OUTROS OLHARES

PRAZER PARA OS OUVIDOS

Os audiobooks, sucesso nos Estados Unidos, começam a ganhar novo impulso no Brasil. E uma pergunta já ecoa: ouvir tem o mesmo valor educativo que ler?

Os livros para ser ouvidos sobejamente conhecidos pelo nome em inglês – audiobooks -,   nasceram em 1932, nos Estados Unidos como ferramenta de inclusão social. Começaram a ser feitos no estúdio de gravação de uma fundação para cegos, registrados em discos de vinil, com capacidade de no máximo quinze minutos para cada lado do LP. No ano seguinte, deputados e senadores aprovaram uma emenda que autorizava a Biblioteca do Congresso a entrar no negócio, que não parou de crescer. Inicialmente eram as peças de Shakespeare, a Constituição etc., e o céu virou o limite. A partir dos nichos dedicados à deficiência visual os volumes de viva voz extrapolaram as fronteiras de mãos dadas com os avanços da tecnologia. Hoje, por meio de um smartphone, com acesso a lojas de aplicativos, é possível baixar qualquer um dos 4.000 títulos lançados anualmente nos Estados Unidos – é um naco que responde, por enquanto, por 65% do mercado livreiro, mas que se expande rapidamente. Os lançamentos surgem em ritmo mais veloz que o de volumes em capa dura. É uma febre que começa a desembarcar com força no Brasil.

Em junho deste ano, três grandes editoras se uniram para criar a plataforma de venda Auti Books, que lançará no próximo mês um plano de assinaturas. A Ubook, pioneira por aqui, anunciou planos de expansão. A Toca livros juntou-se ao Google Play Livros e à Kobo. O gigante sueco Storytel acaba de estrear seu serviço no Brasil, e a Amazon deve aportar no país nos próximos meses com um serviço de literatura para os tímpanos. Diz Claudio Gandelman, CEO da AutiBooks: “O brasileiro lê pouco e passa muito tempo no trânsito uma combinação extremamente promissora para decidir ouvir um livro. Estamos no início de uma revolução”. Trata-se de uma reviravolta que já possui alguma cara: mais da metade dos usuários tem até 34 anos e é do sexo masculino. Nos Estados Unidos, cerca de 60% dos ouvintes realizam atividades como a lição de casa e o almoço enquanto escutam, por exemplo, Nicole Kidman emprestando a voz a Ao Farol de Virginia Woolf, em inglês. Afirma André Palme, gerente da Storytel Brasil: “Se voz e texto não combinam, dificilmente o audiobook vai para a frente”. Vozes aveludadas são adequadas para histórias românticas. Tons dramáticos, empostados, servem ao suspense. Outro recurso que atrai ouvintes é o próprio autor (desde que seja uma celebridade, logicamente) narrar sua obra. Gisele Bundchen lê a introdução de seu livro Aprendizado, Lázaro Ramos narra Na Minha Pele e Drauzio Varella, Estação Carandiru.

Dada a velocidade de expansão dos livros para ser ouvidos e sua natural adoção pela juventude plugada aos fones, agora preferencialmente sem fios, os educadores indagam: escutar um livro vale tanto quanto lê-lo? Alguns estudos nos Estados Unidos chegaram a sugerir que o cérebro é incapaz de memorizar os livros apenas narrados em voz alta, sem que os olhos acompanhem as palavras, as frases, os parágrafos. Essa impressão era um lugar­ comum até que, em 2016 o psicólogo americano Daniel Willingham, da Universidade de Virgínia fez uma pergunta cuja resposta mudou tudo: ouvir um livro é trapaça? Não, não é, concluiu Willingham. “Não há real diferença entre ouvir um livro e lê-lo”, diz ele. O argumento da contrafação pressupõe que o leitor ficou apenas com a recompensa (o conteúdo) sem a contrapartida (o trabalho de leitura) e que, para nossos mecanismos cerebrais, ouvir é mais fácil do que ler. Isso é verdade até algum momento da infância, em torno dos 10 anos, um pouco após a alfabetização. Depois, a rigor, não existe diferença do ponto de vista neurológico e de aprendizado. E, no entanto, não há audiobook que consiga, por mais perfeito que seja o narrador, entregar o balé de vírgulas, pontos (quando há) e frases longuíssima de um escritor como José Saramago de Ensaio sobre a Cegueira: “ … O médico perguntou-lhe, Nunca lhe tinha acontecido antes, quero dizer, o mesmo de agora ou parecido. Nunca, senhor doutor, eu nem sequer uso óculos, (…)’. O bom-senso recomenda não abandonar as versões em papel ou digitais, com as letras impressas, seja para saber como se escrevem as palavras, seja para sentir o prazer inigualável, e automático, de cotejar o escrito com o lido mentalmente.

Autor: Vocacionados

Sou evangélico, casado, presbítero, professor, palestrante, tenho 4 filhos sendo 02 homens (Rafael e Rodrigo) e 2 mulheres (Jéssica e Emanuelle), sou um profundo estudioso das escrituras e de tudo o que se relacione ao Criador.

3 comentários em “OUTROS OLHARES”

  1. Ouvir tem o mesmo valor educativo de ler? Particularmente, entendo que essas duas formas de introduzir informação, elas agregam. Mas, o ato de ouvir não tem o mesmo valor de ler, por exemplo. O ouvir exerce um outro tipo de poder sobre a pessoa, é como se ela trouxesse uma espécie de calmaria, a alma, ou seja, uma ligação forte com o inconsciente. Necessariamente, ele não interfere no lado que possibilita a construção do do novo. Como assim? Ele não nos lança a vontade do indecifrável, que é o que faz com que a gente vá em busca da informação escrita. Ele não nos potencializa, poderia dizer assim de uma maneira geral.

    Curtido por 1 pessoa

    1. Perfeito o comentário…muitas vezes ao ouvirmos alguém, principalmente quando se trata de aconselhamento, somos orientados a ouvir o que as pessoaa falam não através dos lábios, mas sim o que o olhar da pessoa está dizendo..

      Curtido por 1 pessoa

Os comentários estão encerrados.