OUTROS OLHARES

OUTRAS DORES DO PARTO

Vídeos com influencer põe em evidência violência obstétrica

Um vídeo do nascimento de Domênica, filha da influenciadora digital Shantal Verdelho, levou o Conselho Regional de Medicina de São Paulo (Cremesp) e os Hospitais São Luiz e Einstein a anunciar ontem que Investigam a postura do obstetra Renato Kalil. As imagens, que começaram a circular depois de Shantal ter enviado o vídeo a amigos, mostram Kalil xingando a paciente e insistindo com rudeza para que ela fizesse mais força no parto. Depois da disseminação, a influenciadora disse que “tem vídeo dele me rasgando com a mão”.

“Faz força, porra” é uma das frases ditas pelo ginecologista e obstetra no parto da influenciadora, que durou cerca de 48 horas.

Um áudio vazado tem outros palavrões atribuídos a Kalil, que também aparece criticando a forma como Shantal faz força. A influencer responde, na gravação: “Eu estou fazendo. Eu sou a maior interessada nisso”.

“Ele me xinga o trabalho de parlo inteiro. “Filha da mãe, ela não faz força direito. Viadinha. Que ódio. Não se mexe, porra'”. Depois que revi tudo, foi horrível”, comenta a influencer, que tem mais de 1,5 milhão de seguidores, no áudio.

Na mesma  gravação, Shantal conta que Kalil não teria gostado de sua recusa em realizar a episiotomia, procedimento cirúrgico no períneo para facilitar a passagem do bebê. E acrescenta que Kalil falou de sua vagina para terceiros, perante o marido.

“Tem o vídeo dele rasgando com a mão, a bebê não estava nem com a cabeça lá, não tinha a menor necessidade, era só para eu ficar toda arrebentada e ele falar “viu como precisava”, relata a influenciadora.

“Ele chamou meu marido e falou: “olha aqui, toda arrebentada. Vou ter que dar um monte de pontos na perereca dela”.

Em nota, Kalil disse que tem 36 anos de experiência e defendeu seu trabalho no nascimento de Domênica.

“O parto da sra. Shantal aconteceu sem qualquer intercorrência e foi elogiado por ela em suas redes sociais durante trinta dias após o parto”, afirma o comunicado,  que diz que o vídeo é “editado, com conteúdo retirado de contexto”.

“A integra do vídeo mostra que não há nenhuma irregularidade ou postura inapropriada durante o procedimento. Ataques à sua reputação serão objeto de providências jurídicas, com a análise do vídeo na íntegra”, diz a nota em nome do obstetra.

As investigações sobre Kalil são sigilosas, diz o Cremesp. O Hospital São Luíz, onde ocorreu o parto, informou que “reitera seu compromisso em coibir qualquer comportamento inadequado a prática médica”. O Einstein declarou que iniciou uma avaliação interna sobre a conduta do ginecologista. As duas instituições informaram    que não receberam reclamações oficiais.

A especialista Mariana Ferreira, da Rede Feminista de Ginecologistas e Obstetras, diz que viu várias condutas impróprias no vídeo: agressão verbal, puxo dirigido (pedir para a mulher fazer força) e expor a intimidade da paciente.

“O parto acontece naturalmente, independente do médico, não é correto pedir para a mulher fazer força além do possível. O machismo e violência com a qual o médico se refere  à influenciadora é abominável na medicina e em qualquer outra área”, critica.

Para a médica, nos partos em que há a necessidade de intervenção no canal do períneo, o correto é dar pontos necessários para conter sangramentos e a musculatura da área, sendo repudiado o famoso “ponto do marido”:

“Os partos em que há dilaceração devem ser reparados para evitar eventuais complicações e lesões musculares, mas nunca pensando no sentido de que a vagina precisa ficar mais apertada para satisfação sexual do companheiro.

Um estudo com 4,2 mil gestantes em Pelotas (RS), em 2015, mostrou que 18,3% sofreram ao menos um tipo de violência ao longo do trabalho de parto. A análise foi feita por pesquisadores da Universidade Federal de Pelotas e do Centro Latino-Americano de Perinatologia, ligado à Organização Pan-Americana da Saúde (Opas).

Outra análise de pesquisadores da Fiocruz, da Uerj e da Universidade Federal do Maranhã aponta que a falta de uma terminologia específica – nem sempre o termo violência obstétrica é ousada – somada à falta de definição do que constitui a irregularidade impedem políticas que previnam que mais mulheres sejam submetidas a agressões e situações vexatórias no parto.

“Essas mulheres procuram menos o serviço de saúde após o nascimento do bebê e   sofrem impacto na amamentação”, diz Tatiana Henriques, professora do departamento de Epidemiologia da Uerj.

Por não ser caracterizada como crime, a advogada Rachel Serodio, especialista em direitos da mulher explica que a violência obstétrica pode ser denunciada a partir de outras prescrições do Código Penal, como lesão corporal ou difamação:

“Todo tipo de agressão sofrido pela pessoa gestante durante o parto pode se enquadrar em algum crime.

Autor: Vocacionados

Sou evangélico, casado, presbítero, professor, palestrante, tenho 4 filhos sendo 02 homens (Rafael e Rodrigo) e 2 mulheres (Jéssica e Emanuelle), sou um profundo estudioso das escrituras e de tudo o que se relacione ao Criador.

Uma consideração sobre “OUTROS OLHARES”

Os comentários estão encerrados.

bencesizeuyarmi

'' Nature constantly imitates art .''

Tantra Mantra Specialist Astrologer solve your love problems

Tantra Mantra Specialist Astrologer Provide Love back, marriage solution, ex back and other all type of astrology Services

Güz Mavisi

Mesele Biraz Okumak

Monica e lo Scrapbooking

Trovate tutorial e suggerimenti per creare con le vostre mani. Tutto sullo Scrapbooking.

The Paltry Sum

Detroit Richards

VEYSEL ISSI

OKUYUNUZ

Printer Driver App

Download Printer Drivers & Software

ATFK

𝖠𝗇𝗈𝗍𝗁𝖾𝗋 𝖶𝗈𝗋𝖽𝖯𝗋𝖾𝗌𝗌.𝖼𝗈𝗆 𝗌𝗂𝗍𝖾.

Tauty World

Blog Blogging Story Magazine eBook Podcast

Alcançando Metas👉31984915576

Dinheiro ,vendas ,leis universais

Tiny Life

mostly photos

Onde Q tem?

Qual serviço ou produto está procurando?

Speranze Letterarie

Lettura racconti gratis - Free reading of novels

blog viaungarettidue

18-3-2022 ( testi e fotografie dell'autore)

ピロキャンナビ

知りたい事は、何ですか?

%d blogueiros gostam disto: