OUTROS OLHARES

MENINA OU MENINO?

Com a recém-lançada linha do brinquedo, a criança escolhe se vai brincar com boneca, boneco ou nenhum dos dois

Primeira boneca para crianças com cara e corpo de mulher adulta, a Barbie está completando 60 anos em pleno processo de reflexão sobre a própria identidade. Nascida alta, com longos cabelos loiros, olhos azuis, maquiagem e unhas pintadas, a boneca mais vendida no planeta adaptou-se pela primeira vez ao mundo que a rodeia nos anos 1980: embalada pelo movimento americano pelos direitos civis, a fabricante Mattel lançou a versão negra no cabelo e na pele (o corpinho proporcionalmente impossível permaneceu intocado). A partir dali, ela ganhou profissões, aderiu ao terninho, ao traje de astronauta, ao uniforme de policial, e foi se modernizando. Há três anos, estrearam a Barbie baixinha e a gordinha, em sete tons de pele. Agora, a linha chamada Mundo Criativo radicalizou: a(o) boneca(o) não tem gênero definido. A criança, de qualquer sexo, pode personalizar o brinquedo a seu gosto, como menina, menino ou nenhum dos dois.

PRODUTOS UNISSEX — termo cunhado pelo The New York Times em 1968, aplicado a calçados que podiam ser usados por homens e mulheres — são encontrados atualmente em diversos setores voltados para o chamado consumidor não binário, aquele que foge dos padrões de gênero vigentes. Marcas de maquiagem como Chanel e Maybelline usam homens nas suas campanhas. Gucci e Louis Vuitton puseram modelos masculinos nos desfiles femininos. A espanhola Zara e a holandesa C&A apostaram em coleções sem gênero definido — a maioria composta de jeans e moletom. Simulador eletrônico da vida real, o jogo The Sims, que já vendeu mais de 5 milhões de cópias, retirou a obrigatoriedade de o usuário definir seu avatar como homem ou mulher. “Existem dois fenômenos no lançamento da boneca de gênero neutro. Um é a customização, que agrada às crianças. O outro é a tentativa cada vez mais frequente de anular a classificação dos brinquedos como sendo de menino ou de menina”, explica Eduardo França, coordenador de MBA da Escola Superior de Propaganda e Marketing.

A Mattel garante que se baseou em pesquisas que comprovam que as crianças (ou, mais provavelmente, os pais delas) rejeitam cada vez mais os estereótipos definidos pelo gênero. “Tirar o rótulo faz com que o brinquedo seja para todos. Não há menino que não se divirta brincando com boneca”, diz a americana Monica Dreger, vice-­presidente de tendências globais da marca. A Barbie sem gênero se assemelha a um pré-adolescente: não tem maquiagem, pelos faciais, seios ou ombros largos. Vem acompanhada de um kit que inclui perucas de cabelo comprido e curtinho e opções de roupa que vão de saias e vestidos a calças, bermudas e jaquetas. Lançada nos Estados Unidos, ainda não tem data para chegar ao Brasil.

A boneca sem gênero espelha um mundo em transformação, onde os velhos escaninhos da sexualidade estão cedendo lugar a classificações que tomam boa parte do alfabeto — e germinam sob o olhar mais ou menos tolerante da sociedade. Foi festejada em círculos de ativistas e por pais que apoiam a ideia — muito politicamente correta — de que a criança deve tomar contato desde cedo com a diversidade sexual, de forma a vê-la com naturalidade mais tarde. Mas também rendeu críticas ferozes. Em Brasília, o pastor e deputado federal Otoni de Paula (PSC-­RJ) — o mesmo que advertiu que a cantora Anitta não é bom exemplo para as crianças — manifestou-se em prol dos pequenos indefesos. “Querem influenciar a primeira infância. É uma pilantragem”, vociferou na tribuna, no dia seguinte ao do lançamento.

Segundo dados da Associação Brasileira dos Fabricantes de Brinquedos (Abrinq), as bonecas e os bonecos representam quase 20% do mercado nacional, seguidos pelos carrinhos, com 17%. Presente exclusivamente das meninas até os anos 1970, a boneca ingressou no universo dos meninos na forma de um boneco macho até não poder mais: o Falcon, brutamontes de barba, músculos ressaltados, faca na mão e até uma cicatriz no rosto. Nos tempos atuais, ao contrário, manifestações explícitas de masculinidade (e feminilidade) são evitadas. Desde 2014 a gaúcha Xalingo não faz distinção de gênero na embalagem de seus produtos. “Não alteramos o brinquedo, mas as cores, a apresentação e a forma de divulgá-lo”, disse sua gerente de marketing, Tamara Campos. No site da marca, geladeiras, fogões e o jogo Brincando de Engenheiro trazem fotos de meninos e meninas na caixa. Árvores de Natal, preparem-se para mudanças.

Autor: Vocacionados

Sou evangélico, casado, presbítero, professor, palestrante, tenho 4 filhos sendo 02 homens (Rafael e Rodrigo) e 2 mulheres (Jéssica e Emanuelle), sou um profundo estudioso das escrituras e de tudo o que se relacione ao Criador.

Blog O Cristão Pentecostal

"Tão certo como eu vivo, diz o Senhor Deus, não tenho prazer na morte do ímpio, mas em que o ímpio se converta do seu caminho e viva. Convertam-se! Convertam-se dos seus maus caminhos!" Ezequiel 33:11b

Agayana

Tek ve Yek

Envision Eden

When We Improve Ourselves, We Improve The World

4000 Wu Otto

Drink the fuel!

Ms. C. Loves

If music be the food of love, play on✨

troca de óleo automotivo do mané

Venda e prestação de serviço automotivo

darkblack78

Siyah neden gökkuşağında olmak istesin ki gece tamamıyla ona aittken 💫

Babysitting all right

Serviço babysitting todos os dias, também serviços com outras componentes educacionais complementares em diversas disciplinas.

M.A aka Hellion's BookNook

Interviews, reviews, marketing for writers and artists across the globe

Gaveta de notas

Guardando idéias, pensamentos e opiniões...

Isabela Lima Escreve.

Reflexões sobre psicoterapia e sobre a vida!

Roopkathaa

high on stories

La otra luna de Picasso

El arte es la esencia de la espiritualidad humana.

%d blogueiros gostam disto: