ALIMENTO DIÁRIO

QUANDO O CÉU INVADE A TERRA

CAPÍTULO 5 – ORANDO PARA QUE O CÉU DESÇA – PARTE II

CRIADOS PARA A POSIÇÃO DE REINAR

Fornos criados para termos intimidade com o Senhor. Dessa intimidade provém a nossa comissão para reinar. Tenha em mente que Ele vê a forma de reinar de um modo diferente da maioria de nós. Nós reinamos através do serviço. Muitos têm cometido o erro de pensar que os cristãos têm de encabeçar todas as empresas, governos e departamentos. Por mais que isso pareça ser urna boa coisa, na verdade essa condição é um fruto do nosso verdadeiro objetivo. Sermos semelhantes a Cristo – isto é, termos excelência com humildade – é o nosso verdadeiro alvo. Toda promoção é dada pelo Senhor. Se passássemos mais tempo desenvolvendo o coração voltado para o Reino, teríamos mais pessoas ocupando postos chave de liderança.

Orar é a coisa mais simples que o crente pode fazer. De filho para Pai, daquele que ama para Aquele que ama, orar é conversar, e às vezes só falar. Orar é ao mesmo tempo urna das coisas mais complicadas para nós. Fórmulas (rezas) não funcionam no relacionamento deste Reino.

A honra que ternos por estarmos habilitados a orar vai além de toda compreensão. Somos representantes do Senhor aqui na terra – embaixadores do Seu mundo. Nossos clamores – todos eles – tocam o Seu coração.

ORAR, A COISA MAIS IMPORTANTE

Ter intimidade é o principal propósito da oração. E é por meio do relacionamento que Deus nos confia os segredos do Seu coração, para que os expressemos em oração. Foi o que ele fez com Simeão e com Ana, quando lhes despertou o coração para orarem – bem antes do nascimento do Messias que viria – pela sua vinda. A volta do Senhor também será precedida pela declaração da noiva, “O Espírito e a noiva dizem: Vem

Se todas essas coisas acontecerão inevitavelmente, qual é então o propósito da oração? Tudo indica que Deus impôs a Si mesmo uma restrição: somente atuar em tudo o que se refere ao homem em resposta a uma oração.

Deus decidiu operar através de nós. Somos a Sua autoridade delegada sobre o planeta terra, e a oração é o veículo que possibilita a Sua invasão. Aqueles que não oram dão condições para que as trevas continuem reinando. O maior empenho do inimigo em sua tarefa de enganar a Igreja é enganá-la quanto ao propósito e o efeito da oração.

REPRESENTANDO UM OUTRO MUNDO

“Mas a nossa cidade está nos céus, de onde também esperamos o Salvador, o Senhor Jesus Cristo.” Paulo disse estas palavras à igreja de Filipos, uma cidade romana na Macedônia. Ela possuía uma cultura romana e estava sob o governo e a proteção do Império Romano, embora não fossem romanos. Os filipenses entendiam muito bem a ordem dada por Paulo com respeito ao fato de serem cidadãos de um outro mundo. Paulo não falou sobre ir para o céu num certo dia, mas sim lhes disse para viverem no dia de hoje como cidadãos do céu; mais especificamente, de uma posição do céu para a terra.”

Temos o privilégio de representar o céu aqui na terra, de forma que podemos fazer com que o céu se manifeste a este mundo.

O ESTILO DE VIDA COMO EMBAIXADORES

Como embaixadores, vivemos em um mundo representando um outro mundo. Uma embaixada é o local central de onde o embaixador e os seus auxiliares exercem a sua função. Ela é considerada, de fato, uma extensão da nação que representa. Assim se dá com o crente, sendo embaixador. A Bíblia promete: “Todo lugar que pisar a planta do vosso pé, vo-lo tenho dado.” Tal como os embaixadores de uma nação têm uma renda que é baseada no padrão de vida do seu país, não importando em que nação estrangeira estejam servindo, assim também os embaixadores do reino de Deus vivem de acordo com a economia do céu, embora ainda estejam na terra. Todos os recursos do nosso Rei acham-se à nossa disposição, para realizarmos a Sua vontade. Uma vida despreocupada foi o que Jesus ensinou, ao dizer: “Observai as aves do céu.

Na condição de embaixador, os militares do Reino que eu represento estão à minha disposição para me ajudarem a cumprir todas as ordens do Rei. Se, como representante da minha nação, minha vida estiver sob ameaça, todo o poder militar do governo do meu país estará pronto para fazer o que for necessário para proteger-me e libertar-me dessa ameaça. O mesmo se dá com os exércitos angelicais do céu. Eles são enviados para serviço a favor dos que hão de herdar a salvação.”

Ter a mentalidade de um embaixador foi algo que logo captei de Winkey Pratney. Quando ele entra num avião, ele se faz lembrar que, embora os outros possam estar representando a IBM ou a Xerox, ele está ali representando um outro mundo. Tenho seguido o seu exemplo e praticado o seu princípio por cerca de trinta anos. Isso tem me ajudado a manter uma clara perspectiva quanto ao propósito eterno de cada viagem que faço.

INTERCESSÃO OU UMA SESSÃO DE RECLAMAÇÕES

Uma das razões para não orarmos vem de observar certas pessoas que oram. Muitos dos que se consideram intercessores têm uma vida depressiva. Não quero minimizar o genuíno efeito da carga do Senhor que recai sobre nós quando estamos orando eficazmente. Ela é real e necessária. Mas um estilo de vida instável tem sido promovido por aqueles que se dizem intercessores, mas que não aprenderam a liberar nada em oração. A carga do Senhor é para nos levar a algum lugar! Isso eu aprendi por esforço próprio.

Ensinaram-me, desde jovem, sobre a importância da oração. Meu pastor de jovens, Chip Worthington, manteve-me na linha com seus ensinamentos e através dos muitos livros que ele me deu para ler.

Eu passava um bom tempo orando, e mantive essa prioridade em minha vida até o início da idade adulta. Mas o meu enfoque, ao orar, com frequência voltava-se para a minha própria espiritualidade; ou melhor, para a minha falta de espiritualidade. Eu me levantava cedo para orar e também orava até bem tarde, à noite. Deus honrou o sacrifício que eu fazia, mas as minhas vitórias pessoais não correspondiam às minhas horas bem elaboradas de oração. Em vez disso, minhas vitórias pareciam estar mais relacionadas com os meus atos de fé. Devido ao fato de que o meu enfoque ainda era a minha própria pessoa, foram poucas as vitórias que posso atribuir como respostas às minhas orações. Labutar em oração nem sempre é um indício da verdadeira intercessão. Muitas pessoas não conseguem nem mesmo distinguir a carga da sua própria incredulidade em relação à carga dada pelo Senhor. Agora eu oro até chegar a um lugar de fé para a situação que eu esteja enfrentando. Quando chego a este ponto, a minha perspectiva em relação ao problema fica totalmente diferente. Em vez de pedir a Deus para invadir em minhas circunstâncias, começo a comandar que as montanhas sejam removidas, em Seu nome. É a partir desta posição de fé (ou de descanso) que descubro o meu papel ao orar.

Ore até haja uma ruptura nas linhas inimigas. Então exerça a autoridade que lhe foi dada para executar a vontade de Deus sobre as circunstâncias em mira.

A PERFEITA TEMPESTADE

Jesus estava dormindo em meio a uma tempestade que ameaçava a vida dos discípulos.100 Diante do medo da morte, eles O acordaram. Então o Senhor exerceu autoridade e liberou a paz sobre aquela tempestade. Foi a paz que há no céu que lhe permitiu dormir. E foi essa mesma paz que subjugou a tempestade. Você somente terá autoridade sobre a tempestade durante a qual você tiver condições de dormir.

Se fico ansioso numa dada situação, então fica difícil para mim liberar a paz, porque somente posso dar aquilo que tenho. A autoridade funciona a partir da paz que há no céu.

Mesmo depois que os discípulos obtiveram resposta à sua oração, na forma de uma tempestade que se transformou em bonança, Jesus os questionou quanto à incredulidade deles. Para a maioria de nós, a resposta de uma oração é o que obtemos em virtude da nossa grande fé. Neste caso eles foram atendidos e seu pedido ao Senhor, mas Jesus lhes chamou de homens de pequena fé. O Senhor queria que eles exercessem a autoridade que Ele lhes havia dado para que eles mesmos acalmassem

o mar. Em vez disso, eles pediram ao Senhor para que Ele tomasse providência. Nós normalmente oramos, em vez de obedecermos, 11 situação de risco.

ALÉM DISSO…

Uma teologia correta não basta para nos capacitar a realizar toda obra que, há dois mil anos, Jesus nos deu para fazer. A Grande Comissão não foi ainda concluída, apesar de nossos vastos recursos financeiros e de pessoal. Para que possamos ver rupturas nas linhas inimigas semelhantes às que Jesus fazia, temos que nos apropriar daquilo que Jesus se apropriava: do Espírito Santo.

Este dom especial é o assunto do próximo capítulo. Nele veremos como a esfera do Espírito é a esfera do Reino de Deus.

Autor: Vocacionados

Sou evangélico, casado, presbítero, professor, palestrante, tenho 4 filhos sendo 02 homens (Rafael e Rodrigo) e 2 mulheres (Jéssica e Emanuelle), sou um profundo estudioso das escrituras e de tudo o que se relacione ao Criador.