OUTROS OLHARES

POR QUE O UBER ESTÁ EM CRISE

Empresa aumenta faturamento e atende 100 milhões de pessoas por mês, mas vê seus custos crescerem acima do esperado e registra prejuízo recorde

É comum uma empresa de tecnologia ter escassos lucros nos primeiros anos de seu funcionamento. E nem mesmo o Uber, considerado uma máquina de ganhar dinheiro, foge dessa sina. Apesar de apresentar números impressionantes de desempenho, como o uso da plataforma por quase 100 milhões de pessoas por mês, o aplicativo de transporte teve um prejuízo de US$ 5,2 bilhões no segundo trimestre de 2019, contra cerca de US$ 880 milhões no mesmo período do ano passado. Após a divulgação dos resultados, as ações da empresa despencaram 12% em Wall Street. E os acionistas, é claro, não gostaram nem um pouco. A própria entrada do Uber na Bolsa de Valores, em maio desse ano, que levantou US$ 8 bilhões, foi considerada decepcionante por analistas. O CEO Dara Khosrowshahi clamou por paciência e destacou a concorrência global como um dos fatores formadores do cenário. “Só estamos no começo dessa incrível jornada”, argumentou.

REDUÇÃO DE PREÇOS

A situação do Uber é parecida com a da concorrente Lyft nos Estados Unidos. Ambas, ainda deficitárias, têm um histórico de diminuir os valores das viagens para atrair mais passageiros. O quadro se complica quando entra na conta a grande quantidade de ofertantes, ou seja, de motoristas, em contraposição a uma demanda insuficiente que força a redução dos preços. A quantidade de corridas no Uber subiu 35% no segundo trimestre e a receita alcançou US$ 3,17 bilhões, mas as despesas no mesmo período aumentaram 147%. Diante do desequilíbrio operacional e dos péssimos resultados, congelou-se a contratação de novos motoristas nos Estados Unidos e no Canadá.

A economista Celina Ramalho, da Fundação Getúlio Vargas (FGV-SP), explica que o aplicativo serviu de esperança aos tantos desempregados, na situação atual da crise brasileira. E isso pode ser um termômetro para entender o que ocorre a nível global. Aqui há um aumento acelerado da oferta de serviços do aplicativo e a demanda não cresce no mesmo ritmo. A América Latina, onde o faturamento encolheu 24%, foi justamente o destaque negativo da empresa. No restante do mundo, a receita cresceu, mas abaixo do esperado e necessário. O caso do Uber mostra que a economia compartilhada, sustentada pelos aplicativos de serviços, ainda está provando a sua viabilidade.

Autor: Vocacionados

Sou evangélico, casado, presbítero, professor, palestrante, tenho 4 filhos sendo 02 homens (Rafael e Rodrigo) e 2 mulheres (Jéssica e Emanuelle), sou um profundo estudioso das escrituras e de tudo o que se relacione ao Criador.

M.A

Interviews, reviews, marketing for writers and artists across the globe

Gaveta de notas

Guardando idéias, pensamentos e opiniões...

Isabela Lima Escreve.

Reflexões sobre psicoterapia e sobre a vida!

Roopkathaa

high on stories

Luna en mengua

Poesía, arte, literatura y música.

de tudo um pouco ❗❕❗😉👌

de tudo um pouco 😉👌

Painel do Grupo

Aqui um pouquinho de nossas realizações

Buds of Wisdom

Fall in Love with Grammar !

pretapoesia

Escreviver é isso: viver, escrever, viver novamente. Writing is just like this: live, write, live again.

danielecolleoni

Appunti, spunti e passioni in liberta'

Ode to Beauty

Discovering the World of Fine Art Nude Photography

白川君の独り言β

no sweat no victory

URBN Social

The Social Experience

RENOVADAS

Autoestima para mais de 50

Olivia2010kroth's Blog

Viva la Revolución Bolivariana

%d blogueiros gostam disto: