ALIMENTO DIÁRIO

A HISTÓRIA DO CASAMENTO

DIA 16 – LEVANTE-SE E CONSTRUA

… Vocês sabem que os governantes das nações as dominam, e as pessoas importantes exercem poder sobre elas. Não será assim entre vocês. Ao contrário, quem quiser tornar-se importante entre vocês deverá ser servo, e quem quiser ser o primeiro deverá ser escravo; como o Filho do Homem, que não veio para ser servido, mas para servir e dar a Sua vida em resgate por muitos. — Mateus 20:25-28

Só existe um método eficaz para construir um casamento saudável. Para muitos de nós ele está escondido bem debaixo do nosso nariz. Precisamos advertir você de que esse método não é empolgante, e definitivamente não é fácil. Mas é a única maneira de captar toda a realização, o propósito e o amor que todos nós desejamos ter em nosso casamento. Você está preparado para o grande segredo? Aqui está: servir. A única maneira de construir o casamento dos seus sonhos é dedicar sua vida a servir o seu cônjuge.

Por favor, resista ao desejo de fechar este livro ou de pular para o próximo capítulo. Sabemos que o conceito de servir não costuma despertar uma grande empolgação. É mais provável que ele inspire sentimentos de relutância ou até de pavor. Tendemos a recuar diante da ideia de estarmos sujeitos aos interesses, desejos ou preferências de outros. Porém, Jesus, o Filho de Deus e Rei dos reis, escolheu se tornar um servo em busca do que era melhor para nós. Fazer o que é melhor para nós se tornou Sua maior preocupação. Ele rejeitou o lugar de autoridade e privilégio que era Seu por direito para ser uma ponte sobre o abismo entre Deus e o homem. E agora que Ele abriu o caminho para nos reconciliar com Deus, Ele tem prazer em realizar nossos sonhos, desejos e alegrias mais profundos, capacitando-nos a viver uma vida extraordinária e a nos tornarmos semelhantes a Ele. Até mesmo quando entregou Sua própria vida, Jesus ofereceu tornar nossa vida abundante. Essa forma ilimitada e sem precedentes de serviço é o padrão segundo o qual devemos lidar com todos os relacionamentos, principalmente com nosso casamento.

Agora que o convés foi limpo, você tem a oportunidade de construir o casamento dos seus sonhos. Mas a única maneira de realizar o seu sonho conjugal – aquele projeto de felicidade divinamente inspirado – é dar sua vida em troca disso. No Reino de Deus, você só mantém aquelas coisas das quais abre mão livremente. A alegria, o amor e a realização que deseja ter em seu casamento só podem se tornar realidade quando você sacrifica a busca dos seus maiores interesses em nome dos maiores interesses do seu cônjuge.

Você já percebeu que os cristãos mais infelizes tendem a ser aqueles que são consumidos pela busca de seus próprios interesses? Os mais debilitados são aqueles que nunca fazem nada por ninguém. Isso acontece porque, em Cristo, o DNA espiritual de Jesus de servir está entrelaçado na nossa natureza. Jesus é o servo por excelência. Quando nos recusamos a abraçar nossa identidade Nele – que inclui, entre outras coisas, viver como servos – nós nos separamos do Seu poder transformador. Esse poder é essencial para construir vidas e casamentos segundo o coração de Deus, e só podemos ter acesso a ele quando procuramos viver como Jesus viveu. Se não servimos, não podemos construir o casamento que desejamos.

TORNANDO-SE O MENOR

Durante Sua última refeição com os discípulos, Jesus contou aos Seus amigos mais próximos que Sua morte era iminente e que em breve Ele seria traído. Como eles reagiram? Primeiro negaram ardentemente qualquer chance de traírem Jesus. Depois passaram rapidamente para uma discussão sobre qual deles era o maior.

Que absurdo! Jesus estava contando detalhes da Sua morte iminente, e tudo que Seus amigos mais chegados podiam fazer era discutir sobre a própria grandeza. Veja como Jesus reagiu à loucura deles:

… O maior entre vocês deverá ser como o mais jovem, e aquele que governa, como o que serve. Pois quem é maior: o que está à mesa ou o que serve? Não é o que está à mesa? Mas Eu estou entre vocês como quem serve. Lucas 22:26-27

As palavras de Jesus provavelmente atingiram os discípulos como uma bolada no rosto. Eles haviam deixado claro que estavam interessados em ser grandes. Agora Ele estava dizendo a eles que ser grande significava servir com excelência.

Mas Jesus não parou aí, apenas dizendo palavras duras. Ele prosseguiu fazendo algo que deixou Seus discípulos ainda mais desconfortáveis e confusos. A Bíblia diz:

Jesus sabia que o Pai havia colocado todas as coisas debaixo do Seu poder, e que viera de Deus e estava voltando para Deus; assim, levantou-Se da mesa, tirou Sua capa e colocou uma toalha em volta da cintura. Depois disso, derramou água numa bacia e começou a lavar os pés dos Seus discípulos, enxugando-os com uma toalha que estava em Sua cintura. João 13:3-5

O que é impressionante nessa passagem é o porquê de Jesus ter lavado os pés dos Seus discípulos. A resposta encontra-se na leitura atenta de uma palavra: assim. Jesus havia recebido autoridade sobre tudo, assim Ele Se humilhou e abraçou a responsabilidade de um humilde servo. Jesus não tinha problemas relacionados à falsa modéstia. Ele obviamente estava ciente da Sua posição de poder. Mas em lugar de Se gabar ou de abusar de Sua vasta autoridade, Ele usou Sua posição como uma plataforma para um ato de serviço inimaginável.

No primeiro século, as estradas não eram pavimentadas e não havia shoppings onde os viajantes pudessem comprar um par de tênis. As pessoas usavam sandálias (ou nada), de modo que seus pés ficavam expostos a muita sujeira e fezes de animais. Não há dúvidas de que, em um ambiente como esse, o fedor e a sujeira dos pés chegavam a um nível que é incompreensível para nós em nosso mundo moderno.

Por causa da quantidade de pés sujos, servos ou escravos tinham de limpar os pés de seus senhores e dos convidados deles. Em uma casa rica, havia muitas responsabilidades: estábulos para serem cuidados, comida para ser preparada, quartos para serem limpos. Mas o trabalho de lavar os pés era reservado ao servo mais humilde. Em alguns círculos, essa designação ia ainda mais longe, e essa tarefa desagradável era designada exclusivamente às servas, as únicas consideradas “indignas” o bastante para fazer algo tão humilhante e repugnante.

Jesus escolheu realizar o mais inferior dos atos de serviço. Por quê? Porque Ele precisava que Seus discípulos entendessem a importância de Sua lição sobre o serviço. Ele até mesmo retirou Sua veste, um símbolo da Sua posição como Mestre, e enrolou uma toalha em torno de Sua cintura como um escravo faria. Tenha em mente que Jesus fez tudo isso para lavar os pés de homens que logo O negariam, O trairiam ou O abandonariam.

Quando terminou de lavar-lhes os pés, Jesus tornou a vestir Sua capa e voltou ao Seu lugar. Então lhes perguntou: Vocês entendem o que lhes fiz: Vocês me chamam “Mestre” e “Senhor”, e com razão, pois Eu o sou. Pois bem, se Eu, sendo Senhor e Mestre de vocês, lavei-lhes os pés, vocês também devem lavar os pés uns dos outros. Eu lhes dei o exemplo, para que vocês façam como lhes fiz. Digo-lhes verdadeiramente que nenhum escravo é maior do que o seu senhor, como também nenhum mensageiro é maior do que aquele que o enviou. Agora que vocês sabem estas coisas, felizes serão se as praticarem. João 13:12-17

Depois de lavar os pés dos Seus discípulos, Jesus colocou de volta a Sua veste, retomou Seu papel como Mestre, e deu os toques finais em uma lição que Seus discípulos jamais esqueceriam. A lição eterna aqui contida pode ser resumida em quatro pontos:

1. Como Senhor e Mestre, Eu sou o seu exemplo por excelência.

2. Se Eu mesmo executei voluntariamente esse ato humilde, não imaginem que esse ou qualquer outro ato de serviço está abaixo de vocês.

3. Eu sou Seu Senhor, Aquele que é maior do que vocês, porém estou disposto a servir como o servo mais inferior.

4. Eu abençoo aqueles que seguem Meu exemplo de liderança de servo.

CHAMADOS PARA SERVIR

Jesus disse que seremos abençoados se seguirmos Seu exemplo. Isso significa que Sua bênção repousará sobre os nossos casamentos quando nós O imitarmos servindo aos nossos cônjuges.

Não estamos encorajando você a imitar Jesus iniciando um ritual noturno de lava-pés. A questão é introduzir o padrão de serviço Dele em nossas vidas. No casamento, imitamos melhor o exemplo de Cristo quando usamos nossos respectivos papéis como oportunidades para servir. Paulo escreveu:

Nada façam por ambição egoísta… mas humildemente considerem os outros superiores a si mesmos. Seja a atitude de vocês a mesma de Cristo Jesus. Filipenses 2:3, 5

Qual era a atitude de Cristo? Ele escolheu Se ver como um servo que colocava os outros e o que era melhor para eles acima do Seu próprio interesse. Ele levou isso ao extremo morrendo por aqueles a quem amava. A maioria de nós nunca será chamado a fazer um sacrifício dessa dimensão por seus cônjuges, mas fomos chamados para abandonar nosso egocentrismo por amor a eles.

Então, se servir é tão maravilhoso – e se atrai a bênção de Deus – por que mais pessoas não estão fazendo isso? O problema é nossa natureza humana caída, que luta constantemente contra os caminhos do Espírito de Deus e nos encoraja a fazer dos nossos próprios interesses nosso objetivo. Nossa carne exige que reconheçamos os desejos dela, insistindo que seus anseios sejam satisfeitos. Mas por mais que a alimentemos, a natureza humana sempre irá querer mais.

A natureza pecaminosa promove constantemente o egoísmo e o descontentamento, ao passo que o Espírito de Deus nos capacita a ser altruístas e oferece realização duradoura. A cada momento, escolhemos se vamos ser guiados pelo Espírito de Deus ou pelos desejos insaciáveis da nossa carne:

Pois a carne deseja o que é contrário ao Espírito; e o Espírito, o que é contrário à carne. Eles estão em conflito um com o outro, de modo que vocês não fazem o bem que desejam. Gálatas 5:17

Jesus nos libertou da nossa natureza pecaminosa para que pudéssemos entregar nossas vidas livremente. A salvação não nos libertou para recebermos mais; ela nos libertou para que pudéssemos dar mais! “Vocês foram chamados”, escreveu Paulo, “para a liberdade. Mas não usem a liberdade para dar ocasião à vontade da carne; ao contrário, sirvam uns aos outros mediante o amor” (Gálatas 5:13).

Recebemos liberdade para que possamos sacrificar nossas vidas. Se vivemos meramente para nós mesmos, desperdiçamos nossa liberdade em Cristo e nos sujeitamos ao mesmo pecado e egoísmo do qual Cristo morreu para nos libertar. Mas ao aprendermos a viver servindo aos outros, especialmente ao nosso cônjuge, passamos a fazer parte da vida abundante que Ele disponibilizou para nós.

Autor: Vocacionados

Sou evangélico, casado, presbítero, professor, palestrante, tenho 4 filhos sendo 02 homens (Rafael e Rodrigo) e 2 mulheres (Jéssica e Emanuelle), sou um profundo estudioso das escrituras e de tudo o que se relacione ao Criador.