OUTROS OLHARES

MEMÓRIA PRESERVADA

Estudo mostra pela primeira vez que os portadores do mal de Alzheimer podem recuperar lembranças recentes graças à molécula ISRIB

A descoberta de uma substância que possibilite que as pessoas portadoras de Alzheimer deixem de perder a memória recente é algo que a comunidade científica busca há muito tempo. Como a doença não tem cura, essa molécula representaria uma conquista importante para melhorar a autonomia e a convivência familiar dos pacientes. Pois esse elemento químico existe: seu nome é ISRIB (Inibidor Integrado de Resposta ao Estresse) e foi descoberto em 2003 por cientistas californianos. A ação positiva da ISRIB na luta contra o mal de Alzheimer, no entanto, foi comprovada apenas agora por pesquisadores brasileiros da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). A molécula ainda não existe em forma de medicamento, mas os testes mostraram que ela pode representar um caminho eficiente para o tratamento dessas pessoas. No Brasil. há mais de um milhão de pacientes com Alzheimer e a doença representa 70% dos casos de demência. As conclusões dessa pesquisa inédita foram publicadas no periódico científico internacional “Science Singnaling”.

NO FUTURO

Para que o cérebro possa formar e consolidar a memória é necessário que haja a produção de várias proteínas na região do órgão conhecida como hipocampo. A pesquisa demonstrou em laboratório que a ISRIB tem a capacidade de permitir a síntese dos elementos relacionados ao funcionamento dos neurônios e, por extensão, à formação e consolidação da memória. A produção dessas proteínas em pessoas com Alzheimer fica prejudicada e o paciente perde as recordações mais próximas. Não consegue se lembrar, por exemplo, onde deixou as chaves ou o nome do vizinho com quem acabou de conversar. Segundo Sergio Ferreira, professor dos institutos de Biofísica e Bioquímica Médica da UFRJ, a molécula ISRIB estimula a produção dessas proteínas. “O uso dessa substância ajuda no processo de fixação da memória”, explica. “O que fazemos é proteger o órgão para que ele seja capaz de consolidar as informações na medida em que são aprendidas.”

A pesquisa ainda carece de mais trabalho científico até que se possa transformar a molécula em um medicamento pronto para uso. Isso não deve ser realizado no Brasil, onde a verba para o financiamento científico é escassa. A expectativa é de que companhias de biotecnologia estrangeiras se interessem, uma vez que a última medicação descoberta para combater o mal de Alzheimer, que apenas retarda a projeção da doença, surgiu no início dos anos 2000 – há mais de vinte anos.

Autor: Vocacionados

Sou evangélico, casado, presbítero, professor, palestrante, tenho 4 filhos sendo 02 homens (Rafael e Rodrigo) e 2 mulheres (Jéssica e Emanuelle), sou um profundo estudioso das escrituras e de tudo o que se relacione ao Criador.

Agayana

Tek ve Yek

Envision Eden

When We Improve Ourselves We Improve The World

4000 Wu Otto

Drink the fuel!

Ms. C. Loves

If music be the food of love, play on✨

Abre Olho Raposa

A fonte de notícias que vai te manter informado

troca de óleo automotivo do mané

Venda e prestação de serviço automotivo

darkblack78

Siyah neden gökkuşağında olmak istesin ki gece tamamıyla ona aittken 💫

Babysitting all right

Serviço babysitting todos os dias, também serviços com outras componentes educacionais complementares em diversas disciplinas.

Maromba's

Marombas

M.A

Interviews, reviews, marketing for writers and artists across the globe

Gaveta de notas

Guardando idéias, pensamentos e opiniões...

Isabela Lima Escreve.

Reflexões sobre psicoterapia e sobre a vida!

Roopkathaa

high on stories

%d blogueiros gostam disto: