EU ACHO …

QUANDO UMA JANELA SE FECHA…

Reflexões sobre os dias arrastados no isolamento social

Peço desculpas antecipadamente: esta matéria será perturbadora para os cientistas (incluindo os da minha família, mas, felizmente, nenhum deles lê o que eu escrevo). As regras do mundo físico parecem estar nos abandonando. O vírus age como nenhum outro patógeno. Hoje, 2 metros é uma distância totalmente subjetiva, expandindo-se e contraindo-se conforme a necessidade. O tempo não é newtoniano como a farinha de milho que você provavelmente recorreu se tiver filhos. pequenos para distrair, rígida e fluida ao mesmo tempo. Os números basicamente não têm sentido: na matemática pandêmica, um número como 413 mortes – uma catástrofe inimaginável em qualquer outra época, – é animador, causa certo otimismo. As antigas certezas estão desgastadas, mas, escondidos em nossos casulos de isolamento, surgem novas leis físicas para esse modo de vida. A ciência está em suas etapas iniciais, mas, empiricamente, alguns fatos importantes foram observados. Como alguém sem a menor compreensão de ciência de qualquer tipo, sou sua guia perfeita para eles.

1 – Sempre que você quiser estar em seu espaço de lockdown, alguma outra pessoa precisará urgentemente estar lá. Sim, agora mesmo. No meu espaço, essa pessoa estará sempre empunhando um martelo. Acho que foi Tchekhov quem disse: Não coloque um martelo no primeiro ato, se você não for martelar como um maluco nos atos 2 a 4”, e esse princípio dramático é respeitado aqui.

2 – Janelas. O tanto que você se aprecia é o oposto de quanto seus colegas de internação as aprovam. Agora, sua vida é apenas uma guerra de atritos baseada em janelas. Foi assim que surgiu o novo provérbio: “Quando uma janela se abre, outra janela se fecha”.

3 – Como agora somos todos ruminantes, constantemente pastando, desenvolvemos um estômago extra para acomodar o nosso lanche preferido, para atenuar o isolamento quando estivermos cheios de outros alimentos. Agora eu tenho um estômago de salgadinho de queijo e cebola. Não discuta com a ciência.

4 – Falando em comida, sabe aquela guloseima que você vem cobiçando, guardando obcecadamente? Alguém a comeu. Nem sequer aproveitou! Estava só matando o tempo. Podem até ter deixado um pouco no lixo para você encontrar.

5 – Sobre o tema lixo, a síndrome de percepção do lixo, embora não seja novidade para a ciência, estaria exacerbando-se durante a crise do coronavírus. A síndrome manifesta-se de duas maneiras : ou os afetados não conseguem mais enxergar a lata, mesmo quando está cercada de moscas e sendo escavada por um cachorro oportunista, ou eles só veem a lata, que percebem como vasta, pulsante, ocupando toda a sua consciência.

6 –  Frações – para qualquer tentativa de assistir alguma coisa “em família”, ou outra unidade de isolamento coletivo, aplicam-se as seguintes proporções: um quarto dorme; um quarto afirmou que queria assistir, mas agora está mexendo em seu celular; um quarto nunca fingiu que faria qualquer coisa além de mexer no celular; e um quarto critica em voz alta e odeia  todos os momentos, mas na verdade é o único que realmente está olhando para a tela.

7 – Se você trabalha oito horas seguidas, tirando apenas pausas de dez minutos, e mencionou claramente que está ocupado e que é necessário que não seja perturbado, a única hora em que alguém o incomodará será durante aqueles intervalos de dez minutos, quando você estará vendo um vídeo de um cavalo com um bigode enorme ou tentando plantar bananeira. Você não terá sucesso na bananeira quando for interrompido: estará caído como uma tartaruga de pernas para o ar.

8 – O predador máximo em todo novo sistema multipresa urbano é a gaivota. Esse é outro motivo excelente para não ir lá fora: sem restos de frango frito descartados para se banquetear, elas estão mais famintas e nervosas do que nunca.

9 – Os biólogos também observaram que está surgindo uma nova superespécie de cão doméstico, muito magra, graças a caminhadas frequentes e longas feitas pelos integrantes do casulo para livrar-se dos outros integrantes, usando o cachorro como desculpa. O casulo está criando um problema para si mesmo após o lockdown: o supercão exigirá, no mínimo, quatro horas diárias de exercício.

10 – A incidência de podcasts feitos pela população em geral é de 0,08%. Nos homens de 28 a 50 anos em isolamento chega a 79%. Eles costumavam dizer que você nunca está mais de 1,80 metros de um rato, mas agora você nunca estará mais de duas casas de um homem com opiniões e um microfone.

11 – Todas as conversas seguem uma fórmula mista que um amigo meu chamou de “fita de coronamóbius”, que se repete indefinidamente. Nada acontecerá com nenhum de nós (se tivermos sorte), mas precisamos expressar isso várias vezes.

12 – Há uma quantidade fixa de moral em um espaço de isolamento. Ela não aumenta nem diminui, simplesmente passa entre os indivíduos no espaço. O lado bom disso é que você pode reenquadrar seus maus humores como um ato de altruísmo em relação aos outros integrantes do casulo.

Autor: Vocacionados

Sou evangélico, casado, presbítero, professor, palestrante, tenho 4 filhos sendo 02 homens (Rafael e Rodrigo) e 2 mulheres (Jéssica e Emanuelle), sou um profundo estudioso das escrituras e de tudo o que se relacione ao Criador.