POESIA CANTADA

COTIDIANO

CHICO BUARQUE

Nascido numa família de intelectuais (o pai foi o historiador e sociólogo Sergio Buarque de Holanda), FRANCISCO BUARQUE DE HOLANDA mudou-se ainda criança do Rio para São Paulo. Na capital paulista, fez os estudos primários e secundários no Colégio Santa Cruz, onde se apresentou pela primeira vez num palco, com “Canção dos Olhos”, uma composição sua. Em 1963, ingressou na Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da USP (que cursaria só até o terceiro ano). No ano seguinte, inscreveu-se no festival promovido pela TV Excelsior (São Paulo) com “Sonho de um Carnaval”, cantada por Geraldo Vandré. Começou a ficar conhecido, passando a apresentar-se no Teatro Paramount. Ainda em 1964, participou do programa “O Fino da Bossa”, comandado pela cantora Elis Regina. Sua primeira gravação, de 1965, foi o compacto “Olé Olá”. A consagração, no entanto, viria com o festival de MPB da TV Record (São Paulo). Chico concorreu com a marcha “A Banda”, que foi interpretada por Nara Leão e venceu o festival (junto com “Disparada”, de Geraldo Vandré). Chico ganhou projeção nacional, e sua carreira tomou impulso. Com o acirramento da ditadura militar estabelecida em 1964, a produção artística de Chico sofreu grande impacto. Em 1967, ele estreou o espetáculo “Roda-Viva”, que acabou censurado. Em 1968, dada a repressão política, Chico preferiu o exílio na Itália.

 Voltou para o Brasil em 1970 e lançou o álbum “Construção” no ano seguinte. Em 1972, foi ator em “Quando o Carnaval Chegar”, filme de Cacá Diegues para o qual havia composto várias músicas. Chico Buarque ainda faria a trilha sonora do filme “Vai Trabalhar, Vagabundo”, dirigido pelo ator Hugo Carvana em 1973. Também em 1973, em parceria com o dramaturgo Ruy Guerra, escreveu o texto e as músicas da peça “Calabar, o Elogio da Traição”. A peça foi proibida, embora algumas canções tivessem sido gravadas em disco. Em 1974, Chico lançou o álbum “Sinal Fechado”, interpretando músicas de outros compositores, e iniciou nova carreira, como escritor, publicando a novela “Fazenda Modelo”.

No ano seguinte, escreveu com o dramaturgo Paulo Pontes a peça “Gota d’Água”. Em 1975, Chico lançou o disco “Os Saltimbancos”, uma fábula musical que ele traduziu e adaptou do italiano “I Musicanti”, de Luiz Enriquez e Sergio Bardotti. As canções foram grande sucesso e serviram para a montagem teatral “Os Saltimbancos”. Três anos depois, Chico escreveu e compôs as canções da “Ópera do Malandro”, peça com a qual ganhou o Prêmio Molière de melhor autor teatral de 1978. Em 1979, publicou “O Chapeuzinho Amarelo”, um livro infantil. Em 1992, viria o primeiro romance, “Estorvo” e, em 1995, o segundo, “Benjamin”. Chico foi se afastando progressivamente da música para dedicar à literatura, e em 2003 publicou “Budapeste”, romance que se tornou sucesso de público e crítica.

COTIDIANO

COMPOSIÇÃO: CHICO BUARQUE

Todo dia ela faz tudo sempre igual
Me sacode às seis horas da manhã
Me sorri um sorriso pontual
E me beija com a boca de hortelã

Todo dia ela diz que é pra eu me cuidar
E essas coisas que diz toda mulher
Diz que está me esperando pro jantar
E me beija com a boca de café

Todo dia eu só penso em poder parar
Meio-dia eu só penso em dizer não
Depois penso na vida pra levar
E me calo com a boca de feijão

Seis da tarde como era de se esperar
Ela pega e me espera no portão
Diz que está muito louca pra beijar
E me beija com a boca de paixão

Toda noite ela diz pra eu não me afastar
Meia-noite ela jura eterno amor
E me aperta pra eu quase sufocar
E me morde com a boca de pavor

Todo dia ela faz tudo sempre igual
Me sacode às seis horas da manhã
Me sorri um sorriso pontual
E me beija com a boca de hortelã

Todo dia ela diz que é pra eu me cuidar
E essas coisas que diz toda mulher
Diz que está me esperando pro jantar
E me beija com a boca de café

Todo dia eu só penso em poder parar
Meio-dia eu só penso em dizer não
Depois penso na vida pra levar
E me calo com a boca de feijão

Seis da tarde como era de se esperar
Ela pega e me espera no portão
Diz que está muito louca pra beijar
E me beija com a boca de paixão

Toda noite ela diz pra eu não me afastar
Meia-noite ela jura eterno amor
E me aperta pra eu quase sufocar
E me morde com a boca de pavor

Todo dia ela faz tudo sempre igual
Me sacode às seis horas da manhã
Me sorri um sorriso pontual
E me beija com a boca de hortelã

Autor: Vocacionados

Sou evangélico, casado, presbítero, professor, palestrante, tenho 4 filhos sendo 02 homens (Rafael e Rodrigo) e 2 mulheres (Jéssica e Emanuelle), sou um profundo estudioso das escrituras e de tudo o que se relacione ao Criador.

Uma consideração sobre “POESIA CANTADA”

Os comentários estão encerrados.