OUTROS OLHARES

AS SETE DOENÇAS MAIS BUSCADAS

De Covid-19 a influenza, burnout e Alzheimer: o impacto da pandemia nas pesquisas do brasileiro

Ao pesquisar o termo “dor de cabeça forte” na internet os resultados podem tanto tranquilizar (“nem sempre é sintoma de uma doença”) quanto aterrorizar (está listado entre os sinais de um derrame cerebral). Dificilmente o “Dr. Google”, como ficou conhecido esse tipo de procura nas variadas plataformas online, apresentará o diagnóstico exato e tampouco está qualificado para substituir o médico. Estudo da Universidade Edith Cowan, da Austrália, mostrou que as fontes online acertam o diagnóstico em um terço das vezes. Estar a par dos sintomas faz o paciente chegar ao consultório mais informado para debater com o profissional de saúde e seguir o tratamento prescrito pelo médico.

Entre as sete doenças mais procuradas nas redes sociais neste momento, está, naturalmente, a Covid-19. As consultas pela frase “é sintoma de Covid” vêm crescendo desde a primeira semana de dezembro de 2021 e estão em seu nível mais alto desde a semana de 27 de junho de 2021, quando a média diária de mortes girava em torno de estrondosos 1500 registros. A Influenza está no topo também, mas os clássicos, que nunca deixam de despertar muita atenção, corno infarto e Alzheimer, Burnout, distúrbio causado pela exaustão extrema relacionada ao trabalho, em outros tempos seria uma surpresa, mas o problema explodiu com a pandemia.

PRIMEIROS SINAIS

Trombose é outro exemplo. Até bem pouco tempo atrás, era mais associada a um problema de idosos ou a viagens aéreas com longo tempo de duração. Mas se tornou um efeito colateral comum entre os casos graves de coronavírus . A trombose é caracterizada pela formação de coágulos nas veias, muito comum nas pernas e ocasionalmente nos braços. O maior perigo associado é o descolamento do coágulo, que pode alcançar os vasos sanguíneos do pulmão e causar a embolia pulmonar ou até mesmo os vasos sanguíneos do cérebro, provocando uma embolia cerebral, um tipo de AVC isquêmico.

A detecção de sintomas como dor inchaço no local, vermelhidão e aumento de temperatura na região em que se formou o trombo é o primeiro passo para o tratamento. Ao apresentar estes sinais, o paciente deve procurar imediatamente um hospital. A trombose costuma aparecer em pessoas que passam muito tempo sem se mexer, que ficam por longos períodos sentadas, em pé ou deitadas.

“É importantíssimo o diagnóstico rápido, para a avaliação do tamanho do acometimento pelo trombo. Sabendo a dimensão do problema, pode-se introduzir a medicação para dissolver o coágulo e diminuir os riscos de embolias”, explica Paola Smanio, coordenadora de cardiologia do Grupo Fleury e especialista em Medicina Nuclear.

O infarto é uma das doenças mais importantes para ser detectada aos primeiros sinais. A ação rápida frente os sintomas iniciais salvam uma vida. A doença nunca perdeu o interesse nas redes sociais, mas, com a pandemia, ela aumentou ainda mais. O motivo foi que o crescimento da incidência de mortes por problemas cardiovasculares saltaram em até 132% nos últimos dois anos, para se ter uma ideia- o infarto está entre as mais frequentes.

Diz o cardiologista Daniel Setta, presidente do Departamento de Doença Coronária da Sociedade de Cardiologia do Estado do Rio de Janeiro (Socerj), que os protocolos médicos -para os casos de infarto evoluíram muito nos últimos anos, o que tem diminuído a letalidade do evento. No entanto, para que seja possível proporcionar os cuidados devidos ao paciente, é preciso que ele seja levado a uma emergência o quanto antes e, por isso, é preciso saber identificar os sintomas.

O infarto tem sintomas muito diversos –  nenhum deles menos importante. Dor no peito forte e prologada, sudorese, irradiação da dor para o braço ou queixo estão entre eles. Idosos e pacientes psiquiátricos podem ter sintomas atípicos do problema, sem reclamar de dor súbita no peito, podendo apresentar apenas quadros de enjoo ou desmaio.

Outro clássico na procura é a diabetes. A doença, porém, muitas vezes não dá sinais precoces. Perceber em si mesmo ou em outra pessoa sintomas como aumento da fome, da frequência urinária e de sede, associado à perda de peso e a fraquezas frequente são alguns dos sintomas da condição, que não demanda ida à uma emergência, mas que não deve ser subestimada.

No entanto, é possível diagnosticar (de forma fácil) a doença antes mesmo que os primeiros sinais apareçam. Através de  exames simples, é possível identificar se a glicemia está acima do recomendado.

“Até que se alcance essa condição clínica que induzirá o surgimento de sintomas pode ter se passado muitos anos, onde os níveis elevados de glicemia provocaram danos, eventualmente graves”, aleta o endocrinologista Antônio Carlos do Nascimento, membro da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (Sbem).

O estado de pré-diabetes não é uma sentença de desenvolver a doença, mas acende o alarme para a condição. Ele produz no corpo um estado metabólico que facilita a formação de placas arterioscleróticas (de gordura) nos vasos sanguíneos, aumentando as chances de evolução para infarto, AVC e para o comprometimento da árvore arterial de membros inferiores e em todo o universo vascular.

CRESCIMENTO DO ALZHEIMER

O interesse pelos sintomas do Alzheimer está associado não só a alta nos casos, mas estudos que mostram que os casos da doença irão crescer drasticamente. De acordo com a Organização Mundial da Saúde, estima-se que existam 35,6 milhões de pessoas com o problema no mundo(1,2 milhão no Brasil) e os números deverão dobrar até 2030. Uma das principais explicação é o aumento do tempo de vida.

Partindo para o campo da psicologia, a pandemia de Covid-19 escancarou uma síndrome descrita desde a década de 1970, mas que só ganhou notoriedade nos dias atuais: o burnout. O problema é caracterizado pelo esgotamento físico e emocional, muitas vezes atrelado a excesso de trabalho. Dor de cabeça, dificuldade de concentração e a sensação constante de fracasso são alguns sintomas da síndrome.

Há síndromes, no entanto, que costuma surgir ainda na infância, como o Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH), Pais de crianças agitadas ou que tenham dificuldade de aprendizado na escola costumam procurar saber os sintomas do transtorno para buscar o tratamento para os filhos.

“É uma síndrome mais comum em meninos e é considerado um distúrbio de neurodesenvolvimento, ou seja, condições neurológicas que aparecem na infância antes da idade escolar e prejudicam o desenvolvimento pessoal e acadêmico. Normalmente, as causas incluem fatores genéticos, bioquímicos e também comportamentais”, detalha Maria Rita Zoéga Soares, professora da Universidade Estadual de Londrina.

ALIMENTO DIÁRIO

GOTAS DE ALEGRIA PARA A ALMA

DIA 31 DE JANEIRO

AMANHÃ O SENHOR FARÁ  MARAVILHAS

Disse Josué ao povo: Santificai-vos, porque amanhã o Senhor fará maravilhas no meio de vós (Josué 3.5).

Israel estava na fronteira do rio Jordão. O grande dia da entrada na terra da promessa havia chegado. O sonho estava prestes a ser realizado. Antes de cruzar o Jordão, porém, Josué desafia o povo a fazer um exame de sua vida. A santidade é o caminho que pavimenta as maravilhas divinas. Duas verdades são destacadas no versículo em epígrafe. A primeira é que a santificação precede a intervenção divina. Deus opera maravilhas no meio de seu povo, mas antes disso o povo precisa acertar sua vida. Os vales precisam ser aterrados, os montes precisam ser nivelados, os caminhos tortos precisam ser endireitados e os escabrosos precisam ser aplainados. Se o pecado faz separação entre nós e Deus, a santificação abre portas para os milagres de Deus. A segunda verdade é que somente Deus pode fazer o extraordinário. Deus fez, faz e fará maravilhas na vida de seu povo. Ele é o mesmo Deus ontem, hoje e para sempre. A condição para que isso aconteça é santificar a nossa vida. Tanto o êxodo, a libertação do cativeiro, como a entrada na terra prometida foram obras de Deus. Na verdade, tudo provém de Deus. A nossa salvação é obra exclusiva de Deus. Ele a planejou, a executou e a consumará!

GESTÃO E CARREIRA

SEM MEDO DE DAR LIBERDADE

Um dos maiores segredos dos grandes líderes é que eles não têm medo de dar liberdade a seus liderados. Eles permitem a seus liderados que escolham os melhores caminhos desde que, é claro, não fujam do foco e apresentem os resultados previstos.

Essa liberdade demonstra a confiança do líder em seus liderados. E quando sentem confiança, seus colaboradores dão tudo o que sabem para fazer melhor aquilo que deles é esperado. Mas é preciso que sintam liberdade para fazer e segurança de que seu líder está acompanhando positivamente o trabalho dando espaço para a inovação e a criatividade.

Um trabalho não é uma prisão. Um emprego não é uma pena que deve ser cumprida. É possível trabalhar com alegria e satisfação. É possível ter um genuíno sentimento de missão e propósito no trabalho.

Para isso, é preciso que os líderes permitam que seus liderados experimentem, se desafiem, proponham, testem suas melhores ideias. Muitos chefes têm medo de dar liberdade e com isso deixam de utilizar todo o potencial que as pessoas com quem trabalham possuem. Quando as pessoas se sentem livres para criar, o trabalho acaba se tornando um verdadeiro prazer, e não um pesar.

Pesquisas mostram que a grande maioria dos empregados não se sente bem em seus empregos, não vê a hora de ir embora do local de trabalho. O interessante é que muitos se reúnem com seus próprios colegas de trabalho após deixarem a empresa. E aí conversam, brincam, dão ideias e, principalmente, falam mal da empresa e dos chefes.

Por que tem que ser assim? Por que o trabalho tem que ser tão chato? Por que não nos sentimos livres e responsáveis nas horas em que estamos trabalhando? Afinal, passamos as melhores horas do dia e os melhores anos da vida no trabalho. É preciso fazer do trabalho um motivo a mais para a nossa felicidade, realização e até alegria, e não um fardo e um peso a ser carregado.

Não tenha medo de dar liberdade. Pense nisso. Sucesso!

LUIZ MARINS  – é antropólogo, professor e consultor de empresas no Brasil e no exterior. tem 13 livros e mais de 300 vídeos e livros publicados.

www.marins.com.br

EU ACHO …

AH, OS ATEUS…

Eu uso a palavra ateu com muita resistência. Por vezes, é por falta de termo melhor ou possível. Em outras, adoto por preguiça: complicado explicar muitas coisas.

É definitivo: não gosto do termo e ele nunca me descreveu. Como muitos sabem, a origem grega do termo indica uma ausência: “sem Deus”. Dizer que sou ateu (sem Deus) é tão esclarecedor quanto dizer que não sou chinês, não sou mulher, não sou cabeludo e não sou jovem. Existe um essencialismo que define a crença como a condição universal e absoluta e quem não a tem deve ser ateu. O problema é que a palavra ateu fala do crente, não seu oposto.

Séculos de teocracias estimulam o comportamento de buscar um vazio em quem não tem o preenchimento que desejamos ou escolhemos. Fui feliz e infeliz como católico devoto de terço diário e estudos bíblicos. Sou feliz e infeliz hoje, sem rosário (mas ainda estudando a Bíblia). Minhas angústias, compartilhadas com Deus ou com meu terapeuta e amigos, continuam quase sempre as mesmas. Melhorei em alguns aspectos, mas devo isso mais à idade do que à crença.

Conheci, pela vida, religiosos de vida exemplar e ateus sem caráter. Vivi com o inverso repetidas vezes. Não associo bom comportamento ao imaginário de cada um. Stalin era ateu. Franco e Salazar foram católicos. Pinochet adorava uma missa. Mao Tsé-tung abominava igrejas e templos. Todos eram ditadores e defenderam mortes e torturas. Pensar que a fé (ou a ausência dela) define caráter se choca com a experiência geral da história e o saber individual em cada biografia.

Reflita, se tiver apreço pela palavra de Jesus, na belíssima parábola do Bom Samaritano (Lucas 10, 25-37). Não é a identidade religiosa que determina a caridade. Passaram pessoas de muita fé em Deus e ignoraram uma vítima de assalto. Passou um terceiro, alguém de que os judeus religiosos desconfiavam, um samaritano. Foi quem agiu. A caridade, condição para ser salvo no Juízo Final (Mateus 25), não pergunta sobre qual dízimo você pagou, ou qual tradução da Bíblia utilizou. A pergunta exclusiva do Mestre é sobre o que você fez para tornar o mundo melhor.

Quando alguém me diz que segue o candomblé, ou que é ateu ou católico, isso revela pouco ou nada sobre a ética. A carteirinha de filiação de cada um é um documento burocrático. Todos são humanos. A cor da camiseta do time é irrelevante. Basta saber se, de fato, se sente humano e tem compaixão por outras pessoas. Só isso. Tenho esperança nas mentes que se escondem sob hábitos. Gosto do caráter muito mais do que uma foto no documento.

*** LEANDRO KARNAL

ESTAR BEM

A HORA CERTA DE DORMIR

Estudo realizado no Reino Unido mostra que os riscos de ocorrência de infarto e de acidente vascular cerebral variam também de acordo com o horário escolhido para adormecer

Adormecer quando ainda não é noite alta está longe de ser uma questão de preferência individual. É algo biologicamente mandatório. Ao longo de sua evolução, o ser humano foi sendo talhado para sincronizar suas atividades diurnas e noturnas de acordo com o nascer e o pôr do sol. A alternância entre luz e escuridão a que o homem foi submetido durante centenas de milhares de anos resultou em um preciso sistema por meio do qual o organismo produz as substâncias certas, nas horas certas. O banho da luz matutina estimula a fabricação de hormônios que nos preparam para o dia, como o cortisol. A lenta redução da luminosidade ao cair da tarde é o sinal de que o cérebro precisa para determinar a liberação da melatonina, o composto que induz ao sono, e a gradativa desaceleração do metabolismo até a manhã seguinte, quando começa tudo de novo. Nessa engrenagem, nada é aleatório. Daí a importância de entender mais os mecanismos e benefícios dessa fina sintonia entre o compasso da natureza e a cadência do corpo humano nas 24 horas em que sol e lua se alternam no céu. Tecnicamente, o período se chama ciclo circadiano.

Ele tem tanta importância que os pesquisadores Jeffrey C. Hall, Michael Rosbash e Michael W. Young ganharam o prêmio Nobel de Medicina de 2017 por descobertas sobre o assunto. Agora, a demonstração mais recente de seu impacto sobre a saúde – e dos prejuízos que podem advir do desrespeito às suas regras – vem de um estudo da Universidade de Exeter, no Reino Unido, com mais de 88.000 pacientes. Pela primeira vez, uma pesquisa dessa dimensão mostrou que o risco de ocorrência de eventos cardiovasculares varia segundo a hora de dormir. De acordo com o trabalho, ir para a cama antes das 22 horas e depois da meia-noite aumenta em 24% e 25%, respectivamente, a probabilidade de episódios de acidente vascular cerebral e infarto. O período mais adequado é entre 22 e 23 horas, momento em que o risco de algum problema de coração chega a apenas 12%. Esses seriam os minutos noturnos nos quais funções do organismo voltadas ao bom funcionamento do sistema cardiovascular estariam sendo executadas em perfeita harmonia. O levantamento para chegar a essas marcas foi minucioso. O grupo inicial, que forneceu informações por meio de um questionário, era de 500.000 pessoas, das quais exatas 103.712 enviaram dados obtidos por um acelerômetro (aparelho que mede parâmetros manifestados durante o sono) usado durante sete noites. Com exclusões, algumas por informações incompletas ou de má qualidade e outras pela presença de doenças cardiovasculares ou insônia, chegou-se ao grupo de 88.000 pessoas avaliadas. Os dados foram coletados entre 2013 e 2015. Em seguida, deu-se o ajuste de fatores como idade, sexo, índice de massa corporal, duração do sono e condições que interferem na saúde, como diabetes, tabagismo, pressão arterial e níveis de colesterol.

À primeira vista, surpreende a constatação de que adormecer cedo, antes da 10 da noite, é praticamente tão ruim para o coração e o cérebro quanto iniciar o repouso depois da meia-noite. O senso comum é o de que dormir de madrugada não é lá muito natural e, por isso, pode ter efeito negativo sobre o organismo. Mas cerrar os olhos 8 e meia, 9 da noite é encarado como um hábito bacana, saudável. Por que, então, riscos semelhantes? A resposta está na falta de equilíbrio. Simples assim. O ritmo circadiano funciona como o maestro de uma orquestra. Da mesma forma que o regente é guiado pelo conjunto de sons vindos dos instrumentos ao seu redor e tem a sensibilidade de identificar qualquer nota fora do lugar, o relógio biológico é sensível às mudanças de luminosidade, por mais discretas que pareçam aos nossos olhos. Essa é a sua beleza e também sua fragilidade. Quando se dorme cedo demais, não se finalizam operações metabólicas que ainda deveriam estar em curso. No outro extremo, adormecer tarde impede que ciclos importantes ocorridos durante o sono se consolidem, como o processamento da memória, e impossibilita que aconteçam oscilações necessárias, entre elas a queda da pressão arterial e da liberação de insulina, hormônio que permite a entrada da glicose para dentro das células. Em conjunto, tanto as perturbações decorrentes do sono precoce quanto do tardio contribuem para o surgimento ou agravamento da chamada síndrome metabólica. Ela é caracterizada pela presença de cinco condições (obesidade visceral, hipertensão e glicemia, triglicerídeos e HDL colesterol acima dos limites) e está associada a um elevado risco para doenças cardiovasculares. “A confusão sobre o relógio biológico tem consequências adversas para essas enfermidades”, diz David Plans, coautor do estudo.

O alerta gerado pela pesquisa é oportuno. O excesso de exposição a estímulos luminosos, quase sempre a partir de aparelhos eletrônicos, tem hoje vulto assustador. “Tudo funciona 24 horas e ainda temos 20% da população trabalhando em turnos, quando a parte escura das 24 horas é o momento biológico de sono”, diz a neurologista Andrea Bacelar, presidente da Associação Brasileira do Sono. É preciso pontuar que a pesquisa sugere apenas riscos maiores ou menores de acordo com o horário de dormir. Não se pode esquecer que a qualidade do repouso também conta. “Ela é fundamental”, afirma Celso Amodeo, presidente da Sociedade Brasileira de Cardiologia. O segredo, portanto, está na combinação do respeito à fisiologia com uma boa dose de paz. Assim é que se dorme com os anjos.

A PSIQUE E AS PSICOLOGIAS

DE MENTE ABERTA

Um dos grandes tabus do mundo moderno, as doenças mentais estão deixando as sombras e sendo expostas como nunca –  e isso é saudável

Quando se afundava nas profundezas de suas sucessivas crises, o pintor Vincent van Gogh (1853-1890), dono das primorosas pinceladas nervosas que o fariam único, era tachado de louco. Em um dos célebres episódios de sua trajetória atormentada, ele decepou a orelha esquerda, um prenúncio do que viria meses mais tarde: um tiro no próprio peito, do qual morreria aos 37 anos. À luz do conhecimento acumulado desde então, o gênio holandês sofria de bipolaridade, depressão e síndrome de borderline, série de distúrbios potencializados pelo alcoolismo que o levou ao manicômio. Do longínquo século XIX para cá, o que era visto como expressão de insanidade ganhou, sob o impulso da ciência, nome, classificação e tratamento nos manuais da psiquiatria moderna. Mesmo assim, o assunto ficava trancafiado nos consultórios, envolto em sombra, um daqueles tabus difíceis de remexer. Pois cada vez mais gente vem deixando a vergonha e o medo de falar de seus transtornos, desencadeando-se daí um ciclo virtuoso. “Quando alguém se expõe, ajuda os outros ao mostrar que as vulnerabilidades são inerentes ao ser humano”, explica o psicólogo e psicanalista Lucio Costa.

A saída do armário, por assim dizer, das doenças psiquiátricas se reflete em indicadores que ajudam a dar a temperatura do comportamento em sociedade. Segundo um recente levantamento do Twitter, percebeu-se entre os brasileiros um aumento de 39% no volume de conversas sobre saúde mental nos últimos dois anos, uma subida considerável. Nunca se caçou tanta informação acerca dos males da cabeça quanto neste frenético 2021, de acordo com o Google. A pandemia, que impactou a saúde mental de porções relevantes da população mundial, pôs fermento no debate. “O confinamento sacudiu os alicerces e reforçou como nunca a necessidade de falar e cuidar da mente”, avalia Antônio Geraldo da Silva, presidente da Associação Brasileira de Psiquiatria.

O fato de celebridades procurarem a cada dia mais os holofotes para tratar de depressão, ansiedade e outros males contribui para que gente comum traga à luz suas dores e angústias nesse terreno árido. A cantora Adele rompeu o silêncio quando revelou ter enfrentado depressão pós-parto e a favoritíssima ginasta americana Simone Biles parou a Olimpíada de Tóquio ao anunciar que jogaria a toalha – acabou participando de apenas uma competição nos Jogos. “Temos de proteger nossa mente e nosso corpo, e não sair só fazendo o que o mundo quer que façamos”, declarou Biles, resoluta. Antes dela, o gigante das piscinas Michael Phelps já havia contado ao mundo que duela com uma depressão. Alista nacional abrange a atriz Bruna Marquezine, a cantora Luisa Sonza, a ex-estrela da novela Verdades Secretas Camila Queiroz e o sambista Zeca Pagodinho, que, agora com a depressão sob controle, chegou a revelar: “A pior parte era levantar da cama”.

Especialistas enxergam nas sociedades de hoje, mais refratárias ao preconceito, um ambiente favorável à exposição das diferenças. Nesse caldo, os sofredores dos males da cabeça se sentem menos tolhidos ao sair de seus esconderijos, ainda que esbarrem com alguma intolerância. Ela tem até nome: psicofobia. O chef paulista Jefferson Rueda, dono do restaurante Casa do Porco, eleito o 17º melhor do planeta no ranking World’s 50 Best, venceu a barreira do medo e decidiu contar que teve depressão e sintomas de burnout na pandemia, quando só conseguia pescar. A letargia o sugou e ele quis se manifestar: “Além da ajuda de um profissional, acho importante falar da doença”, diz Rueda. O apresentador Pedro Bial, que sucumbiu a uma depressão muito antes e já mergulhou em crises de ansiedade, relata: “No início, não saí alardeando aos quatro ventos, mas hoje defendo a importância de tratar abertamente o problema para naturalizá-lo”.

É verdade que muita gente dá de cara com a muralha do preconceito ao enveredar pela transparência, mas mesmo o mercado de trabalho, antes pouco atento à questão, começa a adotar práticas que miram o bem-estar físico e psicológico – especialmente agora, com os sacolejos pandêmicos. Em 2020, a Ambev criou uma diretoria de saúde mental, que inclui uma equipe de psiquiatria disponível 24 horas por dia. A empresa é uma das signatárias de um movimento encabeçado pela ONU no Brasil que justamente estimula a adoção de políticas em benefício da mente.” Pouco tempo atrás, o funcionário tinha pavor de ser demitido ao assumir seus problemas e ser visto como frágil, uma cultura que está mudando”, observa a consultora de recursos humanos Sofia Esteves. Um estudo global da consultoria Happiness Business School com a startup Reconnect revela que quatro em cada dez pessoas se sentem à vontade para abrir a caixa-preta das doenças mentais para seus chefes. “Nunca precisei esconder em meus trabalhos as questões mentais que enfrento desde a adolescência”, afirma a diretora de arte Luiza Oliveira, 23 anos, que discorre sem freios sobre suas crises de depressão e ansiedade. “Isso é muito mais natural na minha geração”, ressalta.

Abordados por grandes pensadores no curso da história, de Platão (428 a.C.-347 a.C.) a Freud (1856-1939), os transtornos da mente são tão antigos quanto a própria humanidade. Durante séculos, porém, os “esquisitos” eram alijados do convívio social. A identificação da doença e seu tratamento, à base de terapia e remédios, são fatores que estão ajudando a desmistificar as patologias psiquiátricas – um campo em franco avanço. Há cinquenta anos, havia trinta doenças catalogadas; agora são 99. A cultura manicomial, que perdurou no Brasil até o fim dos anos 1990, quando 80% dos recursos do governo direcionados para o escaninho da saúde mental iam para hospitais psiquiátricos, cede espaço a tratamentos bem mais humanizados. “A ciência aliada à evolução da sociedade está afastando a vergonha e aliviando as dores”, arremata a psicóloga Lídia Aratangy, da Universidade de São Paulo. De degrau em degrau, a lucidez impera.

GÊNIOS INCOMPREENDIDOS

À luz da ciência moderna, sabe-se hoje os males que os atormentavam

Blog O Cristão Pentecostal

"Tão certo como eu vivo, diz o Senhor Deus, não tenho prazer na morte do ímpio, mas em que o ímpio se converta do seu caminho e viva. Convertam-se! Convertam-se dos seus maus caminhos!" Ezequiel 33:11b

Agayana

Tek ve Yek

Envision Eden

All Things Are Possible Within The Light Of Love

4000 Wu Otto

Drink the fuel!

Ms. C. Loves

If music be the food of love, play on✨

troca de óleo automotivo do mané

Venda e prestação de serviço automotivo

darkblack78

Siyah neden gökkuşağında olmak istesin ki gece tamamıyla ona aittken 💫

Babysitting all right

Serviço babysitting todos os dias, também serviços com outras componentes educacionais complementares em diversas disciplinas.

M.A aka Hellion's BookNook

Interviews, reviews, marketing for writers and artists across the globe

Gaveta de notas

Guardando idéias, pensamentos e opiniões...

Isabela Lima Escreve.

Reflexões sobre psicoterapia e sobre a vida!

Roopkathaa

high on stories

La otra luna de Picasso

El arte es la esencia de la espiritualidad humana.