ALIMENTO DIÁRIO

A HISTÓRIA DO CASAMENTO

DIA 19 – A ESPOSA: APOIE SEU MARIDO

Esposa, entenda e dê apoio ao seu marido, pois assim demonstrará seu apoio a Cristo. O marido exerce liderança em relação à esposa, mas da mesma forma com a qual Cristo faz à Igreja: com carinho, não por dominação. Assim como a Igreja se submete à liderança de Cristo, a esposa deve submeter-se ao marido. Efésios 5:22-24, A Mensagem

Você deve se lembrar de que Paulo introduziu suas instruções aos maridos e às esposas dizendo a eles “sujeitam-se uns aos outros, por temor a Cristo” (Efésios 5:21). No versículo seguinte, ele explica melhor: “Mulheres, sujeite-se cada uma a seu marido, como ao Senhor” (v. 22). Muitos veem essa ordem como algo que não beneficia as mulheres, mas não é o caso.

Pelo fato de que o casamento não tem a ver com dominação, a esposa divide o exercício do domínio com seu parceiro de maneira igualitária. Isso não entra em conflito com a liderança do marido, pois tanto o marido quanto a esposa possuem áreas exclusivas de autoridade e influência dentro do casamento e no mundo que os cerca. O domínio diz: “Exercerei minha autoridade e influência em seu benefício, e você exercerá sua autoridade e influência em meu benefício”.

O apoio da esposa a seu marido é um ato de serviço. Esposa, a você foi confiado o coração do seu marido. Proteger o coração dele dizendo a verdade em amor e respeito pode ser um dos seus maiores atos de serviço. Aprenda a servir a seu marido ajudando-o a expressar o que há no coração dele. Em vez de tirar conclusões precipitadas, ajude-o a crescer em visão e propósito aperfeiçoando a vida dele por meio da comunicação.

As mulheres são vulneráveis na área da força física, enquanto os homens geralmente descobrem que seus corações correm perigo. As mulheres são tão responsáveis por cuidar do coração dos homens, quanto os homens o são por proteger e prover para suas esposas em relação a qualquer fraqueza física que elas possam ter. Existe alguma missão mais nobre do que ser a guardiã de um coração?

Quando o marido começa a servir e entrega sua vida por sua esposa, ela responde honrando-o como o cabeça da união. Essa é a parte que cabe a ela em revelar o amor de Cristo ao mundo. A honra, o amor e o respeito da esposa por seu marido mostram como é ser liderado por Jesus. Deus não pediu às mulheres para se submeterem porque elas são secundárias. Ele as está convidando a demonstrar como deveria ser a Igreja. No casamento, temos a chance de mostrar como pode ser a vida quando somos guiados por um Senhor e Salvador bom, fiel, amoroso e generoso. Por isso é trágico quando permitimos que o inimigo perverta esse papel transformando-o em algo que desprezamos ou lamentamos. Ao dar esse papel às mulheres, Deus pediu que Suas filhas demonstrassem que Ele é confiável.

Deus sabe que Ele fez as mulheres fortes e capazes. Ao longo da História, Ele escolheu mulheres para liderar, julgar, profetizar, interceder e até mesmo para gerar e cuidar do Seu Filho unigênito. Ao chamar as mulheres para respeitar a liderança de seus maridos, Ele não está querendo dizer que elas são fracas ou indignas. Ao contrário, Ele está dizendo: “Sei que você é capaz e forte porque você é Minha filha. Mas no simbolismo eterno do casamento, preciso que alguém demonstre a bondade encontrada na submissão a Mim. Você está disposta a assumir esse papel de apoio e submissão para mostrar às outras pessoas que Eu mereço a devoção delas?”

O FARDO DA LIDERANÇA

Diferentemente de Deus, os maridos não são perfeitos. Eles nem sempre tomam as decisões corretas e nem sempre servem às suas esposas como deveriam. Isso pode ser uma grande fonte de frustração até mesmo para as mulheres que desejam honrar e apoiar seus maridos. Com o tempo, elas podem se sentir tentadas a resolver as coisas por conta própria. No entanto, a resistência à posição de liderança do marido, que pode parecer ser algo libertador, pode na verdade causar às mulheres muita dor e sofrimento.

Quando nosso primeiro filho ainda era um bebê, eu (Lisa) estava trabalhando longas horas com uma agenda apertada que incluía finais de semana. Eu enfrentava desafios pessoais e profissionais no trabalho, e ao mesmo tempo estava esforçando-me para ser a mãe e esposa perfeita. Enquanto isso, John estava atravessando um período de transição. Enquanto eu vivia estressada por causa do trabalho e com saudades do meu filho, John trabalhava em meio expediente, orava, jejuava, conversava com seus amigos e jogava golfe. Eu sentia uma pressão enorme e colocava a culpa de tudo isso nele. Sentia que era eu que segurava sozinha todo o peso, e que não aguentaria mais por muito tempo.

Eu queria que John também se preocupasse, mas ele se recusava a fazer isso. Quando contei a meu marido sobre meu temor e minha preocupação, ele me disse: “Lisa, pare de se preocupar e entregue isso nas mãos de Deus”.

Eu pensei: Nunca! Se eu não cuidar de tudo isso, ninguém mais o fará. A tensão me aprisionava como um carrasco enquanto eu me sentia incapaz de escapar da pressão que havia sobre mim.

Uma noite, enquanto estava no chuveiro, reclamei com Deus do meu fardo pesado. Não posso entregar nenhum desses fardos a John, argumentei. Eu tenho de lembrá-lo até mesmo de colocar o lixo para fora. Como poderia confiar a ele qualquer coisa mais importante? Eu lutava comigo mesma, justificando porque eu não podia abrir mão do controle.

— Lisa, você acha que John é um bom líder? — O Senhor me perguntou gentilmente.

— Não, não acho! — disse decididamente. — Não confio nele!

— Lisa, você não precisa confiar no John — Ele respondeu. — Você só precisa confiar em Mim. 

Você não acha que John está fazendo um bom trabalho como o cabeça desta casa. Você acha que pode fazer melhor. A tensão e a inquietação que você está sentindo são o peso e a pressão de ser o cabeça de uma família. Isso é um jugo para você, mas é um manto para John.

Entregue-o, Lisa.

Imediatamente entendi a fonte do meu fardo. A liderança do nosso lar, que eu estava tentando assumir, era opressiva para mim porque aquela posição não cabia a mim. Ela não seria opressiva para meu marido, porque Deus o havia ungido como o cabeça do lar.

Reconheci o quanto eu havia manipulado e lutado pela posição de liderança em nosso lar.  Eu destruíra meu marido em vez de edificá-lo e de acreditar nele. Ele, por sua vez, abrira mão da sua posição de autoridade entregando-a a mim, e eu criei uma grande confusão.

Quebrantada, desliguei o chuveiro e peguei uma toalha. Imediatamente encontrei John em nosso quarto. Chorei e me desculpei.

— Sinto muito. Passo o tempo todo brigando e discordando de você — eu disse.  —  Estava com medo de confiar em você. Vou deixar meu emprego amanhã se você quiser. Quero somente que voltemos a ser um.

— Não quero que deixe seu emprego — John respondeu. — Não creio que seja esse o problema. Mas acho que você precisa parar de pensar que você é a fonte.

Ele estava certo, eu não era a nossa fonte; Deus era. Perder de vista essa verdade fez de   mim uma pessoa estressada e incapaz de apoiá-lo. Conversamos bastante, e prometi a John:

— Vou apoiá-lo. Acredito em você.

Naquele momento eu não sabia exatamente o que eu estava apoiando ou no que estava acreditando. Só sabia que John precisava desse apoio mais do que eu precisava saber de todos os detalhes e porquês. Reconheci que tudo estava terrivelmente fora do lugar em nossa casa. Eu queria que Deus trouxesse ordem ao caos que eu havia criado. John, por sua vez, pediu desculpas por não atuar como líder e por se afastar de mim. Firmamos uma aliança prometendo amar, apoiar e contar um com o outro.

Aquela noite foi a primeira vez em anos que dormi e consegui realmente descansar. O meu jugo de escravidão havia sido removido.

Sempre que carregamos um fardo que Deus nunca teve a intenção de colocar sobre nós, assumimos um pesado jugo de escravidão. Por outro lado, qualquer coisa que Deus nos ungiu para fazer repousa sobre nós como um manto, um sinal de posição e poder que traz em si proteção e provisão.

Ao assumir a liderança do nosso lar, fiquei debaixo de um jugo, e John ficou descoberto. Era uma bagunça! Quando me submeti à ordem estabelecida por Deus para a família, meu jugo foi quebrado e John foi revestido do manto de liderança que lhe foi dado pelo Senhor. Eu também fui coberta, pois o manto se estendia para me cobrir e proteger, assim como a todas as pessoas que estavam sob os cuidados de John.

Autor: Vocacionados

Sou evangélico, casado, presbítero, professor, palestrante, tenho 4 filhos sendo 02 homens (Rafael e Rodrigo) e 2 mulheres (Jéssica e Emanuelle), sou um profundo estudioso das escrituras e de tudo o que se relacione ao Criador.