GESTÃO E CARREIRA

PECADOS CAPITAIS DE UM LÍDER

Pesquisa da Talenses Executive mostra como os CEOs brasileiros se comportaram na crise

Centralizar decisões, guiar-se pela emoção, não enxergar a realidade como ela é ou ser conservador demais. Para 103 conselheiras e conselheiros ouvidos pela consultoria Talenses Executive, esses foram os principais erros dos CEOs nos primeiros meses de pandemia. “Em momentos de crise, as empresas não costumam tomar decisões drásticas e agem com o menor nível de ousadia e de investimento”, afirma João Marcio Souza, CEO da consultoria. É bem provável que nenhum CEO, diretor ou executivo brasileiro tivesse previsto em seu planejamento estratégico e de risco uma crise de saúde humana com efeitos sobrea economia global. A diferença foi como cada líder recebeu o impacto da covid-19, e como reagiu. “Uns foram rápidos, outros mais lentos, uns otimistas demais, outros tão pessimistas que demoraram a tomar atitude”, diz. Para os conselheiros, o que mais influencia positivamente uma organização em momento de turbulência é montar equipes multidisciplinares, comitês de gestão de crise e recorrer a conselhos consultivos. Inteligência emocional e coragem para tomar decisões são as duas principais habilidades comportamentais para enfrentar mares revoltos. Comunicação humanizada, ética e transparente com a companhia como um todo, para baixo e para os lados, aparece como uma alternativa para criar engajamento na organização. A crise traz oportunidade para economizar recursos, automatizar processos, digitalizar pessoas e, principalmente, repensar a estratégia do negócio, diz Souza.

COM A PALAVRA, OS CONSELHEIROS

Autor: Vocacionados

Sou evangélico, casado, presbítero, professor, palestrante, tenho 4 filhos sendo 02 homens (Rafael e Rodrigo) e 2 mulheres (Jéssica e Emanuelle), sou um profundo estudioso das escrituras e de tudo o que se relacione ao Criador.