GESTÃO E CARREIRA

TRANSFORMAÇÃO PARA O ANO TODO

O fenômeno do “como seria se…” não é exclusivo nas promessas habituais que representam um novo ciclo, mas permanece firme por toda a vida

Quem não inicia um ano com a cabeça cheia de reflexões sobre o ano que fica para trás e ansioso sobre o que está por vir? É uma mistura de sensações positivas e negativas que varia de indivíduo para indivíduo, mas normalmente inclui alívio, satisfação, alegria, esperança, medo, ansiedade, frustração, entre muitas outras. Por isso, independentemente do estado atual, nos primeiros meses do ano é preciso diminuir e reorganizar a mente para vivenciar tudo de maravilhoso que a vida pode oferecer.

É comum nesse período desenharmos planos e projetos para os próximos meses, agregando diversas promessas e já sonhando com os resultados. Conseguimos até visualizar como será quando aquele objetivo for alcançado, sentir a felicidade de quando finalmente cumprirmos com tais promessas e até ouvir todas as palavras de incentivo e conforto como se fossem trilha sonora de nossas vidas. Mas qual o verdadeiro saldo dos resultados dessas promessas depois dos primeiros meses do ano?

Todos os sonhos tomam conta dos nossos pensamentos, mas muitas vezes ficamos presos no “como seria se…” e deixamos todos os objetivos guardados cm uma gaveta esperando o momento certo de serem realizados. Desse modo, não vivemos a vida em plenitude, já que permitimos que as desculpas e os medos falem mais alto, limitando-nos a achar alternativas para transformar em realidade tudo aquilo que desejamos.

Quantas pessoas brilhantes, corajosas, determinadas e comprometidas vivem dessa forma? Elas simplesmente deixam de lado os seus próprios objetivos devido às interferências que surgem no meio do caminho e nem tentam ir além por medo de errar, de não serem aceitas ou de simplesmente não dar certo.

A sensação é de que há um grande abismo entre onde se está e o lugar que se quer chegar. Parece que sempre há mais problemas do que soluções e que surgirão mais obstáculos do que caminhos livres. Daí, então, deixamos o medo e outras sensações limitantes tomarem as rédeas da nossa vida, fazendo-nos acreditar que essa é uma opção mais segura, calma e tranquila de viver. É assim que deixamos para trás nossas ideias, objetivos, sonhos de criança e essência, tudo para viver com medo do nosso futuro, mas não nos damos conta de que esse mesmo futuro que tememos já está sendo criado, porém, por outras mãos: as mãos do medo.

Para alcançar as metas, sejam pessoais ou profissionais, e deixar de lado tudo aquilo que nos aborrece e não nos serve mais, precisamos desmascarar as falsas seguranças que os hábitos nos propiciam, e sobre as quais constantemente construímos a vida. Para realizar uma mudança, precisamos morrer metaforicamente para o que já não faz sentido no momento. É como a metamorfose da lagarta. Para se transformar em borboleta, ela desaparece e “morre” para aquela identidade que não terá mais propósito dali em diante.

Antes de promover uma transformação, é necessário fazer uma verdadeira autoavaliação, considerando alguns aspectos que vão guiar as nossas ações e decisões durante o ano.

Estar consciente de onde se encontra no momento e para onde se deseja ir é uma delas. Autoavaliação e identificação das próprias competências, qualidades, experiências e potencialidades são importantes, assim como os pontos fracos a serem melhorados. É importante refletir ainda sobre as motivações e os valores mais importantes da sua vida. Analise a situação de partida e a possível evolução e desenhe detalhadamente como irá chegar ao estado desejado e o que precisa ser feito para isso. Ou seja, lenha claro quais serão as suas estratégias, o plano de ação, a execução e a forma de verificar se os resultados estão de acordo com cada etapa desenhada. Ter um prazo para a finalização do processo é importante para que o compromisso seja assumido, e ele deve ser real, ou seja, possível de ser alcançado.

É fundamental, ainda, treinar a auto­disciplina, pois é dessa forma que evitamos que o medo nos domine e que comecemos a nos autossabotar. Treinar a flexibilidade é outro exercício essencial para que possamos compreender as mudanças no caminho e manter a resiliência necessária para alcançar aquilo que tanto desejamos.

Nada é mais desafiador do que viver de acordo com nossos sonhos, assim como nada é tão emocionante que criar objetivos no pensamento, antecipando-se ao futuro. Nessa busca pelo sucesso e do que o faz feliz, recorde-se sempre de que há momentos na vida em que nós também precisamos “morrer” para o velho e viver o que escolhemos. Somos capazes de decidir sobre pontos limitantes para transformar tudo o que ousamos sonhar em realidade.

Comece hoje mesmo! Não precisa esperar outro ano iniciar para colocar os planos e objetivos em prática. Afinal, a vida tem que ser vivida todos os dias e não apenas nos primeiros meses de um novo ano. Colher os melhores resultados sempre é uma tarefa constante e prazerosa.

E lembre-se: sonhos e metas nunca deixarão de existir, pois eles são combustível para a vida. Portanto, tenha em mente que a busca pela realização é constante e periódica, por isso não atrase nem deixe para trás aquilo que pode realizar hoje.

EDUARDO SHINYASIKHI – é palestrante, consultor organizacional, especialista em Desenvolvimento das Competências de liderança e Preparação de Equipes.

É presidente do Instituto Eduardo Shinyashiki e também escritor e autor de importantes livros como Transforme seus Sonhos em Vida (Editora Gente), sua publicação mais recente. www.edushin.com.br

Autor: Vocacionados

Sou evangélico, casado, presbítero, professor, palestrante, tenho 4 filhos sendo 02 homens (Rafael e Rodrigo) e 2 mulheres (Jéssica e Emanuelle), sou um profundo estudioso das escrituras e de tudo o que se relacione ao Criador.