EU ACHO …

PENSO, LOGO DESISTO

Se há um elemento que não podemos subestimar atualmente é o limite da estupidez humana. Se vivesse no Brasil de hoje, e não na França do século 17, Descartes não teria dito “penso, logo existo”, mas “penso, logo desisto”. Não há nada mais frustrante do que tentar ver a realidade sob o prisma da lógica. O pensamento cartesiano, inspirado por Descartes, foi descartado. A lista de fatos que mostra isso é quase infinita, mas vamos nos ater à discussão recente: a politização da vacina anti coronavírus. O uso político de uma doença já é de uma baixeza inigualável, uma vez que o número de mortos — seres humanos com famílias, carreiras, sonhos — passa a importar apenas para justificar uma narrativa, sem qualquer empatia com as vítimas. Os negacionistas negam, no fundo, o direito ao conhecimento. Esse governo federal ainda se sentará no banco dos réus, não apenas por sua incompetência evidente, mas por sua crueldade dolosa.

O presidente Bolsonaro não se importa que os brasileiros morram — desde que se mantenha no poder. Sua mais nova estratégia contra os inimigos é defender que “a vacina não será obrigatória”. O capitão cloroquina diz isso por uma única razão: a opção mais avançada não é a que ele patrocinou, mas sim o governador de São Paulo, João Doria, seu adversário político.
É um argumento tão infantil que nem parece que vem de um homem de 65 anos, mas de um moleque de nove, brigando no playground. É óbvio que a eficácia da vacina deve ser provada, não é disso que se trata. O boicote que o presidente sugere deixa de ser uma posição política para se tornar uma questão criminosa. A vacina não nasce da origem ideológica do cientista, mas dos testes em laboratório. Alguém sabe quem fez a vacina contra poliomelite? Varíola? Sarampo? Isso só importa para terreplanistas e apoiadores cegos.

Bolsonaro engana a população com gráficos comprados em bancos de imagem e militares irresponsáveis sem respeito por suas próprias patentes. Ser vacinado durante uma pandemia mundial não tem nada a ver com liberdade, porque quem não se vacina pode contrair a doença e transmiti-la a outras pessoas. Explicando para um moleque de nove anos: um cidadão tem a liberdade de beber uma garrafa de cachaça, mas não tem liberdade de fazer isso e sair dirigindo por aí porque pode matar outras pessoas. Da mesma forma, fazendeiros vacinam o gado para que infecções não se espalhem pelo rebanho. O gado não tem liberdade para decidir se é vacinado ou não. Ou tem? Temo que o Brasil de hoje tenha virado uma grande fazenda — e com o líder do rebanho no comando.

*** FELIPE MACHADO

Autor: Vocacionados

Sou evangélico, casado, presbítero, professor, palestrante, tenho 4 filhos sendo 02 homens (Rafael e Rodrigo) e 2 mulheres (Jéssica e Emanuelle), sou um profundo estudioso das escrituras e de tudo o que se relacione ao Criador.

Uma consideração sobre “EU ACHO …”

  1. Doria e Bolsonaro se merecem… a população de São Paulo e do Brasil como um todo é que precisa ficar mais alerta e atenta para escolher seus representantes, mesmo que nem todos tenham os escolhido, meu caso, por exemplo.

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s