A PSIQUE E AS PSICOLOGIAS

MODELO MENTAL

Muito se questiona sobre qual o melhor perfil comportamental para gerar resultados positivos. O cuidado com o gerenciamento do que se pensa irá refletir em emoções mais adequadas à produtividade

Seja no ambiente profissional ou pessoal, todos desejam ter sucesso no que fazem, mas nem sempre é isso que ocorre. Falhas, erros e fracassos podem ser associados a uma imensa gama de variáveis, que vão desde o ambiente externo (mercado, condições econômicas, necessidades dos clientes) até a atmosfera psicológica que envolve os agentes que praticam as ações.

Sabemos que as palavras que ecoam em nossas cabeças, o famoso self talk, são responsáveis pelo estado de ânimo. O monólogo interno é resultado de muitos fatores, como: memórias marcantes, conteúdo absorvido, interpretação dos estímulos externos e reações a sintomas endógenos. Ou seja: também estamos à mercê de muitas possibilidades sobre as quais não temos, de fato, muito controle.

Podemos destacar alguns aspectos e como trabalhar – de dentro para fora – a busca pela excelência no nivelamento emocional. Não é fácil, mas pode se tornar natural com o passar do tempo. A experiência de vida, seja ela qual for, e como foi interpretada, é o maior provedor de estruturas frasais que ficam ricocheteando na mente de todos nós. As trocas que fazemos com o grupo com que nos comunicamos é a segunda variável mais importante: o que ouvimos e como respondemos. Com isso já podemos destacar dois perfis de pensamento recorrente e como isso pode refletir negativamente ou não no dia a dia: abundância e escassez.

Quem teve experiência de vida dentro de uma base econômica estável pode estabelecer com facilidade um pensamento voltado para a abundância. Os recursos e custos podem ser calculados com meses de antecedência sem muitas surpresas, o que gera uma maior tranquilidade para o planejamento a longo prazo e etapas para a realização dos projetos.

Quem está ou esteve submerso em uma economia instável com histórico de bruscas mudanças no cenário pode desenvolver um perfil voltado para a escassez, tornando difícil um planejamento sólido e tranquilo para longo prazo, criando o imediatismo nas ações em busca de retorno rápido.

O detalhe importante é que isso pode ser alterado de acordo com a vontade e esforço de cada um. No entanto, quem está dentro de um estado de ânimo por muito tempo – em qualquer perfil possível – muitas vezes pensa que “é assim” ao invés de ter a consciência de que “está assim”. Somos capazes de mudar e nos adaptar diante das demandas cotidianas e com o gerenciamento interno podemos ir além. Basta, inicialmente, reconhecer se existe essa necessidade.

Qualquer um que esteja no modelo da escassez pode pensar que isso é uma perda de tempo, afinal ele exige resultados rápidos. Já os que estão modelados na abundância podem aceitar com facilidade a inclusão de algumas práticas em sua vida, como investimento na lapidação e sua excelência.

Podemos apresentar algumas dicas de como direcionar o pensamento para o gerenciamento emocional. Qualquer modelo existente pode ser melhorado e, uma vez que se descubra como isso possibilita melhores resultados, provavelmente as práticas serão incorporadas no dia a dia como parte das atividades essenciais: Meditação: os melhores operadores do mercado financeiro possuem uma rotina quase religiosa de acordar muito cedo para meia hora de meditação. Trata-se de um alinhamento emocional antes de começar a atuar no ambiente de rápidas mudanças, onde a percepção deve ser muito apurada.  Mantra pessoal: método criado pelo psicólogo francês Émile Coué e aprimorado nos últimos anos. Absolutamente simples! Monte, de forma assertiva, um pequeno texto de incentivo. Grave no seu próprio celular e escute várias vezes ao dia. O mantra criado pelo Coué, para ter como exemplo, é esse: “Todos os dias, sob todos os aspectos, eu vou cada vez melhor!”. Palavras de controle: busque, todos os dias, novas palavras que possam estar ligadas ao seu propósito profissional ou pessoal. No mínimo dez novas palavras por dia, anote e incorpore em suas frases essas novas palavras. Vá juntando as palavras ao longo dos dias e no final de semana revise tudo, palavra a palavra, e o significado de cada uma para você. Caso tenha dificuldade, faça uma busca na internet pelo processo Vitatransformatio, pode ajudar. Neuróbica: exercícios de neuróbica já são mais do que conhecidos. Caso isso seja uma novidade para você basta fazer uma pequena busca na internet que, com certeza, irá encontrar uma centena de textos e livros com exemplos de atividades para o cérebro.

São apenas dicas para começar um trabalho que, com certeza, não terá fim. Não existe um modelo ou nível melhor que o outro, pois depende de cada momento na vida e do ambiente onde estamos inseridos. No entanto, todos os modelos podem ser aprimorados. Se está pensando em começar a se trabalhar, o momento é agora: não espere pelo próximo minuto. Descubra como a abundância e a escassez podem fazer toda a diferença nos resultados de vida profissional e também pessoal.

O PROF. DR. JOÃO OLIVEIRA – é doutor em Saúde Pública, psicólogo e diretor de Cursos do Instituto de Psicologia Ser e Crescer (www.isec.psc.br). Entre seus livros estão: Relacionamento em Crise: Perceba Quando os Problemas Começam. Tenha as Soluções!; Jogos para Gestão de Pessoas: Maratona para o Desenvolvimento Organizacional; Mente Humana: Entenda Melhor a Psicologia da Vida; e Saiba Quem Está à sua Frente – Análise Comportamental pelas Expressões Faciais e Corporais (Wak Editora).

Autor: Vocacionados

Sou evangélico, casado, presbítero, professor, palestrante, tenho 4 filhos sendo 02 homens (Rafael e Rodrigo) e 2 mulheres (Jéssica e Emanuelle), sou um profundo estudioso das escrituras e de tudo o que se relacione ao Criador.