vírus afeta o alicerce básico da vida de autoproteção. Vírus deriva do latim “veneno”, coisa ruim, que é organicamente atrelado ao “outro”. A entrada de um material genético estranho inicia uma batalha para que o outro não se aposse do corpo e o próprio estado de doença é uma metáfora de que nos tornamos um outro a nós mesmos. Seja qual for o hormônio ou enzima capaz de catalisar esse processo uterino, estamos necessitando, urgentemente, que seja sintetizado e aplicado à sociedade.

O processo eleitoral, refletindo a tendência mundial, instaurou uma hipersensibilidade a qualquer dissensão ou diferença, tratando-as como uma ameaça de um outro antagônico. O outro para além de violento se tornou virulento ‒ um outro desejoso e capaz de nos despersonalizar e exterminar. Precisamos de líderes mulheres, de participação feminina em todas as áreas da vida e da sociedade para que o elixir uterino possa irrigar e orvalhar os nossos tempos. Por trás das políticas e das insustentabilidades, estão o alongamento e a indiferença ao útero. Único órgão capaz de nos tirar do ensimesmado e dar espaço ao outro e ao futuro.

NILTON BONDER  – É rabino, escritor, dramaturgo e acadêmico da ACL

ESTAR BEM

CONHEÇA OS BENEFÍCIOS DA AVEIA PARA SUA SAÚDE

De origem asiática, superalimento ajuda a regular o funcionamento do intestino e aumentar a sensação de saciedade. O cereal não contém glúten em sua composição e pode ser ingrediente de várias receitas

A alimentação saudável e a prática de atividade física, juntamente com um bom descanso, soma-se à lista de bons hábitos para quem deseja seguir um estilo de vida consciente em seu dia a dia e para quem necessita de mudanças por razões de saúde. A lista de opções de alimentos naturais que estão disponíveis para uso em receitas simples e rápidas e os benefícios que esse tipo de ingestão traz para o corpo a médio e longo prazo são imensas.

Desse enorme universo de alternativas culinárias, existe um produto considerado essencial. Trata-se da aveia, um cereal bem completo devido aos seus componentes e propriedades que se caracteriza por não conter glúten.

Silvina Tasat, nutricionista e membro da Sociedade Argentina de Nutrição, explica que sua principal característica é ser um grão integral que mantém suas três partes intactas e também sua composição nutricional.

“O floco é dividido em: endosperma, onde se encontram os carboidratos conhecidos    como beta- glucano; germe, onde crescem e se localizam as gorduras poli-insaturadas, óleos, antioxidantes, vitaminas dos grupos E e B e zinco; e farelo, que corresponde ao exterior e contém fibras prebióticas”, comenta a nutricionista.

Ela explica que a particularidade dessas fibras é que são solúveis, ou seja, que o organismo consegue absorvê-las e digeri-las facilmente.

Diante dessas infinitas qualidades que posicionam a aveia como um superalimento de grande valor nutricional, uma publicação da Universidade de Harvard em sua revista Harvard Health Publishing menciona que os principais benefícios têm a ver com seu impacto no sistema gastrointestinal, pois as fibras regulam o sistema digestivo e dão saciedade.

“Sua função mais importante é estabilizar a saúde do cólon e do intestino porque permite que os carboidratos sejam digeridos lentamente. Por sua vez, seus componentes ajudam a regular a glicose e o colesterol no sangue e, como é um alimento que sacia e tira a sensação de fome, a pessoa não tem necessidade de continuar comendo”, explica Tasat.

COMO CONSUMIR

É possível encontrar o alimento em diferentes formatos e com diversas utilizações: por um lado, a aveia tradicional, que necessita ser cozida, e por outro, a aveia instantânea, que possui grãos maiores que já vêm com um processo de pré-cozimento. Aveia e farelo de aveia são usados em produtos de panificação.

Por sua vez, Tasat recomenda comer uma porção diária entre 20 e 30 gramas da maneira que cada um preferir.

“Pode ser usado em pudins, em panquecas e até mesmo junto com frutas”, destaca a profissional.

A aveia vem de uma planta da família das gramíneas e sua história é um tanto desconhecida e incerta. Estima-se que corresponda a uma cultura muito antiga e que tenha origem na zona da Ásia Central. Na época, foi apelidada de “erva daninha ruim”, pois seu consumo era desaprovado, pois nasceu como uma variante do trigo e da cevada. No entanto, ao longo dos anos, desembarcou na Europa e foi o principal alimento na Irlanda e na Escócia.

Ao incorporar este cereal na dieta, deve-se levar em conta uma série de cuidados. A nutricionista esclarece que, embora seja um alimento isento de glúten, durante o processo de industrialização, pode apresentar risco de contaminação cruzada. Portanto, não é seguro para todos os celíacos ou intolerantes trigo, aveia, cevada e centeio.

“Em alguns países europeus, foi adotada uma modalidade para que todos possam usufruir: há campos certificados apenas para o seu cultivo. Dessa forma, o consumidor fica tranquilo que isso não afetará sua saúde”, afirma a nutricionista.

Por outro lado, explica que para além de ser um produto saudável e biológico, deve ser consumido no contexto de uma alimentação saudável e equilibrada, “onde se incorpora a maior quantidade de minerais, vitaminas e nutrientes”. A especialista conclui que degustar um alimento saudável e depois uma dieta rica em ultraprocessados não vai garantir benefícios ao organismo.

A PSIQUE E AS PSICOLOGIAS

NOVOS DELÍRIOS

Jovens buscam drogas sintéticas na euforia do fim do isolamento

Não há dúvida de que os jovens penaram muito durante a pandemia. Meninos e meninas em pleno vigor físico e mental tiveram que aprender rapidamente a guardar e remoer sentimentos e angústias com a suspensão de suas vidas fora de casa. Quando finalmente as regras de saúde contra o coronavírus foram flexibilizadas, eles acreditaram então que reencontrariam a sensação de liberdade e a vontade de ser quem eles queriam ser, sem amarras. Mas ninguém saiu desse período de enclausuramento da mesma forma que entrou.

