A PSIQUE E AS PSICOLOGIAS

VAMOS FALAR SOBRE AUTISMO? – VI

COMPORTAMENTO EXCÊNTRICO

Conheça características comuns em indivíduos com autismo

Os primeiros casos de autismo foram descobertos devido aos sinais característicos do transtorno. A falta de contato visual com outras pessoas, os movimentos repetitivos, entre outras estereotipias, despertaram a atenção dos médicos que desconheciam tais comportamentos nas crianças.

Desde então, a ciência evoluiu bastante no campo dos transtornos mentais e hoje é possível identificar alguns sinais de Transtorno do Espectro Autista (TEA) – e outros tanto.

CONEXÃO PRÓPRIA

Antes de tudo, é importante saber que o termo “mundo autista” é um equívoco, pois o autista não vive em outro mundo, como se fosse um “extraterrestre”. Devido a alterações neurológicas, ele interage com o ambiente de forma diferente, com graus de dificuldade que variam em cada caso.

Um dos principais temas sobre o comportamento dos autistas é a possível falta de empatia e envolvimento com as pessoas, surgindo até o mito de que eles não sentiriam afeto. Na realidade, o que ocorre é uma falta de habilidade demonstrar tal sentimento, já que a dificuldade em se clonar é uma das características do transtorno.

A falta de contato visual também se destaca no comportamento, o que pode reforçar ainda mais a ideia de que os autistas seriam incapazes de se relacionarem – o que não é verdade. cientistas ainda não sabem ao certo o que provocaria tal função, mas acreditam que tenha ligação com a região cerebral do giro fusiforme, envolvida no reconhecimento facial.

Uma peculiaridade das manifestações do TEA é a padronização do comportamento, isto é, um autista dificilmente apresentará outras estereotipias além das que já são frequentes.  Portanto, somente a vivência será capaz de indicar a melhor de se relacionar com o indivíduo. Independentemente do sintoma que o autista apresenta, é preciso que as pessoas que convivem ao seu redor tenham em mente a necessidade de compreender suas limitações e, na medida do possível, trabalhar para que ele desenvolva as habilidades comuns aos outros indivíduos.

SENSIBILIDADE ALTERADA

De forma geral, os autistas costumam ter alguma alteração sensorial, podendo ser hipo ou hipersensíveis a estímulos do ambiente, como sons e luzes. Da mesma forma que alguns não conseguem nem mesmo perceber estímulos visuais, auditivos ou táteis, há casos que percebem de uma forma exagerada, o que gera uma confusão sensorial e, muitas vezes, crises de choro e gritos, tamanho o incômodo.

Dessa forma, é importante sempre estar atento ao ambiente em que o autista está para evitar seu mal-estar.

A SÍNDROME DE ASPERGER

O TEA abrange diversos níveis do autismo. Um deles é conhecido como síndrome de Asperger, uma forma classificada pela literatura médica como leve, pois os indivíduos conseguem, na maior parte das atividades, conviver bem socialmente – diferentemente dos casos graves de autismo. “A literatura descreve que a comunicação e a memória são muito boas nesses casos. Por exemplo, são capazes de assistir a um filme e verbalizar por várias vezes frases dele. Isso acontece na memória visual também. Conseguem ler um livro e contar o que há em determinada página. Eles têm um funcionamento cerebral extremamente importante”, afirma a psicopedagoga Sheila Leal. Ainda de acordo com a especialista, um marco da característica do Asperger é a linguagem, que se desenvolve adequadamente nos primeiros anos da infância, contudo, algumas vezes não alcança um nível coerente com a idade do autista: “muitas vezes, a comunicação é elevada para a idade e há uma velocidade do vocabulário e da linguagem oral expressiva. Só que eles se limitam muito na questão da expressão, por que há uma velocidade de pensamento maior do que a verbalização”, explica Sheila. No entanto, o melhor desenvolvimento desta aptidão não significa que as outras áreas de socialização também sejam bem evoluídas, o que acabam sendo ignoradas perante a boa comunicação. Por exemplo: autistas Asperger são melhor aceitos socialmente, já que não apresentam comportamentos extremos, como a hipersensibilidade e ecolalia (repetição de palavras e sons), mas isso não indica que outras características estejam excluídas. “É aquela pessoa mais isolada, que não gosta muito de contato físico, às vezes, tem dificuldade em se fazer entender pelas outras pessoas, até mesmo por conta do vocabulário; mas se destacam na questão acadêmica, nas empresas tecnológicas”, conta a psicopedagoga.

Mesmo com algumas facilidades de convivência, o autista Asperger também possui sinais marcantes, como lista o neurologista Antônio Carlos de Farias: “são crianças com vocabulário diferenciado, interesses muito rescritos e com rigidez com rotinas e alimentação”. Apesar de terem melhor capacidade de socialização, algumas características podem ser notadas, como a inocência ao não perceberem as sutilezas da linguagem, levando tudo ao pé da letra, tendo dificuldade, por exemplo, de entender piadas, sátiras, malícia e ironias. Isso pode torná-las, muitas vezes, em vítimas de bullying.

Autor: Vocacionados

Sou evangélico, casado, presbítero, professor, palestrante, tenho 4 filhos sendo 02 homens (Rafael e Rodrigo) e 2 mulheres (Jéssica e Emanuelle), sou um profundo estudioso das escrituras e de tudo o que se relacione ao Criador.

Uma consideração sobre “A PSIQUE E AS PSICOLOGIAS”

  1. Autor VOCACIONADOS, você está sendo muito publicados, tentei publicar seus escritos pelos links apresentados no seu canal e não abrem no face, assim como tentei de outros e consegui publicar e abrir com facilidade. Veja o que está acontecendo, ok?https://wp.me/p9oevr-5cD e https://vocacionados121636031.wordpress.com/2020/10/23/a-psique-e-as-psicologias-516/
    Entre no seu face,copie e cole para ver, se por acaso abrir, teste com face de seus amigos.
    Eu passei por isto, nada estava indo à frente, até hoje, é muito difícil. Naly

    Curtir

Os comentários estão encerrados.