OUTROS OLHARES

UMA CORRIDA GLOBAL

Em um movimento inédito e bilionário, cientistas de todo o mundo buscam avidamente o desenvolvimento da vacina e de tratamentos adequados para a Covid-19

“Testes, testes, testes.” Assim, com a repetição de três pequenas palavras, como um refrão, o diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), o etíope Tedros Adhanom Ghebreyesus, resumiu a postura mais adequada para combater a pandemia de Covid-19 – de mãos dadas com o distanciamento social, impositivo e inegociável. Os testes são vitais para quebrar as cadeias de transmissão, ao separar saudáveis de enfermos, e para organizar o fluxo nos hospitais. Não por acaso, em gesto louvável, a mineradora Vale fechou a compra de 5 milhões de kits chineses, que apontam positivo ou negativo a partir da detecção de anticorpos, para doá-los ao governo brasileiro. Uma startup de Curitiba, a Hi Technologies, desenvolveu um equipamento que oferece respostas em até quinze minutos – que em breve começará a chegar às farmácias e aos serviços de saúde. Testar, testar e testar é, enfim, o primeiro passo do mais extraordinário movimento científico e médico de toda uma geração, na luta contra uma doença respiratória que, até a quinta-feira 26, tinha acometido mais de 520.000 pessoas no mundo inteiro, com mais de 20.000 mortes, das quais 77 no Brasil.

A corrida global, para além do compulsório diagnóstico dos doentes, tem duas frentes: a busca por uma vacina e, enquanto ela não surge, o aperfeiçoamento de tratamentos já existentes e a criação de outros remédios. É uma engrenagem emocionante e bilionária (apenas na primeira semana de março, os fundos globais para pesquisa e desenvolvimento de crises arrecadaram 3,5 bilhões de euros, o equivalente a 19 bilhões de reais). A OMS formou um grupo de trabalho global, adequadamente batizado de “Solidariedade”, e não haveria outro nome a lhe dar, de modo a estimular pesquisas cada vez mais aceleradas que abranjam milhares de pacientes, de mais de uma centena de países. Disse o pneumologista Clayton Cowl, diretor de medicina preventiva da Mayo Clinic em Rochester, um dos mais respeitados hospitais dos Estados Unidos, referência incontornável: “O mundo está unido no combate à pandemia de Covid-19. Resolveremos o mistério e impediremos que algo semelhante aconteça nos próximos anos”. É uma promessa, por ora, mas quase uma certeza quando se acompanha a máquina rodando. Não seria exagero afirmar que a velocidade dos saltos científicos na batalha contra o microrganismo feito de RNA é inédita na história da humanidade. Três exemplos emblemáticos ajudam a alimentar essa constatação: a plataforma medRxiv, que concentra os estudos científicos antes de sua publicação em reputadas revistas, já soma mais de 300 artigos sobre o novo coronavírus; a Chinese Clinical Trial Registry, agregador de trabalhos clínicos conduzidos na China, reúne 504 pesquisas protocoladas; a ClinicalTrials, o maior banco de dados de ensaios clínicos do planeta, tem 178 registros. E lembremos: passaram-se apenas quatro meses desde o início da eclosão dos casos da nova infecção, na China, em dezembro do ano passado, país que começa a renascer e a respirar. “É uma situação totalmente excepcional em termos de pressão, rapidez e investimento”, diz o infectologista Celso Granato, diretor médico do Grupo Fleury, no Brasil.

O santo graal, o tesouro tão esperado, evidentemente, é a vacina. Mais de trinta empresas e instituições acadêmicas estão na corrida para criar um imunizante. Dessas, ao menos quatro encontram-se na fase de testes em animais, necessária para garantir uma proteção química capaz de gerar anticorpos contra o vírus, e duas – uma nos Estados Unidos e a outra na China – já iniciaram os testes em humanos. A empresa pioneira americana, a Moderna, conseguiu em apenas 63 dias deflagrar os ensaios clínicos. Essa rapidez só foi possível porque, além dos esforços tremendos, os pesquisadores tinham experiência com a elaboração de vacinas para Sars e Mers, também da espécie coronavírus, só que mais letais e menos contagiantes, durante suas respectivas epidemias em 2003 e 2012 – seus produtos, contudo, nunca chegaram ao mercado em decorrência de um descompasso peculiar. Quando ficaram prontos, os surtos já haviam sido contidos e os investimentos necessários para dar continuidade ao trabalho foram suspensos. Agora é diferente: o conhecimento prévio permitiu a tração, e estima-se o uso experimental, e restrito, da vacina ainda em 2020. No entanto, ela deve ser aprovada apenas dentro de um ano e meio. Há brasileiros no horizonte também. O grupo de pesquisadores do Laboratório de Imunologia do Instituto do Coração (Incor) da Universidade de São Paulo (USP) usa uma estratégia inovadora: trabalha com as chamadas “cascas virais”, sem material genético, e, portanto, não infecciosas, para induzir respostas do sistema imune. “Esse mecanismo deverá se mostrar ainda mais forte que outras propostas que têm surgido, que injetam uma porção sintética de material genético do vírus no organismo, diz o imunologista Jorge Kalil, diretor do Laboratório de Imunologia do Incor. No Brasil, trabalha-se com um prazo de entrega da vacina maior que o dos Estados Unidos. A previsão aqui é começar os testes clínicos em menos de dois anos. É tempo demais? Não, insista-se, desde que a humanidade seja capaz de identificar as pessoas com resultado positivo para a Covid-19 e os tratamentos se ampliem.

A concorrência, sempre saudável, faz com que eles se multipliquem. Existem, atualmente, quatro apostas promissoras, em estágio avançado de experimentação, para zelar pelas pessoas acometidas de Covid-19, especialmente os idosos.

REMDESIVIR. É um antiviral criado por um laboratório americano para combater o ebola, que emergiu como pioneiro entre os possíveis tratamentos para a Covid-19. Apesar de ter falhado no combate ao vírus, experimentos em laboratório mostraram que o medicamento é eficaz contra Sars e Mers. A ação da droga é desligar a capacidade do vírus de se replicar dentro das células.

RITONAVIR E LOPINAVIR. Usados em pacientes com HIV, conseguiram inibir uma enzima responsável por “cortar” compostos que agem na replicação do vírus dentro das células. Houve um baque, recentemente, depois de se mostrarem ineficazes em um estudo feito com 200 pacientes graves na China. Mas serão testados novamente, agora em pacientes menos graves.

FAVIPIRAVIR. O medicamento japonês é utilizado como tratamento para a gripe comum e causou alvoroço ao diminuir para menos da metade o tempo de infecção pelo novo coronavírus. Um estudo chinês com 340 pacientes mostrou uma tendência de eliminação do vírus em apenas quatro dias naqueles que receberam o medicamento, ante onze dias nos que ficaram sem a droga.

Testes, vacinas e remédios poderão impedir cenas até então inimagináveis em nosso tempo, e que só foram vistas durante a gripe espanhola, no início do século XX: imagens como a do gramado do Estádio do Pacaembu, em São Paulo, transformado em um hospital a céu aberto, preparado para receber os doentes, por falta de espaço em leitos hospitalares. Talvez porque, ao longo dos anos, o Brasil tenha construído mais estádios que hospitais, porque tenha dado mais atenção ao futebol que à saúde – mas essa é outra triste história.

Cabe se debruçar, no aqui e agora, sobre problemas que podemos tocar com os dedos, imediatamente. Apesar da importação de testes – como fez a Vale – e da lida com novos aparelhos – como faz a empresa curitibana -, há escassez na ponta final do preocupante processo da Covid-19. Nos últimos dias, a Anvisa aprovou uma dezena de novos tipos de diagnóstico, e o Ministério da Saúde ampliará para 22,9 milhões o número de unidades disponíveis. Mas dificilmente a quantidade será suficiente para o tamanho da população brasileira. De uma semana para cá, o país passou a escolher quais doentes priorizaria para diagnosticar. Se, num primeiro momento, pacientes com sintomas mais brandos de gripe conseguiam ser examinados com facilidade, agora a recomendação tanto na rede pública quanto na privada é testar apenas casos mais graves. É uma triste escolha. Ela só será superada – e será – com a humanidade focada naquilo que ela tem de mais valoroso: a ciência, o conhecimento.

O TEMPO É O SENHOR DA RAZÃO

Os primeiros passos a caminho da vacina contra a Covid-19 foram mais rápidos se comparados com os casos de outras doenças viróticas

A VERDADE SOBRE A CLOROQUINA E A HIDROXICLOROQUINA

Nas redes sociais, duas drogas viralizaram, com o perdão da expressão, como se fossem o bálsamo definitivo para a Covid-19 – a cloroquina e a hidroxicloroquina, associadas. Comumente usadas no tratamento de malária e doenças autoimunes, como o lúpus, elas se transformaram em portos seguros. Funcionam? Sim, informam alguns estudos ainda em fase inicial de investigação – mas, ressalve-se, o protocolo impõe outras experiências para conceder aval definitivo ao par de drogas. Há ansiedade, porém, é preciso calma, ancorada na ciência. O deflagrador da onda foi um estudo francês com 24 pacientes, amostra pequena, que observou os efeitos positivos dos remédios. “Essas medicações devem ser tomadas com controle, dados os efeitos colaterais, como arritmia e problemas visuais”, afirma Ludhmila Hajjar, coordenadora de ciência, tecnologia e inovação da Sociedade Brasileira de Cardiologia. Os primeiros resultados, animadores, levaram Donald Trump a divulgar a boa ­ nova, com pressa e um tantinho de irresponsabilidade, Bolsonaro seguiu a onda. Para aumentar o alarde, um áudio com informações falsas sobre o assunto começou a ser compartilhado no WhatsApp. De acordo com a gravação, um estudo da Universidade Stanford teria mostrado que o uso das substâncias combinadas com outro composto, o antibiótico azitromicina, teria curado quarenta pacientes com Covid-19. O áudio é falso. Diz Luiz Vicente Rizzo, diretor-superintendente de pesquisa do Albert Einstein: “Não há um heureca, mas um grupo de pessoas trabalhando duro e junto”.

No Brasil, dois amplos estudos com a cloroquina e a hidroxicloroquina foram deflagrados. Um deles já começou e envolve instituições de várias regiões do país, como o Hospital Estadual Geral de Goiânia, a Fundação Oswaldo Cruze a Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto, e é liderado pelo reputado infectologista Marcus Vinicius Guimarães de Lacerda, da Fiocruz Amazônia. A ideia é analisar os efeitos em 880 doentes graves, em doses diferentes. O outro trabalho é resultado da união entre o Hospital Albert Einstein, o Hospital do Coração e o Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo, que usarão a medicação em doentes com suporte de oxigênio, em estado mais ou menos grave da enfermidade. Ambos os estudos foram aprovados em menos de uma semana pela Comissão Nacional de Ética em Pesquisa, instituição responsável pela validação dos estudos científicos no Brasil. Há pressa. Afirma Alexandre Biasi, diretor do Instituto de Pesquisa do Hospital do Coração: “O que até então levava seis meses no universo científico agora é feito em dois dias”. As conclusões dos trabalhos sairão em até dois meses, no máximo.

Na quarta-feira 25, o Ministério da Saúde anunciou que vai liberar 3,4 milhões de unidades do medicamento cloroquina para que os médicos possam avaliar sua utilização em pacientes graves. A decisão foi tomada com base em um protocolo detalhado e rigoroso, que prevê cinco dias de tratamento, sempre dentro do hospital e monitorado por um médico. Aviso: não adianta sair comprando as substâncias por aí.

Autor: Vocacionados

Sou evangélico, casado, presbítero, professor, palestrante, tenho 4 filhos sendo 02 homens (Rafael e Rodrigo) e 2 mulheres (Jéssica e Emanuelle), sou um profundo estudioso das escrituras e de tudo o que se relacione ao Criador.

3 comentários em “OUTROS OLHARES”

    1. É verdade…o grande problema é que, ao atingir as comunidades os índices tornam-se descontrolados pois as possibilidadrs de transmissão passam de 3 para 12 por pessoa…Dai o medo nos estados onde proliferam as comunidades

      Curtido por 1 pessoa

  1. Além disso, como ele começou de cima para baixo, estão correndo para encontrar vacinas… Se tivesse começado e se restringido, por exemplo, aos países africanos, a corrida seria mais devagar..

    Curtir

Os comentários estão encerrados.