Parte deles passou a recorrer a substâncias ilegais na tentativa de fugir da realidade que se apresentava e tentar aproveitar o momento ao lado dos amigos sem se preocupar com os problemas do mundo real. Nesse cenário, novas drogas se encaixaram perigosamente pelos efeitos proporcionados (alucinógeno e estimulante) e local de consumo (baladas).

Essa nova geração de substâncias inclui os compostos sintéticos poppers, cocaína rosa e K2, que já começam a provocar estragos na nova geração, dizem especialistas. São inúmeros os relatos de usuários na internet. Inaláveis, os poppers, por exemplo, dão um prazer aos usuários descrito como “indescritível”. Entre os principais efeitos estão a desinibição, aumento da libido, crescimento do prazer sexual, euforia, e relaxamento muscular. A substância age em segundos, e funciona como uma névoa, fazendo a pessoa esquecer dos problemas da vida real.

Essa droga era prescrita pelos médicos na década de 1860 como medicamento para tratar angina, dor no peito causada pela diminuição do fluxo de sangue no coração. Era vendida em cápsulas, que deveriam ser quebradas – ou “popped”, por isso a origem do nome da droga – para o paciente inalar o conteúdo e, então, obter o alívio da dor.

Entretanto, pode ser viciante e ter consequências nocivas, como queda súbita da pressão sanguínea, tontura, elevação da frequência cardíaca, e até riscos mais graves, como pressão nos olhos, deflagrando para o glaucoma – a substância faz os vasos sanguíneos do corpo se alargarem. Além de reações respiratórias mais severas, como sinusite e chiados no peito.

VERSÕES SINTÉTICAS

A droga chamada K2 (ou maconha sintética) é a que mais cresce entre os jovens. Fabricada em laboratório em forma líquida, foi desenvolvida para simular os efeitos da droga orgânica, mas age de forma muito mais intensa no organismo. Ela atua no mesmo receptor que o THC (tetrahidrocanabinol) – responsável pelo efeito da erva – e proporciona uma onda mais imprevisível.

A K2 é liquida e sem cheiro, e costuma ser vendida borrifada em material vegetal seco, como flores ou orégano. O usuário fuma esses “temperinhos” apertados como um baseado ou em versão líquida, nos cigarros eletrônicos. Segundo a Secretaria de Administração Penitenciária de São Paulo, o aumento de apreensões da droga foi de quase 2.000% desde 2018. Já a cocaína rosa, também chamada de “erox”, em alusão a Eros, o deus grego do amor, tem forte efeito afrodisíaco. Com elevado custo de produção em laboratório, é praticamente restrita a usuários com alto poder aquisitivo. No fim do ano passado, houve uma grande apreensão dessa droga em Brasília, pela polícia civil do Distrito Federal.

“O que esses compostos têm em comum é serem estimulantes e amplificarem a realidade. Eles atraem jovens angustiados pela pressão de estudar e produzir mais. Isso os deixa ansiosos e depressivos. E a pandemia não ajudou em nada esse cenário. Atualmente, procuram cada vez mais algo para se sentirem anestesiados, ou uma fuga da realidade e do sofrimento. Eles precisam ter uma sensação positiva da vida, e só conseguem através dessas substâncias”, explica a psiquiatra Camila Magalhães, fundadora do centro Caliandra Saúde Mental.

A psiquiatra afirma ainda que grande parte dos efeitos nocivos da K2 e suas variações são desconhecidos.

“Muitas das ações da droga ainda são imprevisíveis. Para se ter uma ideia, os traficantes proíbem que os usuários consumam a substância nos pontos onde ela é vendida por causa disso”, afirma a médica.

Entre essas novas substâncias, há uma avassaladora. Com o nome de krokodil, a droga injetável é um dos entorpecentes mais perigosos do mundo. Ela começou a ser produzida clandestinamente na Rússia por volta dos anos 1990. Tendo como base a desomorfina, um derivado da morfina, pode causar insônia, depressão, ataques de pânico e pensamentos suicidas. O estrago não para por aí. Na região da aplicação, a pele costuma ficar com uma coloração escura e escamas, como a de um crocodilo – daí seu nome. Estima-se que ela tenha chegado ao Brasil nos últimos cinco anos.

FELICISSES

UM POUCO SOBRE LIVROS, FILMES, SÉRIES E ASSUNTOS ALEATÓRIOS

kampungmanisku

menjelajah dunia seni tanpa meninggalkan sains

Blog O Cristão Pentecostal

"Tão certo como eu vivo, diz o Senhor Deus, não tenho prazer na morte do ímpio, mas em que o ímpio se converta do seu caminho e viva. Convertam-se! Convertam-se dos seus maus caminhos!" Ezequiel 33:11b

Agayana

Tek ve Yek

Envision Eden

All Things Are Possible Within The Light Of Love

4000 Wu Otto

Drink the fuel!

Ms. C. Loves

If music be the food of love, play on✨

troca de óleo automotivo do mané

Venda e prestação de serviço automotivo

darkblack78

Siyah neden gökkuşağında olmak istesin ki gece tamamıyla ona aittken 💫

Babysitting all right

Serviço babysitting todos os dias, também serviços com outras componentes educacionais complementares em diversas disciplinas.

Bella Jane

Beleza & saúde Bella jane

M.A aka Hellion's BookNook

Interviews, reviews, marketing for writers and artists across the globe

Gaveta de notas

Guardando idéias, pensamentos e opiniões...