GESTÃO E CARREIRA

A INTELIGÊNCIA DE GÊNERO

Conheça a competência que ajuda as organizações a compreender melhor as diferenças entre homens e mulheres

Quando tratamos de equidade de gênero na liderança é comum pensarmos que essa é uma causa apenas das mulheres. Mas os homens têm um papel fundamental nesse processo, atuando como agentes de transformação. Isso porque será a partir de mudanças fundamentais na alta gestão que conseguiremos transformar o cenário das corporações em ambientes mais diversos e inclusivos.

Um dos pontos críticos a ser trabalhados nessa mudança são as associações mentais referentes às características esperadas de uma pessoa em posição de liderança. Diversas pesquisas científicas apontam que, enquanto os homens são associados a características como competência, assertividade, autoconfiança e racionalidade, as mulheres são consideradas atenciosas, amigáveis, colaborativas, intuitivas, compreensivas e emocionais. Todos esses traços femininos são importantes – ainda mais quando falamos de liderança inclusiva. O problema é que apenas as características masculinas têm sido pontuadas como positivas pelo mercado. Devemos considerar também que os padrões exigidos das mulheres no mercado de trabalho são mais altos do que os dos homens, o que faz com que elas tenham de se esforçar mais para provar sua competência. É comum que os homens sejam contratados com base em seu potencial futuro, pois já é assumido que eles possuem as características, competências e habilidades de líderes.

Para construir um novo panorama, é preciso criar um ambiente inclusivo nas empresas, com relações profissionais saudáveis e baseadas na confiança. Por isso, é importante saber que homens e mulheres pensam e agem de formas diferentes, se comunicam, resolvem conflitos e lidam com a emoção e com o estresse de maneiras diversas. Esse conhecimento se chama inteligência de gênero – e é fundamental para aumentar o senso de pertencimento, a harmonia, a produtividade e a rentabilidade das empresas.

Os questionamentos são um exemplo de como homens e mulheres agem de modos diferentes e de como pode haver interpretações equivocadas. No geral, as mulheres adoram fazer perguntas. Do ponto de vista delas, a pergunta é uma forma de gerar engajamento e colaboração, além de dar espaço para novas ideias. Já os homens têm tendência a considerar as perguntas sinais de dúvida e de falta de confiança das mulheres.

Outra diferença importante está na solução de problemas. Uma das principais competências dos líderes é a capacidade de resolver um desafio ele maneira rápida. Os homens têm a vantagem de focar os fatos e conseguir ser ágeis. Por outro lado, as mulheres têm tendência a ver os problemas em um contexto maior, com múltiplas soluções.

A inteligência de gênero está justamente em juntar o que cada um tem ele melhor, entendendo e valorizando as distinções. É preciso um esforço de consciência e de empatia para que as diferenças e os pontos cegos entre homens e mulheres se tornem pontos fortes. Assim, o caminho para a equidade de gênero se tornará mais curto.

CRIS KERR – é CEO da CKZ Diversidade, mestra em sustentabilidade e professora de diversidade na Fundação Dom Cabral

Autor: Vocacionados

Sou evangélico, casado, presbítero, professor, palestrante, tenho 4 filhos sendo 02 homens (Rafael e Rodrigo) e 2 mulheres (Jéssica e Emanuelle), sou um profundo estudioso das escrituras e de tudo o que se relacione ao Criador.