A PSIQUE E AS PSICOLOGIAS

ANSIEDADE INCONTROLÁVEL

Agorafobia e transtorno de personalidade esquiva são apenas dois dos distúrbios que provocam inúmeros desconfortos, mas que, identificados de forma correta, podem ser tratados para minimizar seus efeitos

Ansiedade incopntrolável

Nunca estivemos tão ansiosos. Segundo a Organização Mundial da Saúde, o Brasil é o país mais ansioso do mundo e o quinto colocado em geração de depressão e transtornos decorrentes da ansiedade. Os dados revelam que 9,3% da nossa população sofrem de transtorno de ansiedade, quase o triplo da média mundial. A mente humana é, definitivamente, um mistério que, a cada dia, desafia os profissionais e especialistas da área. Existe uma infinidade de distúrbios e transtornos que podem surgir a partir da exposição do estresse e ansiedade e, sem uma avaliação criteriosa, podem se confundir e dificultar o diagnóstico, sem uma avaliação criteriosa, podem inclusive se confundir.

No caso do transtorno de personalidade esquiva, por exemplo, o indivíduo tem um padrão extremamente tímido e inibido do ponto de vista social. Percebe-se deslocado em acontecimentos sociais e comporta-se bastante melindroso a comentários e apreciações pejorativas a seu respeito, podendo ficar intensamente melancólico nessas ocorrências. Forma ideia de inferioridade, considera-se incapaz e que não possui qualificação própria (vamos abordar detalhadamente mais à frente).

A agorafobia, por sua vez, vem do termo grego ágora = praça pública, multidão; e fobia = medo. Ou seja, medo de lugares com muitas pessoas. A agorafobia tem como característica principal forte ansiedade que eclode no momento em que o indivíduo se encontra em lugares ou situações em que a fuga é dificultosa, iniciando, assim, uma crise semelhante ao ataque de pânico. Pode acontecer em ambientes públicos ou lugares com grande aglomeração de pessoas, como em praças públicas, shopping centers, dentro de bancos, shows musicais abertos ou fechados, elevadores etc.

Os leigos costumam confundir a agorafobia com o transtorno do pânico pela proximidade dos sintomas. É bom que saibamos que o transtorno do pânico pode ocorrer sem agorafobia. Porém, a agorafobia sem pânico é incomum, embora existam casos raros relatados na área psiquiátrica, pois a agorafobia é uma condição exclusiva, na qual as pessoas parecem ter medo de frequentar lugares abertos ou fechados desacompanhadas.

O medo e a clausura encontram-se sempre presentes entre as evidências e os sintomas mais habituais. O indivíduo com esse transtorno faz o possível para não se expor a determinadas localidades ou circunstâncias que possam manifestar outros episódios de crises de pânico, ou, então, percepções de reclusão ou dificuldade de se retirar do local.

São demasiadamente incômodas as crises de transtorno do pânico quando ocorrem. Todavia, não comprometem o estilo de vida como acontece com a agorafobia, quando os portadores são diretamente dependentes de terceiros, no sentido de executar tarefas primordiais, como sair de casa para ir ao supermercado ou ir ao médico.

Esse transtorno também dificulta que o indivíduo aceite convites para festas, que saia de casa para trabalhar ou que compareça a quaisquer eventos onde aconteçam alvoroços, envolvendo aglomerações de pessoas, mesmo que esses eventos sejam para cumprimentos de protocolos ou formalidades. A agorafobia costuma se manifestar de duas formas, dependendo das ocorrências vinculadas ao transtorno: simples ou patológica.

SIMPLES – Quando a situação ameaçadora é superada e tudo volta ao normal após psicoterapia.

PATOLÓGICA – Quando a situação ameaçadora não é superada e o indivíduo necessita de medicação para amenizar os sintomas.

“A agorafobia ‘leve’ pode ser exemplificada pela pessoa que hesita em dirigir sozinha por longas distâncias, mas consegue ir e voltar de carro para o trabalho; que prefere se sentar no corredor nos cinemas, mas segue indo ao cinema; que evita lugares lotados”.

Fatos considerados naturais podem ser perturbadores para uma pessoa portadora da agorafobia. Exemplos: voar em aviões, atravessar pontes, túneis, passarelas, adentrar elevadores, trafegar em ônibus, trens, metrôs, eventos musicais etc. O mais interessante de tudo isso é que esses tipos de bloqueios se tornam amenos e vencíveis se o agorafóbico estiver acompanhado. Até mesmo a companhia de uma criança pode trazer mais conforto às suas inquietações.

O comportamento de evitação dos locais e das situações citadas acima é um fator determinante para a concretização do diagnóstico. Na maioria dos casos, os lugares sempre coincidem por tratar-se de registros mentais fixados no inconsciente da pessoa afetada e, pela mesma razão, o agorafóbico desencadeia mal-estares vinculados ao receio de percorrer tais trajetos, manifestando, assim, crises de pânico ou sensações dos sintomas recorrentes. Por vezes, sua imaginação se torna tão fértil que o leva a ter crises mesmo que nada de concreto tenha ocorrido.

As crises de pânico na agorafobia, mesmo que se manifestem intensas e prolongadas, não devem ser confundidas com eventos traumáticos (no caso do transtorno do estresse pós-traumático – TEPT), sobremodo que nem todo ataque de pânico deve ser rotulado de agorafobia. Um indivíduo pode apresentar os mesmos sintomas somente imaginando que futuramente terá de atravessar uma ponte ou passarela, fazendo com que a possibilidade da eclosão dos sintomas venha à tona mesmo sem sair de casa.

“A agorafobia ‘moderada’ é exemplificada pela pessoa que só dirige em um raio de 15 km de casa e somente se estiver acompanhada; que compra em horário fora do pico e evita grandes supermercados; que evita aviões ou trens. Já a agorafobia ‘grave’ está relacionada à mobilidade muito limitada, às vezes, até mesmo a ponto de não sair de casa”.

DURAÇÃO E SINTOMAS

A fobia e o afastamento das situações de pânico geralmente duram seis meses ou mais.

Os sintomas psicológicos provocados pela agorafobia são receio de morrer; medo de lugares repletos de gente; pavor de ficar só ou sair sozinho; ansiedade; baixa autoestima; insegurança.

Os sintomas físicos provocados pela agorafobia são disparo da frequência cardíaca; falta de ar; dor ou compressão no peito; vertigens; dormência pelo corpo; suor em demasia; calafrios; vômitos; diarreia; desmaios.

A agorafobia apresenta fatores de risco, como sintomas de precedentes dos transtornos de ansiedade, fobias ou pânico; convívio em um meio propício para o estresse elevado; manifestações de crises de pânico e medo irracional exagerado; mau uso de substâncias – a utilização abusiva de ansiolíticos e antidistônicos, como os benzodiazepínicos; gestos ansiosos, inquietos e nervosos; lembranças de eventos traumáticos; infância violenta; fatos históricos de doença na família.

Um dos principais fatores da agorafobia é o biológico – compreendendo os caracteres de saúde e genética: índole, temperamento, estresse ambiental e experiências de aprendizagem podem desempenhar um papel no desenvolvimento da agorafobia.

“Aqui não há mistério, pois a alma bastarda e impura pela desorientação mental sofre por ansiedade. A mente é como um bando de andorinhas sem ter onde pousar, desprendendo-se o voo pelo vão dos ares sem destino. Assim é a nossa mente procurando encontrar-se nesse mundo tumultuado em que vivemos. Dessa forma, a ansiedade é fato constante que possibilita interpretações equivocadas de nós mesmos (…). Naquele instante em que vacilamos, a mente estimula a ansiedade e a nossa insegurança. Nesse momento, fogem a inteligência e a racionalidade, e o medo torna-se nosso inimigo mortal. (…). Ao adormecermos, as trevas do nosso labirinto do sono surgem como eterna visão ansiosa e assentam-se junto à nossa mente. Mas esse mar de problemas tem solução! Precisamos nos conectar à nossa essência, ao nosso mundo interior, onde também há um mar de tranquilidade que nos espera, às luzes da consciência mais profunda”.

Ela desperta quando o sujeito que apresentou repetidos ataques de ansiedade adquire um medo terrível de que eles se desencadeiem em circunstâncias reais. Esse medo incontrolável é fundamentado pelo pensamento de que essa crise possa se repetir mais vezes e de que será mais complicado obter ajuda de alguém.

O tratamento prático para a agorafobia, de modo geral, envolve a psicoterapia e a medicação. A Psicanálise, a terapia cognitivo-comportamental, a terapia de exposição (psicoterapia com auxílio de realidade virtual) estão entre os procedimentos que produzem mais efeitos sobre o transtorno.

Ainda não existe uma forma segura para a profilaxia da agorafobia. E, por isso, a ansiedade tende a disparar seu gatilho quanto mais evitar situações que desencadeiam o medo. Se o portador da agorafobia principiar a sentir medos insignificantes sobre locais não confiáveis, seria aconselhável frequentar esses lugares uma vez ou outra antes que esse medo se torne incontrolável. É evidente que essa tarefa não é fácil, mas, se não for possível soluciona r por conta própria, vá em busca de um profissional habilitado, solicitando que um familiar ou amigo possa estar presente nesse momento.

Mas se você (portador da agorafobia) perceber algum sintoma ansioso em lugares que possam desencadear ataques de pânico, procure tratamento médico e psicoterápico com rapidez. Evite que o quadro sintomático se agrave. A ansiedade na agorafobia, como em muitas outras categorias de transtornos ansiosos, pode ser mais difícil de cuidar se você prolongar essa ajuda.

“Na complexa vida moderna, a ansiedade e os ataques de pânico estão se tornando mais comuns. Mas a boa notícia é que a compreensão sobre esses distúrbios aumentou e as formas de tratamento estão mais eficientes”.

MÉTODOS ALTERNATIVOS

Existem, também, métodos alternativos para acalmar as crises de pânico na agorafobia:

RESPIRE PROFUNDAMENTE – Se você estiver em meio a um ataque de pânico, é provável que comece a hiperventilar. Mesmo que não haja hiperventilação, a respiração profunda pode auxiliar na redução do estresse e facilitar no fornecimento de mais oxigênio ao cérebro para compensar o equilíbrio neuronal. Ao notar que uma crise queira se manifestar, pare e abrevie a cadência respiratória. Sus­ tente a respiração. Assim, reduz-se a sensação de supressão, a circulação do sangue e a incapacidade de res­ pirar. Depois da respiração segura, comece a respirar lentamente, exercitando o diafragma. Ponha uma das mãos sobre o tórax e a outra no abdômen. Você vai sentir o ventre subir e descer durante o exercício. Em seguida, aspire o ar pelo nariz em um intervalo de 5 segundos. Prenda a respiração por dois segundos. Depois expire pausadamente pela boca em um tempo também de 5 segundos. Prossiga a respiração diafragmática por mais alguns minutos até observar um alívio no relaxamento muscular e limpidez de concentração.

CONCENTRE-SE NO RELAXAMENTO – Em uma crise de pânico, os reflexos cerebrais podem ficar desordenados. É provável que você perceba diversos sintomas nesse mesmo instante, o que contribui para a tensão nervosa. Esse processo vem à tona porque o corpo impulsiona o gatilho do mecanismo de “luta ou fuga” do sistema nervoso simpático, dispersando a cadência cardíaca e respiratória, contraindo os músculos e os canais de vasos e artérias sanguíneos. Relaxe por um instante no intuito de abreviar o ritmo cardíaco e pulmonar, para ganhar harmonia com as experiências sensoriais. Esse processo também pode auxiliar na manipulação da reação automática de reagir a agentes estressantes. Logo após, tente elaborar uma listagem sobre o que está ocorrendo, sem julgar ou criticar os acontecimentos túrbidos. Exemplo: “Meu coração está batendo descompassadamente…Minhas mãos estão transpirando… Acho que eu vou desmaiar”.

Logo após, fortaleça a ideia em sua mente de que essas manifestações são mero fruto da ansiedade. Evite fiscalizar essas sensações. Isso pode ativar o gatilho da ansiedade. Fique certo de que são sintomas transitórios. Fique imóvel enquanto faz a listagem dos sintomas. Essa postura, com o passar do tempo, manipula o cérebro, ajudando-o a reconhecer que a circunstância não é tão nociva quanto parece. O exercício empregado pode induzir o cérebro a compartilhar com mais veemência o quadro sintomático de pânico.

CONFUSÃO

É importante não confundir o transtorno de personalidade esquiva com fobia social, apesar de haver muita semelhança. Na fobia social as pessoas fazem o possível para evitar certos acontecimentos sociais. No entanto, não perdem as ligações afetivas. Já no transtorno da personalidade esquiva, o sujeito contrapõe-se a qual quer caráter de convivência pessoal. Nesse caso, há o impulso de aproximar-se das pessoas, porém o temor de não ser aceito é mais forte, contribuindo, assim, para a resistência.

Na maior parte dos casos os sintomas são experimentados pelo indivíduo como normais (eu- sintônico), de modo que o diagnóstico só poderá ser ordenado a partir de um panorama externo.

“A psicoterapia deve ser ajustada à capacidade do paciente à medida que ele se demonstra disposto a enfrentar situações que geram sua ansiedade. Mesmo na Psicanálise, chega um momento em que o paciente deve enfrentar seus medos. O psicólogo ou psicanalista terá um papel fundamental no acolhimento e posterior encorajamento do paciente”.

No Manual Diagnóstico e Estatístico dos Transtornos Mentais – DSM-5, ficaram assim outorgados os indicadores diagnósticos para o transtorno de personalidade esquiva:

“Um padrão difuso de inibição social, sentimentos de inadequação e hipersensibilidade à avaliação negativa que surge no início da vida adulta e está presente em vários contextos, conforme indicado por quatro (ou mais) dos seguintes:

  1. Evita atividades profissionais que envolvam contato interpessoal significativo por medo de crítica, desaprovação ou rejeição.
  2. Não se dispõe a se envolver com pessoas, a menos que tenha certeza de que será recebido de forma positiva.
  3. Mostra-se reservado em relacionamentos íntimos devido ao medo de passar vergonha ou de ser ridicularizado.
  4. Preocupa-se com críticas ou rejeição em situações sociais.
  5. Inibe-se em situações interpessoais novas em razão de sentimentos de inadequação.
  6. Vê a si mesmo como socialmente incapaz, sem atrativos pessoais ou inferior aos outros.
  7. Reluta de forma incomum em assumir riscos pessoais ou se envolver em quaisquer novas atividades, pois estas podem ser constrangedoras”.

Como prestar auxílio a um portador do transtorno? Jamais o critique, se ele optar por não comparecer a um evento social por receio de ser rejeitado. Também não o julgue nem o deprecie. Esses episódios, excentricamente, sobrecarregarão seus pensamentos negativos e a pessoa experimentará sensações de rejeição, fato este que o fará se sentir mais inferiorizado. Ao contrário disso, estimule-o a sair de casa, buscando o lazer como fonte de preenchimento mental, mesmo que sua resposta seja negativa. Proponha também projetos que despertem seus desejos, demonstrando que ele poderá contar sempre com você nos momentos de aflição. Incentive-o a não se deixar levar pelo medo de repulsa de outrem, pois o importante é estar confiante para desatar-se dos laços fóbico-ansiosos.

Em uma perspectiva freudiana, esse transtorno de personalidade se constitui a partir das vivências e pelo desenvolvimento em fases da libido (energia vital/sexual), pelo modo como se estrutura o desejo inconsciente e as formas como o ego lida com os conflitos e frustrações libidinais.

“As pulsões sexuais dos transtornos de personalidade percorrem um caminho sinuoso de desenvolvimento para então alcançar o ‘primado da zona genital’. Antes de este ser alcançado, a pulsão pode ficar fixada em alguma organização pré-genital, como a oral e a anal, às quais retornará quando ocorrer uma repressão, o que caracterizaria uma regressão” (Sigmund Freud).

Em relação aos tratamentos, a terapia cognitivo-comportamental – TCC pode ser de bom préstimo. Essa modalidade de terapia psicológica oferece o respaldo de que o raciocínio flutuante do paciente estaria provocando o referido transtorno, e que, de certa forma, centraliza-se na transformação de paradigmas cognitivos distorcidos por ponderar a legitimidade das suposições por trás do problema. Outra excelente técnica para tratamento é a análise da transferência, que é um dos focos principais da Psicanálise. Ela é direcionada a pacientes com graves distúrbios de personalidade por considerar qualquer interpretação transferencial no contexto do que está ocorrendo na vida atual do paciente. As transferências negativas ou positivas desses pacientes devem ser trabalhadas restritamente no “aqui e agora”, sem que se tente atingir reconstruções genéticas, pois a falta de diferenciação e individualização dos objetos interfere na capacidade para diferenciar os relaciona mentos objetais presentes e passados.

Autor: Vocacionados

Sou evangélico, casado, presbítero, professor, palestrante, tenho 4 filhos sendo 02 homens (Rafael e Rodrigo) e 2 mulheres (Jéssica e Emanuelle), sou um profundo estudioso das escrituras e de tudo o que se relacione ao Criador.