GESTÃO E CARREIRA

CAPITALISMO EM CRISE

Como os investimentos sustentáveis mudam os negócios

Os tempos definitivamente mudaram. No capitalismo do século 21, o lucro financeiro não é a única métrica a ser atingida. Ganhar dinheiro é importante, claro. Mas preservar o planeta é imprescindível para os negócios. Um estudo do Fórum Econômico Mundial em parceria com a consultoria PwC mostra o porquê. Metade do PIB global, o equivalente a US$ 44 trilhões, depende, em maior ou menor grau, da natureza. Como bem definiu Marc Benioff, fundador e CEO da Salesforce, a Terra é hoje nosso maior stakeholder. E ela carece de investimentos. Os chamados ativos sustentáveis são a classe que mais cresce hoje, segundo a Aliança Global de Investimento Sustentável (GSIA, na sigla em inglês). Entre 2016 e 2018, registrou-se um aumento de 34% nesses aportes, totalizando US$ 30,7 trilhões. Muito desse crescimento está associado aos fundos de pensão e outros investidores que aderiram ao PRI, sigla em inglês para Princípios para o Investimento Responsável. Criado pela ONU em 2003, esse programa representa o compromisso dos grandes investidores institucionais do mundo de investir em negócios sustentáveis.

Um dos marcos mais emblemáticos da nova era foi a carta de Larry Fink ao mercado. Em 14 de janeiro último, o CEO e presidente do conselho da BlackRock, a maior gestora de recursos do mundo, com quase US$7 trilhões de ativos sob sua administração, anunciou: a sustentabilidade está agora no centro das decisões de investimento da empresa. “Nossa convicção de investimento é que os portfólios integrados com a sustentabilidade e o clima podem proporcionar melhores retornos ajustados ao risco para os investidores. E, dado o crescente impacto da sustentabilidade no retorno dos investimentos, acreditamos que a base mais forte para os portfólios dos nossos clientes no futuro é o investimento sustentável”, lê-se no documento.

Entre as medidas anunciadas pela BlackRock, está a de desinvestir daqueles com alto risco de sustentabilidade, como os produtores de carvão para termoelétricas, e lançar novos produtos de investimento, que filtrem os combustíveis fósseis. Obviamente o mercado não espera que isso aconteça de uma hora para a outra. Larry comentou já ter passado por uma série de crises e desafios ao longo de seus 40 anos de carreira, mas nada que se compare à crise do clima. “Os picos da inflação dos anos 70 e 80; a crise da moeda asiática, em 1997; a bolha dot.com; e a crise financeira global. Ainda que tenham durado anos, foram, no amplo contexto das coisas, de curto prazo”, disse o executivo. A mudança climática impõe mudanças drásticas. Empresas, investidores e governos devem se preparar para uma realocação significativa de capital, adverte o executivo. No mundo das finanças, o futuro é de transformações. Nas próximas duas décadas, acontecerá a maior transferência de riqueza da história da humanidade. Cerca de US$ 30 trilhões passarão dos baby boomers para os millennials. E os herdeiros do futuro estão muito mais afinados com as causas socioambientais. Foi por iniciativa de uma autêntica millennial o evento Capital Converge Conference. Aos 31 anos, Marina Cançado, uma das herdeiras do grupo de farmácias Drogai, no interior paulista, recentemente reuniu investidores, gestores de fundos e executivos de bancos no Rio de Janeiro para debater como transformar o setor em uma alavanca para o desenvolvimento sustentável.

Para Marina, coordenadora da Agenda Brasil do Futuro, uma plataforma de coinvestimentos de jovens que querem contribuir para o futuro do país, não existe sustentabilidade no longo prazo sem o envolvimento do mercado financeiro. “A maneira como você investe seus recursos determina a realidade que você constrói”, explica. “Temos de acabar com o mito de que não é possível investir sem causar impacto social ou ambiental. É possível ganhar dinheiro e serresponsável.” E há grande número de oportunidades de investi­ mento com esse perfil no mercado global. Os Fundos Patrimoniais Filantrópicos, por exemplo, já movimentam US$ 1,5 trilhão no mercado internacional. No Brasil, grandes fundos de pensão, como a Previ, fundo de previdência dos funcionários do Banco do Brasil, já incorporam critérios sociais, ambientais e de governança a suas decisões de investimento.

No entanto, ainda há um longo caminho a percorrer para que a cultura da sustentabilidade se generalize no mercado financeiro nacional. Um dos desafios é a pouca variedade de oferta de ações, com uma bolsa de valores amplamente dominada por empresas dos setores de commodities e bancos. “Há pouca informação disponível por parte das empresas e, também, pouca liquidez”, diz Roberta Goulart, sócia da Turim, um dos maiores multi-family offices independentes do Brasil. As limitações, no entanto, começam a ser vencidas.

Marcelo de Andrade é sócio da Earth Capital, fundo global de private equity focado em investimentos sustentáveis relacionados à energia, alimentos e água. De origem inglesa, a Earth Capital deve lançar seu primeiro fundo no Brasil ainda este ano. “Temos de entender a sustentabilidade como um diferencial de risco”, explica Marcelo. “Na prática, com bons indicadores de ASG [ambientais, sociais e de governança], você melhora a relação de risco e o retorno dos investimentos.”

Cada fundo de investimento tem uma estratégia diferente de abordagem em relação à sustentabilidade e aos investimentos com impacto social relevante. Focada no middle market, a gaúcha EB Capital busca oportunidades em nichos de mercado que atendam a carências importantes da sociedade brasileira. Como a conexão de alta velocidade, por exemplo.

“O Brasil tem mais de um celular por pessoa, mas apenas 40% da população tem acesso à banda larga. E esses acessos estão concentrados nas grandes áreas urbanas. Além disso, 16% ainda usa internet discada”, explica Luciana Ribeiro, sócia da EBCapital. Segundo ela, essa demanda no interior é atendida por cerca de 7 mil provedores de acesso independentes, que levam o serviço até áreas que não são servidas pelas grandes operadoras de telefonia.

Essas empresas sofrem com falta de acesso a capital, por isso têm dificuldade de crescer. Ao mesmo tempo, a falta de conectividade reduz a produtividade no interior do país, e dificulta o acesso da população a serviços e informações online. “Por isso, investimos mais de R$ 200 milhões para assumir o controle da Sumicity, um provedor de fibra óptica no interior do Rio de Janeiro”, explica Luciana.

Outro segmento de interesse da EBCapital é o setor de treinamento e capacitação profissional. “Temos um desemprego de dois dígitos, e os Feirões de Emprego não preenchem todas as vagas por falta de capacitação dos candidatos”, diz Luciana. “Portanto, esse é outro setor com grande impacto social, tanto na redução da pobreza quanto na produtividade das empresas.” Hoje, a EBCapital possui um fundo de multiativos de US$150 milhões e um braço de private equity.

Mesmo com todos esses exemplos, fica a pergunta: como vencer a tentação dos ganhos de curto prazo, para investir de forma responsável em projetos sustentáveis, com perspectiva de retorno em horizontes mais longos? Marina Cançado responde e resume o que alguns grandes investidores já começaram a perceber. “Os investidores institucionais e de longo prazo já enxergaram que se eles não considerarem a sustentabilidade e o futuro, não haverá longo prazo”, diz. “E se não considerarem as responsabilidades sociais, ambientais e de governança, ainda colocarão em risco seus ganhos no curto prazo, porque vão precificar de forma inadequada os seus riscos”, conclui.

OS APORTES AUMENTAM

A evolução dos investimentos sustentáveis (em trilhões de US$)

Autor: Vocacionados

Sou evangélico, casado, presbítero, professor, palestrante, tenho 4 filhos sendo 02 homens (Rafael e Rodrigo) e 2 mulheres (Jéssica e Emanuelle), sou um profundo estudioso das escrituras e de tudo o que se relacione ao Criador.

M.A

Interviews, reviews, marketing for writers and artists across the globe

Gaveta de notas

Guardando idéias, pensamentos e opiniões...

Isabela Lima Escreve.

Reflexões sobre psicoterapia e sobre a vida!

Roopkathaa

high on stories

Luna en mengua

Poesía, arte, literatura y música.

de tudo um pouco ❗❕❗😉👌

de tudo um pouco 😉👌

Painel do Grupo

Aqui um pouquinho de nossas realizações

Buds of Wisdom

Fall in Love with Grammar !

pretapoesia

Escreviver é isso: viver, escrever, viver novamente. Writing is just like this: live, write, live again.

danielecolleoni

Appunti, spunti e passioni in liberta'

Ode to Beauty

Discovering the World of Fine Art Nude Photography

白川君の独り言β

no sweat no victory

URBN Social

The Social Experience

RENOVADAS

Autoestima para mais de 50

Olivia2010kroth's Blog

Viva la Revolución Bolivariana

%d blogueiros gostam disto: