A PSIQUE E AS PSICOLOGIAS

O COMPORTAMENTO SOCIAL DO NARCISISTA

O transtorno de pers0nalidade narcisista causa dificuldades em diferentes áreas da vida, sobretudo em relacionamentos de trabalho e amor

A admiração é ponto- chave para que possamos começar o entendimento do transtorno de personalidade narcisista. Na vida adulta, essas dificuldades acabam atingindo a área escolar e até financeira do sujeito, porque ele não consegue se adaptar a nenhum ambiente de trabalho, já que se considera melhor que todos os outros e receber ordens e trabalhar em grupo é impossível para ele.

Geralmente os narcisistas são pessoas infelizes e desapontadas quando não recebem ou não percebem a supervalorização vinda do outro, de fora. Exatamente assim – o narcisista precisa que tudo seja supervalorizado nele, mas essa valorização exagerada precisa vir de fora, já que ele não tem autoestima nem amor próprio capazes de elaborar algum autoconhecimento. Aqui, o ponto central passa a ser: o que tanto falta na personalidade narcisista? Ao narcisista faz falta sentir falta da perfeição do outro a ele.

Os sinais de que estamos diante de um transtorno começam quando, em tempos de relacionamentos iniciais, o sujeito começa a reclamar de todo e qualquer parceiro ou parceira. Para ele, todos têm defeitos e esses defeitos são superpercebidos e valorizados pelo narciso a ponto de ele negar qualquer possibilidade de aceitação daquilo que vê. Em contrapartida, o narciso precisa de um outro que o valorize por demais, que reconheça nele uma perfeição e, como tal, sendo ele o perfeito, nada precisa fazer para mover o relacionamento. Assim, segue o narciso esperando ser super bem tratado enquanto o outro o serve ininterruptamente. O problema é que a personalidade narcisista não se satisfaz. Há um buraco nessa personalidade que nunca se preenche. Pelo contrário, quanto mais recebe mais se alarga a cratera na alma. E tudo isso começa a ser percebido com sintomas que podem ser a falta de empatia por tudo e todos. O narciso não percebe o outro e não se compadece com o outro. Ele ainda tem um senso exagerado de sua importância e capacidade. Sua sensação de direitos é excessiva e com isso ele exige constantemente, mas exige aquilo que o outro dificilmente conseguirá atender.

A manipulação do outro é presente na vida do narcisista e é recheada de menosprezo por aquilo que o outro faz. Humilham e acabam com parceiros, amigos, familiares porque sua capacidade de reconhecer e de se compadecer com o outro é nula, e ao final da elaboração desse quadro podemos se perceber arrogância, inveja, críticas destrutivas e vaidade absoluta para tudo. Assim está desenhado o quadro de transtorno de personalidade narcisista.

Após chegar a essa condição, o narciso se torna uma pessoa muito impaciente com qualquer dimensão da vida. Além disso, os problemas interpessoais se agravam e o estresse, juntamente com dificuldades emocionais e de comportamento, já aparece. Quer dizer, aqui já podemos perceber o tamanho do comprometimento mental a que um transtorno da natureza leva o sujeito.

Muitas vezes, um quadro depressivo ou ansioso não é compreendido como sendo fruto de uma personalidade narcísica. Por isso é sempre importante um processo terapêutico amplo para que se possa localizar com segurança, a origem do problema. Depressão e ansiedade são quadros que podem ser causados por infinitas causas e condições, porém, quando eles surgem de uma personalidade como essa, faz-se mais que urgente tratar primeiro a causa e não os sintomas.

Problemas de saúde física, uso de drogas e álcool, assim como pensamentos suicidas e automutilação também podem aparecer durante o quadro acentuado de transtorno de personalidade narcísica, mas é importante uma boa avaliação para que se descarte qualquer possibilidade de erro diagnóstico.

Hoje a neurociência, juntamente com a Psicanálise e a Psicologia, em suas diferentes orientações, tem quase como unanimidade que o tratamento para esse transtorno tem mais sucesso quando feito por uma equipe multidisciplinar, pois o que causa essa condição é uma multiplicidade de fatores que vão desde condições genéticas até mesmo neurobiológicas e de meio ambiente. O desencontro na educação dos filhos pode contribuir para o desenvolvimento do quadro.

Aqui faz muito sentido esclarecer que filhos elogiados demais ou excessivamente criticados podem ser candidatos ao transtorno. Além disso, crianças que sofreram na infância algum tipo de abuso e maus-tratos de igual forma se tornam mais preponderantes ao quadro. Crianças admiradas e elogiadas, sem feedback verdadeiros, também costumam ter problemas com o narcisismo. Mas o que mais nos assusta é o fato de que as crianças que recebem cuidados inconsistentes dos pais, cuidados que podem ser aqueles não confiáveis, imprevisíveis e não salutares, têm total chance de chegar à vida adulta apresentando características de transtorno de personalidade narcisista.

Esses cuidados se referem aos valores que muitas famílias já possuem e que não são vistos como maléficos a um desenvolvimento típico. Pais e mães devem atentar para não patrocinar comportamentos estereotipados, do tipo cabelo bonito é assim, cabelo feio é assim. Tudo que for ensinado de forma maniqueísta pode causar na criança a impressão de que o mundo dela, alimentado pelos pais, é o  único correto e, dessa forma, a criança segue crescendo como se a diferença fosse inferior e menos valorizada por ela. Com isso, o que ela traz é supervalorizado, entretanto o que o outro traz nada significa. Essa prática pode ser o início de um comportamento que vai fazer muito mal a uma pessoa na vida adulta, caso não seja tratada.

PROF. DR. GERALDO PEÇANHA DE ALMEIDA – é psicanalista, educador e escritor. Autor de mais de 70 livros, dentre eles, Em Busca da Paz Interior, No Coração da Mente Livre, Meditações para Começar o Dia e Felicidade Sempre Viva. Fundador e diretor do Projeto Coração de Pólen – Centro de Tratamento, Estudo e Pesquisa na Área de Saúde Mental, em Curitiba.

Autor: Vocacionados

Sou evangélico, casado, presbítero, professor, palestrante, tenho 4 filhos sendo 02 homens (Rafael e Rodrigo) e 2 mulheres (Jéssica e Emanuelle), sou um profundo estudioso das escrituras e de tudo o que se relacione ao Criador.