A PSIQUE E AS PSICOLOGIAS

SEXUALIDADE E AS REDES SOCIAIS

O assunto é enfrentado com tabus, e todos tornam-se vulneráveis às informações apelativas vindas pela mídia no que diz respeito a esse conhecimento

Atualmente é fundamental que pais e educadores conversem com os jovens sobre sexo, sexualidade e as redes sociais. É fato que precisam compreender que não é por meio de uma “aula” de anatomia e de fisiologia das genitálias masculina e feminina que todas as dúvidas que permeiam sua curiosidade e descobertas sexuais serão resolvidas na mente das crianças ou adolescentes.

Como desatar as amarras se a maioria dos adultos somente conhece a sua identidade sexual por meio da genitália, e desconhece, muitas vezes, sua sexualidade? Importante distinguir os termos: sexo é um a expressão da sexualidade já amadurecida que envolve a escolha de parceiro(a) e pode acontecer a partir do desenvolvimento da puberdade. A sexualidade está presente em todo desenvolvimento do indivíduo, mas com características diferentes em cada etapa da vida.

A falta de orientação dos pais quando o assunto é sexo e sexualidade e a vulnerabilidade encontrada nas redes sociais vêm trazendo a banalização sexual e a erotização precoce às crianças e adolescentes, sendo a tecnologia apontada como a grande vilã causadora dessa “maturidade sexual” antecipada nos jovens, pois basta um click para que as respostas desejadas surjam nas telinhas digitais.

Vivemos num mundo touch, virtual e muito cedo as crianças e os jovens têm acesso fácil às redes sacias, aplicativos móveis para produzir e compartilhar imagens de nudez, sexo, tornando-se cada vez mais vulneráveis a essa nova identidade. Considera-se que o uso indevido das redes sociais acontece devido à falta de maturidade cognitiva e emocional para reconhecer que determinados encantamentos vindo das telas de computadores, celulares e dos relacionamentos obscuros podem transformar prazeres em grandes pesadelos para todos os envolvidos.

Alguns adolescentes usam o termo “sexting”, que é uma expressão usada na internet que significa sexualidade. Envolve mensagens de texto eróticas com convites sexuais para namorar, por meio de aplicativos pelos quais compartilham “nudes”. Pode ser entendido, também, pelo envio e divulgação de conteúdos eróticos, sensuais e sexuais com imagens pessoais pela internet, utilizando-se de qualquer meio eletrônico, como câmeras fotográficas digitais, webcams e smartphones.

Pais e educadores precisam estar atentos ao uso e aos sites da internet que seus filhos (as) estejam acessando. Importante observar, conversar e acompanhar o desenvolvimento de crianças e jovens, oferecendo outras possibilidades e formas de relacionamento no mundo real, presencial.

Contudo, é fundamental o diálogo sobre essas questões desde a infância, sem repressão, com muita conversa, para que se possam transformar crianças em adultos saudáveis do ponto de vista sexual, pois a construção humana vai muito além dos órgãos sexuais e das redes sociais da internet.

MARTA RELVAS – é membro da Sociedade Brasileira de Neurociências e Comportamento. Docente da AVM Educacional/UCAM e da Universidade Estácio de Sá. Docente colaboradora da UFRJ/pub. Docente convidada do Instituto de Neurociências Aplicadas (INA). Livros publicados pela Wak e Editora Qualconsoante de Portugal

Autor: Vocacionados

Sou evangélico, casado, presbítero, professor, palestrante, tenho 4 filhos sendo 02 homens (Rafael e Rodrigo) e 2 mulheres (Jéssica e Emanuelle), sou um profundo estudioso das escrituras e de tudo o que se relacione ao Criador.