EU ACHO …

DAQUI A VINTE E CINCO ANOS

Perguntaram-me uma vez se eu saberia calcular o Brasil daqui a vinte e cinco anos. Nem daqui a vinte e cinco minutos, quanto mais vinte e cinco anos. Mas a impressão-desejo é a de que num futuro não muito remoto talvez compreendamos que os movimentos caóticos atuais já eram os primeiros passos afinando-se e orquestrando-se para uma situação econômica mais digna de um homem, de uma mulher, de uma criança. E isso porque o povo já tem dado mostras de ter maior maturidade política do que a grande maioria dos políticos, e é quem um dia terminará liderando os líderes. Daqui a vinte e cinco anos o povo terá falado muito mais.

Mas se não sei prever, posso pelo menos desejar. Posso intensamente desejar que o problema mais urgente se resolva: o da fome. Muitíssimo mais depressa, porém, do que em vinte e cinco anos, porque não há mais tempo de esperar: milhares de homens, mulheres e crianças são verdadeiros moribundos ambulantes que tecnicamente deviam estar internados em hospitais para subnutridos. Tal é a miséria, que se justificaria ser decretado estado de prontidão, como diante de calamidade pública. Só que é pior: a fome é a nossa endemia, já está fazendo parte orgânica do corpo e da alma. E, na maioria das vezes, quando se descrevem as características físicas, morais e mentais de um brasileiro, não se nota que na verdade se estão descrevendo os sintomas físicos, morais e mentais da fome. Os líderes que tiverem como meta a solução econômica do problema da comida serão tão abençoados por nós como, em comparação, o mundo abençoará os que descobrirem a cura do câncer.

***CLARICE LISPECTOR

OUTROS OLHARES

O TAL NOVO NORMAL

O tradicional Dicionário Oxford não conseguiu escolher a palavra do ano. Entre “coronavírus”, lockdown e “reabertura”, e mais algumas que entraram na seleção final, os lexicógrafos decidiram ficar com todas.

Um único termo não faria jus a um ano tão conturbado como foi 2020. Em praticamente, todos os lugares do mundo, a rotina foi alterada e o modo de vida mudou. Algumas mudanças serão passageiras e outras talvez tenham vindo para ficar, mas só saberemos o que é o “novo normal” – outra expressão reverberada à exaustão – no decorrer da próxima década.

No fim de fevereiro, bastou a última escola de samba terminar o desfile para a crise já se apresentar na avenida: saíram mestre-sala e porta-bandeira, entraram álcool em gel e máscara – não de Carnaval, infelizmente. Antes utilizado quase que exclusivamente por profissionais da saúde, o acessório passou a ser exigido de todos os frequentadores de espaços públicos, inclusive sob pena de multa. Para quem está esperando pela vacina para se livrar dele, aconselha-se aguardar mais um pouco. Mesmo com a imunização, é possível que a recomendação de uso persista por um bom tempo. À parte o exagero da comparação, a gripe espanhola, que eclodiu em 1918, só desapareceu três anos depois, sem vacina, é verdade.

Na sequência dos acontecimentos, países começaram a levantar barreiras em portos e aeroportos como forma de evitar a propagação da Covid-19. Os aviões, no entanto, logo voltaram aos céus com novas regras de viagem. Além de exigir máscara, as companhias implementaram protocolos de segurança, como medição de temperatura e exigência de atestados médicos, além de higienização reforçada de aeronaves. Essas medidas devem ser mantidas no decorrer de 2021. Quanto aos cruzeiros marítimos, é melhor não contar com eles antes do verão de 2022.

Mal o ano letivo havia começado, e as escolas e universidades foram forçadas a paralisar as aulas. Algumas retomaram depois, outras não, e muitas adotaram o ensino a distância, principalmente, as particulares. Uma pesquisa conduzida pela Catho Educação apontou um aumento de 45% no interesse por cursos remotos já no começo da pandemia. Ao que tudo indica, o recurso sairá fortalecido da crise. Em julho, enquanto cada instituição de ensino tomava um rumo diferente, restaurantes e bares voltaram à ativa em alguns estados, ainda que com exigência de espaçamento entre grupos, horário de funcionamento controlado e número limitado de clientes. Estabelecimentos não conseguem sobreviver assim por muito tempo. Por isso, provavelmente os donos nunca mais vão querer ouvir falar de pandemia. mas o álcool em gel continuará nas mesas.

