A PSIQUE E AS PSICOLOGIAS

AMPLO ESPECTRO

Novos hábitos e ferramentas renovam visões sobre o autismo

Uma memória da infância da coordenadora de projetos sociais Laryssa Smith a fez determinar que a inclusão seria um ponto fundamental na criação do filho Pedro, de 8 anos, diagnosticado com autismo.

“Fui à casa de alguém conhecido e ouvi, de um quarto, uma criança que fazia barulhos diferentes. Os pais falaram que ela tinha uma deficiência”, explica. “Quando descobri o diagnóstico do meu filho, jurei pra mim que ele não seria mais uma criança escondida dentro de casa. Levando como mantra a ideia de que Pedro está inserido numa realidade partilhada por todos, e não em “seu, próprio mundinho”, – como é comum ouvir em relação às crianças que tenham o Transtorno do Espectro Autista (TEA) – , Laryssa compartilha o dia a dia do filho em uma página no Instagram. Por ali, o menino aparece fazendo terapia aquática, brincando com jogos eletrônicos ou simplesmente interagindo com a mãe.

Cenários como esse refletem o crescente conhecimento sobre o tema, graças, sobretudo, aos avanços científicos e sociais sobre o tema. E às tecnologias que vieram ao auxílio de pais e especialistas nos últimos anos.

O comportamento de Pedro, explica a mãe, é fruto de terapias e outras atividades de estímulo. Uma delas, para aprender a cantar, foi iniciada por meio de vídeos disponíveis na internet, que ensinaram à Laryssa como abordar o filho corretamente.

Há na atividade de Laryssa mais do que um simples registro da realidade e das trivialidades do dia a dia. Em sua página, e em outras semelhantes, os seguidores são muitas vezes mães e pais em situação parecida, reunidos para trocar experiência sobre os filhos que apresentam algum dos aspectos desse distúrbio do neurodesenvolvimento.

DIÁLOGO FRANCO

Essa ideia de conversar abertamente sobre o autismo dos filhos dentro e fora das redes é parte de um novo capítulo em relação à forma como se encara o transtorno dentro das famílias. Hoje, mães e pais se reúnem em fóruns on­line para falar sobre a rotina, partilhar dicas ou simplesmente apoiar-se em um dia difícil. A evolução de outra criança, dizem, é combustível para insistir nas terapias dos próprios filhos, buscando ajudá-los a desenvolver novas habilidades ou aprimorar as que eles já têm.

Os grupos e páginas on-line, embora ofereçam apoio emocional, não substituem o acompanhamento médico adequado. Fundamental para a evolução da criança, é importante dizer.

“Agora os avós sabem do que estamos falando, o que é (o autismo), e sabem o que fazer. Os tios também estão ligados. Antes, somente as mães buscavam por mais informações e os outros ficavam em negação”, diz a psicóloga e neurocientista Mayra Gaiato, fundadora do Instituto Singular, em São Paulo.

A identificação do transtorno em crianças, mesmo quando elas exibem características consideradas clássicas – não verbalizar palavras típicas da  idade, e ignorar o chamado dos pais e evitar contato visual – ainda é um desafio para as famílias. Isso porque não existe nenhum tipo de exame que emita um laudo oficial. É preciso observá-las em diversos aspectos, conhecer seus hábitos, compreender o que as incomoda.

MÃO DA TECNOLOGIA

Em paralelo aos avanços comportamentais e clínicos, há os tecnológicos. Um estudo recente, publicado na revista JAMA por pesquisadores da Austrália e do Reino Unido, mostrou que o início da terapia – mesmo antes do diagnóstico, preferencialmente feito a partir dos 18 meses de idade – levou à redução dos comportamentos do espectro autista na primeira infância.

As crianças avaliadas tinham entre 9 e 14 meses e mostravam indícios de que poderiam integrar o espectro, por conta de comportamentos iniciais. O grupo que não passou por terapia teve três vezes mais (21%) crianças diagnosticadas com autismo, por volta dos 3 anos, em comparação com os que fizeram as atividades (7%).

A tecnologia, aqui, surge para facilitar a conversa entre especialistas e a família do bebê. Após as orientações oferecidas em vídeo, pelo terapeuta, gravava-se a interação dos pais com os pequenos. Depois disso, os profissionais assistiam às sessões e podiam oferecer feedbacks.

“No estudo, são indicadas intervenções simples, como tentar observar como a criança brinca”, diz Polyana Lima, chefe da neuropediatria da Beneficência Portuguesa de São Paulo.

Outra ferramenta é o eye­tracking, que consegue identificar a atenção visual da criança. Uma das instituições onde o apetrecho está em estudos é o Instituto Pensi, ligado ao Hospital Sabará, em São Paulo.

“É uma câmera bem pequena que acoplamos a um monitor. Para crianças bem pequenas exibimos, por exemplo, uma bola e uma pessoa sorrindo. Geralmente, os autistas vão olhar mais para a bola”, explica Yasmine Martins, coordenadora científica do Instituto Pensi.

Outra inovação auxiliar ao diagnóstico foi aprovada em junho pela Food and Drug Administration (FDA), a agência reguladora dos Estados Unidos. O aplicativo Cognoa utiliza inteligência artificial e especialistas, em uma central remota, para analisar registros em vídeo.

Autor: Vocacionados

Sou evangélico, casado, presbítero, professor, palestrante, tenho 4 filhos sendo 02 homens (Rafael e Rodrigo) e 2 mulheres (Jéssica e Emanuelle), sou um profundo estudioso das escrituras e de tudo o que se relacione ao Criador.

M.A

Interviews, reviews, marketing for writers and artists across the globe

Gaveta de notas

Guardando idéias, pensamentos e opiniões...

Isabela Lima Escreve.

Reflexões sobre psicoterapia e sobre a vida!

Roopkathaa

high on stories

Luna en mengua

Poesía, arte, literatura y música.

de tudo um pouco ❗❕❗😉👌

de tudo um pouco 😉👌

Painel do Grupo

Aqui um pouquinho de nossas realizações

Buds of Wisdom

Fall in Love with Grammar !

pretapoesia

Escreviver é isso: viver, escrever, viver novamente. Writing is just like this: live, write, live again.

danielecolleoni

Appunti, spunti e passioni in liberta'

Ode to Beauty

Discovering the World of Fine Art Nude Photography

白川君の独り言β

no sweat no victory

URBN Social

The Social Experience

RENOVADAS

Autoestima para mais de 50

Olivia2010kroth's Blog

Viva la Revolución Bolivariana

%d blogueiros gostam disto: