A PSIQUE E AS PSICOLOGIAS

O LADO BOM DE ENVELHECER

Cada vez mais, pessoas vivem mais e por muito mais tempo

Sabedoras que sou estudiosa, escritora e pesquisadora sobre o processo de envelhecimento, não são raras as vezes que algumas pessoas, quando me encontram, vão logo dizendo: não quero falar sobre a velhice! – Isso me dói. Me dá medo. Falemos de assuntos mais interessantes; menos fúnebres. A priori, não tenho uma plaquinha sinalizando essa temática em mim. E também não dialogamos o que o coletivo não queira, mesmo sabendo da necessidade de debatermos alterações intrínsecas a um processo inerente a todo Ser humano. Tudo a seu tempo e hora. Estamos vivendo a era do envelhecimento. O mundo, habitado por mais de 800 milhões de pessoas de 60+ está tendo que se preparar para as consequências econômicas e sociais que a situação sugere. Cada vez mais, pessoas vivem mais e por muito mais tempo. Inicia-se a era da longevidade com centenários, superiores à população da Irlanda – cerca de 329 mil. O Brasil não foge à regra. Somos mais de 208 milhões de habitantes e, destes, 30 milhões são 60+. De uma avalanche de problemas com doenças, peles vincadas, perdas de sentidos, a velhice é assombrada por poucas oportunidades no mercado e muitas intervenções médicas. Mas, se há tanta coisa ruim assim, haveria alguma boa possibilidade vinculada a esse processo, a qual pudesse ser agrupada ao coletivo dos grisalhos? Pesquisas científicas mais recentes apontam que envelhecer não significa entrar em ritmo de decadência física e mental, como aconteciam em décadas passadas. Os estereótipos de velhices sedentárias, apáticas, deselegantes, desinteressadas e ultrapassadas já ficaram para trás. Com o passar do tempo algumas habilidades vão se tornando mais eficazes que outras. Poderíamos dizer que as pessoas envelhecidas:

MAIS INTELIGENTES: capacidade de resolver problemas, ter maior vocabulário, melhor orientação espacial e memória verbal.

MAIS FORTALECIDA MEMÓRIA IMUNOLÓGICA: proteção cumulativa promovida ao longo dos anos.

ALERGIAS EM DECLÍNIO: a produção dos anticorpos tende a diminuir com a idade e, portanto, aos 60 anos há quase um total desaparecimento dos quadros alérgicos.

MAIS PRAZER SEXUAL: isso se dá pela experiência de ambos, em especial, pela maior confiança da mulher.

MENOS ENXAQUECAS: as crises se tornam mais curtas, menos intensas e menos recorrentes.

MENOS SUOR: as glândulas sudoríparas encolhem e se tornam menos numerosas.

MAIOR RESILIÊNCIA: capacidade de se recuperar de eventos estressores.

MELHOR EQUILÍBRIO EMOCIONAL: as pessoas perdoam mais, têm mente mais aberta, respeitam amplamente as diferenças, administram melhor as críticas, não julgam com tanta facilidade, silenciam com mais frequência. Enfim, existem muitos motivos para se desejar envelhecer. Privilégio este negado a muitos.

PROFA. DRA. GENI DE ARAÚJO COSTA – Pesquisadora: Envelhecimento, bem-estar e qualidade de vida. Apresentadora do Quadro Vida Ativa – Rádio Universitária. Palestrante/Comunicadora/Escritora. Contato: genicosta6@gmail.com

Autor: Vocacionados

Sou evangélico, casado, presbítero, professor, palestrante, tenho 4 filhos sendo 02 homens (Rafael e Rodrigo) e 2 mulheres (Jéssica e Emanuelle), sou um profundo estudioso das escrituras e de tudo o que se relacione ao Criador.