ALIMENTO DIÁRIO

GOTAS DE CONSOLO PARA A ALMA

DIA 13 DE NOVEMBRO

O SILÊNCIO DE DEUS

Atenta para mim, responde-me, SENHOR, Deus meu!… (Salmos 13.3a).

O silêncio de Deus grita mais alto em nossos ouvidos que os berros da natureza. Os trovões que ribombam das nuvens tempestuosas são mais suaves que o silêncio de Deus nas noites escuras da alma. Não é fácil lidar com o silêncio de Deus. Quando Deus se cala, ficamos confusos e perturbados. Muitos salmos de lamento expressam essa angústia. O patriarca Jó lidou com o silêncio de Deus. Fuzilado pela dor e esmagado pelas perdas, Jó bradou desde a terra até os céus, à espera de explicações. Perdeu bens, filhos e saúde. Perdeu o apoio da mulher e a compreensão dos amigos. Perdeu a dignidade da vida e a compaixão das pessoas. Mergulhado numa dor atroz, endereçou a Deus dezesseis vezes a mesma pergunta perturbadora: Por que…? Por que…? Por que…? Jó esperava que uma explicação vinda de Deus pudesse aliviar sua dor. Mas essa explicação não chegou. O silêncio de Deus foi cabal. Os céus cerraram suas comportas. A única voz que Jó ouviu no epicentro da tempestade foi o total silêncio de Deus. Quando Deus resolveu falar com Jó, não respondeu a nenhuma de suas perguntas. Ao contrário, fez-lhe setenta perguntas, todas revelando sua majestade. Jó foi restaurado por Deus, mas não obteve nenhuma explicação dos céus. Recebeu em dobro tudo quanto possuíra. Saiu dessa experiência mais perto de Deus e mais maduro espiritualmente. O silêncio de Deus não o destruiu, mas o fortaleceu.

Autor: Vocacionados

Sou evangélico, casado, presbítero, professor, palestrante, tenho 4 filhos sendo 02 homens (Rafael e Rodrigo) e 2 mulheres (Jéssica e Emanuelle), sou um profundo estudioso das escrituras e de tudo o que se relacione ao Criador.