OUTROS OLHARES

MULHERES COM DEFICIÊNCIA FALAM DE RELAÇÕES NAS REDES

influenciadoras querem discutir sexualidade, sensualidade e autoestima

A percepção de que mulheres com deficiência ficam à margem quando o assunto gira em torno de sexualidade, sensualidade, direitos reprodutivos, autoestima e relacionamentos vem mudando com o crescente movimento de influenciadoras digitais e ativistas que reivindicam seu lugar de fala e abordam esses temas. O grupo representa 26,5% da população feminina brasileira, segundo o Censo do IBGE de 2010.

A criadora de conteúdo, modelo e fotógrafa Maria Paula Vieira, 29, conta que demorou para entender o olhar da sociedade. “Na infância não sabia o que era o capacitismo, conceito recente. Tinha 14 anos quando ouvia falar em que eu era uma cruz para a minha mãe. Então, muitas vezes estamos bem com quem somos, mas o olhar de curiosidade, de preconceito, começa a minar a nossa autoestima.”

Vieira tem uma doença genética, nunca diagnosticada, desde os 3 anos, que dificulta seus movimentos. “A adolescência é uma fase de descobertas, de questões de relacionamento, mas eu não era chamada para ir ao cinema, não recebia cartinhas dos garotos.”

Com os anos, ela diz que começou a sair mais de casa. “É um processo constante, mas não é linear. Se acolher, se olhar com carinho.”

Segundo Vieira, muitas vezes o parceiro de uma mulher com deficiência é considerado um herói simplesmente por ter assumido a relação publicamente.

“Estava em uma festa, com um ex-namorado, e uma mulher chegou a quase chorar na nossa frente. E isso é algo comum até hoje, elogios como se meu parceiro fosse sempre um herói por estar comigo.”

Carolini Constantino, assistente social e fundadora do coletivo feminista Helen Keller, diz que muitas vezes a mulher com deficiência é vítima de dupla pressão: machismo e capacitismo.

“A mulher com deficiência não é vista como mulher, como alguém que pode cuidar da casa, dos filhos. Se sou cadeirante, olham para mim e pensam que não sou capaz de engravidar”, diz Constantino, que foi pesquisadora do Núcleo de Estudos sobre Deficiência da UFSC (Universidade Federal de Santa Catarina). “Eu tenho AME [Atrofia Muscular Espinhal] e uso cadeira de rodas desde criança, carregava uma culpa, mas estudando o assunto entendo que sou atraente, sou bonita também.”

Zannandra Fernandez, 20, é estudante de relações internacionais e diz que, há dois anos, começou a produzir conteúdo na internet, abordando temas como maquiagem sob a perspectiva de uma pessoa com deficiência ou roupas acessíveis. Ela tem planos de se mudar de Cuiabá para São Paulo no próximo ano. “Por isso, comecei a morar sozinha para que a mudança não seja tão difícil.”

Sobre relacionamentos, ela diz que a insegurança, muitas vezes gerada pelo capacitismo, alimenta a sensação de que a mulher com deficiência vai acabar sozinha. “Não temos que nos submeter a qualquer tipo de relação. Há muito relacionamento abusivo e tóxico, não apenas amoroso. A pessoa com deficiência tem que aceitar tudo, senão é tida como ingrata, mal-agradecida.”

Fernandez diz que já aconteceu de a pessoa admitir que gostava dela, mas que tinha medo do que as outras pessoas podiam pensar. Também passou pela experiência de achar que ter um relacionamento às escondidas era normal, uma opção dela para preservar a vida pessoal. “Com o tempo você vai entendendo seus limites e não aceitando mais.”

A jornalista Ana Clara Moniz, 22, cria conteúdos desde os 18 e conta que fez sua primeira viagem sozinha recentemente para assistir ao Rock in Rio. Ela tem atrofia muscular espinhal que afeta músculos do corpo. “Nunca andei e isso nunca foi um problema. Sempre fui muito consciente de que faz parte de quem eu sou”, afirma ela, que mora com uma amiga.

Quanto a relacionamentos, Moniz diz que, em julho de 2021, falou publicamente que era uma mulher bissexual e assumiu um namoro com uma mulher, com quem ficou pouco mais de um ano. “Não se imagina que uma pessoa com deficiência possa ter atração.”

Ela afirma que, na escola, foi a última da turma a beijar. “Na adolescência, um menino falou que nunca ficaria comigo por eu ser uma pessoa com deficiência. Isso machuca muito a gente, gera traumas, insegurança e medo de enfrentar situações. Ainda falta informação à sociedade e precisamos enfrentar os desafios. Tive que me aceitar como mulher com deficiência, bissexual e me posicionar, entender as situações de preconceito.”

A fotógrafa Maria Paula Vieira chama a atenção para o fato de as mulheres com deficiência raramente estamparem revistas ou propagandas. “Não nos vemos nos locais, falta representatividade.”

Isso a levou a fotografar outras mulheres e a ter uma exposição no Metrô de São Paulo em 2020: “Mães Invisíveis”. “A mulher com deficiência passa por solidão. Se ver representada valida a nossa existência, mostrar belezas diversas, trabalhar a autoestima. Ouço muito delas que querem ser fotografadas por alguém que entendam essa autonomia e a acolham.”

Zannandra Fernandez concorda. “Quero me ver representada no lugares e não vou sossegar enquanto isso não acontecer. O grupo de pessoas com deficiência tem uma pluralidade muito singular, entender que você é única.”

Publicidade

Autor: Vocacionados

Sou evangélico, casado, presbítero, professor, palestrante, tenho 4 filhos sendo 02 homens (Rafael e Rodrigo) e 2 mulheres (Jéssica e Emanuelle), sou um profundo estudioso das escrituras e de tudo o que se relacione ao Criador.

Uma consideração sobre “OUTROS OLHARES”

Os comentários estão encerrados.

Blog O Cristão Pentecostal

"Tão certo como eu vivo, diz o Senhor Deus, não tenho prazer na morte do ímpio, mas em que o ímpio se converta do seu caminho e viva. Convertam-se! Convertam-se dos seus maus caminhos!" Ezequiel 33:11b

Agayana

Tek ve Yek

Envision Eden

When We Improve Ourselves, We Improve The World

4000 Wu Otto

Drink the fuel!

Ms. C. Loves

If music be the food of love, play on✨

troca de óleo automotivo do mané

Venda e prestação de serviço automotivo

darkblack78

Siyah neden gökkuşağında olmak istesin ki gece tamamıyla ona aittken 💫

Babysitting all right

Serviço babysitting todos os dias, também serviços com outras componentes educacionais complementares em diversas disciplinas.

M.A aka Hellion's BookNook

Interviews, reviews, marketing for writers and artists across the globe

Gaveta de notas

Guardando idéias, pensamentos e opiniões...

Isabela Lima Escreve.

Reflexões sobre psicoterapia e sobre a vida!

Roopkathaa

high on stories

La otra luna de Picasso

El arte es la esencia de la espiritualidad humana.

%d blogueiros gostam disto: