OUTROS OLHARES

CONTEÚDOS ACELERADOS VIRAM TENDÊNCIA NA INTERNET EM SOCIEDADE COM PRESSA

Sem tempo. Plataformas digitais como WhatsApp e Netflix aderem a ferramentas para aumentar a velocidade de reprodução de áudios e vídeos; para especialistas, fenômeno está relacionado ao excesso de informações que circulam hoje no mundo virtual

Hoje, é possível passar um dia inteiro na internet em ritmo acelerado: as principais plataformas digitais já têm ferramentas para aumentar a velocidade de reprodução dos conteúdos. No YouTube, é possível assistir a um vídeo inteiro na metade do tempo. No WhatsApp, você também pode ouvir um áudio até duas vezes mais rápido. O efeito atinge até produções culturais, com opções para ver um documentário na Netflix acelerado em 50% ou ouvir um podcast no Spotify até 3,5 vezes mais rápido.

Para muitas pessoas, acelerar é o único jeito de consumir conteúdos em uma internet cada vez mais abarrotada de informações. A contadora Heloisa Motoki, de 43 anos, está acostumada com essa forma de usar a web: ela acelera tanto os áudios de amigos no WhatsApp (recurso que chegou a todos os usuários do app em maio passado) quanto vídeos no YouTube – por lá, ela costuma acompanhar treinamentos para o trabalho e receitas de culinária.

Dessa forma, diz ela, a “aula” fica mais curta, mas o conteúdo é absorvido da mesma forma. Para Heloisa, a exceção é na hora de ouvir músicas, que ficam na velocidade normal para degustar o ritmo do artista.

“A nossa mente se acostuma com a rapidez e, com isso, ganho tepo”, explica ela, cuja filha, de 16 anos, também adotou essa agilidade no YouTube para assistir a anime. “Eu faço muita coisa, recebo muitas mensagens e, com a pandemia, tudo foi para o online. Se eu não acelerar, não dou conta com o pouco tempo que me resta.”

É comum navegar pelo YouTube, por exemplo, e ler comentários de usuários dizendo que determinada música fica mais “animada” em velocidade 75% mais rápida. Há também casos em que espectadores de plataformas de streaming “apertam o passo” no ritmo da série para pular momentos considerados maçantes – a Netflix implementou a ferramenta de aceleração em julho do ano passado.

Não é possível dizer se são esses recursos que nos deixam mais acelerados ou se são as pessoas que exigem soluções que ajudem a superar essas dores. Para especialistas, o ponto central da discussão são as consequências de toda essa pressa.

A psicóloga Andrea Jotta, pesquisadora do Janus, o Laboratório de Estudos de Psicologia e Tecnologias da Informação e Comunicação, da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, afirma que a tecnologia acompanha o uso das pessoas, que têm a autonomia sobre como vão utilizar essas ferramentas no dia a dia. “A aceleração de qualquer conteúdo vem por causa do excesso de informações”, aponta, citando que a pandemia potencializou esse cenário. “Não é possível consumir tudo o que está na internet, e não é nem saudável buscar esse conhecimento cedo. Por isso, todos nós temos de fazer escolhas.”

Andrea dá um exemplo: uma série de streaming é criada para reter a atenção do espectador, seja por truques de roteiro, seja por poderosos algoritmos de recomendação que mantêm o usuário na plataforma. O usuário pode escolher entre consumir aquilo da maneira que foi planejado, acelerar o tempo, pular episódios ou abandonar. Em todas, a decisão cabe ao indivíduo e as ferramentas estão ali para serem utilizadas ou não, diz Andrea: “É preciso fazer o consumo saudável da internet, sem extrapolar limites.”

RELAÇÕES

 Ainda não há detalhes científicos sobre o impacto dessa aceleração no psicológico das pessoas. Contudo, há quem já esteja sentindo efeitos dessas ferramentas.

Para a advogada Thaís Vargas Binicheski, de 26 anos, que aumenta a velocidade dos áudios recebidos no WhatsApp para ganhar tempo no trabalho, a vida “offline” está parecendo mais agitada também – ela tem notado que as pessoas estão falando mais rápido depois de acostumarem a ouvir com tanta rapidez. “Conversando com amigos, eles me disseram que também têm essa sensação. É um reflexo dessa ferramenta”, diz. Na visão da professora de jornalismo Michelle Prazeres, da Faculdade Cásper Líbero e criadora do movimento “Desacelera SP”, as grandes empresas de tecnologia, como o Facebook (dono do WhatsApp) e o Google (do YouTube), se aproveitam dessa sensação “latente” de urgência na sociedade para implementar esses recursos, solucionando dores que partem dos usuários, soterrados de mensagens recebidas e conteúdos recomendados.

“Ao mesmo tempo, esses aceleradores são vistos como livre-arbítrio, mas as pessoas se entregam ao imperativo desta época, em que a velocidade é uma violência”, afirma Michelle, esclarecendo que o uso dessas ferramentas não pode ser criticado de forma unilateral porque pode trazer benefícios individuais, como em situações de emergência. “Mas, do ponto de vista coletivo, daqui a um tempo, isso terá reverberações no jeito que as pessoas conversam não só no âmbito da tecnologia, mas das relações humanas.”

Michelle levanta o ponto de que essas ferramentas podem “desumanizar” as relações. Um exemplo é uma conversa entre amigos, que, ao usar o áudio acelerado, alteram a entonação da voz e eliminam pausas dramáticas ou hesitações.

“Em uma obra artística como uma série de televisão, o artista pensou a duração daquilo sob determinado ritmo. E isso também faz parte da arte. Se você pega a temporalidade e acelera, você descaracteriza o produto e desumaniza”, explica.

Apesar desse cenário de urgência sentido pela sociedade, o professor Fábio Mariano Borges, da Escola superior de Propaganda e Marketing, acredita que essas ferramentas não vão tornar a experiência de filmes de longa duração ou grandes obras literárias: ” Hoje, ter síntese é o futuro, apesar de termos sido educados para sermos prolixos. Mas não dá para falar que o mundo vai abolir tudo o que for demorado. Vai haver espaço para aquilo que se justifica e que tem sua importância.”

PLATAFORMAS ACELERAM, MAS HÁ COMO IR MAIS DEVAGAR

Em tempos em que WhatsApp, Netflix, YouTube e Spotify deixam acelerar a velocidade de conteúdos, entender como se relacionar com essas ferramentas pode aliviar um pouco a sensação de “correria” no cotidiano digital – há caminhos para reduzir o excesso de informações recebidas diariamente.

Algumas dicas podem ser úteis para entender como dar um respiro na vida digital. O primeiro passo é simples: esses recursos de aceleração não são obrigatórios nas plataformas digitais e podem ser acionados somente a pedido do usuário. Ou seja, existe livre arbítrio.

Outro ponto é analisar a compreensão. Economizar tempo ouvindo um áudio em velocidade dobrada, mas perder metade do entendimento do conteúdo, pode indicar que a ferramenta não é a melhor para o momento. A dica é usá-la quando você estiver, de fato, com pressa.

“O problema é transformar o uso ocasional em hábito”, explica a psicóloga Andrea Jocca, pesquisadora da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo.

Vale também entender como a ferramenta impacta a percepção do indivíduo na vida “offline”. “E problemático trazer esse comportamento para a vida ‘real’. Começar a achar as coisas e as pessoas mais lentas é um sinal que exige atenção”, completa a psicóloga.

Em seguida, especialistas recomendam um exercício de autoconhecimento para entender se você é um “escravo” ou não das tecnologias. Aqui, a pergunta deve sempre ser: você consegue dizer não a esses recursos? Consegue assistir a um vídeo em velocidade normal?

“A pessoa precisa perceber a própria relação com a tecnologia. Se essa situação de aceleração e de dependência está relacionada ao trabalho e o indivíduo consegue se distanciar, está tudo bem”, explica Michelle

Prazeres, professora de jornalismo da Faculdade Cásper Líbero e criadora do movimento “Desacelera SP”. O problema é não conseguir criar barreiras em momentos de lazer e estar sempre “apressado”.

A solução para alguns é “ir devagar”, um dos mantras do chamado movimento Slow Web, que segue a máxima de que a internet precisa ser consumida aos poucos. Assim como outros estilos “slow” (na moda e na alimentação, por exemplo), a ideia é não sair vendo tudo o que buscas e redes sociais oferecem de informação.

Uma das dicas do Slow Web é experimentar passar um tempo sem ver notificações e sem checar redes sociais – apenas concentrado naquilo em que você está fazendo, como ver uma série de televisão. É claro, consumir vídeos e áudios acelerados não entram nesse manual.

Em resumo, a percepção depende de cada pessoa. “O que temos visto é que, como todo novo fenômeno, vamos ter várias visões. Vamos ter pessoas que vão achar um absurdo e outras que vão achar normal, como se fosse uma evolução do nosso comportamento digital”, conclui Andrea.

Autor: Vocacionados

Sou evangélico, casado, presbítero, professor, palestrante, tenho 4 filhos sendo 02 homens (Rafael e Rodrigo) e 2 mulheres (Jéssica e Emanuelle), sou um profundo estudioso das escrituras e de tudo o que se relacione ao Criador.

Blog O Cristão Pentecostal

"Tão certo como eu vivo, diz o Senhor Deus, não tenho prazer na morte do ímpio, mas em que o ímpio se converta do seu caminho e viva. Convertam-se! Convertam-se dos seus maus caminhos!" Ezequiel 33:11b

Agayana

Tek ve Yek

Envision Eden

When We Improve Ourselves, We Improve The World

4000 Wu Otto

Drink the fuel!

Ms. C. Loves

If music be the food of love, play on✨

troca de óleo automotivo do mané

Venda e prestação de serviço automotivo

darkblack78

Siyah neden gökkuşağında olmak istesin ki gece tamamıyla ona aittken 💫

Babysitting all right

Serviço babysitting todos os dias, também serviços com outras componentes educacionais complementares em diversas disciplinas.

M.A aka Hellion's BookNook

Interviews, reviews, marketing for writers and artists across the globe

Gaveta de notas

Guardando idéias, pensamentos e opiniões...

Isabela Lima Escreve.

Reflexões sobre psicoterapia e sobre a vida!

Roopkathaa

high on stories

La otra luna de Picasso

El arte es la esencia de la espiritualidad humana.

%d blogueiros gostam disto: