ALIMENTO DIÁRIO

A HISTÓRIA DO CASAMENTO

DIA 28 – AS LINGUAGENS DO AMOR

Até agora, falamos sobre a linguagem em um sentido mais ou menos tradicional, focando nas palavras que dizemos e em como as dizemos. Agora queremos fazer um pequeno ajuste em nosso foco e discutir um aspecto diferente da linguagem compartilhada. No capítulo quatro, dissemos que nossos casamentos serão mais fortes se entendermos que nossos cônjuges talvez não nos sirvam da mesma maneira que nós servimos a eles. Do mesmo modo, as pessoas dão e recebem amor de formas diferentes. Um livro excelente para ajudar você a interpretar os vários dialetos do amor – um livro que beneficiou grandemente nosso relacionamento – é As Cinco Linguagens do Amor: Como Expressar Um Compromisso de Amor a Seu Cônjuge, de Gary Chapman.

Para ajudá-lo a entender por que essa é uma questão tão importante, vamos usar nosso casamento como exemplo. As minhas (Lisa) principais formas de demonstrar amor são tempo de qualidade e atos de serviço. Isso significa que no início do nosso casamento, eu ficava ocupada fazendo coisas (lavando roupas, reformando o piso da casa, cozinhando, limpando, cuidando das crianças, pintando e cuidando do quintal) para mostrar a John o meu grande amor por ele. Eu tentava ter conversas profundas e significativas como formas de passar tempo de qualidade com John enquanto fazia as coisas que eu achava demonstrarem amor.

Eu (John) não estava sintonizado no mesmo canal que Lisa. Eu demonstro amor de forma diferente, através do toque físico e das palavras de afirmação. Lisa estava fazendo refeições maravilhosas, tirando o carpete velho da casa e instalando novos pisos, mas eu não a ouvia dizer “Eu te amo”. E embora eu estivesse sinceramente dizendo palavras de encorajamento e dando afeto físico a ela, ela também não estava ouvindo “Eu te amo”. Era como se ambos estivéssemos falando um idioma estrangeiro.

Para um casamento ser saudável, ambas as pessoas devem se sentir felizes e amadas, e todos merecem ser amados de uma maneira que possam entender. Diante dessa afirmação, não há nada de errado em fazer com que o outro saiba qual é a linguagem de amor que fala mais claramente ao seu coração. Nós encorajamos você e seu cônjuge a aprenderem como demonstrar amor lendo o livro do Dr. Chapman. Conversem sobre seus resultados. O que significaria dentro do relacionamento de vocês falar a língua um do outro? Esta conversa transcorre melhor se ocorrer de maneira gentil, sem acusações. Diga coisas do tipo “Eu me sinto amado quando você…” e depois desenvolva o diálogo.

O uso intencional de palavras ou atos feitos sob medida para a maneira como seu cônjuge demonstra afeto expandirá o vocabulário do amor na sua união. Isso fortalecerá o fundamento que vocês estabelecerem usando a língua do Céu e dizendo a verdade em amor. Juntos, esses fatores criam uma linguagem que é compartilhada por vocês dentro da sua união.

Em seguida, veremos como você pode construir o segundo aspecto que torna possível o impossível: a unidade.

EM MISSÃO

Uma das coisas que Jesus enfatizou com frequência durante Seu ministério foi a importância de estar em unidade. Veja, por exemplo, uma história relatada no evangelho de João. Na noite em que foi traído, Jesus orou para que vivêssemos em unidade: Oro não é apenas por eles [meus discípulos].

Mas também por todos os que crerão em Mim.

Por causa deles e do testemunho deles a Meu respeito.

O alvo para todos eles é tornar-se um só coração e uma única mente conosco –

Assim como Tu, ó Pai, és em Mim e Eu em Ti,

Para que possam ser um coração e uma única mente conosco. Então, o mundo poderá crer que Tu, de fato, Me enviaste.

A mesma glória que Me deste, Eu dei a eles,

Para que eles estejam unidos como Nós estamos – Eu neles e eles em Mim.

Assim, eles amadurecerão nessa unidade E darão evidência ao mundo mau

De que Tu Me enviaste

E os amaste do mesmo modo que amaste a Mim. João 17:20-23 9 (A Mensagem), grifo do autor

A unidade revela a glória de Deus. Ela atesta o poder da obra de reconciliação do Seu Filho. Embora muitos tenham procurado provar o Evangelho usando argumentos racionais ou contundentes, a primeira e melhor evidência do amor de Deus pelo mundo é a maneira como o Seu amor é demonstrado entre Seu povo.

A unidade fala não apenas aos que estão fora do Reino de Deus; ela também nos beneficia. É no lugar da unidade que Deus ordena a bênção (ver Salmos 133, ACF). Esta é a razão pela qual a unidade representa uma ameaça dupla

ao reino das trevas: ela gera favor para o povo de Deus e ao mesmo tempo leva os perdidos a observarem o amor de Deus por eles.

Não é de surpreender, então, que o inimigo faça tudo ao alcance dele para gerar desunião em seu casamento – e qualquer resquício de egoísmo ou medo que você guarde para si só ajudará a causa dele. Como permanecer unidos exige que lutemos tanto contra nosso inimigo quanto contra nossa natureza humana, esse é um trabalho árduo. É algo que requer a graça do Espírito de Deus e uma consciência de um propósito claro que transcende as dificuldades do momento. É com isso em mente que vamos olhar mais uma vez Efésios 5:21: Sujeitem-se uns aos outros, por temor a Cristo.

Em um capítulo anterior, falamos sobre os papéis que ambos os cônjuges desempenham ao se submeterem um ao outro como servos altruístas. Agora queremos expandir sua compreensão acerca da submissão e sobre como ela nos ajuda a sermos um.

Pense nisto: o prefixo sub significa “debaixo”. Junte-o à palavra missão e podemos concluir que submissão significa estar “sob a mesma missão”.5 Você já passou bastante tempo listando seus objetivos conjugais e enumerando os passos necessários para alcançá-los. Que esse chamado à submissão sirva, portanto, como um lembrete de que todo objetivo pessoal para o seu casamento tem como alvo fundamental demonstrar o amor e a glória de Deus. Ambos os cônjuges estão sujeitos à autoridade dessa missão dada por Deus, e é isso que nos compele a sermos um.

Essa perspectiva é o que capacita ambos os cônjuges a serem fortes em seu casamento. A submissão não requer que um cônjuge seja forte e o outro fraco. Por caber ao casamento cumprir uma missão tão grande, tão maior do que qualquer um de nós, é preciso duas pessoas fortes para construir uma união forte. Por favor, entenda que ao usar a palavra forte não estamos nos referindo à personalidade ou à força física. Estamos falando de contribuição. Como afirmamos anteriormente, o casamento nada tem a ver com dominação; ele tem a ver com domínio. Ele tem a ver com ganhar terreno, e não com ser territorialista.

Existem áreas no nosso casamento, na nossa família e na nossa zona de influência nas quais eu (John) sou mais capacitado que Lisa. Ela alegremente cede lugar a mim nessas áreas. Do mesmo modo, existem áreas nas quais Lisa é muito mais capacitada do que eu. Nessas questões, eu cedo lugar alegremente à habilidade e à percepção dela. Estamos unidos sob a mesma missão, e nossa missão exige o melhor que nós dois temos a oferecer.

John sempre foi excelente cuidando das nossas finanças. Ele nunca teve qualquer dificuldade em acreditar que Deus suprirá nossas necessidades e abençoará nossas vidas. Todas as casas que já tivemos, foi ele quem encontrou. Quando ele assumiu o pagamento das contas, foi como se um peso enorme fosse tirado das minhas (Lisa) costas. Eu estava cuidando das contas por causa da agenda pesada de viagens de John e dos seus horários de trabalho. Vendo minha frustração com a tarefa, ele se ofereceu para assumir meu lugar. O que era um fardo para mim era fácil para ele. Ele fazia um excelente trabalho em se tratando de grandes aquisições, como casa, carro e outras coisas do gênero. Ele também se relacionava bem com nossos meninos através de competições, jogos e atividades similares.

Eu, por outro lado, cuidava da nossa casa. Sempre quis que ela fosse um espaço onde as refeições em família acontecessem ao redor da mesa. Amo alimentar minha família, e queria que meus meninos convidassem seus amigos para vir comer conosco. Eu também queria que nossa casa fosse um lugar onde John pudesse relaxar quando voltasse de viagem.

Descubra em que áreas você e seu cônjuge estão mais bem equipados para assumir a liderança. Aprenda a ceder lugar um ao outro nas respectivas áreas onde vocês são melhor dotados.

Ceder lugar voluntariamente à liderança um do outro nas áreas mais fortes de cada um capacitará vocês a realizar a missão que compartilham.

Autor: Vocacionados

Sou evangélico, casado, presbítero, professor, palestrante, tenho 4 filhos sendo 02 homens (Rafael e Rodrigo) e 2 mulheres (Jéssica e Emanuelle), sou um profundo estudioso das escrituras e de tudo o que se relacione ao Criador.