Durante o período de fechamento dos cinemas, que só voltaram em outubro, muitos lançamentos foram postergados (007 – Sem Tempo para Morrer foi adiado duas vezes) e outros estrearam diretamente no streaming. Houve algumas iniciativas isoladas de cinema ao ar livre, mas é difícil antecipar uma tendência aqui. Novidade mesmo foi a força que ganharam plataformas como Netflix, Amazon e a recém-lançada Disney+. Enquanto o futuro das salas de exibição é incerto, o de uma cinemateca própria dentro de casa é promissor.

Shows e concertos também tiveram de ser cancelados. No lugar, foram realizadas centenas de lives de artistas ao longo do ano, algumas com estrondoso sucesso, como a apresentação da cantora de sertanejo Marília Mendonça, que teve uma audiência de mais de 3,3 milhões de pessoas. No Brasil, as buscas por lives no YouTube cresceram 4.900% em seis meses. A executiva da plataforma, Amy Singer, afirmou que os vídeos ao vivo não serão esquecidos após a pandemia. Realmente, um show sem fins lucrativos como o que foi feito pelos Rolling Stones em abril é para ser lembrado para sempre.

O esporte foi outra atividade que levou caneladas do coronavírus. A fim de evitar aglomerações torcedores das mais diversas modalidades não puderam assistir aos jogos de seus times nos estádios. Os campeonatos de futebol acabaram eventualmente voltando no Brasil e na Europa, mas o público foi mantido em casa, o que garantiu maior audiência para os canais esportivos por assinatura. O som de torcida nas arenas vazias – ideia dos organizadores – dá uma sensação fantasmagórica, mas isso não é mais assustador que a iniciativa de monitorar a população por meio de câmeras termográficas. A Indonésia; por exemplo, mais flexível que os países ocidentais no quesito invasão de privacidade, intensificou o uso da tecnologia como forma de detectar pessoas febris nos aeroportos.

O ano de 2020 chega ao fim e uma outra palavra poderia ser escolhida por Oxford para emoldurá-lo: “desigualdade”. A crise escancarou a diferença abissal entre os que podiam ficar em casa e pedir entrega de comida e aqueles que, sem o auxílio emergencial do governo, nem mesmo sobreviveriam. Espera-se que, em 2021, a qualidade de vida de todas as pessoas melhore. Isso sim seria um aceitável novo normal.

ALIMENTO DIÁRIO

GOTAS DE SABEDORIA PARA A ALMA

DIA 20 DE FEVEREIRO

A VIDA DO ÍNTEGRO, O DELEITE DE DEUS

Abomináveis para o Senhor são os perversos de coração, mas os que andam em integridade são o seu prazer (Provérbios 11.20).

Deus não é um ser apático e amoral. Ele se deleita naqueles que andam em integridade e sente repulsa pelos perversos de coração. Tem prazer na vida do justo e abomina aqueles que no coração maquinam o mal. Deus não se impressiona com as aparências. Muitos perversos de coração têm palavras doces, gestos nobres e apresentam-se como verdadeiros beneméritos da sociedade. Normalmente são pessoas que ocupam posições estratégicas nos altos escalões do governo e aparecem na mídia como heróis nacionais. Mas Deus não se deixa enganar. Não se impressiona com o desempenho rebuscado. Ele vê o coração, e não apenas o exterior. Deus abomina não somente a perversidade quando já está com seu maldito fruto maduro; Deus abomina o perverso quando essa maldade é apenas uma semente em seu coração. Se os perversos de coração são abomináveis para Deus, os que andam em integridade são o seu prazer. Deus é luz, e não podemos ter comunhão com ele andando nas trevas. Deus é santo, e não podemos navegar pelos mares da impureza e ao mesmo tempo desfrutar de intimidade com ele. Só os puros de coração verão a Deus. Só aqueles que trajam vestiduras brancas andarão na cidade santa com o Senhor.

GESTÃO E CARREIRA

BENEFÍCIOS À LA CARTE

O home office acelerou a tendência pela flexibilização da cesta de benefícios. Entenda quais cuidados devem ser tomados ao criar programas desse tipo

Nos primeiros meses de isolamento social, os RHs testemunharam um comportamento padrão entre os funcionários: a corrida para trocar o vale-refeição pelo vale-alimentação. Afinal, ninguém saía de casa para almoçar. Sem necessidade de se deslocar, incentivos como o vale-combustível e o estacionamento grátis no prédio da empresa também deixaram de ser atraentes. Em contrapartida, o plano de saúde foi ainda mais valorizado – uma pesquisa da consultoria de recrutamento Robert Half mostrou que esse é o benefício de maior importância para os empregados no pós-pandemia.

Todo esse contexto mostrou algo que, às vezes, passa despercebido: o valor não financeiro de um benefício pode mudar conforme a situação vivida pelos empregados – seja coletiva, seja individualmente. É por isso que começa a surgir a tendência. de flexibilizar os benefícios para torná-los mais personalizados. A proposta não é exatamente uma novidade, mas as necessidades durante a quarentena reforçaram um movimento que algumas empresas estavam promovendo por causa do aumento da valorização da diversidade e do bem-estar de seus empregados. “Há hoje uma força de trabalho muito mais diversa e é preciso ser capaz de servir às diferentes demandas, desde questões geracionais até de estilo de vida. Então o pacote de benefícios passa a suprir essas necessidades”, diz Tatiana lwai, professora de comportamento e liderança no Insper. Mas um bom programa vai além da troca do VR pelo VA. Em geral, ele funciona como um menu de opções: cada benefício tem uma pontuação ou peso, e o funcionário monta sua cesta conforme suas preferências e necessidades, desde que obedecido o teto de valor ou de pontuação. “É fantástico, mas há 20 anos tem baixíssima prevalência”, diz René Ballo, líder de benefícios na consultoria Willis Tower Watson (WTW). A empresa, inclusive, apontou em seu levantamento sobre o tema feito em 2019 que, embora uma em cada três companhias pretendam implementar pacotes flexíveis, apenas 9% já possuem ações em curso. A baixa adesão pode ser explicada pelo alto investimento – não necessariamente financeiro. “Há custos indiretos, como toda a energia que a área de recursos humanos irá despender com comunicação, educação, planejamento e gerenciamento do programa”, diz René.

Desenho detalhado Giselly Viveiros, gerente sênior de remuneração e benefícios da Danone, viveu essa experiência entre março de 2019, quando abriu concorrência para consultorias em flexibilidade de benefícios, e março de 2020, quando finalizou o projeto BenVocê, voltado para 4.500 funcionários e que começou a rodar em agosto. “É preciso desenhar muito bem. Sentei com o jurídico e o tributário para vermos ponto a ponto o que entraria de benefícios e de que maneira. O salário é tributável, já o benefício não é. Então não poderíamos gerar impostos sobre isso”, explica. “As liberações que antes eram em massa agora são praticamente individuais. “Durante o período de implementação do projeto, o RH ficou dez dias integralmente dedicado a atender aos pedidos e dúvidas dos funcionários.

O BenVocê, como grande parte dos programas de benefícios flexíveis, funciona por um sistema de pontuação. Cada funcionário tem direito a uma cota de pontos, que varia conforme o número de dependentes legais e a elegibilidade dos benefícios. Uma pessoa solteira e sem filhos, por exemplo, tem de 1.000 a 6.000 pontos para distribuir. O funcionário pode receber de 350 a 900 pontos a mais a cada dependente legal, a depender do padrão de assistência médica, que varia conforme o cargo.

RESPEITO E ABRANGÊNCIA

Na Serasa Experian, a prática entrou em vigor em 2017, depois que uma pesquisa interna mapeou que os empregados – que hoje somam 2.500 pessoas – gostariam de ter mais personalização em suas cestas. No início, o foco foi em benefícios tradicionais, como os de saúde e alimentação, e, depois de o programa estar maduro, entraram questões de educação e previdência privada, por exemplo. O programa também funciona por meio de pontos que podem ser distribuídos para opções sob demanda. “É uma mensagem bacana do empregador, pois mostra respeito aos funcionários”, diz Flavio Balestrin, vice-presidente de recursos humanos da Serasa Experian. Mas ele alerta: é necessário acompanhar os indicadores de perto. “Se a adesão é baixa, é preciso ver se faz sentido, porque é um trabalho que envolve muitos parceiros”, explica o executivo.

Além de mais engajamento, outra motivação das companhias que flexibilizam seus pacotes é atender às demandas de times heterogêneos. “Numa empresa com perfis tão diferentes, um pacote único não faz sentido. Fala-se tanto em escutar e ser ágil com o consumidor, temos que fazer isso com nosso time”, diz Sandro Bassili, VP de pessoas e assuntos institucionais do Grupo Boticário. A fabricante de produtos de beleza, que tem um quadro de 12.000 pessoas, implantou em outubro seu programa de benefícios flexíveis. Ele será válido para todos os trabalhadores da companhia: operadores de fábrica, vendedores e time administrativo. Chamada de Cesta Benflex, a iniciativa engloba questões como plano de saúde para pets, viagens, compra de equipamentos para home office, bolsa-educação e auxílio em ópticas.

SINAIS DE ALERTA

O empregador precisa ficar de olho em aspectos jurídicos na hora de flexibilizar as cestas. Vale lembrar, por exemplo, que alguns acordos trabalhistas exigem benefícios obrigatórios. Por isso, é preciso estabelecer os que são fixos e os que podem variar – e aqui entram ofertas que nem sempre são vistas corno essenciais, mas que têm alto valor agregado, como a previdência privada.

Outro ponto de atenção é a gestão dos fornecedores. Com a pulverização dos benefícios, o poder de barganha da empresa diminui e o RH precisa se dedicar para chegar a uma boa negociação.

“Os contratos e acordos são diferentes com cada fornecedor, incluindo prazos para renovações ou alterações. Nem as operadoras de saúde estão preparadas para benefícios flexíveis”, diz Gustavo Vitti, vice-presidente de pessoas do iFood, que adotou o modelo em 2018 e hoje oferece o programa para 2.500 funcionários.

Por isso a eleição – ou a modificação – da cesta, em geral, tem períodos para ocorrer (a cada seis meses ou a cada ano), com algumas poucas situações em que é possível realizar alterações, como uma promoção ou a entrada de um novo dependente.

FOCO NA COMUNICAÇÃO

Tudo o que mexe no pacote de remuneração gera dúvidas e inseguranças. Por isso a companhia tem que se preparar para comunicar as mudanças com muita transparência e agilidade. Intranet, newsletter, posts em redes sociais internas, lives com liderança e manuais de uso ajudam.

Além disso, a comunicação também auxilia o empregado a entender seu protagonismo e sua autonomia como beneficiário. “A principal vantagem desse tipo de programa é que o modelo privilegia o momento de vida de cada um e requer que todos se apropriem do programa e de suas escolhas”, diz Kelly Cristina Nunes, gerente sênior de pessoas da Vivo, que flexibilizou a cesta para os 33.000 funcionários. E ela destaca mais um bom motivo para aderir a essa prática: o aumento do reconhecimento da companhia como uma boa empregadora. “Os funcionários veem o programa como um valor.” Bom motivo para colocar essa política no radar.

FIQUE ATENTO

Ao alterar a política de benefícios, preste atenção nos pontos a seguir:

1. LIVRE-ARBÍTRIO

O funcionário deve ter liberdade para fazer ou não a substituição

2. SEM PREJUÍZO

O ideal é não existir piora na cesta oferecida. Se houver substituição de benefícios, eles devem manter a equivalência financeira com o que era disponibilizado anteriormente. Além disso, é preciso garantir que funcionários com mesma função tenham os mesmos direitos

3. FORMALIZAÇÃO

O empregado precisa assinar um documento concordando com as mudanças, que devem ser descritas detalhadamente

APOIO DAS STARTUPS

De olho na tendência de mercado, RHtechs auxiliam os gestores de pessoas a flexibilizar as cestas. Conheça duas delas

VEE

Com 600 clientes e 40.000 funcionários cadastrados, a plataforma teve crescimento de 500% de janeiro a setembro de 2020. O RH pode gerir os benefícios em um só lugar e a Vee disponibiliza um cartão com o qual os funcionários podem acessar benefícios de alimentação, mobilidade urbana, educação, home office, saúde, cultura, entre outros.

CREDITAS

A fintech de crédito ampliou seu portfólio e lançou, em setembro de 2020, o aplicativo @Work. A startup oferece a gestão de um cartão de benefícios com soluções de alimentação, refeição, mobilidade, cultura, saúde e educação.

A PSIQUE E AS PSICOLOGIAS

NUVEM PASSAGEIRA

P1esquisa revela que pessoas prestes a romper uma relação mudam o padrão de linguagem nas redes sociais e expõem suas frustrações muito antes de o namoro acabar

Lá naquela outra era, antes da internet, os relacionamentos amorosos inegavelmente duravam mais. Seja por preconceitos enraizados na sociedade, seja por puro comodismo, os casais passavam anos juntos, mesmo se isso representasse uma tormenta. Houve, obviamente, quem conhecesse a felicidade por longos períodos, mas também não foram poucos os que sofreram em silêncio, suportando o desgaste de cada dia, e no fim se arrependeram por uma vida que, afinal, não foi desfrutada como deveria. Poucas vezes relações doentias foram tão bem retratadas quanto no filme Cenas de um Casamento, de 1973, do diretor sueco Ingmar Bergman, que expôs, com a crueza dos grandes artistas, o sofrimento por trás de um convívio infeliz. Agora, os tempos são outros, e irresistivelmente diferentes. O sociólogo polonês Zygmunt Bauman até criou uma expressão, “amor líquido” (nome de um livro seu que se tornou sucesso de público e crítica), para definir a cada vez mais comum instabilidade das uniões afetivas. Nesta nova modernidade, tudo muda rapidamente, e o impulso de substituir o parceiro por outro, e depois outro, e mais um — e assim por diante —, é o que parece mover boa parte da sociedade. Com as redes sociais, a tal característica “líquida” foi exacerbada. As mídias digitais servem para encontrar o futuro amor, mas também para desfazer laços, refazê-los, e desatá-los de novo, num processo sufocante que parece não ter fim.

Se as redes sociais são os motores dos relacionamentos da nova era, elas também podem oferecer, mesmo que involuntariamente, as pistas que indicam se uma relação será duradora ou, quem sabe, apenas nuvem passageira. Uma saborosa e inédita pesquisa realizada pela Universidade do Texas, em Austin, nos EUA, mostrou que os seres humanos são muito mais previsíveis do que podem imaginar, até quando o que está em jogo são os desígnios do coração. Ao lado da lista dos algoritmos que preveem o que as pessoas gostariam de comprar e das inteligências artificiais que antecipam as jogadas do oponente no xadrez, surge agora uma tecnologia capaz de profetizar o fim de um relacionamento meses antes de o desenlace ocorrer — e tudo isso a partir da análise de posts nas redes sociais.

O estudo foi publicado no dia 1º de fevereiro no renomado periódico científico Proceedings of the National Academy of Sciences. Os pesquisadores coletaram 1 milhão de posts realizados por 6.800 usuários que publicaram sobre o fim de seus relacionamentos na rede social Reddit e os colocaram em um software capaz de analisar os padrões de linguagem usados até dois anos antes da separação definitiva. Para satisfação dos cientistas, que já suspeitavam que as pessoas dão pistas de seus desencontros, elas começaram a mudar o teor das postagens, em média, até três meses antes de terminar o namoro. A palavra “eu” passou a ser mais usada, o que indica uma maior preocupação com assuntos particulares do que com aqueles que diziam respeito à vida do casal. Ou seja: quem deseja terminar uma relação inevitavelmente passa a pensar mais em si em detrimento do outro — e essa regra é válida quase sempre para cada ex-apaixonado, seja ele usuário do Reddit, Instagram ou Facebook. Cresceu também a quantidade de posts com termos como “acho” e “deveria”. De acordo com os pesquisadores, eles costumam ser usados quando alguém está tentando superar um problema.

É curioso perceber que, quando a ideia de pôr um ponto-final em um namoro começa a ser gestada, a maioria das pessoas atua da mesma maneira. A pesquisa detectou uma queda abrupta do número de posts com teor analítico, ou daqueles com linguagem formal e complexa. Por outro lado, cresceu a frequência das publicações despojadas e recheadas de narrativas pessoais. A justificativa, segundo os pesquisadores, é simples: quando a pessoa passa por um momento delicado, ela costuma dar preferência a relatos íntimos, que refletem sua introspecção.

A psicóloga Sarah Seraj, pesquisadora da Universidade do Texas e principal autora do estudo, explica os mecanismos por trás do comportamento humano. “A linguagem de uma pessoa apresenta mudanças sutis de acordo com o seu estado psicológico”, disse. “Embora não notemos essas alterações em conversas cotidianas, o que apenas um computador é capaz de fazer, elas estão presentes e podem refletir o fato de que o indivíduo está passando por momentos conturbados.” Seraj ressalta que o estudo também reafirmou o poder das redes sociais em influir nos relacionamentos interpessoais. Nesses sites, as pessoas escrevem sobre sua vida cotidiana e não apenas deixam rastros de seu estado emocional como são igualmente influenciadas por posts de outras pessoas.

De fato, a popularização das redes sociais, no começo da década passada, levou a uma superexposição inédita na história da humanidade. Levantamentos recentes mostram que 4 bilhões de pessoas usam regularmente Facebook, Twitter, TikTok, Instagram e afins — é mais da metade de todos os habitantes do planeta. Nada mais natural, portanto, que as plataformas tenham papel ativo na vida amorosa. Um estudo realizado recentemente pelo Pew Research Center investigou a influência das redes sociais em relacionamentos românticos. Os cientistas notaram que, entre os jovens que participaram da pesquisa, 60% disseram acreditar que as redes sociais os ajudam a permanecer mais conectados à vida do parceiro. Em outras palavras: eles precisam das mídias digitais para, de alguma maneira, provar seu amor.

Ao mesmo tempo que pode ser considerada o caminho mais curto para novos enlaces — basta dar uma espiada no sucesso do Tinder para comprovar isso —, a internet traz aspectos bastante negativos. Espionar as publicações e curtidas da namorada ou namorado não é apenas condenável como pode resultar em fixação perigosa. O stalking, termo em inglês para designar perseguição nas redes sociais, é relativamente comum entre casais recém-separados. Outro bom exemplo de novos desafios trazido pela era digital é o oversharing, ou “excesso de compartilhamento”, que consiste na postagem em demasia de palavras ou fotos que deveriam ser íntimas ou menos frequentemente publicadas. Dele resulta a superexposição, que pode ser danosa não só para uma pessoa, mas para o próprio casal.

As redes sociais são mesmo usadas para tudo. Até para terminar uma relação sem confrontar o outro diretamente, o que pode ser considerado um tremendo desrespeito. Laura Conrado, escritora mineira de 36 anos, passou por três términos on-line. “Depois do primeiro, comecei a ver as redes sociais como fonte absoluta de frieza nos relacionamentos”, diz. “Com o tempo, isso passou, e percebi que elas também podem oferecer oportunidades para muita coisa boa nos namoros.” Segundo Laura, o acesso às redes sociais oferece apoio que pode ser crucial para um casal que passa por fases difíceis. Além disso, diz ela, as mídias proporcionam um meio de contato contínuo utilíssimo em romances a distância. O psicólogo Fred Mattos, autor do livro Relacionamentos para Leigos, amplia o raciocínio. “Para casais que têm uma relação feliz, as redes sociais potencializam o namoro como um estimulante”, afirma Mattos. “Para os inseguros e controladores, as mídias tornam-se uma bomba conspiratória recheada de tensão, fantasias de rejeição e abandono.”

Seja como for, a realidade é que as mídias sociais são ao mesmo tempo combustível para romances, mas também inspiração para desfazê-los. Há muita gente disponível na rede, como existem também pessoas prontas para trocar o parceiro de hoje por uma experiência diferente amanhã. Nesses casos, é bom prestar atenção. Na próxima vez que o amor de sua vida falar em excesso de si próprio numa postagem, talvez seja o sinal de que ele não está mais tão a fim de você.

ROMANCE DESFEITO

Os detalhes do estudo feito pela Universidade do Texas, nos EUA