EU ACHO …

MEDO DE INTIMIDADE

Intimidade não é sexo, não é dar beijo, abraço,  amasso. Essas são manifestações de carinho e de desejo que estabelecem um vínculo provisório – a evolução para a intimidade permanente dependerá de fatores bem mais profundos.

Tenho reparado que, quanto mais carente é a pessoa, mais ela evita intimidade, o que é contraditório. Se a pessoa sente falta de receber atenção e mimos, por que ela faz de conta que se basta? Não preciso ir longe ao encontro da resposta: olho para trás e vejo que eu mesma fui uma adolescente insegura e refratária a contatos físicos muito exagerados – preferia que gostassem de mim a certa distância. Estratégia de autoproteção: tinha medo que chegassem muito perto das minhas feridas da alma.

Qual o adolescente que não tem as suas, mesmo que fruto de alguma fantasia?

Até que um dia a gente se liberta dessas paranoias. Crescer, digo crescer de verdade, por dentro e por fora, de forma realmente amadurecida, implica assumir-se como um ser falível, mas que não se acovarda diante da vida. À medida que nos tornamos gentis conosco, passamos a enfrentar nossas carências em vez de mascará-las, e isso faz com que passemos a permitir que os outros se aproximem o suficiente para nos enxergarem como realmente somos, a fim de nos ajudarem no estimulante processo de autoconhecimento. Como é que vou me conhecer se não dou espaço para minhas fragilidades virem à tona? Como é que vou superar minhas dificuldades se não confrontá-las com as dificuldades dos outros? Como é que vou curar aquelas tais feridas da alma se não faço outra coisa a não ser disfarçá-las?

É através da intimidade que construímos relações sólidas de amor e de amizade, só que isso não se estabelece em encontros ocasionais – é preciso abrir-se e confiar. Não em qualquer estranho, obviamente, mas naqueles que reconhecemos como potenciais parceiros para a vida inteira. Sem temer ser abandonado. Não é fácil, eu sei. Intimidade é para os raçudos.

Temos vários parentes, temos amigos de longa data, temos parceiros conjugais, e mesmo com todo esse arsenal afetivo, é possível passarmos uma vida inteira sem estabelecer com eles laços de verdadeira intimidade, tudo porque nos sentimos mais confortáveis representando o papel de autossuficientes – uma couraça que evita que sejamos machucados.  Porém, já não será dolorido o suficiente viver assim tão isolado em seus sentimentos mais íntimos? Que coisa cansativa usar a solidão como um escudo perpétuo. O que parece defesa contra os outros é só uma tentativa de não enxergar que o verdadeiro inimigo está dentro de nós, nos impedindo de experimentar conexões elevadas e arrebatadoras que poderiam tornar nossa vida infinitamente mais plena.

*** MARTHA MEDEIROS

Autor: Vocacionados

Sou evangélico, casado, presbítero, professor, palestrante, tenho 4 filhos sendo 02 homens (Rafael e Rodrigo) e 2 mulheres (Jéssica e Emanuelle), sou um profundo estudioso das escrituras e de tudo o que se relacione ao Criador.

Uma consideração sobre “EU ACHO …”

Os comentários estão encerrados.

M.A

Interviews, reviews, marketing for writers and artists across the globe

Gaveta de notas

Guardando idéias, pensamentos e opiniões...

Isabela Lima Escreve.

Reflexões sobre psicoterapia e sobre a vida!

Roopkathaa

high on stories

Luna en mengua

Poesía, arte, literatura y música.

de tudo um pouco ❗❕❗😉👌

de tudo um pouco 😉👌

Painel do Grupo

Aqui um pouquinho de nossas realizações

Buds of Wisdom

Fall in Love with Grammar !

pretapoesia

Escreviver é isso: viver, escrever, viver novamente. Writing is just like this: live, write, live again.

danielecolleoni

Appunti, spunti e passioni in liberta'

Ode to Beauty

Discovering the World of Fine Art Nude Photography

白川君の独り言β

no sweat no victory

URBN Social

The Social Experience

RENOVADAS

Autoestima para mais de 50

Olivia2010kroth's Blog

Viva la Revolución Bolivariana

%d blogueiros gostam disto: