OUTROS OLHARES

DE OLHOS BEM FECHADOS

Tendência que se originou na França e na Suíça, o jantar às cegas, que promete uma experiência sensorial de despertar os sentidos, ganha cada vez mais apreciadores no Brasil

Comemos com os olhos, diz o milenar aforismo. A visão tem o poder de provocar atração ou repulsa, reprimindo os demais sentidos. Crianças consumiriam mais verduras se elas fossem multicoloridas, e menos hambúrgueres se não fossem processados industrialmente. Aversões se impõem sobre a comida principalmente porque a maioria pode ver o que está no prato antes de colocar na boca. É por isso que existem aqueles que acreditam que algumas experiências precisam ser vividas às escuras – entre elas, participar de jantares imersos nas trevas e também no silêncio.

O conceito de jantar às cegas teria surgido em pontos alternativos de Paris no fim do século passado, mas o primeiro restaurante a fincar raízes foi o Blindekuh, em Zurique, na Suíça. Inaugurado em 1999 por um clérigo cego que buscava promover a inclusão de deficientes visuais, o Blindekuh prosperou e inspirou versões similares. A rede mais conhecida hoje é a Dans Le Noir, presente em cinco países da Europa, na Nova Zelândia e no Egito. O conceito não fez muito sucesso quando chegou a Nova York, mas, no Brasil, vai conquistando adeptos.

Em São Paulo, a chef Mariana Pelozio faz dois jantares por mês. No momento da reserva, os interessados precisam informar se têm alergia ou restrição a algum alimento. Passada essa etapa, a aventura sensorial começa. Ao adentrar o restaurante Duas Terezas, do qual Mariana é proprietária, o cliente é vendado e lhe é servida uma sequência de pratos, harmonizados com vinho se ele desejar. A todos os presentes é pedido que evitem comentar sobre o que estão comendo a fim de não atrapalhar os outros. Segundo Mariana, quem participa relata reminiscências da infância e descobre sabores que foram perdidos no tempo. “No final, quando revelamos o cardápio ao cliente, ele percebe que errou o conteúdo de quase tudo que consumiu”, explica a chef.

No Rio de Janeiro, a italiana Silvia Di Capucci promove festins similares, os quais ela chama de Jantar dos Sentidos, que não ocorrem em lugar fixo e podem ser feitos até mesmo em casa, para onde ela leva a experiência. Silvia é uma estudiosa do tema e, assim como a colega de São Paulo, busca criar um ambiente acolhedor para que as pessoas se dê em conta até do tilintar de talheres. “A visão define a comida. Sem ela, o cérebro precisa se recondicionar”, diz a chef. Conforme relatado, alguns clientes  chegam a se emocionar, pois a jornada na escuridão parece reconectá-los ao mundo, por meio da audição, do tato, do aroma e, principalmente, do paladar.

Autor: Vocacionados

Sou evangélico, casado, presbítero, professor, palestrante, tenho 4 filhos sendo 02 homens (Rafael e Rodrigo) e 2 mulheres (Jéssica e Emanuelle), sou um profundo estudioso das escrituras e de tudo o que se relacione ao Criador.

Blog O Cristão Pentecostal

"Tão certo como eu vivo, diz o Senhor Deus, não tenho prazer na morte do ímpio, mas em que o ímpio se converta do seu caminho e viva. Convertam-se! Convertam-se dos seus maus caminhos!" Ezequiel 33:11b

Agayana

Tek ve Yek

Envision Eden

All Things Are Possible Within The Light Of Love

4000 Wu Otto

Drink the fuel!

Ms. C. Loves

If music be the food of love, play on✨

troca de óleo automotivo do mané

Venda e prestação de serviço automotivo

darkblack78

Siyah neden gökkuşağında olmak istesin ki gece tamamıyla ona aittken 💫

Babysitting all right

Serviço babysitting todos os dias, também serviços com outras componentes educacionais complementares em diversas disciplinas.

M.A aka Hellion's BookNook

Interviews, reviews, marketing for writers and artists across the globe

Gaveta de notas

Guardando idéias, pensamentos e opiniões...

Isabela Lima Escreve.

Reflexões sobre psicoterapia e sobre a vida!

Roopkathaa

high on stories

La otra luna de Picasso

El arte es la esencia de la espiritualidad humana.

%d blogueiros gostam disto: