A PSIQUE E AS PSICOLOGIAS

PELO PRISMA DA ANSIEDADE

Esse sentimento nos faz priorizar as informações negativas e examiná-las de forma detalhada

Não é preciso ter depressão para acordarmos numa manhã qualquer e, sem motivo específico, nos sentirmos sem esperança no futuro e incapazes de lembrar eventos gratificantes. Uma simples falta de ânimo já é o suficiente para acionar uma espécie de filtro que faz nossa mente captar e recordar apenas informações negativas. É dessa forma que a ansiedade atua: direcionando a atenção para estímulos específicos (em geral negativos).
Para compreender se ela é um problema, é preciso observar como se manifesta. Há diferença entre ficar ansioso diante de uma situação que representa ameaça real e ter esse sentimento como um traço de personalidade. No primeiro caso, ela é normal e saudável, pois cumpre uma função adaptativa essencial para a existência. A ansiedade nos incita a focar toda atenção naquilo que nos preocupa em um momento específico, mantendo-nos alertas para que possamos nos prevenir de consequências que podem ser prejudiciais.

Pessoas com transtorno de ansiedade, no entanto, tendem a se fixar com frequência em informações irrelevantes. Chegam, por exemplo, a observar um mesmo ambiente repetidas vezes, à procura de estímulos ameaçadores que, uma vez localizados, são evitados e controlados com dificuldade. Elas interpretam informações de maneira desfavorável e são mais suscetíveis a pensamentos negativos. Esse comportamento interfere em praticamente todas as áreas de seu cotidiano.

EMOÇÕES E RESPOSTAS

A ansiedade determina o tipo de informações que priorizamos e a forma como as interpretamos. Quando nos sentimos pressionados por alguma situação, a maioria de nós não é capaz de considerar mais de uma opção nem de acreditar que existem alternativas viáveis. No entanto, nos dias em que estamos felizes e otimistas, confiamos mais em nossas capacidades e a mente fica mais aberta para enxergar diferentes pontos de vista sobre o que nos preocupa. O problema pode ser o mesmo e talvez as opções sempre estejam ao alcance, mas a forma de processar as informações recebidas é sensivelmente diferente.

Essas diferentes maneiras de perceber o mundo são determinadas pelas emoções. De fato, alguns estados afetivos parecem moldar o funcionamento da mente para responder de maneira eficaz às demandas de uma situação. A ansiedade restringe o campo de visão da realidade e nos faz ver o mundo em “modo de ameaça”.

O modo como diferentes emoções acionam maneiras opostas de se processar uma mesma tarefa foi o tema de um de nossos experimentos. Selecionamos três grupos de estudantes para assistir a um vídeo que mostra um homem armado assaltando um banco. Em seguida, cada grupo visualizou, em separado, imagens com conteúdos emocionais diferentes: positivo (esportistas recebendo troféus, paisagens, famílias), negativo (acidentes, pessoas doentes, guerras) ou neutro (móveis, utensílios de cozinha). Após serem expostos a esses estímulos, os estudantes foram convidados a tentar reconhecer, entre fotos de vários homens, o rosto criminoso do vídeo.

DESEMPENHOS DIFERENTES

Os resultados mostraram que o grupo que havia visualizado as imagens com conteúdo positivo realizou o teste de forma mais eficiente. Todos os participantes do estudo haviam assistido ao vídeo do assalto e nenhum fora previamente avisado do que teria de fazer, mas os estímulos recebidos por cada grupo favoreceram ou complicaram a forma como a tarefa foi realizada.

A explicação dos resultados obtidos é simples, se considerarmos que o reconhecimento de um rosto requer um estilo de processamento global: nossa atenção apreende desde aspectos gerais, como tamanho ou formato da cabeça, o tipo do cabelo ou a cor dos olhos até algum detalhe que pareça tornar aquele rosto inconfundível, mas que de forma isolada não seria determinante. Os estímulos positivos parecem favorecer esse estilo de processamento, que é o mais adequado para realizar tarefas que exigem a observação de aspectos gerais – dessa forma, esse grupo obteve “vantagem” sobre os que receberam estímulos neutros ou apreensivos.

Após esse experimento, os mesmos voluntários foram convidados a participar de mais um teste. Dessa vez, a tarefa exigia a atenção em detalhes. Orientamos os participantes a encontrar diferenças em jogos do tipo “sete erros”. Os três grupos tiveram a mesma quantidade de tempo para localizar diferenças entre pares de imagens aparentemente iguais. Como a ansiedade incita a observar detalhes e informações aparentemente irrelevantes (que podem converter-se em ameaça), as pessoas do grupo em estado de ansiedade foram mais eficazes nessa tarefa, achando um maior número de diferenças em menos tempo que os outros grupos.

Essa pesquisa mostra como a ansiedade age sobre nossa capacidade de atenção: ela pode nos ajudar a localizar até a mais insignificante ameaça, mas também pode contribuir para que vivamos continuamente apreensivos.

OUTROS OLHARES

VIVA O CARBOIDRATO

Novo estudo revela uma má notícia para os adeptos das dietas low-carb, as mais seguidas no mundo, inclusive no Brasil – elas promovem o envelhecimento

A chave para emagrecer com saúde, sabe-se quase de cor, é o casamento adequado entre reeducação alimentar e atividade física. Trata-se de uma guerra, nem tão metafórica assim — e não é raro que se apele às promessas milagrosas das dietas da hora, essas que vão e vêm. As estatísticas globais, o Brasil incluído, são conclusivas: seis em cada dez adultos que recorrem a algum tipo de regime para perder peso optam pela redução de carboidratos — adotam uma dieta low-carb, na alcunha em inglês. A escolha é lógica: a privação de carboidratos (macarrão, pizza, batata, pão etc.) faz os ponteiros da balança descer em um período mais rápido de tempo. Perdem-se, em média, até 10% do peso em apenas trinta dias. Uma pessoa com 70 quilos, por exemplo, chega ao fim do mês de boca fechada com espantosos 7 quilos a menos. É de fato muito tentador. Mas — sempre há um porém — um novo e completo estudo ilumina um aspecto escondido das low-carb. A má surpresa: elas aceleram o envelhecimento. “A descoberta é um alerta definitivo sobre o perigo de dietas baseadas em um único nutriente”, diz Viviane Alves, professora de microbiologia da Universidade Federal de Minas Gerais, coautora do trabalho, publicado na reputada revista científica americana Current Biology.

Desenvolvido numa parceria entre o Instituto Sahmri, na Austrália, e a Universidade de Bristol, na Inglaterra, o estudo revelou que as proteínas, seja de origem animal, seja de origem vegetal — que tendem a substituir o carboidrato —, podem ser perigosas quando consumidas em excesso. Há, como decorrência indesejada, um aumento do ritmo do metabolismo celular. Resultado: essa aceleração provoca um erro no mecanismo de produção de compostos que protegem o organismo. A consequência é a morte celular abrupta. Dessa forma, o corpo passa a perder mais células do que é capaz de repor, o que leva ao envelhecimento precoce e à redução da expectativa de vida. Os pesquisadores avaliaram células humanas em laboratório. O próximo passo será estudar o efeito no cotidiano das pessoas. Por excesso de proteínas, entende-se o seguinte: uma pessoa de 70 quilos não deveria consumir mais de três bifes de filé-mignon por dia, ao longo de pelo menos um mês — porção facilmente ingerida em apenas uma refeição nesse tipo de regime.

A proliferação das dietas low-carb causou uma reviravolta nos hábitos alimentares no mundo todo. No Brasil, o consumo de feijão caiu pela metade nas últimas quatro décadas. O consumo internacional de batata diminuiu 40%. A predileção por esse tipo de regime tem história — ele nasceu no século XIX, quando o francês Jean Anthelme Brillat-­Savarin, autor do tratado de gastronomia A Fisiologia do Gosto, obra pioneira sobre a relação do homem com a comida, defendeu a renúncia total a açúcares e farináceos. O princípio foi retomado com força avassaladora nos anos 1970 pelo cardiologista americano Robert Atkins. Um de seus livros virou best-­seller e vendeu mais de 15 milhões de cópias ao redor do mundo. Os adeptos de Atkins estão liberados para comer ovos, bacon e carnes e chegam a emagrecer 10% do peso corporal em apenas quinze dias. Depois da dieta Atkins, como ficou conhecido o regime, outras versões foram surgindo — a paleolítica, a Dukan, a cetogênica, todas orientando grandes cortes no consumo de carboidratos e uma engolindo a outra na preferência popular.

Quem segue ou já seguiu a low-carb sabe muito bem que o sucesso é passageiro. Dois terços dos adeptos recuperam o peso original em até cinco anos depois do fim do corte calórico. Oito em cada dez desistem do regime antes de ele completar três meses. O carboidrato é, naturalmente, a primeira opção de energia corpórea. Na falta dele, a gordura em si passa a ser utilizada como combustível essencial. “Em pouco tempo, a perda de gordura faz com que o organismo, para se defender, reduza o ritmo natural do seu gasto calórico, tornando o regime impraticável, e a dieta passa a não funcionar”, diz a nutricionista Rafaela Destri, do Hospital São Paulo e da clínica Cia. da Consulta, em São Paulo. Além disso, os carboidratos são o principal alimento associado à fabricação da serotonina, substância fundamental para multiplicar as sensações de bem-estar e prazer.

Tudo somado, como manda o bom-senso, qualquer exagero é ruim. A proteína tem de estar presente na metade das refeições, a gordura em uma e os carboidratos em todas elas. Logicamente, a escolha deve ser pelos alimentos preparados com farinha integral. O valor nutricional do trigo branco, sem a casca nem o germe da planta, é menor. A quantidade de fibras dos integrais, a título de comparação, é três vezes maior em relação aos brancos. Ainda assim o trigo refinado não é de todo ruim. Um pãozinho contém tanta fibra quanto uma banana.

Outra tese em defesa dos carboidratos, publicada na revista científica The Lancet: as fibras das farinhas são essenciais para a prevenção de algumas doenças. Reduzir a quase nada as fibras nas dietas — o que acontece quando os carboidratos são subtraídos — priva o organismo de nutrientes indispensáveis. O consumo regular de carboidratos e, portanto, de fibras diminui o risco de morte por doenças cardíacas (menos 32%), acidentes vasculares (menos 22%) e câncer de intestino (menos 16%). Pense duas vezes antes de eliminar o pãozinho do café da manhã. É assim, até que brote uma nova dieta mágica.

MEU BEM, MEU MAL

As conclusões do novo estudo

1 – Um dos efeitos indesejáveis da dieta com restrição de carboidratos (macarrão, pizza e pão, por exemplo) é a exagerada troca por proteínas (frango, carne de boi e ovos)

2 – O excesso de proteínas, equivalente a uma porção diária de mais de três bifes de filé-mignon, leva à morte celular abrupta, um dos mecanismos de envelhecimento do corpo

GESTÃO E CARREIRA

CUSTOMIZANDO O PRÓPRIO TRABALHO

Conheça o job crafting, conceito que ajuda a ressignificar suas atividades sem precisar apelar para uma eventual demissão

No novo mundo do trabalho, a satisfação está no centro das reflexões sobre a carreira. São fartos os estudos que mostram uma correlação direta entre satisfação e produtividade. A ciência não deixa dúvidas: a felicidade é um fator preponderante para conquistar a alta performance.

Em 2001, duas pesquisadoras americanas, Amy Wrzcsniewski e Jane Dutton, criaram o conceito de job crafting, cujo significado remete a ações que os trabalhadores realizam para ressignificar o próprio emprego.

Ou seja, trata-se de um “artesanato” para melhorar as condições no escritório, tornando as atividades do dia a dia mais interessantes, os relacionamentos mais prolíferos e os resultados mais evidentes.

No fundo, o job crafting nada mais é do que um esforço para dar um significado ampliado ao trabalho – sem delegar essa responsabilidade exclusivamente à empresa.

Em um estudo a respeito de job crafting, feito com um grupo de pessoas em funções operacionais num hospital dos Estados Unidos, Amy e Jane mostraram as diferentes percepções que os indivíduos têm sobre suas funções. Enquanto alguns viam o trabalho como mero cumprimento de rotina, outros compreendiam que as atividades ali realizadas ajudavam as pessoas e melhoravam a vida dos pacientes. Esse segundo grupo foi capaz ele ressignificar a atuação com o job crafting. O que as pesquisadoras concluíram a esse respeito? Que aqueles que conseguem dar um sentido à atuação são mais felizes e também mais produtivos.

Mais do que um artifício mental, o job crafting é a capacidade prática de reorganizar as atividades para entregar melhores resultados. Um dos dramas crescentes do universo corporativo é a necessidade de “fazer mais com menos”, o que gera sobrecarga de tarefas com escassez de recursos. E a customização do trabalho ajuda a construir alternativas para enfrentar esse tipo de adversidade. Quem busca significado no que faz pensa em diferentes maneiras de atuar, procura soluções para problemas e faz alianças para implementar suas ideias.

Quanto mais forte for essa habilidade, mais êxito o profissional terá em um futuro de volatilidade. Isso porque a carreira contemporânea não é entendida como uma sequência linear de cargos, e sim como um conjunto de experiências significativas que se acumulam ao longo da vida.

Nessa nova dinâmica, a construção da jornada profissional estará nas mãos das pessoas, e não a cargo das companhias. Na era do protagonismo, o exercício permanente de buscar alternativas para melhorar o trabalho, a rotina e a motivação na realização de projetos fará toda a diferença para profissionais de todas a áreas.

RAFAEL SOUTO – É fundador e CEO da Consultoria Produtive, de São Paulo. Atua com planejamento e gestão de carreira, programas de demissão responsável e de aposentadoria

ALIMENTO DIÁRIO

PORCOS NA SALA

CAPÍTULO 12 – AUTOLIBERTAÇÃO

A pergunta surge com frequência: “Pode uma pessoa faze autolibertação?” Minha resposta é “sim”, e estou convicto de que uma pessoa não pode ficar livre dos demônios até ela estar andando nessa dimensão do ministério, isto é, a autolibertação.

Como é que alguém pode libertar-se? Como crente, ele tem mesma autoridade do crente que está sendo usado no ministério d libertação de outros. Ele tem a autoridade em nome de Jesus! E Jesus claramente prometeu àqueles que crerem: “em meu nome expelirão demônios” (Marcos 16:17).

Geralmente, a pessoa só precisa saber como agir para efetuar sua própria libertação. Depois que alguém tenha experimentado uma libertação inicial, nas mãos de um ministro experimentado, ele pode começar a prática de autolibertação.

Devemos lembrar que a libertação é um processo. Seria ótimo se pudéssemos ficar livres de todos os demônios habitando em nós e esquecê-los para o resto da vida. Mas quantos de nós podemos ficar libertos por completo? Se nunca pecássemos por pensamentos, palavras ou ações, nunca precisaríamos de libertação. O pecado abre a porta aos demônios. Isso não quer dizer que toda vez que a pessoa comete pecado, um demônio vai entrar. Mas de qualquer modo, pecado é uma maneira pela qual a porta é aberta aos demônios, mesmo que essa abertura não seja muito grande.

O maior problema que o autolibertador vai enfrentar é o do discernimento certo dos espíritos. Muitas pessoas têm a tendência de confundir a atividade demoníaca em sua vida com meras expressões de personalidade humana. É comum alguém reagir ao discernimento de certo espírito dizendo: “Oh! pensei que tosse eu!” Há aqueles que desejam seguir o caminho de “faça-o você mesmo”, de modo que seus pecados continuem ocultos. Este não é um motivo recomendável para iniciar sua própria libertação. A Palavra de Deus nos ensina que há lugar para confissão.

“Confessai, pois, os vossos pecados uns aos outros e orai uns pelos outros, para serdes curados. Muito pode, por sua eficácia, a súplica do justo.” (Tiago 5:16.)

Há casos em que um forte espírito de engano controla a pessoa a ponto de ela não ver nada errado em si mesma. Lembro-me de uma senhora que veio a mim com o pretexto de desejar libertação. O verdadeiro motivo apareceu logo. Ela veio para propagar uma doutrina falsa em que estava envolvida. Disse-me que tinha “o dom de abrir sua Bíblia” para responder às suas próprias perguntas e às de outros.

Antes de sair de sua casa, naquele dia, ela tinha aberto a Bíblia, e apontado o dedo em um versículo e recebido esta mensagem: “Vai, tua fé te salvou”. Ela interpretou isso como significando que não necessitava de libertação. Durante nossa conversa ela revelou que quando era pequena morou com uma necromante. A influência dessa experiência abriu-a para receber um espírito de adivinhação que operava nessa prática de abrir a Bíblia ao acaso, em busca de respostas.

De vez em quando um cristão pode receber uma palavra de Deus desta maneira, mas quem depende unicamente disso como a maneira primária de ouvir Deus está pisando em terreno perigoso.

Não há necessidade de ficar preocupado com demônios. Devemos ficar atentos a Jesus e àquilo que é verdadeiro, honesto, puro e de boa fama. Mas quando as perturbações satânicas vierem, não deveremos hesitar em reconhecê-las e tratá-las com a autoridade que nos deu nosso Senhor Jesus Cristo. Nosso objetivo em lutar contra Satanás é tirar todo o impedimento à nossa comunhão espiritual e ao nosso ministério.

A autolibertação é experimentada da mesma maneira como a libertação ministrada por um terceiro. A única diferença entre as duas formas é que a pessoa liberta é, também, o ministro de libertação. O sujeito fará, orando, sua própria confissão a Deus: que ele não quer nada do diabo e deseja que o Senhor o liberte.

Os demônios deverão ser confrontados e chamados por nome, um por um. Depois de várias vezes que um certo demônio tenha sido mandado embora em nome de Jesus, a pessoa deve começar a respirar o mais profundamente possível ou provocar uma tosse das profundezas do corpo.

Uma vez que as manifestações variam de pessoa para pessoa, não é possível explicar, de antemão, o que vai acontecer. Do mesmo modo que as libertações, a manifestação que acompanha a saída dos espíritos imundos pode variar muito. Em minha própria experiência, logo que confrontei o demônio, senti uma pressão em minha garganta e em seguida tossi e vomitei muco. Houve, então, um sinal de que a coisa tinha saído. Algumas pessoas têm mais capacidade que outras para efetuar sua própria libertação.