OUTROS OLHARES

FOFINHO, MAS NÃO SAUDÁVEL

Pesquisas revelam que durante a pandemia cresceu o total de crianças e adolescentes com excesso de peso. A situação já é considerada uma séria crise de saúde pública

Bebezinhos gorduchos são absolutamente irresistíveis. O problema é que a fofura não é nada bonitinha para a saúde da criançada. Ao contrário do senso comum, o excesso de peso desde muito cedo é prenúncio de saúde frágil ao longo da vida. E indicadores recentes não trazem boas notícias. A condição se agravou demais durante a pandemia. No início do mês, a revista científica The Lancet publicou um relatório do governo do Reino Unido mostrando que 2021 registrou o maior incremento da taxa de obesidade entre crianças e adolescentes desde a produção do primeiro levantamento, há quinze anos. Nos Estados Unidos, o Centro de Controle e Prevenção de Doenças relatou, em setembro, que o índice de massa corporal – indicador de classificação de peso adequado, sobrepeso, obesidade e obesidade mórbida – dobrou nos últimos dois anos na faixa de 2 a 19 anos. O crescimento mais expressivo se deu entre crianças de 6 a 11 anos. No Brasil, a falta de dados atualizados já é uma tradição, mas, a contar pela experiência de profissionais tarimbados, o fenômeno se repete. No consultório do pediatra e nutrólogo Mauro Fisberg registra-se, em média, aumento de 6 quilos nos pacientes de 5 a 12 anos. Fisberg está à frente do Centro de Excelência em Nutrição e Dificuldades Alimentares do Instituto Pensi, ligado ao Sabará Hospital Infantil, em São Paulo.

Na apresentação dos dados, o periódico The Lancet definiu assim a dimensão do problema: o que até agora era uma preocupação acaba de se tornar uma séria crise de saúde pública. Há duas principais razões para o alerta. O acúmulo de gordura está associado a maior risco para doenças cardiovasculares, as que mais matam no mundo, e a determinados tipos de câncer. Começar esse processo tão cedo só encurta o caminho rumo às enfermidades. Deve-se lembrar ainda que, em geral, a obesidade vem acompanhada de diabetes tipo 2, sedentarismo e alta concentração de gorduras nocivas, incrementando o conjunto perfeito de fatores de risco. Do ponto de vista de saúde pública, a escalada do aumento de peso entre os pequenos eleva hoje e aumentará no futuro os custos da saúde, questão central no debate sobre a sustentabilidade financeira dos sistemas de atendimento.

O crescimento do total de crianças fora do peso na pandemia tem origem conhecida. Os pequenos ficaram dentro de casa, sem espaço para gastar energia e com tempo de folga para os eletrônicos. Um estudo publicado em novembro no Jornal da Associação Médica Americana revelou que nesses dois anos o tempo médio dos adolescentes americanos em frente às telas passou de 3,8 horas por dia para 7,7. A qualidade da alimentação também piorou. Pizza, salgadinhos e doces integraram os cardápios conforme o isolamento em casa se prolongava. Em famílias privilegiadas, no início até se tentou outro caminho. “Houve um período de lua de mel nutricional para algumas famílias, que cozinharam e fizeram refeições juntas”, diz Fisberg. “Mas isso demorou pouco e elas foram em direção à praticidade”.

Pesquisas realizadas antes da pandemia já apontavam uma situação crítica. Em 2017, a análise de mais de quarenta anos de estudos sobre o tema rendeu a previsão de que se as tendências pós anos 2000 continuassem, em 2022 o mundo teria, pela primeira vez, mais crianças e adolescentes obesos do que com baixo peso. O levantamento, feito pelo Imperial College London e pela Organização Mundial da Saúde (OMS), tinha como cenário a tendência mundial de aumento da obesidade. O peso e a altura de quase 130 milhões de crianças, adolescentes e adultos foram avaliados. Resultado: as taxas de obesidade saltaram de menos de 1% em 1975 para 6% entre meninas e 8% entre os meninos em 2016. A OMS alertava sobre o fato de que o número de crianças de 5 a 19 anos no mundo com peso excessivo tinha aumentado mais de dez vezes, passando de 11 milhões em 1975 para 124 milhões em 2016. À época, Majid Ezzati, professor da Escola de Saúde Pública do Imperial College London e autor principal do estudo, apontou algumas causas para os resultados. “As tendências refletem o impacto do marketing e das políticas de alimentos. Opções saudáveis e nutritivas são muito caras para famílias pobres,” disse.

No Brasil, os estudos indicavam a mesma direção. O Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional, que reúne dados nacionais, mostrou, em 2019, que 7,9% das crianças menores de 2 anos estavam com sobrepeso ou obesidade. Entre adolescentes, o índice era de18%. Segundo o Estudo Nacional de Alimentação e Nutrição Infantil feito no mesmo ano, 80% das crianças brasileiras de até 5 anos consumiam alimentos ultraprocessados, como biscoitos, o que também podia ser observado entre bebês com menos de 2 anos. A Sociedade Brasileira de Pediatria relembrou uma previsão sombria da OMS. Em 2030, o Brasil pode ser o quinto país com o maior número de crianças e adolescentes obesos. Se nada for feito, a possibilidade de reverter a projeção é de somente 2%.

Mudanças de hábitos e políticas públicas consistentes não nascem de uni dia para o outro. Contudo, há tempo para agir. No Reino Unido, teve início no mês passado um programa para atendimento de crianças e adolescentes severamente obesos em clínicas especializadas do Sistema Nacional de Saúde. O serviço oferece de planos de dieta a tratamento para depressão e ansiedade, dois fatores de risco para o excesso de peso. O envolvimento da escola e das famílias somado a iniciativas da indústria para colocar no mercado produtos mais saudáveis ajuda também.

Além disso, coisas simples, como resgatar o básico na cozinha, a comida como faziam nossos avós, é outra saída. “É fundamental adotar preparações tradicionais, menos industrializadas”, orienta Daniela Neri, pesquisadora do Núcleo de Pesquisas Epidemiológicas em Nutrição e Saúde da Universidade de São Paulo. E, para conquistar o paladar dos pequenos, vale passear na feira, brincar no preparo das refeições, juntar a família à mesa. Comer direito pode ser divertido, e certamente levará a adultos mais saudáveis.

Autor: Vocacionados

Sou evangélico, casado, presbítero, professor, palestrante, tenho 4 filhos sendo 02 homens (Rafael e Rodrigo) e 2 mulheres (Jéssica e Emanuelle), sou um profundo estudioso das escrituras e de tudo o que se relacione ao Criador.

Uma consideração sobre “OUTROS OLHARES”

Os comentários estão encerrados.

Blog O Cristão Pentecostal

"Tão certo como eu vivo, diz o Senhor Deus, não tenho prazer na morte do ímpio, mas em que o ímpio se converta do seu caminho e viva. Convertam-se! Convertam-se dos seus maus caminhos!" Ezequiel 33:11b

Agayana

Tek ve Yek

Envision Eden

When We Improve Ourselves, We Improve The World

4000 Wu Otto

Drink the fuel!

Ms. C. Loves

If music be the food of love, play on✨

troca de óleo automotivo do mané

Venda e prestação de serviço automotivo

darkblack78

Siyah neden gökkuşağında olmak istesin ki gece tamamıyla ona aittken 💫

Babysitting all right

Serviço babysitting todos os dias, também serviços com outras componentes educacionais complementares em diversas disciplinas.

M.A aka Hellion's BookNook

Interviews, reviews, marketing for writers and artists across the globe

Gaveta de notas

Guardando idéias, pensamentos e opiniões...

Isabela Lima Escreve.

Reflexões sobre psicoterapia e sobre a vida!

Roopkathaa

high on stories

La otra luna de Picasso

El arte es la esencia de la espiritualidad humana.

%d blogueiros gostam disto: