ALIMENTO DIÁRIO

GOTAS DE CONSOLO PARA A ALMA

DIA 05 DE JULHO

CANTANDO À MEIA-NOITE

Por volta da meia-noite, Paulo e Silas oravam e cantavam louvores a Deus… (Atos 16.25a).

Paulo e Silas estavam em Filipos, colônia romana na província da Macedônia. Nessa cidade, Lídia, uma empresária da cidade de Tiatira e vendedora de púrpura, se convertera a Cristo. Uma jovem possessa de um espírito de adivinhação acabara de ser libertada, fato que provocou profundo desgosto entre aqueles que lucravam com sua adivinhação. Tomados de ira, arremeteram contra Paulo e Silas e os prenderam. Incitaram o povo e as autoridades contra os dois missionários. O resultado é que ambos foram açoitados em praça pública e depois lançados no interior de uma prisão imunda, com o corpo ensanguentado. A injustiça, a humilhação e a dor não conseguiram apagar as chamas do fervor espiritual no coração desses dois obreiros. À meia-noite, eles oravam e cantavam louvores a Deus. Aquela prisão escura, úmida e insalubre se tornara um templo de adoração, e seus pés presos no tronco, uma razão ainda mais eloquente para erguerem a voz e cantarem louvores ao Senhor. Nosso Deus inspira canções de louvor nas noites escuras. O louvor não é consequência das circunstâncias favoráveis. O louvor coexiste com a dor e, muitas vezes, é temperado com lágrimas. Aquela reunião de oração na cadeia trouxe o céu à terra. Deus enviou um terremoto que abriu as portas da prisão. O carcereiro, apavorado ao ver as portas abertas e concluir que os prisioneiros haviam fugido, tomou a decisão de se matar. Aquela não foi, porém, a noite de sua morte, mas a noite de sua salvação, pois ali na prisão ele conheceu a Cristo e foi salvo.

Autor: Vocacionados

Sou evangélico, casado, presbítero, professor, palestrante, tenho 4 filhos sendo 02 homens (Rafael e Rodrigo) e 2 mulheres (Jéssica e Emanuelle), sou um profundo estudioso das escrituras e de tudo o que se relacione ao Criador.