OUTROS OLHARES

FEMINISMO PLURAL

Mina mana mona, feira de arte, moda e gastronomia, reúne mulheres cis e trans no Rio

Ao olhar para a história da própria família, a artista visual Mayara Velozo puxou o fio de uma rede de matriarcas. Avós, tias e mães trabalhavam com roupas e costura, numa relação que se revelou um rico material de base para a sua produção artística “Uso o tecido como suporte para explorar a memória”, resume a moça, que combina tramas e panos para produzir parte de suas obras.

O histórico familiar reverbera também na maneira como Mayara enxerga o oficio. “Encaro a união entre mulheres como a possibilidade de criar o próprio nicho, enquanto o mercado ainda nos exclui”, afirma. Nada mais natural, portanto, que ela seja uma das 17 artistas participantes da Mina Mana Mona, que acontece no próximo domingo, a partir das 15h, na nova sede da associação Cultural Despina (@despina.rio), em Santa Teresa. Diretora artística do espaço, Consuelo Bassanesi descreve o evento como uma feira de artes, ativismos, publicações e roupas, mas reconhece que é também um posicionamento político, ao promover a união de mulheres de todas as identidades. “Nossos projetos sempre incluíram pessoas LGBTQIAP+”, diz. “Acreditamos que a história do ativismo feminista é construída juntamente com pessoas trans e não-binárias.”

Fundada em 2013, a Despina funcionava, até no ano passado, na Rua do Senado, onde abrigava exposições, residências artísticas e cineclubes. Agora, acaba de reabrir as portas no novo endereço, num imóvel compartilhado com o Espaço Mova, este voltado à dança. “Unimos forças para dar continuidade a projetos artísticos num momento em que tantos espaços foram fechados na cidade”, ressalta Consuelo, lembrando que a programação inclui bar e comidinhas veganas da Kuzinha NEM, projeto gastronômico da Casa Nem, voltada ao acolhimento da população LGBTIAP+.

Se o mote é agregar, Yuki Hayashi, que estará no evento com o coletivo de moda Fudida Silk, formado por travestis, afirma que a premissa cai como uma luva em tempos de ódio. “Sempre nos abraçamos e nunca houve um espaço de disputa entre nós (mulheres trans e cis). Se uma subir e a outra continuar numa situação vulnerável, não adianta.”

Autor: Vocacionados

Sou evangélico, casado, presbítero, professor, palestrante, tenho 4 filhos sendo 02 homens (Rafael e Rodrigo) e 2 mulheres (Jéssica e Emanuelle), sou um profundo estudioso das escrituras e de tudo o que se relacione ao Criador.

Abre Olho Raposa

A fonte de notícias que vai te manter informado

troca de óleo automotivo do mané

Venda e prestação de serviço automotivo

darkblack78

Siyah neden gökkuşağında olmak istesin ki gece tamamıyla ona aittken 💫

Babysitting all right

Serviço babysitting todos os dias, também serviços com outras componentes educacionais complementares em diversas disciplinas.

Maromba's

Marombas

M.A

Interviews, reviews, marketing for writers and artists across the globe

Gaveta de notas

Guardando idéias, pensamentos e opiniões...

Isabela Lima Escreve.

Reflexões sobre psicoterapia e sobre a vida!

Roopkathaa

high on stories

Luna en mengua

Poesía, arte, literatura y música.

de tudo um pouco ❗❕❗😉👌

de tudo um pouco 😉👌

Painel do Grupo

Aqui um pouquinho de nossas realizações

%d blogueiros gostam disto: