EU ACHO …

PAÍS MAL-ASSOMBRADO

Somos perseguidos pelos fantasmas que não foram devidamente enterrados

Nessa última semana, o Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul hasteou em sua sede a bandeira do Brasil Império, como símbolo de reconhecimento aos ideais libertários e de respeito à Constituição. Em 1822, marco da homenagem do órgão aos “ideais libertários”, a população negra era escravizada e seguiu sendo durante a grande parte do século 19.

No Facebook e no WhatsApp, uma corrente de fake News em curso há mais de ano “informa” as pessoas que dom Pedro 2º era um bravo líder que “por mais de 40 anos lutou contra poderosos fazendeiros pela abolição da escravatura”.

Quem quiser ver Pedro 2º na versão romântica, como um líder sensato, que respeitava a população negra no último país a abolir a escravidão na América, basta ver a novela das seis da maior emissora do Brasil.

Somos transportados a um outro país. É engraçado o que uma liberdade de roteirização pode fazer. Como diz um provérbio africano: “Até que os leões tenham seus próprios historiadores, a história da caça glorificará o caçador”. Pessoas negras não detêm concessões públicas, nem poderio econômico para criar suas novelas.

Como nos ensina Chimamanda Adichie em “O Perigo da História Única:” “É impossível   falar sobre única história sem falar sobre poder. Há uma palavra, uma palavra da tribo igbo, que eu lembro sempre que penso sobre as estruturas de poder do mundo – ‘nkali’ é um substantivo que se traduz: ‘Ser maior do que o outro’. Como nossos mundos econômico e político, histórias também são definidas pelo princípio do ‘nkali’. Como é contada, quem as conta, quando e quantos histórias são contadas, tudo realmente depende do poder”.

Como vivemos uma história única contada há décadas no país de “Escrava Isaura”, “Sinhá Moça”, “Terra Nostra” e tantas outras produções, os brancos no poder do regime escravista se tornam os mocinhos da história. Nem parece que vivemos no último país da América a abolir a escravidão. Nem parece que foi o mesmo país que massacrou populações negras quilombolas e indígenas, que manteve leis para “inglês ver”.

Seguindo com Chimamanda, “poder é a habilidade de não só contar a história de outra pessoa, mas de fazê-la a história definitiva daquela pessoa. O poeta palestino Mourid Barghouti escreve que se você quer destituir uma pessoa, o jeito mais simples é contar sua história e começar com ‘em segundo lugar’. Comece uma história com as flechas dos nativos americanos, e não com a chegada dos britânicos, e você tem uma história totalmente diferente. Comece a história com o fracasso do estado africano e não com a criação colonial do estado africano e você tem uma história diferente”.

Parece que foi em outro país que o Brasil imperial instituiu como política pública o incentivo da vinda de imigrantes europeus, como forma de branquear a população. Uma política formulada por teóricos do racismo científico, que acreditavam que a população negra era biologicamente inferior à branca.

Ao mesmo tempo, vemos intelectuais ressentidos com o protagonismo negro no debate público, em vez de aceitar que precisam estudar autores negros e abrir mão de falácias argumentativas para justificar seus racismos. O ostracismo deve doer a ponto de se abrir mão da honestidade intelectual para impor aquilo que se quer provar. Realmente a branquitude não se enxerga, pois se recusa a reconhecer os lugares construídos a partir da opressão de outros grupos, a pauperização histórica da população negra que possibilitou a concentração de renda nas mãos brancas, a tentativa de culpabilização de pessoas negras por um sistema que as oprime. É uma total inversão lógica, ética e política.

Como já escrevi aqui, fazendo referência à artista multidisciplinar Grada Kilomba, a escravidão e o colonialismo, enquanto histórias mal- resolvidas, funcionam como fantasmas.

Fantasmas comumente são vistos como aqueles espíritos errantes com fim traumáticos e que ficaram presos ao plano terreno. Seguimos assombrados pelos fantasmas que não tiveram seus devidos fins, não foram devidamente enterrados. Não houve rituais fúnebres condizentes, então eles permanecem, nos assustam, mas a verdade é que sempre estiveram aqui, em um país que se recusa a enfrentá-los.

Temos o fantasma do marco temporal em um país que não respeita os povos indígenas;  o fantasma do golpe em um país que nunca condenou os torturadores da ditadura e ainda os homenageia com nomes de ruas, temos o fantasma do colonialismo, que mata e persegue a população negra e que tenta por algozes como heróis, que faz com que seja possível intelectuais racistas julgarem que sabem teorizar sobre racismo sem investigar seu próprio grupo racial e tantos outros fantasmas que fazem do Brasil um país mal-assombrado.

*** DJAMILA RIBEIRO – Mestre em filosofia política pela Unifesp e coordenadora da coleção de livros “Feminismos Plurais”.

Autor: Vocacionados

Sou evangélico, casado, presbítero, professor, palestrante, tenho 4 filhos sendo 02 homens (Rafael e Rodrigo) e 2 mulheres (Jéssica e Emanuelle), sou um profundo estudioso das escrituras e de tudo o que se relacione ao Criador.

Key of All Secret

Adding Rythms to Thoughts

Naykelly_fotografias

Incríveis fotos do céu pra vocês

sosnaoestacerto

ajuda para a violencia domestica no trabalho e no namoro

Free Tantrik Aghori baba ji in India - Vashikaran free of cost

Free aghori baba, free tantrik, love problem solution, love marriage specialist,

Ventana literaria

La poesía es la libertad del alma.

Au'Pearce

Headed in the Right Direction

Marcos Denis Botelho

Projetos | Petróleo e Gás | Vendas On-line

Lembrar para não esquecer...

São memórias escritas em forma de crônicas e contos...

Prof.crisluked

Aqui o professor encontra sugestões de leituras, estudos e materiais.

SÜDAMERIKA LINK

This site is created for the purpose of Repatriating in digital format the Brazilian collections under the guardianship of Austrian Archives, Libraries and Museums.

Yve Laran

WRITER

Oliveira

Buscar a defesa das pessoas nos momentos importunos em que o mundo se apresenta – A PAZ É O NOSSO IDEAL.

Corpo e Sujeito

Somos um espaço direcionado à pessoas que precisam de cuidado e atenção com a saúde e bem estar global. Buscamos atender, dentro do possível, as necessidades individuais e do grupo de forma variada. Em alguns casos, é preciso criar lastro. O ser humano busca um determinado objetivo, mas, nem sempre o seu corpo esta preparado para os seus sonhos. É por isso, que precisamos de orientação especializada e experiente nas mais diversas situações.

O Renovo da Águia?

Aqui voce encontrará motivos para você não querer mais desistir. Você encontrará entrará num momento onde consiguirá enxergar que há momentos na nossa vida que já não temos força de continuar e existe um processo para você renovar suas forças e como a Águia voltar dar o seu voo mais alto e mais renovado do que antes.

Olho na Carreira de Sucesso

Site destinado a ajudar pessoas na Carreira profissional. E parcerias entre empresas

Teoria da Consultoria

Aprimorando conhecimento em gestão empresarial

Si quieres conocerme, mírame a los ojos

This WordPress.com site is the bee's knees

%d blogueiros gostam disto: