EU ACHO …

OS PRAZERES DE UMA VIDA NORMAL

Pois eu que durmo tão mal, dormi de oito da noite até seis da manhã. Dez horas: senti um orgulho pueril. Acordei com o corpo todo aumentado nas suas células. Ah, isso é vida normal, então? mas então é muito bom!

E eu que nunca fiz luxo para comer, andei há um tempo fazendo dieta para perder uns quilos a mais. Aí experimentei uma vida anormal para comer. Andava exasperada como se outros estivessem comendo o que era meu. Então, de raiva e fome, de repente comi o que bem quis. E como é bom comer, dá até vergonha. E certo orgulho também, o orgulho de se ser um corpo exigente. Ah que me perdoem os que não têm o que comer; o que vale é que esses não são os que me leem.

Outro prazer que é normal é quando escrevo o que se chama de inspirada. O pequeno êxtase da palavra fluir junto do pensamento e do sentimento: nessa hora como é bom ser uma pessoa!

E receber o telefonema de um amigo, e a comunicação de vozes e alma ser perfeita? Quando se desliga: que prazer dos outros existirem e de a gente se encontrar nos outros. Eu me encontro nos outros. Tudo o que dá certo é normal. O estranho é a luta que se é obrigado a travar para obter o que simplesmente seria o normal.

*** CLARICE LISPECTOR

OUTROS OLHARES

O LEITE DAS PLANTAS

Novos hábitos de alimentação saudável popularizam o consumo de bebidas vegetais no País e motivam grandes fabricantes de laticínios a entrar no mercado

Nunca se consumiu tanto leite vegetal no Brasil. Alternativa para quem quer ter uma alimentação mais saudável e balanceada, o produto caiu de vez nas graças dos consumidores nos últimos anos. Se antes era consumido majoritariamente por pessoas adeptas da dieta vegana ou vegetariana, agora especialistas afirmam que a variedade de sabores acabou com esse mito e atraiu novos adeptos. De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), os brasileiros consomem mais produtos industrializados do que vegetais, mas há uma margem de crescimento considerável para produtos sustentáveis. Bebidas produzidas a partir de sementes de amêndoas, aveia, arroz, castanha de caju, coco, entre outros, estão em alta. “O leite vegetal é um leite com perfil menos inflamatório, menos alergênico e com menor quantidade de hormônios do que o de vaca”, afirma Fernanda Scheer, nutricionista funcional. “Quanto menos ingredientes e menos processado o produto for, melhor”, acrescenta.

A especialista em alimentação consciente Camila Espinosa conta que o hábito de ler os rótulos dos alimentos no momento da compra para conhecer os nutrientes não é uma pratica comum, mas deveria ser, visto que o excesso de açúcares, gorduras e conservantes causam doenças graves como diabetes, além de aumentar problemas como a intolerância à lactose. Além disso, os bons leites vegetais são alimentos equilibrados. “É preciso ter cuidado. Não adianta comprar um produto sem saber os ingredientes”, afirma. A penetração do leite vegetal no mercado brasileiro gira em torno de 1,8%, enquanto que nos Estados Unidos ultrapassa os 14%.

MERCADO ESTRATÉGICO

Empresas como a Vigor e Piracanjuba adotaram linhas de alimentos naturais recentemente, o que mostra uma nova estratégia de mercado, visto que o Brasil é o quinto país que mais consome leite no mundo. “Quando um gigante investe na área, é um bom sinal”, ressalta Giovanna Meneghel, CEO da Nude, especializada na produção de leite a partir da aveia. A empresa se lançou no mercado em dezembro e em pouco tempo já caminha para o terceiro lote de produção. Quem quiser provar leite vegetal encontra o produto em supermercados e lojas de alimentos naturais. Os preços do litro variam de R$ 9,99 até R$ 40 e há uma infinidade de sabores. E, definitivamente, seu consumo já não é mais uma exclusividade de veganos e vegetarianos.

ALIMENTO DIÁRIO

GOTAS DE SABEDORIA PARA A ALMA

DIA 19 DE MARÇO

A VERDADE, PROMOTORA DA JUSTIÇA

O que diz a verdade manifesta a justiça, mas a testemunha falsa, a fraude (Provérbios 12.17).

No tribunal de Deus, a verdade sempre manifesta a justiça, mas, no tribunal dos homens, não poucas vezes a justiça é negada aos inocentes. No tribunal dos homens, algumas vezes os injustos são inocentados e os justos, condenados. No tribunal dos homens, com certa frequência acolhem-se falsas testemunhas, e a fraude prevalece. No tribunal dos homens, o jovem José vai para a prisão, e a infiel mulher de Potifar é tida como molestada. No tribunal dos homens, o adúltero rei Herodes condena à morte o profeta João Batista, e o covarde Pilatos sentencia à morte de cruz o Filho de Deus. No tribunal dos homens, Jesus é acusado de um crime teológico e político, de blasfêmia e sedição, mas as testemunhas são falsas, e a sentença contra ele é injusta. A verdade precisa ser restabelecida nos tribunais, nas transações comerciais, nos relacionamentos familiares e nos púlpitos das igrejas. Precisamos repudiar com toda a veemência a testemunha falsa, que vende sua consciência por suborno, torce a verdade por vantagens imediatas, cospe na cara da justiça e dá à luz esse monstro perverso que é a fraude.

GESTÃO E CARREIRA

EM CASA RENDE MAIS

Ao investir no home office, a Sul América melhorou a retenção de talentos e, de quebra, aumentou a produtividade e reduziu o absenteísmo

Fortalecer a marca empregadora no competitivo mercado de seguros e melhorar a dinâmica dos profissionais do operacional, aumentando a produtividade de áreas como a de atendimento ao cliente.

Esse era o desafio da Sul América, a maior seguradora independente do país, sete anos atrás. Para conseguir o feito, a empresa centenária precisou fazer questionamentos tais como: o que uma companhia precisa fazer para atrair, reter e engajar as novas gerações? Após a pensata, chegou à conclusão de que a flexibilidade é hoje um dos critérios de desempate mais importantes na hora de um profissional decidir entre uma organização ou outra. Pensando nisso, decidiu estruturar um amplo programa de trabalho remoto. Facultativo, ele possibilita que os interessados trabalhassem todos os dias de casa (o modelo é conhecido como home working). Segundo Patrícia Coimbra, diretora de capital humano e sustentabilidade, a decisão de permitir que os empregados trocassem o escritório por suas residências levou em consideração fatores como produtividade, bem-estar e segurança. No Rio de Janeiro, onde fica a sede da Sul América, a central de atendimento funciona 24 horas por dia, sete dias na semana. E a violência na cidade era uma preocupação constante, principalmente para quem atua no turno noturno, que começa às 23h. “Isso sem falar no trânsito de grandes cidades, que cada vez mais impacta a qualidade de vida. No fundo, estamos olhando para as pessoas e pensando em como atraí-las para que haja continuidade do nosso negócio.”

A SOLUÇÃO

Com o intuito de melhorar a atração e a retenção de talentos, a Sul América iniciou em 2014 um programa de home working para times do operacional, como o de vendas e o de atendimento ao cliente. A iniciativa permite trabalho remoto todos os dias da semana, com uma ida por mês à firma. Quando foi lançado, 17 funcionários participaram do programa piloto. “Graças às facilidades da tecnologia, nós não tivemos receio. Há um chat interno para que os colaboradores conversem entre si e é como se estivessem falando com o colega ao lado”, afirma Patrícia. Na adesão ao modelo, o primeiro passo é entrevistar os interessados para avaliar se têm perfil para atuar em casa, o segundo, adaptar equipamentos como computadores e telefones e, o terceiro, checar a estrutura doméstica. Os empregados que trocarão o escritório pelo lar são obrigados ainda a concluir um e-learning com quatro módulos: o que é home working e home office; perfil adequado; segurança no trabalho a distância; e acessos. Além disso, consultores de RH vêm treinando gestores em liderança remota (134 supervisores já foram capacitados).

Satisfeita com os resultados, a executiva decidiu liberar o home office uma vez por semana para toda a organização. “E vamos seguir expandindo os dois modelos, de acordo com objetivos e metas de cada área”, afirma ela.

O RESULTADO

Juntas, as duas centrais de atendimento da Sul América contam com 840 trabalhadores – 145 ficam 100% do tempo em suas residências. “Todos do expediente noturno no Rio, por exemplo, estão em esquema de home working”, diz a diretora de capital humano. Somando os diversos setores já são 480 pessoas atuando integralmente de casa e 1.168 ao menos uma vez por semana. Entre os frutos que a companhia colhe com a iniciativa está a redução de turnover voluntário de 6,1% em 2013, para 3,7% em 2021 – os índices do setor giram em torno de 10%. O engajamento daqueles que estão no escritório só uma vez ao mês subiu três pontos percentuais nos últimos quatro anos, enquanto o aumento geral, em toda a companhia, foi de dois pontos percentuais. Patrícia destaca ainda os resultados aferidos na central de atendimento de São Paulo, onde houve aumento de 12% na produtividade e redução de 5% para 0,6% no absenteísmo de quem participa do programa. “Quando selecionamos um funcionário, já colocamos para ele a possibilidade do trabalho a distância após seis meses ou um ano de casa”, afirma a executiva, para quem os benefícios da iniciativa são muitas vezes intangíveis. Quando estourou a greve dos caminheiros, que parou o país por dez dias, a Sul América não precisou fazer grandes esforços de mobilidade, uma vez que boa parte das equipes estava pronta para realizar suas atividades de casa. “Mantivemos nossas operações normalmente, sem prejuízo.”

SUL AMÉRICA

NEGÓCIO: Venda de seguros

RAMOS DE ATUAÇÃO: Saúde, odontologia, automóveis, residencial e condomínios, vida, previdência, investimentos e capitalização

FUNCIONÁRIOS NO BRASIL: 5.139

SEDE NO BRASIL: Rio de Janeiro (RJ)

NÚMERO DE FILIAIS NO PAÍS: 90

CLIENTES ATENDIDOS: 7 milhões

FATURAMENTO: 18,2 bilhões de reais

PROJETO: Implementação do trabalho a distância em dois modelos: todos os dias da semana (home work) e uma vez por semana (home office)

PRINCIPAIS RESULTADOS: O turnover voluntário em toda a empresa caiu de 6,1% para 3,7%, o engajamento dos funcionários aumentou dois pontos percentuais nas pesquisas de clima e a produtividade dos profissionais na central de atendimento da capital paulista cresceu 12%.

A PSIQUE E AS PSICOLOGIAS

TODO PODEROSO

O que a ciência diz sobre o inconsciente, uma parte da nossa mente a que não temos acesso

Seus sentidos captam as informações do ambiente a todo momento, mesmo que você não se dê conta disso. Mas, assim como outras “máquinas” por aí, temos um sistema de armazenamento que preserva nossas memórias e conhecimentos aprendido. O acesso a todas estas informações não é tão fácil, entretanto, o que está guardado em nosso inconsciente pode surgir a qualquer momento e influenciar várias ações. E, caso duvide de sua existência, saiba que ele está presente na sua vida muito mais do que você é capaz de perceber!

UM IMENSO BAÚ

Imagine que todos os seus processos mentais vivenciados desde o período em que estava no útero de sua mãe (nessa fase já existem sensações) foram guardados em um grande arquivo. É assim que nossa mente funciona, de acordo com as teorias da psicologia. Segundo a psicóloga Carolina Careta, o inconsciente, em termos gerais, “é tudo aquilo que recebemos por meio dos sentidos, mas que não temos consciência no momento.” Ou seja, é tudo o que se faz, mas não está pensando naquele instante; uma ação de que a mente se recorda que, contudo, realizamos involuntariamente.

Ainda segundo a psicóloga, a mente humana pode ser comparada a uma espécie de biblioteca com um acervo de livros muito grande. “Alguns tão bem guardados que se tornam, na maior parte do tempo, ‘esquecidos’ e outros novinhos em folha para ilustrar o local e chamar a atenção dos leitores. Embora saibamos que o que a torna valiosa são os títulos antigos e, quanto mais antigos, mais importantes! Assim, é nosso inconsciente”, explica a psicóloga.

RÁPIDO DEMAIS

A sua profissão, o lugar para viajar nas férias, o que vai comer no almoço e até com quem você vai se relacionar: essas questões e muitas outras podem ser determinadas pela ação do seu inconsciente. “Estudos mostraram que a tomada de decisão no cérebro ocorre antes que ela tome forma consciente. Isso significa que uma parte muito pequena da atividade mental pode se dizer totalmente consciente”, afirma o neurologista Fabio Sawada Shiba. Além disso, algumas ações consideradas “automáticas”, como andar de bicicleta e dirigir, sequer passam pelo consciente.

O neurocientista britânico Chris Firth, do Univerity College, em Londres, na Inglaterra, e autor do livro Making Up the Mind: How the Brain Creates Our Mental World (em tradução livre, Desvendando a mente: como o cérebro cria o mundo da nossa mente), estima que mais de 90% do que nosso cérebro faz nunca chega à consciência.

O pesquisador cita experimentos que indicam partes do cérebro que são acionadas sem nos darmos conta. Um exemplo é a exposição de imagens que geram sensações. Em um primeiro momento, é apresentada a uma pessoa uma imagem de um rosto calmo por um curtíssimo espaço de tempo (30 milissegundos); depois é mostrada outra imagem: a pessoa não terá consciência de ter visto o rosto. Em outro momento, é apresentado um rosto com muito medo (também por 30 milissegundos), imediatamente seguido por uma expressão neutra. A pessoa também não estará ciente de ter visto esse rosto medroso. Contudo, por meio de exames, é detectado que a região da amígdala no cérebro responde a essa expressão, gerando reações de medo. Ou seja, sem a pessoa ter a consciência do que causou isso.

EM SUAS ESCOLHAS

No entanto, a maneira como o inconsciente interfere em cada indivíduo é relativo, já que leva em consideração a história de vivência de cada um, isto é, experiências pessoais e coletivas. É como se todas as informações captadas ficassem armazenadas em algum lugar no cérebro que, um dia, serão usadas. “Elas interferem diretamente no seu dia a dia. Como a escolha do parceiro ou parceira: quando falamos que o homem procura inconscientemente uma mãe na parceira ou a mulher um pai no parceiro. É muito comum nos depararmos com essa situação no consultório, sendo necessário tornar o paciente consciente dessas questões e trabalhar, por meio da psicoterapia, formas de resolver-se com essas figuras de pai e mãe e iniciar uma vida mais madura com o cônjuge, cada um desempenhando seu papel”, explica a psicóloga Carolina Careta.

Sendo o inconsciente tão atuante no nosso modo de pensar e agir, ele também interfere no processamento de lembranças. De acordo com Carolina, a forma como as memórias serão arquivadas, isto é, se de forma positiva ou negativa, irá depender de diversos aspectos individuais, como visão de mundo, grau de maturidade e crenças. “Ou seja, a forma como encara a própria vida, suas relações e seu posicionamento frente a elas”, complementa a psicóloga.

À FLOR DA PELE

O poder do inconsciente é tão grande que pode até exteriorizar, isto é, se manifestar por nosso organismo sem que nos demos conta de que se trata da ação dele. “Quando carregamos traços de justiça e valorização inconscientemente, sentimentos de raiva ou decepções podem causar somatizações e transtornos de ordem depressiva ou ansiosa, por não conseguir lidar com essas questões”, exemplifica a psicóloga.

Tal dificuldade em assimilar esses sentimentos e sensações tem como consequência o desenvolvimento de distúrbios, como afirma Carolina: “vão desde dores de cabeça e de estômago, manchas na pele, alergias e infecções, distúrbios do sono e na alimentação, etc. Pode evoluir para quadros mais graves de doenças e transtornos psicológicos, como ansiedade, síndrome do pânico, depressões em diversos níveis, entre outros”.

APÓS O BOA NOITE

Objetos estranhos, situações inusitadas, sensações inexplicáveis… Os sonhos são uma espécie de lugar onde tudo é possível. Se 90% de nossa mente é controlada pelo inconsciente, nada mais óbvio que também nossos pensamentos “off-line” sejam dominados por ele. “Por meio dos sonhos, podem ser manifestadas figuras e situações, na maioria dos casos, de forma simbólica. O próprio sonhador tem dificuldades em decifrar, e muitos acreditam que sejam bobagens. Mas, quando enfrentadas com o auxílio de um profissional, podemos descobrir grandes questões e ter o entendimento e respostas de muitos processos inconscientes”, afirma a psicóloga.

No entanto, estímulos do ambiente externo, isto é, da vivência do indivíduo, também podem interferir no conteúdo dos sonhos.

ABRINDO AS PORTAS

Apesar de todas as pesquisas recentes, o inconsciente ainda é uma área da mente muito complexa e de difícil acesso, como se fosse um cofre com senha. De acordo com a psicóloga Carolina Careta, “a melhor forma de explorar esses processos é com o auxílio de um profissional qualificado. Mesmo porque, muitas dessas questões são dolorosas e é preciso ‘elaborar’, ou seja, transformá-las em algo produtivo, que irá contribuir sempre com este indivíduo, para melhorar sua qualidade de vida, de pensamentos e sentimentos”.

O inconsciente também se expressa no dia a dia. Para o psicanalista austríaco Sigmund Freud, os atos falhos são uma representação disso, por exemplo, quando trocamos os nomes de duas pessoas. Contudo, obter o acesso só seria possível por meio de insights provocados pela análise, experiências psicoterapêuticas ou sonhos, que Freud pensava serem a estrada para esse universo quase secreto. Segundo Carolina, “os sonhos são uma importante ferramenta para o acesso ao inconsciente. Através deles, podem ser manifestadas figuras e situações, na maioria dos casos, de forma simbólica, já que nem todos possuem certezas sobre aquilo que está em sua mente”. Nesses casos, a ajuda profissional pode contribuir para um melhor entendimento sobre as dúvidas que permeiam esse mundo.

Mas há quem discorde da teoria e prove que sonhos nem sempre têm um simbolismo ou são organizados. Assim, um alto nível de concentração seria necessário (e possivelmente alcançado por terapias) para desenvolver consciência sobre aquilo que está no inconsciente e, então, tentar superar alguns comportamentos. Além desses fatos, é preciso lidar com os costumes que aprendemos na infância e repetimos ao longo dos anos, sem nos darmos conta.