A PSIQUE E AS PSICOLOGIAS

CONHECIMENTO INTERIOR

Entenda o que é a intuição e como a ciência e personalidades famosas veem essa capacidade

Derivada do latim intuitio, que significa “um olhar, uma consideração”, e de intuitus, particípio passado de intueri, traduzido como “olhar, considerar, avaliar”, a palavra intuição, também conhecida como “pressentimento” e “sexto sentido”, é considerada uma das principais capacidades humanas que, até o momento, não foi compreendida em sua totalidade pela ciência, sendo um campo de possibilidades com muitas discussões envolvidas.

Útil tanto no aspecto pessoal quanto no social e global, a intuição não é apenas uma capacidade extra sensorial, mas sim uma inspiração para o artista, uma captação do outro para o psicólogo, por exemplo. “Ela ajuda adicionando algo a mais do que cálculos e análises, traz uma visão mais ampla das diversas situações da vida”, aponta a doutora em psicologia clínica Marta Tabone.

ALÉM DA LÓGICA

Quando nosso inconsciente, carregado de informações e experiências anteriores – como estudos, treinamentos e vivências diversas – informa ao consciente, através de uma profunda emoção, sobre o destino do que se está decidindo, a intuição está sendo usada. “Por exemplo, um atleta levantador de bola da seleção brasileira que precisa tomar decisões rápidas e escolher para qual outro jogador levantar, utiliza suas experiências anteriores somadas à experiência do momento para decidir o jogador que será estrategicamente bem sucedido no ponto de ataque e, intuitivamente, escolhe para quem jogar”, exemplifica a terapeuta vibracional Andrezza Ferrari. Esta profunda emoção vem do “arquivo” inconsciente de suas experiências passadas, visando objetivos futuros e usando processos inconscientes de aprendizado.

Todos os seres humanos são portadores da intuição ou têm potencial para expressar essa capacidade que, de acordo com a visão da psicologia junguiana, é “um dos elementos que compõem os tipos psicológicos de cada pessoa e que fazemos uso diariamente”, explica Andrezza. Segundo Marta Tabone, a percepção dominante ao classificar a intuição é a de que ela seria algo como a antítese da lógica ou do raciocínio. A ideia é decidir ou perceber sem utilizar o método lógico racional. “Na intuição, eu enxergo por dentro, como um sentido interior. Ocorre um tipo de visão interna, integrada, que transcende os dados sensoriais externos”, acrescenta a psicóloga.

DIFERENTES FORMAS DE SENTIR

Uma pessoa intuitiva acessa, dentro do seu eu, decisões mais acertadas. No entanto, saber diferenciar uma real intuição das emoções provocadas por afloramento de pulsões inconscientes, como um desejo muito forte de que algo aconteça ou emoções reprimidas, é muito importante. “A intuição deve vir puramente. Se temos uma emoção a respeito de algo antes que a intuição se manifeste, deve-se ter cuidado ao escolher”, salienta Andrezza.

Nem todas as pessoas experimentam a intuição da mesma forma. Existem três aspectos mais comuns. São eles:

CLARIVIDÊNCIA (ver):a palavra, que tem como significado “visão clara”, é provavelmente a forma mais conhecida de poder intuitivo. Pessoas clarividentes percebem as coisas ao seu redor com mais detalhes, e têm a capacidade de acessar informações visuais que podem orientar sobre o que está acontecendo ou virá a acontecer – como nos sonhos ou flashes causados por estímulos particulares.

CLARIAUDIÊNCIA (ouvir): pessoas com essa capacidade, que significa “ouvir claramente”, dispõem do “ouvido mental interior”, ou seja, são sensíveis aos sons e costumam escutar vozes e ruídos que não são audíveis para outras pessoas. É comum, também, terem o hábito de pensar em determinadas palavras aleatórias, como se as ouvissem diretamente do cérebro.

CONHECIMENTO PSÍQUICO: é o tipo mais comum e muitas pessoas acabam não percebendo que o possuem. É a capacidade de perceber que algo é verdadeiro (ou não), sem precisar de apoio racional, como se fosse um sentimento. A principal forma de desenvolvê-lo é conseguindo percebê-lo, ouvindo-o e confiando na intuição, de modo que ela possa se desenvolver para melhores decisões ao longo do tempo.

AO PÉ DA LETRA

Segundo a definição do dicionário on-line Michaelis, intuição significa um “conhecimento que, por sua imediatez e clareza, não é precedido de elaboração lógica”. Para a filosofia, segundo o dicionário, trata-se de um “conhecimento direto e espontâneo de uma verdade de qualquer natureza, que serve de base para o raciocínio discursivo e remete não apenas às coisas, mas também às relações que entre elas se dão”. A psicologia, por sua vez, entende como a capacidade de um indivíduo emitir julgamentos exatos e justos sem justificação lógica ou possibilidade de análise, ou seja, sem cogitação preliminares.

Autor: Vocacionados

Sou evangélico, casado, presbítero, professor, palestrante, tenho 4 filhos sendo 02 homens (Rafael e Rodrigo) e 2 mulheres (Jéssica e Emanuelle), sou um profundo estudioso das escrituras e de tudo o que se relacione ao Criador.