OUTROS OLHARES

PERFUMES ÍNTIMOS TRAZEM RISCOS PARA REGIÃO GENITAL

Para especialistas, produtos como o que leva assinatura de Anitta são ‘desnecessários’ e podem prejudicar flora bacteriana

O lançamento do perfume íntimo com chancela da cantora Anitta, nesta semana, provocou estrondo – e críticas – nas redes sociais. Criado pela farmacêutica Cimed, o Puzzy by Anitta chega com a promessa de mudar o aroma natural da região genital. Mas médicos ressaltam que alterar o equilíbrio de mucosas sensíveis do corpo tem seus riscos.

Especialistas ouvidos apontam que produtos do gênero são “desnecessários” e podem causar sensibilidade e reações prejudiciais. Ginecologista e especialista em reprodução assistida, Karina Tafner afirma que hoje existem muitos desodorantes, lubrificantes e hidratantes vaginais, mas que itens do gênero devem ser vistos com cuidado. Muitos deles alteram o pH da vulva, o que pode impedir o crescimento de bactérias saudáveis, úteis no combate a infecções.

“A sociedade construiu a genitália feminina como algo impuro, e essa comercialização de produtos de higiene é usada para atingir um ideal e arrumar esse “problema”. Nós temos cheiros, a vagina e o ânus também têm cheiro, o importante é manter essa região limpa para evitar esses odores. Ou seja, esses produtos são desnecessários desde que você mantenha uma higiene adequada”, explica a médica.

Tafner diz que, se o usuário optar pelo uso, ele precisa ter certeza de que o produto é feito para a área e não causará alergias ou irritações na região íntima. O conselho da ginecologista é procurar produtos com pH neutro, hipoalergênicos e usá-los raramente.

Ex-presidente da Sociedade Brasileira de Coloproctologia e professor da Faculdade de Medicina da USP, Fábio Guilherme Campos enxerga o uso de perfume para a região íntima como um “exagero”. Para ele, o produto, dependendo de sua composição, pode induzir reações alérgicas, além da predisposição a fungos.

“Várias perguntas surgem na minha cabeça com esse lançamento. Qual é a composição? Irrita? Posso usar todo dia ou há uma quantidade específica? Um perfume tem cheiro, corantes, substâncias que, em contato com regiões de extrema sensibilidade como é a área íntima, podem causar severos riscos à saúde. Não é necessário perfumar essa região. Ela não é suja ou tem odores normalmente, ela terá sujeira e cheiro característico se não houver higiene”, afirma Campos.

A produção do perfume está a cargo da Cimed, terceira maior indústria do ramo no país. Segundo comunicado, o Puzzy by Anitta foi “testado e passou por exames ginecológicos e dermatológicos” e tem aprovação da Anvisa. A companhia afirma que o produto foi “inspirado na rotina de Anitta, que já usava uma fragrância íntima desenvolvida por uma amiga”.

Sem detalhar sua composição, o comunicado diz que o perfume foi idealizado “de forma a garantir que o produto não cause ardência, já que a fórmula é 100% sem álcool e hipoalergênica, além de não conter parabenos”.

GESTÃO E CARREIRA

HERDEIROS VOLTAM AOS BANCOS DE ESCOLA

Principal desafio de negócios familiares, sucessão exige planejamento de longo prazo e preparação; de olho nesse nicho, banco criou curso que já formou 130 potenciais CEOs

A sucessão é uma “dor” comum nas empresas familiares. Ao perceber que esse processo de troca de comando entre as gerações era um tema que tirava o sono de algumas famílias, o banco de investimentos Citi lançou um curso focado na preparação de herdeiros, que chegou à sua quinta edição na última semana.

O treinamento começou a ser ministrado depois de um questionamento de um cliente que passava por um processo de sucessão e pediu uma formação voltada para esse desafio. Desde então, o curso já formou 130 herdeiros.

Os conteúdos são desenvolvidos com a Cambridge Family Enterprise Group, instituição especializada em sucessão. Já o Citi entra com as matérias relacionadas a assuntos financeiros, como mercado de capitais e tesouraria.

A necessidade de formação mais ampla dos sucessores, de acordo com Helena Rocha, sócia da consultoria e auditoria PwC, intensificou-se durante a pandemia de covid-19, em meio aos desafios enfrentados pelas empresas.

E a necessidade, aponta ela, é de conteúdos específicos, e não de educação formal, algo que esse público jovem já tem. “Entre esses jovens (herdeiros), 84% já possuem diplomas universitários e 32%, MBA ou doutorado, mas agora as empresas precisam de novas perspectivas, com ênfase maior nas pessoas e nos propósitos, e não só no crescimento do negócio”, diz Helena.

A especialista afirma que, embora os grandes negócios estejam olhando para o futuro, ainda existe uma barreira de comunicação entre as diferentes gerações. “O plano de sucessão é um dos eventos mais importantes e um momento único na vida de uma empresa familiar”, afirma a especialista.

OBJETIVOS

Os desafios das empresas familiares são grandes em todo o mundo, destaca o responsável pela área de Prática de Conselhos e Sucessão de CEOs da Egon Zehnder no Brasil, Luís Giolo, que vem ajudando empresas familiares neste processo.

“Ao contrário de corporações, que se concentram principalmente no aumento do valor para o acionista, as empresas familiares normalmente agem em nome de partes interessadas, com interesses múltiplos e potencialmente conflitantes”, afirma ele.

Por isso, uma estrutura forte de governança é a estratégia para garantir que a companhia não seja prejudicada ou até deixe de existir em meio a conflitos pessoais.

“As melhores empresas têm colocado um robusto processo de sucessão, com regras de governança claras, muitas vezes proibindo que outros familiares ocupem posições na empresa, de forma a encerrar o ciclo de liderança familiar no futuro”, ressalta Giolo.

CURSO PARA LIDERANÇAS DE NEGÓCIO FAMILIAR JÁ FORMOU TRÊS CEOS

Maior parte dos alunos tem entre 25 e 30 anos; 80% já têm alguma atuação no negócio que poderão vir a comandar

Entre os potenciais novos líderes de negócios familiares que passaram pelo curso ministrado pelo Citi desde 2017, a idade média é de 25 a 30 anos – o mais jovem tinha 19 anos. Cerca de 80% dos alunos já trabalham nos negócios que poderão vir a comandar, enquanto três estudantes já foram alçados ao cargo de CEO.

No curso deste ano, uma das participantes foi Julia Cavalca Knack, de 26 anos, uma das herdeiras do Grupo Cavalca, fundado por seu avô há mais de 70 anos. A holding nasceu como produtora de grãos, mas hoje tem também uma trading (de exportação e importação) e uma construtora. O negócio es- tá preparando a terceira geração da família para uma futura sucessão. A família colocou na mesa que tudo será feito de forma estruturada, com o auxílio de uma consultoria.

Formada em Comércio Exterior, Julia já atua como gerente financeira do grupo. “Entre as coisas que aprendemos foi a importância da preparação dos líderes de terceira, quarta, quinta geração. Esse seria um sonho de meu avô: perpetuar a empresa. E para isso é importante a preparação dos acionistas”, diz. Após o curso, ela pensa em buscar uma pós-graduação em mercado de capitais.

Colega de Julia no curso, Eloisa Guerra Nogarolli, 24 anos, escolheu uma área de formação distante da atividade da empresa da família, a varejista Cia. Sulamericana de Distribuição. Ela acaba de se formar em Psicologia. Depois do curso do banco americano, ela acredita estar mais preparada para falar de negócios com o pai e os tios, que comandam a empresa. “Meus pais nunca me pressionaram e me deram liberdade para fazer minhas escolhas. Mas, ao mesmo tempo, entendo que existe uma responsabilidade.”

De olho em participar do dia a dia da empresa, Eloisa identificou que precisa fazer um curso de Matemática. Ela ressalva que deverá equilibrar a carreira de psicóloga com o acompanhamento do negócio: “Se não fizer isso, sempre irei ficar com a pulga atrás da orelha.”

QUINTA GERAÇÃO

A Melhoramentos, negócio centenário do setor editorial e de produção de papel fundado em 1890, está partindo para a quinta geração. O negócio faz parte de um clube muito seleto: segundo a PwC, apenas 5% das empresas familiares chegam à quinta geração.

Na Melhoramentos, os primos Paula Weisglog e Marcello Willer, acabaram de assumir posições no conselho de administração. “A família está apenas nos conselhos – de administração, de acionistas ou da família”, diz Paula, que por duas décadas esteve ligada às pautas de sustentabilidade de empresas, mas não atuou na Melhoramentos.

Agora escolhida presidente do colegiado, ela tem colocado no topo das prioridades a pauta ESG (de iniciativas ambientais, sociais e de governança). “Para se perpetuar, a empresa tem de mudar, assim como a sociedade”, afirma Paula, ressaltando que o negócio tem de se alinhar com os propósitos da nova geração de líderes.

PASSO A PASSO

GOVERNANÇA ESTRUTURADA

Para que o processo tenha mais chance de êxito, especialistas lembram que a estrutura de governança corporativa da empresa precisa estar estruturada de forma a evitar que questões pessoais afetem seu dia a dia

PERFIS

Muitos negócios estão contratando consultorias para estudar o perfil da próxima geração que assumirá a empresa: algumas companhias optam por buscar executivos de mercado, deixando a família apenas no conselho, enquanto outras tentam unir as áreas de interesse de cada herdeiro a um departamento específico

COMUNICAÇÃO

As diferentes gerações precisam se comunicar para definir a melhor estratégia da empresa e conseguir promover a transição, com um sucessor aprovado por todos.

EU ACHO …

A MORTE NA VIDA DE CADA UM

Quem tem a chance de cursar uma faculdade pode escolher a profissão que bem entender. Psicólogo, engenheiro, jornalista, biólogo, sem falar na medicina e suas diversas especialidades. Pois uma coisa nunca entrou na minha cabeça: como alguém, diante de tantas alternativas, resolve se especializar em oncologia? O que faz alguém se sentir emocionalmente apto para tratar diretamente com a morte? O câncer já não é uma doença fatal, os medicamentos e a tecnologia conseguem reverter grande parte dos casos, mas, ainda assim, é uma espada sobre a cabeça de todos. A qualquer momento, qualquer pessoa, de qualquer idade e com qualquer hábito de vida, pode estar desenvolvendo um câncer em algum lugar do corpo, e isso é amedrontador. Esse inimigo oculto será enfrentado pelo oncologista, que ganhará a luta muitas vezes, perderá outras tantas, e que conviverá dia após dia com a aflição extrema de seus pacientes. Eu tinha certeza de que esses médicos deitavam-se à noite, exaustos, e se perguntavam por que diabos não optaram por ser oftalmo ou otorrinolaringologistas.

Passei a reconsiderar todas essas minhas especulações depois de ler Por um fio, do doutor Dráuzio Varella. O livro, que teria tudo para ser mórbido, é de uma delicadeza comovente. Não traz relatos de dor e desespero, e sim relatos de generosidade, de gratidão, de lembranças ternas do passado e até relatos de um humor surpreendente diante da iminência do fim.

Todos nós, se pudéssemos escolher, preferiríamos morrer dormindo ou num acidente rápido e indolor. Sair de cena subitamente, para não sofrer. Pois até isso o livro me fez questionar. Não havendo agonia física, a consciência de que iremos partir em breve pode ser um momento de reconciliação com os outros e consigo próprio, pode ser um momento de reflexão e despedida, pode ser um momento de perdão e de profundo conforto, pois nessa hora é que percebemos que nossa passagem pela terra não foi em vão, caso contrário, o que estaria fazendo esta gente toda no quarto do hospital, em volta do leito, contando piada e tentando lhe animar? Não há como não lembrar do filme Invasões bárbaras, que mostra o quanto é desestabilizante saber que se vai morrer num prazo curto de tempo, mas que mostra também que é uma grande oportunidade de preencher lacunas afetivas e fazer um inventário dos nossos ideais e emoções.

