GESTÃO E CARREIRA

EM CASA RENDE MAIS

Ao investir no home office, a Sul América melhorou a retenção de talentos e, de quebra, aumentou a produtividade e reduziu o absenteísmo

Fortalecer a marca empregadora no competitivo mercado de seguros e melhorar a dinâmica dos profissionais do operacional, aumentando a produtividade de áreas como a de atendimento ao cliente.

Esse era o desafio da Sul América, a maior seguradora independente do país, sete anos atrás. Para conseguir o feito, a empresa centenária precisou fazer questionamentos tais como: o que uma companhia precisa fazer para atrair, reter e engajar as novas gerações? Após a pensata, chegou à conclusão de que a flexibilidade é hoje um dos critérios de desempate mais importantes na hora de um profissional decidir entre uma organização ou outra. Pensando nisso, decidiu estruturar um amplo programa de trabalho remoto. Facultativo, ele possibilita que os interessados trabalhassem todos os dias de casa (o modelo é conhecido como home working). Segundo Patrícia Coimbra, diretora de capital humano e sustentabilidade, a decisão de permitir que os empregados trocassem o escritório por suas residências levou em consideração fatores como produtividade, bem-estar e segurança. No Rio de Janeiro, onde fica a sede da Sul América, a central de atendimento funciona 24 horas por dia, sete dias na semana. E a violência na cidade era uma preocupação constante, principalmente para quem atua no turno noturno, que começa às 23h. “Isso sem falar no trânsito de grandes cidades, que cada vez mais impacta a qualidade de vida. No fundo, estamos olhando para as pessoas e pensando em como atraí-las para que haja continuidade do nosso negócio.”

A SOLUÇÃO

Com o intuito de melhorar a atração e a retenção de talentos, a Sul América iniciou em 2014 um programa de home working para times do operacional, como o de vendas e o de atendimento ao cliente. A iniciativa permite trabalho remoto todos os dias da semana, com uma ida por mês à firma. Quando foi lançado, 17 funcionários participaram do programa piloto. “Graças às facilidades da tecnologia, nós não tivemos receio. Há um chat interno para que os colaboradores conversem entre si e é como se estivessem falando com o colega ao lado”, afirma Patrícia. Na adesão ao modelo, o primeiro passo é entrevistar os interessados para avaliar se têm perfil para atuar em casa, o segundo, adaptar equipamentos como computadores e telefones e, o terceiro, checar a estrutura doméstica. Os empregados que trocarão o escritório pelo lar são obrigados ainda a concluir um e-learning com quatro módulos: o que é home working e home office; perfil adequado; segurança no trabalho a distância; e acessos. Além disso, consultores de RH vêm treinando gestores em liderança remota (134 supervisores já foram capacitados).

Satisfeita com os resultados, a executiva decidiu liberar o home office uma vez por semana para toda a organização. “E vamos seguir expandindo os dois modelos, de acordo com objetivos e metas de cada área”, afirma ela.

O RESULTADO

Juntas, as duas centrais de atendimento da Sul América contam com 840 trabalhadores – 145 ficam 100% do tempo em suas residências. “Todos do expediente noturno no Rio, por exemplo, estão em esquema de home working”, diz a diretora de capital humano. Somando os diversos setores já são 480 pessoas atuando integralmente de casa e 1.168 ao menos uma vez por semana. Entre os frutos que a companhia colhe com a iniciativa está a redução de turnover voluntário de 6,1% em 2013, para 3,7% em 2021 – os índices do setor giram em torno de 10%. O engajamento daqueles que estão no escritório só uma vez ao mês subiu três pontos percentuais nos últimos quatro anos, enquanto o aumento geral, em toda a companhia, foi de dois pontos percentuais. Patrícia destaca ainda os resultados aferidos na central de atendimento de São Paulo, onde houve aumento de 12% na produtividade e redução de 5% para 0,6% no absenteísmo de quem participa do programa. “Quando selecionamos um funcionário, já colocamos para ele a possibilidade do trabalho a distância após seis meses ou um ano de casa”, afirma a executiva, para quem os benefícios da iniciativa são muitas vezes intangíveis. Quando estourou a greve dos caminheiros, que parou o país por dez dias, a Sul América não precisou fazer grandes esforços de mobilidade, uma vez que boa parte das equipes estava pronta para realizar suas atividades de casa. “Mantivemos nossas operações normalmente, sem prejuízo.”

SUL AMÉRICA

NEGÓCIO: Venda de seguros

RAMOS DE ATUAÇÃO: Saúde, odontologia, automóveis, residencial e condomínios, vida, previdência, investimentos e capitalização

FUNCIONÁRIOS NO BRASIL: 5.139

SEDE NO BRASIL: Rio de Janeiro (RJ)

NÚMERO DE FILIAIS NO PAÍS: 90

CLIENTES ATENDIDOS: 7 milhões

FATURAMENTO: 18,2 bilhões de reais

PROJETO: Implementação do trabalho a distância em dois modelos: todos os dias da semana (home work) e uma vez por semana (home office)

PRINCIPAIS RESULTADOS: O turnover voluntário em toda a empresa caiu de 6,1% para 3,7%, o engajamento dos funcionários aumentou dois pontos percentuais nas pesquisas de clima e a produtividade dos profissionais na central de atendimento da capital paulista cresceu 12%.

Autor: Vocacionados

Sou evangélico, casado, presbítero, professor, palestrante, tenho 4 filhos sendo 02 homens (Rafael e Rodrigo) e 2 mulheres (Jéssica e Emanuelle), sou um profundo estudioso das escrituras e de tudo o que se relacione ao Criador.