ALIMENTO DIÁRIO

PORCOS NA SALA

CAPÍTULO 4 – O VALOR DA LIBERTAÇÃO

Libertação é o nome que se dá ao processo de expulsar demônios. A libertação não é uma panaceia, um cura-tudo, mas mesmo assim ela é uma parte importante daquilo que Deus está fazendo em relação ao reavivamento atual na Igreja. Alguns esperam demais da libertação e outros esperam muito pouco. Com toda a honestidade temos de procurar saber o papel que a libertação pode ter em nossa própria vida e receber qualquer benefício que ela ofereça.

Aqueles que Deus colocou no ministério de libertação não têm de sair à procura de serviço. É claro que Deus está colocando no coração do Seu povo o desejo de purificar sua vida. É espantoso o número de pessoas que procuram a libertação. Muitas vezes, elas se apresentam para libertação sem saber exatamente o que estão procurando. Elas se apresentam porque estão procurando a Deus. São crentes que desejam crescer espiritualmente e sabem que todas as barreiras têm de ser derrubadas. A Igreja é a noiva de Cristo, e Cristo vem para buscar Sua noiva. As Escrituras dizem que Sua noiva tem de ser purificada.

“Maridos, amai vossa mulher, como também Cristo amou a Igreja e a si mesmo se entregou por ela, para que a santificasse, tendo-a purificado por meio da lavagem de água pela palavra, para a apresentar a si mesmo Igreja gloriosa, sem mácula, nem ruga, nem cousa semelhante, porém santa e sem defeito.” (Efésios 5:25-27.)

A libertação é uma parte essencial na preparação da noiva de Cristo – purificando-a de máculas e de rugas. Uma vez que a Igreja que Cristo vem buscar é “santa e sem defeito”, temos de concordar que os espíritos imundos têm de ser expulsos de nossa vida. Será que essa purificação é um ato soberano do Senhor ou será que é a responsabilidade do crente?

“Alegremo-nos, exultemos e demos-lhe a glória, porque são chegadas as bodas do Cordeiro, cuja esposa a si mesma já se ataviou.”  (Apocalipse 19:7.)

Este versículo enfatiza a responsabilidade humana. E nossa responsabilidade nos prepararmos para a vinda de Jesus Cristo. Parece que alguns estão esperando a vinda do Senhor em urna hora em que acontecerá neles, automaticamente, uma grande transformação, quando todas as suas deficiências serão corrigidas milagrosamente, num instante. A Bíblia diz: “… transformados seremos todos, num momento, em um abrir e fechar d’olhos, ao ressoar da última trombeta” (1 Coríntios 15:51, 52). Mas isto se refere somente ao nosso corpo mortal tornando-se imortal. Devemos evitar a interpretação demasiada desta passagem.

O trecho da carta aos Efésios, já citado, fala que a noiva é purificada por meio da “lavagem da água PELA PALAVRA”. Num sentido, isso quer dizer que fazemos nossa própria lavagem, mas noutro sentido significa que é o noivo que a faz, de modo que é Ele quem providencia a água – a PALAVRA.

Todo mundo sabe que uma noiva gasta muito tempo diante do espelho ao aprontar-se para seu noivo. A Palavra de Deus é aquele espelho diante do qual ficamos a nos preparar para a vinda de Cristo.

“Porque, se alguém é ouvinte da palavra e não praticante, assemelha-se ao homem que contempla num espelho o seu rosto natural; pois a si mesmo se contempla, e se retira, e para logo se esquece de como era a sua aparência. Mas aquele que considera, atentamente, na lei perfeita, lei da liberdade, e nela persevera, não sendo ouvinte negligente, mas operoso praticante, esse será bem-aventurado no que realizar.” (Tiago 1:23-25.)

Quando Ester foi preparada como noiva para seu rei, ela passou por um período de preparação. Pela Bíblia sabemos que ela passou um ano na purificação do corpo. Seis meses foram usados na aplicação de óleo de mirra, e seis meses com especiarias e com os perfumes e unguentos em uso entre as mulheres (Ester 2:12). O rei providenciou tudo o que ela precisava.

Essas coisas falam simbolicamente. Nosso Rei providenciou para nós a maneira pela qual purificamos nosso corpo. O óleo representa a unção do Espírito Santo. Seremos ungidos com o poder do Espírito Santo. Hoje há uma ênfase nova e refrescante nos dons e nos frutos do Espírito Santo. A noiva está-se preparando para o seu noivo.

“E todos nós, com o rosto desvendado, contemplando, como por espelho, a glória do Senhor, somos transformados, de glória em glória, na sua própria imagem, como pelo Senhor, o Espírito.” (2 Coríntios 3:18.)

Os demônios são inimigos dos dons e do fruto do Espírito Santo. Os demônios podem impedir o desenvolvimento deles na vida do cristão e, assim, podem impedir o crente em sua preparação para a volta do Senhor.

Por isso, a libertação que está acontecendo hoje é uma parte essencial da preparação da noiva. Por exemplo, um dos dons do Espírito é a profecia. As Escrituras dizem: “… se profecia, seja segundo a proporção da fé” (Romanos 12:6).

O demônio da dúvida ou descrença pode impedir o fluxo da fé e assim impede o fluxo da profecia. O dom de profecia pode manifestar-se em algumas pessoas somente depois que os espíritos que impedem nelas a fé, sejam expulsos. E a mesma coisa com os outros dons. Verificamos que algumas pessoas que estão pedindo o batismo no Espírito Santo não conseguem falar em línguas e outras são limitadas a poucas palavras.

Muitas vezes isso acontece por causa da influência demoníaca. Em muitos casos, a pessoa esteve envolvida em práticas ocultas, sejam elas quais forem. Tal envolvimento com o oculto, seja por inocência ou ignorância, abrirá uma brecha para a opressão demoníaca e o impedimento dos dons do Espírito Santo.

É de máxima importância renunciar e ficar liberto de tudo o que conseguiu entrada por meio do oculto. Peça ao Espírito Santo revelar e fazer-lhe lembrar cada porta que tem sido aberta por você ou por outros, durante sua vida, à opressão demoníaca.

Atingir o fruto do Espírito é um dos alvos especiais do inimigo. O primeiro, e o fruto principal, é o amor. O amor é algo para ser recebido tanto quanto manifestado. O “demônio de ressentimento” pode vencer o amor na nossa vida. Muitas pessoas não sabem por que não são capazes de amar os outros como deviam amá-los. Tal problema é uma forte indicação da presença de um demônio de ressentimento ou de falta de perdão. Geralmente, ressentimento convida outros demônios, tais como: amargura, ódio e raiva.

O amor também pode ser impedido pelo espírito de rejeição. Este espírito é muito comum, e muitas vezes é o “espírito-chefe” dentro de um indivíduo. O espírito de rejeição tem a oportunidade de entrar quando a pessoa não é amada na infância. Os pais, com muita facilidade, abrem a porta para a entrada do espírito de rejeição em seu filho quando não lhe mostram amor adequado. Quando a rejeição é forte, ela não deixa a pessoa receber o amor dos outros. Ao mesmo tempo, não deixa a pessoa amar os outros. O demônio de rejeição tem de ser expulso antes que a pessoa possa se amadurecer no amor cristão.

Se Satanás pode conseguir fazer o cristão sentir-se envergonhado por estar endemoninhado, ele também pode impedir que o cristão procure a libertação. Se, por um lado, não podemos pôr a culpa toda em Satanás e seus demônios por todos os nossos problemas, por outro, sabemos que podemos culpá-los por muito mais coisas do que imaginávamos. De fato, alguns cristãos não percebem que os demônios são os responsáveis por seus problemas. Ao sabermos que eles, realmente, entram em nossa vida, deveríamos fazer tudo para ficarmos livres deles.

Inumeráveis são os cristãos que encontram uma verdadeira ajuda por meio do ministério de libertação. Certos problemas que passaram longo tempo sem solução, quando meios tradicionais estavam sendo utilizados para solucioná-los, agora estão sendo resolvidos através do ministério de libertação. Isso nos faz pensar na razão por que temos levado tanto tempo para reconhecer essas verdades na Palavra de Deus.

Autor: Vocacionados

Sou evangélico, casado, presbítero, professor, palestrante, tenho 4 filhos sendo 02 homens (Rafael e Rodrigo) e 2 mulheres (Jéssica e Emanuelle), sou um profundo estudioso das escrituras e de tudo o que se relacione ao Criador.