A morte nunca será uma situação fácil, mas não precisa necessariamente ser dramática. O livro de Dráuzio Varella, com elegância e sutileza, demonstra isto: se há tragédia, é na vida daqueles que não têm do que recordar, não têm de quem sentir saudades, que olham para trás e descobrem que não fizeram nada, que não foram importantes para ninguém. Essa aridez e precariedade é a verdadeira morte. Para os que souberam valorizar o que tinham em mãos, a morte apavora quando se apresenta, mas, aos poucos, os doentes tornam-se mais serenos, e menos onipotentes seus médicos. Segundo o doutor Dráuzio – e talvez por isso tantos escolham esta profissão -, a oncologia é uma lição permanente de humildade.

*** MARTHA MEDEIROS

ESTAR BEM

VEJA OS PIORES ALIMENTOS E BEBIDAS PARA OS DENTES

O critério dos especialistas é não só o risco de causar cárie, mas também a capacidade de desgastar o esmalte

Se você já ouviu falar que doces apodrecem seus dentes ou que o hábito de beber água gaseificada saborizada ou bebida alcoólica todo dia irá corroer o esmalte deles, pode estar se perguntando que outras comidas e bebidas podem estar prejudicando seu sorriso. Embora seja tecnicamente verdade que todos os alimentos e bebidas podem causar cárie – ou danos à superfície ou esmalte dos dentes – nem todos os estragos são iguais, e algumas pessoas são mais suscetíveis a esses ataques do que outras.

Ao avaliar o quanto uma refeição, lanche, sobremesa ou bebida é ruim para sua saúde bucal, há duas coisas principais a considerar, explica Apoena de Aguiar Ribeiro, odontopediatra e microbiologista da Universidade da Carolina do Norte, que estuda o microbioma oral e como isso afeta a cárie: sua composição e sua qualidade.

Dentro de nossas bocas vivem mais de 700 espécies de bactérias — algumas úteis, outras prejudiciais. As bactérias nocivas quebram os açúcares de alimentos e bebidas e os transformam em ácidos, que com o tempo podem extrair minerais essenciais dos dentes e causar cáries.

Se você não estiver atento à limpeza, as bactérias também podem formar uma película macia, ou placa, na superfície dos dentes, o que pode exacerbar a acidez e criar um ambiente ideal para que ainda mais microrganismos proliferem. Se a placa dentária crescer e endurecer o suficiente, ela pode se transformar em tártaro, o que também pode irritar as gengivas e causar gengivite.

ALIMENTOS E BEBIDAS

Alimentos açucarados — e em particular, aqueles compostos de sacarose, ou açúcar de mesa —são especialmente ruins para os dentes porque bactérias nocivas prosperam neles, segundo a especialista. Você geralmente vai encontrar sacarose em alimentos processados e bebidas açucaradas, como doces, bolos, concentrados de suco de frutas e refrigerantes.

Além disso, todos os alimentos que são pegajosos, gosmentos ou mascáveis — como gomas, frutas secas, xaropes e doces — ficam presos nos cantos e fendas dos dentes e nos espaços entre eles.

“Quando o excesso de açúcar permanece em seus dentes, bactérias nocivas podem armazená-lo em suas células, como uma despensa dentro delas, e continuar produzindo ácido por horas depois que a pessoa comer”, alerta Apoena.

Algumas frutas frescas, vegetais ou alimentos ricos em amido – como frutas cítricas, batatas, arroz e bananas – são muitas vezes consideradas ruins porque podem conter açúcares ou ácidos que são capazes de desgastar os dentes.

“Mas eles também contêm nutrientes que melhorarão sua saúde geral, o que, por sua vez, pode beneficiar seus dentes. Mesmo que sejam alimentos açucarados ou que tendem a ficar presos nos dentes, essa troca pode valer a pena”, afirma Dorota Kopycka-Kedzierawski, dentista do Centro Médico da Universidade de Rochester e pesquisadora de cariologia, o estudo de cáries.

Algumas bebidas, como refrigerantes açucarados, sucos de fruta, energéticos e milkshakes, também são infratoras pesadas. Eles lavam seus dentes em soluções pegajosas e açucaradas e são ácidas.

“Nossos dentes começam a quebrar quando o nível de ácido na boca caia baixo de um pH de 5,5, e os refrigerantes tendem a ter um efeito pH em torno de 3 a 4”, pontua Rocio Quinonez, professora de odontopediatria da Universidade da Carolina do Norte. Outras bebidas carbonatadas como água gaseificada saborizada e álcool também são ácidas. Assim como cafés e bebidas alcoólicas que são frequentemente consumidos com xaropes e misturas açucaradas.

LIMPEZA E CUIDADOS

Portanto, você deve estar atento não apenas à sua dieta, mas também aos seus hábitos de limpeza.

“Contanto que você escove os dentes duas vezes ao dia, uma de manhã e outra antes de dormir, e use fio dental todos os dias, os benefícios nutricionais desses alimentos superarão os riscos de danos dentários”, explica Dorota.

Existem algumas outras estratégias para manter sua saúde bucal sob controle. A principal é evitar petiscar e beber ao mesmo tempo. A saliva, que ajuda a eliminar as partículas de alimentos remanescentes, é uma das forças mais protetoras para os dentes. Remineraliza e fortalece o esmalte e, por conter bicarbonato, ajuda a neutralizar a acidez na boca.

“Mas toda vez que você come ou bebe, leva cerca de 20 a 30 minutos para a saliva atingir níveis protetores, então lanches ou bebidas frequentes podem causar desequilíbrio”, esclarece Quinonez.

Se você não abre mão daquela bebida açucarada, tente consumi-la com uma refeição, ou de uma só vez, em vez de bebericá-la ao longo de todo o dia.

“Beber água depois de qualquer comida ou bebida que você consumiu também pode ajudar a eliminar os açúcares”, sugere Quinonez.

Limite a ingestão de álcool. Pessoas que bebem muito devem ter cuidado, porque a bebida alcoólica pode inibir a salivação regular.

Além disso, esteja atento a certas condições ou efeitos colaterais de medicamentos, e busque alternativas para trocar suas bebidas açucaradas e lanches por substitutos sem açúcar, como aspartame ou álcoois de açúcar, que não são metabolizados por bactérias como os açúcares comuns, e, portanto, não contribuem para a cárie. Mas lembre-se de que os ácidos dos refrigerantes diet ainda causarão alguma desmineralização dos dentes.

Outras dicas comprovadas por estudos são: mastigar chiclete sem açúcar com xilitol três vezes por dia, beber chás preto e verde, pois contêm flúor e têm níveis de pH mais altos, e claro, fazer exames regulares.

A PSIQUE E AS PSICOLOGIAS

GUIA TRAZ DICAS PARA AJUDAR ADOLESCENTES QUE SE CORTAM

 Automutilação é uma forma encontrada pelos jovens para lidar com os sofrimentos emocionais

Comuns entre adolescentes, as automutilações preocupam pais e professores. Cortes na pele são uma forma encontrada pelos jovens para lidar com sofrimentos emocionais, mas inspiram cuidados. Para orientar as famílias e educadores sobre o problema, especialistas ligados à Universidade de São Paulo (USP) lançaram um guia com dicas: a mensagem principal é acolher com empatia os sentimentos dos jovens. A cartilha foi publicada por especialistas em Enfermagem Psiquiátrica da Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto da USP. O documento traz indicações de cuidado, abordagem e acolhimento. Entre os pontos de alerta está a relação das autolesões com as redes sociais. Segundo o guia, a internet expõe métodos e fotos de autolesão, causando um efeito de imitação ou de gatilho para aqueles que estão vulneráveis emocionalmente. “A situação nas redes é perigosa, pois pode colocar indivíduos que precisam de ajuda dentro daquele mesmo ambiente”, diz a professora da USP Kelly Graziani Giacchero Vedana.

Jovens ouvidos atribuem o comportamento de autolesão a vários fatores, mas dizem ver influência do que assistem na internet. “Achava que era só eu que fazia isso, e aí vi outras pessoas (nas redes sociais) e comecei a conversar com elas. Isso foi criando bola de neve e me influenciando mais”, conta a estudante Maria (nome fictício), de 24 anos, que se corta desde os 13. O ato de transformar o sofrimento mental em dor física é um comportamento chamado de autolesão e é mais comum na adolescência: 23,3% das ocorrências estão na faixa etária dos 15 aos 19 anos, segundo o Ministério da Saúde.

MOTIVAÇÃO

Entre os diferentes tipos de autolesão estão as atitudes de se cortar, queimar, bater a cabeça, coçar, socar objetos e impedir cicatrização de feridas. Aline Conceição da Silva, aluna de doutorado da USP que elaborou a cartilha durante a pesquisa na universidade, explica que o recurso é normalmente utilizado como um alívio, principalmente para aqueles que ainda estão entendendo suas emoções. “A adolescência é o momento em que há vários sentimentos que estes jovens ainda não sabem lidar.” Ela, que é especialista em prevenção da violência provocada, esclarece que o comportamento tem a intenção de comunicar um sofrimento, resolver um conflito ou até mesmo ser um meio para evitar o suicídio. Apesar de ser comum entre jovens, a autolesão pode acontecer em qualquer idade.

SINAIS Desregulações hormonais, desamparo, baixa autoestima, maus-tratos na infância abusos, negligências físicas e emocionais estão entre os fatores de risco para a automutilação. Transtornos mentais, instabilidades na família, falta de amigos, bullying, histórico de suicídio, sentimento de não-pertencimento, violência, vergonha e preconceito também têm influência. A estudante de Psicologia Clara (nome fictício), de 25 anos, conta que as brigas na família e a separação dos pais foram fatores para que começasse a se machucar aos 11 anos. “De alguma forma coloquei a culpa em mim

MITOS E VERDADES

MITO: Comportamento é para chamar a atenção.

VERDADE: A automutilação pode sinalizar sofrimento emocional e necessita de cuidado.

MITO: É típico da adolescência e passa com o tempo.

VERDADE: Comportamento tem repercussões físicas e emocionais potencialmente duradouras e necessita de acompanhamento profissional e de uma rede de apoio.

MITO: É preciso usar violência para deter a automutilação.

VERDADE: Punições e violência podem retroalimentar o sofrimento emocional, levando à intensificação das autolesões.

MITO: Geração anterior era mais madura e capaz de lidar com problemas.

VERDADE: Cada geração enfrenta contextos distintos; não fazer comparações é respeitar o sofrimento do outro.

MITO: A família é responsável pela ausência de educação e limite do adolescente.

VERDADE: As automutilações têm múltiplos fatores.

MITO: A automutilação é uma tentativa de suicídio que não deu certo

VERDADE: A autolesão não tem intencionalidade suicida, mas pode ocorrer concomitante- mente. É preciso avaliação de risco e acompanhamento profissional.

Blog O Cristão Pentecostal

"Tão certo como eu vivo, diz o Senhor Deus, não tenho prazer na morte do ímpio, mas em que o ímpio se converta do seu caminho e viva. Convertam-se! Convertam-se dos seus maus caminhos!" Ezequiel 33:11b

Agayana

Tek ve Yek

Envision Eden

When We Improve Ourselves, We Improve The World

4000 Wu Otto

Drink the fuel!

Ms. C. Loves

If music be the food of love, play on✨

troca de óleo automotivo do mané

Venda e prestação de serviço automotivo

darkblack78

Siyah neden gökkuşağında olmak istesin ki gece tamamıyla ona aittken 💫

Babysitting all right

Serviço babysitting todos os dias, também serviços com outras componentes educacionais complementares em diversas disciplinas.

M.A aka Hellion's BookNook

Interviews, reviews, marketing for writers and artists across the globe

Gaveta de notas

Guardando idéias, pensamentos e opiniões...

Isabela Lima Escreve.

Reflexões sobre psicoterapia e sobre a vida!

Roopkathaa

high on stories

La otra luna de Picasso

El arte es la esencia de la espiritualidad humana.