EU ACHO …

DECLÍNIO E QUEDA DO BANHEIRO MASCULINO

A diversidade sexual e o simples bom gosto impõem o fim do urinol

Apesar dos exageros, o “politicamente correto” melhora muitas coisas na vida cotidiana. Tenho total simpatia pelas inovações no campo dos banheiros públicos, por exemplo.

Coisa mais chata essa divisão entre banheiro masculino e feminino. Minha implicância é profunda e vem de  longe.

Não sei se isso acontece com as crianças de hoje em dia, mas no meu tempo eram comuns os sangramentos de nariz. Interrompe-se a aula: o menino é conduzido à enfermaria.  Não. Nem sempre o caso inspira tais alarmes.

Uma vez, a ajudante da professora achou que o banheiro feminino estava mais perto. Afinal eu precisava só de um algodãozinho. Entramos. Talvez fosse um lugar reservado apenas às mestras e funcionárias: que surpresa!

Sobre uma mesinha, via-se um vaso de flores. Tudo limpo, discreto, organizado, cheiroso.

Era outra situação do banheiro dos meninos — antiquíssimas baias, como banheiros verticais, perfilavam-se com cavidades mortíferas. A memória de muita urina antiga desenhava um mapa amarelo e preto, como uma América do Sul de cabeça para baixo, esvaindo-se num ralo férvido de fungos e miasmas.

Mais tarde, conheci os urinóis brancos, do ripo Marcel Duchamp, lembrando cuecões sem nada dentro.

Nada? Já vi naftalinas, bitucas de cigarro, chicletes, cubos de gelo, piscinas de xixi diluídas pelo entupimento …

Invenção lamentável e bizarra, pornográfica. Ninguém que eu saiba, instala um mictório desses na própria casa. Toda família civilizada  recorre à mesma privada, tranca-se a porta do lado de dentro, e nada mais há a ser dito.

Qual a razão do urinol? Passei boa parte da juventude evitando me aproximar desse receptáculo troglodita. Tinha vergonha. Pior: a vergonha era tanta que o xixi não saía.

Um amigo, tendente à observação intensa e silenciosa da nossa humildade foi certa vez repreendido num banheiro. Esperava a sua vez, atrás de um cidadão que já havia se postado, pernas em 45 graus, diante da louça indiferente. Talvez esse meu amigo tenha se aproximado demais da nuca do urinador desconhecido. Ficou olhando.

Ele se voltou, com cara de poucos amigos. “Se você ficar por perto, meu xixi não sai”. O que responder diante de confissão tão íntima? “Ah: disse apenas o meu amigo.

Meu caso era parecido. Mesmos sem nenhum curioso por perto , meu inconsciente (ou talvez meu superego) recusava-se à atividade tão pura, de micção.

Eu preferia entrar no cubículo da privada. Não é o mais certo? Não é o que fazemos em casa?

Verdade que, muito mais tarde, aprendi um segredinho que, como serviço ao leitor,  compartilho aqui. Para que o xixi saísse nessa situação envergonhante, bastava imaginar que tu eu estava urinando através do dedão do pé. Qualquer um dos dois, não importa.

Mas deixo de lado essa inconfidência para insistir na ideia inversa, a da reserva, da decência. Coisa mais feia, com efeito, essa parede de homens de pé, em colóquio solitário num mictório duro, bruto, fabril!

Claro que é a festa do machão. Ele chacoalha o chocalho como a menina de Angola do Chico. Findo o exercício, celebra o único momento em que lhe é permitido dar uma rebolada.

Nunca foi tão homem: reproduz, com seus iguais, o privilégio ancestral do pipi do papai bípede.

Para ele, o pudor já é sinal de feminilidade. Vestiários, chuveiros, espalhamento de toalhas, encravamento de unha, assoadas de nariz; esta a sua ecologia.

O Brasil é até melhor que outros países. A França é famosa pelos cercadinhos que, com objetividade naturalista, escode só a parte central do corpo urinador. Às vezes, uma portinhola dupla, como nos saloons do faroeste , é a única barreira de privacidade estabelecida pelo poder republicano.

Não; chega desses balangandódromos diluvianos. O banheiro unissex, ou neutro, é o mais racional e correto.

Problemas: alguns homens, com relação à privada, comportam-se como se estivessem no urinol. Há quem, falando ao mesmo tempo no celular, descuide da mira. Justifica-sae a recusa de uma mulher a entrar nesse “sanctum sanitarium” do estabanamento peniano.

E muitas mulheres, depois de tolerar maridos e namorados numa mesa de restaurante, podem desejar um espaço próprio para a conversa e a confidência.

Soluções arquitetônicas e sanitárias já vão surgindo, tenho certeza. Insisto apenas no essencial: o fim do banheiro machão, passo importante, a meu ver, para extinguir o próprio.

*** MARCELO COELHO – é mestre em sociologia pela USP.

Autor: Vocacionados

Sou evangélico, casado, presbítero, professor, palestrante, tenho 4 filhos sendo 02 homens (Rafael e Rodrigo) e 2 mulheres (Jéssica e Emanuelle), sou um profundo estudioso das escrituras e de tudo o que se relacione ao Criador.

M.A

Interviews, reviews, marketing for writers and artists across the globe

Gaveta de notas

Guardando idéias, pensamentos e opiniões...

Isabela Lima Escreve.

Reflexões sobre psicoterapia e sobre a vida!

Roopkathaa

high on stories

Luna en mengua

Poesía, arte, literatura y música.

de tudo um pouco ❗❕❗😉👌

de tudo um pouco 😉👌

Painel do Grupo

Aqui um pouquinho de nossas realizações

Buds of Wisdom

Fall in Love with Grammar !

pretapoesia

Escreviver é isso: viver, escrever, viver novamente. Writing is just like this: live, write, live again.

danielecolleoni

Appunti, spunti e passioni in liberta'

Ode to Beauty

Discovering the World of Fine Art Nude Photography

白川君の独り言β

no sweat no victory

URBN Social

The Social Experience

RENOVADAS

Autoestima para mais de 50

Olivia2010kroth's Blog

Viva la Revolución Bolivariana

%d blogueiros gostam disto: