ESTAR BEM

MÃOS MÁGICAS

Ciência descobre como massagem é capaz de tratar inflamação muscular

Ninguém nega que a massagem ajuda a aliviar dores musculares causadas por exercícios, contusões e torções menores. Mas os benefícios da estimulação mecânica dos músculos proporcionada pela massagem vão bem além de apenas bem-estar, mostra uma pesquisa liderada por cientistas da Universidade de Harvard, nos EUA.

Num estudo publicado na revista cientifica Science Translational Medicine, eles propõem que, na dose certa a massagem pode ajudar a tratar uma série de lesões musculares, tanto decorrentes de acidentes, sobrecarga, torções ou mesmo coágulos sanguíneos. Ela realmente trata a inflamação muscular. A massagem ajuda a acelerar a recuperação muscular, dizem os cientistas americanos, porque contribui para remover células do sistema imunológico que podem atrapalhar processos regenerativos e prolongam a inflamação. São os neutrófilos, os primeiros soldados que o sistema imunológico envia para a batalha quando o corpo é agredido, seja por uma lesão ou pela invasão de um vírus ou bactéria.

Essas células agem depressa e liberam substâncias para atacar o problema. Mas isso gera inflamação e a dor e o desconforto que costumam acompanhá-la. Os neutrófilos são fundamentai, mas nem sempre têm noção de quando devem se retirar. O estímulo mecânico promovido pela massagem lhes envia a mensagem que é hora de tirar o time de campo e permitir que outras células entrem em ação.

DÚVIDAS ANTIGAS

Costuma se pensar que a massagem funciona porque melhora a circulação sanguínea e dispersa o acúmulo de substâncias tóxicas nos músculos. Porém, os mecanismos celulares ativados por essa estimulação eram pouco conhecidos, até hoje.

Foi então que a principal autora do estudo, a cientista sul-coreana Bo Ri Seo, que faz pós-doutorado em Harvard, resolveu investigar como de fato a massagem funciona e seus efeitos terapêuticos. Ela e seus colegas viram que sua ação é mais profunda e prolongada  do que se pensava.

Seoé especialista no uso de mecanoterapia, o que inclui a massagem, na regeneração dos músculos. Ela e seus colegas focaram nas células do sistema imunológico porque é sabido que desempenham papel fundamental na resposta muscular a lesões, ajudando, por exemplo, a evitar infecções. A pesquisa foi realizada com camundongos pelo óbvio motivo de que seria difícil e antiético encontrar voluntários para sofrer lesões cuidadosamente programadas e permitir que se observasse por meio de biópsias o que acontece à medida que a massagem é  aplicada.

No caso, os cientistas desenvolveram uma espécie de robozinho que massageava com precisão os músculos lesionados dos roedores.

“A pesquisa é interessante porque mostrou como funciona o que se sabe empiricamente”,  observa, ao comentar o estudo, o especialista em fisiologia dos músculos José Cesar Rosa Neto, do Laboratório de Imunometabolismo do Departamento de Biologia Celular e do Desenvolvimento do Instituto de Ciências Biomédicas da Universidade de São Paulo (USP).

Os cientistas de Harvard afirmam que a compressão aplicada pelo robô facilitou a remoção de neutrófilos, reduziu citocinas e quimiocinas (ambas produzidas pelo sistema imunológico) e melhorou a composição e a função das fibras musculares”. Eles afirmam que esses resultados mostram a viabilidade de desenvolver métodos de estimulação mecânica para acelerar a regeneração dos músculos.

Roso Neto explica que a maior dificuldade de empregar a massagem como terapia para uma gama maior de lesões musculares é manter um padrão de estimulação adequado a cada caso. A intensidade da estimulação, por exemplo, varia de um terapeuta para outro e não é uniforme, como no caso do robozinho usado pelos cientistas de Harvard para massagear seus camundongos.

O robozinho, na verdade, não é muito diferente dos aparelhos elétricos comuns de massagem. A diferença foi o padrão uniforme de estímulo mecânico. Os roedores foram tratados com mecanoterapia durante duas semanas, com duas sessões por dia. Depois desse período, foram extraídas amostras de tecido muscular. A análise destas indicou que os neutrófilos estavam sendo removidos mais depressa, na dose certa.

Seo explica que, de início, os neutrófilos ajudam as células musculares a crescer, mas se ficam muito tempo, acabam causando danos. Rosa Neto acrescenta que a massagem ajuda o corpo a receber a dose certa de inflamação. Se a fase inflamatória é eliminada, não há boa recuperação muscular. No caso das microlesões causadas pela musculação, o processo também é necessário para que aconteça hipertrofia.

‘DEFESA BURRA’

O ideal é que os neutrófilos fiquem de 24 horas a 48 horas, às vezes até 72horas, depois disso a inflamação tem que passar ou vira um problema. E os neutrófilos muitas vezes não sabem quando é a hora de partir. Eles são células mais primitivas, “não aprendem nada”. Chegam e apenas atacam.

“Nas minhas aulas digo aos alunos que os neutrófilos são uma defesa importante, mas burrinha. São trogloditas do sistema de defesa”, diz o cientista da USP.

Numa inflamação asséptica – que não foi provocada por invasão de patógenos,  como vírus e bactérias – como é o caso de muitas lesões musculares, o papel desses neutrófilos é mover a limpeza inicial.

Eles chegam, detectam o lixo deixado pela lesão, como restos de células, e chamam os macrófagos, células do sistema imunológico que engolem a sujeira. Quando entendem que está tudo limpo, recrutam um tipo especial de macrófago, que produz fatores de crescimento, para a regeneração do músculo.

“Eles precisam conferir a sujeira, convocar outras células e sair. Mas às vezes demoram mais tempo e prolongam a inflamação, pois continuam a enviar sinais químicos. E aí a pessoa passa a sofrer. Além disso, outras células não conseguem entrar em ação. Os estímulos da massagem funcionam como uma mensagem de que chegou a hora de partir”, explica Rosa Neto.

O estudo deixa claro que massagem de fato ajuda e que a porta está aberta para o desenvolvimento de métodos terapêuticos mais aperfeiçoados. Com o robozinho massagista, os cientistas abriram uma janela para compreender melhor os mecanismos complexos pelos quais o corpo se regenera. Para atletas amadores, massagem pode ser melhor do que suplemento e remédio, sugerem os cientistas. Mãos de fada realmente existem.

Autor: Vocacionados

Sou evangélico, casado, presbítero, professor, palestrante, tenho 4 filhos sendo 02 homens (Rafael e Rodrigo) e 2 mulheres (Jéssica e Emanuelle), sou um profundo estudioso das escrituras e de tudo o que se relacione ao Criador.

M.A

Interviews, reviews, marketing for writers and artists across the globe

Gaveta de notas

Guardando idéias, pensamentos e opiniões...

Isabela Lima Escreve.

Reflexões sobre psicoterapia e sobre a vida!

Roopkathaa

high on stories

Luna en mengua

Poesía, arte, literatura y música.

de tudo um pouco ❗❕❗😉👌

de tudo um pouco 😉👌

Painel do Grupo

Aqui um pouquinho de nossas realizações

Buds of Wisdom

Fall in Love with Grammar !

pretapoesia

Escreviver é isso: viver, escrever, viver novamente. Writing is just like this: live, write, live again.

danielecolleoni

Appunti, spunti e passioni in liberta'

Ode to Beauty

Discovering the World of Fine Art Nude Photography

白川君の独り言β

no sweat no victory

URBN Social

The Social Experience

RENOVADAS

Autoestima para mais de 50

Olivia2010kroth's Blog

Viva la Revolución Bolivariana

%d blogueiros gostam disto: