A PSIQUE E AS PSICOLOGIAS

NA MENTE DOS DEPRESSIVOS – V

MAIS BEM-ESTAR

A psicoterapia é fundamental no tratamento da depressão e é a responsável por mudar a forma como a mente trabalha diante das adversidades da vida

Mesmo quando os medicamentos são indicados, eles funcionam muito melhor se associados à psicoterapia. Este é o tratamento indispensável para qualquer caso de depressão e pode ser realizado tanto com psicólogo quanto com psiquiatra terapeuta. Existem diversos métodos psicoterápicos disponíveis para aqueles que sofrem com a depressão e cada paciente pode escolher a abordagem com a qual mais se identifica – podendo consultar outros profissionais caso não veja resultados. No entanto, a terapia, aliada a certas atitudes e posturas diante da vida, pode oferecer resultados ainda melhores. “Cuidar de si, melhorando aspectos importantes como sono, alimentação saudável e atividades físicas. Ser gentil com você mesmo e não se culpar se não fizer algo que planejou, além de experimentar coisas novas e compartilhar experiências com as pessoas”, analisa a psicóloga Monica Pessanha.

O objetivo principal da terapia é oferecer habilidades e visão que irão ajudar a lidar com a depressão por meio de técnicas práticas sobre como reformular o pensamento negativo e empregar habilidades comportamentais. “O tratamento também pode trabalhar a raiz do distúrbio, colaborando para a compreensão do motivo pelo qual a pessoa se sente de determinada maneira e quais os gatilhos desencadeiam suas sensações”, pontua a psicóloga. A profissional ainda acrescenta que, em termos gerais, a terapia se concentra em três áreas: relacionamento (familiar e trabalho), definição de limite (uma vez que tentar dar “passos maiores que as pernas” pode ser um desencadeador da depressão) e o momento de lidar com os problemas da vida (a maneira coma qual devemos desenvolver maior resiliência). “Existem muitos tipos disponíveis e três métodos mais comuns utilizados no tratamento, como as terapias cognitivo-comportamental, interpessoal e psicodinâmica. Muitas vezes, uma abordagem mista é mais usada”, esclarece Monica.

Tanto os sintomas como as causas e a maneira com a qual se enfrenta o distúrbio são particulares, cada um passa por esse período de um jeito específico, e com as respostas ao tratamento não é diferente. “Alguns indivíduos sofrem de depressão clínica temporária e tomam medicamentos por até 12 meses. Para outros, é uma batalha ao longo da vida, em que picos da doença aparecem com o tempo”, assinala Monica. Em muitos casos, o tratamento, ministrado por meio de psicoterapias e também de medicações, mostra-se eficaz, e o paciente pode ser considerado curado. “A depressão tem cura, mas a pessoa precisa ficar atenta para não reincidir e deslizar de volta aos hábitos sombrios, pois a tendência permanece. Toda cura psíquica é um processo de autoconhecimento, e a descoberta de objetivos de vida ajuda a anular essa predisposição,” ressalta Júlia.

TERAPIAS COMPLEMENTARES

Tudo o que puder ser feito para amenizar os sintomas da depressão é bem-vindo, inclusive as terapias alternativas, hoje chamadas de complementares por auxiliarem os tratamentos convencionais. Confira algumas opções!

A ARTE DA MEDITAÇÃO

Essa técnica vem sendo cada vez mais usada de forma complementar ao tratamento médico. “Na meditação, utilizamos a respiração como uma viga mestra. Quando oxigenam-se as células nervosas, há uma alteração no humor que nos faz sair do estado de inércia para uma maior proatividade”, explica a terapeuta especialista em meditação Nara Louzada. Por meio desse procedimento, é possível estimular nosso cérebro para transformar a interpretação de situações do dia a dia. “A meditação atua na parte frontal do cérebro, onde se situam a atenção e o foco, além de trabalhar o sistema límbico, responsável pelas questões emocionais”, descreve Nara.

TÉCNICA ORIENTAL

Outra opção que surge para auxiliar quem se encontra num quadro depressivo é a acupuntura. De acordo como acupunturista Rubenildo Coutinho, há dois mecanismos por meio dos quais essa prática pode ser útil. “Há o energético, que consiste no equilíbrio dos canais por onde a energia do corpo transcorre, e o fisiológico, que libera substâncias analgésicas, anti-inflamatórias, relaxantes musculares, além de ter uma ação moduladora sobre as emoções e distúrbios como a depressão e a ansiedade, ao estimular a produção de hormônios como a serotonina e a endorfina”, esclarece. Coutinho relata que a técnica empregada inclui estímulos com agulhas ou laser em determinados locais da pele – os chamados pontos de acupuntura – que são escolhidos para tratar a depressão.

MEXA-SE!

O tempo todo nós somos lembrados do quanto é importante praticar esportes. Além de ser uma importante atitude na busca por uma vida mais saudável, essa prática pode trazer vantagens na luta contra a depressão – especialmente pelo fato de ajudar na maior liberação de endorfina. “A endorfina é um hormônio produzido pela glândula hipófise e promove no organismo efeito analgésico, de bem-estar, melhora do humor e alegria”, descreve o ortopedista Mauro Olívio Martinelli. “Por ser liberada após atividades físicas e, por conta dos seus efeitos, pode ajudar no combate à depressão”. De acordo com o médico, alguns estudos indicam que atividades físicas aeróbicas como caminhadas, corridas, andar de bicicleta e nadar liberam maiores níveis de endorfina. Assim, com o acompanhamento de um profissional especializado, é possível consolidar uma regularidade na prática de esportes que, além de ajudar a superar o transtorno, pode colaborar para melhoras em áreas como memória, aprendizado, humor, disposição, sono e autoestima.

AJUDA DA TECNOLOGIA

Desde 2012, a estimulação magnética transcraniana (EMT) é uma técnica aprovada pelo Conselho Federal de Medicina para ajudar no tratamento de paciente com depressão e que não apresentam resposta satisfatória com uso de terapias convencionais. A EMT é não invasiva e indolor, realizada com um objeto semelhante a um capacete acoplado à cabeça do paciente, emitindo pulsos magnéticos de maneira focalizada no cérebro. As sessões duram 15 minutos em média e o objetivo é reduzir os sintomas da doença, podendo inclusive suspender o uso de medicamentos. O paciente se mantém acordado e a técnica é segura, sem apresentar efeitos colaterais, além de poder ser usada também no tratamento da esquizofrenia, ansiedade, transtorno do pânico, dor crônica, entre outros problemas.

Outra ferramenta que pode ajudar pacientes com depressão e recentemente lançado no Brasil é o Deprexis, um software baseado nos princípios da terapia comportamental cognitiva (TCC) e que conduz um diálogo interativo com os pacientes, na tentativa de despertar o prazer de realizar algumas tarefas do dia a dia. O Deprexis pode ser utilizado em dispositivos com acesso à internet, incluindo smartphones e tablets. Um estudo publicado em novembro de 2017 no Journal of Affective Disorders mostra que o uso de um software como ferramenta complementar da psicoterapia pode ser uma opção promissora para o tratamento da depressão. Assim, o Deprexis não deve substituir o tratamento convencional (com o uso de medicamentos caso necessário), e sim ser usado como um complemento para acelerar a melhora dos sintomas.

Autor: Vocacionados

Sou evangélico, casado, presbítero, professor, palestrante, tenho 4 filhos sendo 02 homens (Rafael e Rodrigo) e 2 mulheres (Jéssica e Emanuelle), sou um profundo estudioso das escrituras e de tudo o que se relacione ao Criador.

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s