ALIMENTO DIÁRIO

                QUALIFICADOS

Qualificados - Tony Cooke

CAPÍTULO TRÊS – MAS EU NÃO ME SINTO QUALIFICADO!

“Aquele que cresce em graça lembra-se de que é apenas pó e, portanto, não espera que seus companheiros cristãos sejam algo mais. Ele desconsidera dez mil de suas faltas porque sabe que o seu Deus desconsidera vinte mil em seu próprio caso. Ele não espera perfeição na criatura e, portanto, não se desaponta quando não a encontra… Quando as nossas virtudes amadurecerem, acredito que não toleraremos mais o mal, mas seremos mais tolerantes com as debilidades, mais esperançosos para com o povo de Deus e certamente menos arrogantes em nossas críticas. Doçura para com os pecadores é outro sinal de maturidade.” — Charles H. Spurgeon

Pensamento-chave: Se Deus tivesse de esperar até que fôssemos perfeitos para nos usar, ninguém jamais seria usado por Deus.

 

Você já lutou contra o sentimento de não ser bom o suficiente para ser usado por Deus? Você não é o único. Medite nas palavras de Paulo aos coríntios.

Irmãos, reparai, pois, na vossa vocação; visto que não foram chamados muitos sábios segundo a carne, nem muitos poderosos, nem muitos de nobre nascimento; pelo contrário, Deus escolheu as coisas loucas do mundo para envergonhar os sábios e escolheu as coisas fracas do mundo para envergonhar as fortes; e Deus escolheu as coisas humildes do mundo, e as desprezadas, e aquelas que não são, para reduzir a nada as que são; a fim de que ninguém se vanglorie na presença de Deus. — 1 Coríntios 1:26-29

Deus chamou apenas uma pessoa perfeita: o Senhor Jesus Cristo. Todos os outros que Deus chamou para fazer alguma coisa para Ele — inclusive você e eu — são pessoas muito falíveis e imperfeitas. Deus sabe a nossa condição exata quando nos chama, e Ele começa conosco — exatamente onde estamos. A graça e a misericórdia de Deus têm feito com que muitos que não pareciam grandes “candidatos” à liderança espiritual, se submetessem a transformações extraordinárias:

  • Moisés, o Assassino, tornou-se o Libertador Poderoso.
  • Gideão, o Inseguro, tornou-se o Guerreiro do Senhor.
  • Davi, o Adúltero, tornou-se o Doce Salmista de Israel.
  • Pedro, o Covarde, tornou-se o Proclamador do Pentecostes.
  • João, o Tempestuoso, tornou-se o Apóstolo do Amor.
  • Saulo, o Fariseu (alguns historiadores creem que Paulo foi um Terrorista), tornou-se o Apóstolo da Graça.
  • Marcos, o Inconstante, tornou-se Útil para o Ministério.

Relatos bíblicos revelam que aqueles que Deus chamou para o serviço com frequência sentiram-se desqualificados e incapazes.

CONSIDERE MOISÉS

Quando o Senhor apareceu para Moisés e o comissionou para libertar os filhos de Israel da escravidão do Egito, Moisés ofereceu inúmeras desculpas que revelaram o seu choque e insegurança.

  • Ele perguntou a Deus: “Quem sou eu para ir a Faraó…?” (Êxodo 3:11).
  • Ele questionou: “Mas eis que não crerão, nem acudirão à minha voz…” (Êxodo 4:1).
  • “Ah! SENHOR! Eu nunca fui eloquente, nem outrora, nem depois que falaste a teu servo; pois sou pesado de boca e pesado de língua” (Êxodo 4:10).

Pessoa alguma que crê na Bíblia jamais duvidaria que Moisés tinha um chamado de Deus em sua vida, mas alguns admitem que ele não tinha qualquer consciência desse chamado até o incidente da sarça que ardia, quando estava com 80 anos (Êxodo 3). Entretanto, quando era mais jovem, Moisés teve uma percepção do propósito de Deus para a sua vida. Ele parecia ter captado uma ideia geral do seu papel, mas não compreendera completamente os detalhes vitais acerca do tempo e do modo como o seu chamado se cumpriria.

Quando completou quarenta anos, veio-lhe a ideia de visitar seus irmãos, os filhos de Israel. Vendo um homem tratado injustamente, tomou-lhe a defesa e vingou o oprimido, matando o egípcio. Ora, Moisés cuidava que seus irmãos entenderiam que Deus os queria salvar por intermédio dele; eles, porém, não compreenderam. — Atos 7:23-25

Você certamente se lembra do restante da história. Quando Moisés descobriu que o seu crime de assassinato fora descoberto, ele fugiu e passou os quarenta anos seguintes no deserto. Talvez o sonho inicial de Moisés em ser usado por Deus para libertar os israelitas tivesse morrido por quatro décadas de dias quentes e noites frias no deserto de Midiã, mas Deus ressuscitou aquelas percepções iniciais, trouxe esclarecimento para ele e lhe deu uma tarefa maravilhosa.

Talvez você esteja como Moisés. Você recebeu uma ideia de Deus e fez uma tentativa fracassada de realizar algo para Ele, não percebendo o tempo errado ou o modo errado. Quando você agiu sobre aquela ideia as coisas não funcionaram bem, então, você jogou a toalha. Deus quer que nós sirvamos a Ele, exatamente como Moisés o fez, mas é necessário que façamos as coisas do Seu jeito e no Seu tempo (isso com frequência inclui um período de preparação considerável).

Um grande passo em começar a cooperar com Deus envolve tirar os nossos olhos de nós mesmos. O porquê Deus escolheu Moisés diz respeito a Deus. Temos consciência de que Deus não escolheu Moisés porque ele era perfeito, ao contrário, Ele escolheu Moisés por causa do seu amor pelos israelitas e o seu desejo de libertá-los. Antes que Moisés entrasse em seu destino, ele teve de tirar os seus olhos de si mesmo e esquecer o seu passado. Ele tinha que olhar para Deus, para a responsabilidade que o Senhor lhe dera e para as pessoas que Deus queria libertar.

Moisés finalmente entendeu que seu chamado estava alicerçado na graça daquele que chama e não na perfeição daquele que está sendo chamado. Ele disse ao povo: “Não vos teve o SENHOR afeição, nem vos escolheu porque fôsseis mais numerosos do que qualquer povo, pois éreis o menor de todos os povos” (Deuteronômio 7:7).

MUITOS OUTROS SENTIRAM-SE DESQUALIFICADOS

Gideão sentiu-se desqualificado por causa da inferioridade que ele sentia devido à sua condição socioeconômica inferior. Em Juízes, 6:15, ele disse: “Ai, SENHOR meu! Com que livrarei Israel? Eis que a minha família é a mais pobre em Manassés, e eu, o menor na casa de meu pai”.

  • Jeremias sentiu-se muito jovem (Jeremias 1:6).
  • Sara pensou que era muito velha (Gênesis 18:12).
  • Quando o Senhor apareceu a Isaías, ele disse: “Ai de mim! Estou perdido! Porque sou homem de lábios impuros” (Isaías 6:5).
  • Quando Pedro encontrou-se com Jesus, sua resposta foi: “Senhor, retira-te de mim, porque sou pecador” (Lucas 5:8).
  • Paulo disse de si mesmo: “… não sou digno de ser chamado apóstolo, pois persegui a Igreja de Deus” (1 Coríntios 15:9).

Paulo disse a Timóteo que Deus “… nos salvou e nos chamou com santa vocação; não   segundo as nossas obras, mas conforme a Sua própria determinação e graça que nos foi dada em Cristo Jesus, antes dos tempos eternos” (2 Timóteo 1:9). Paulo sabia que Timóteo tinha certos medos e inseguranças, e ele queria que esse jovem ministro entendesse: 

“Timóteo, isso não tem nada a ver com você ou quão perfeito ou imperfeito você é. Tire os seus olhos de si mesmo — desista de ficar preso às suas imperfeições e deficiências — e ponha os seus olhos no propósito e na graça de Deus para a sua vida”.

Paulo estava ciente de que seu passado não era puro. Ele disse:

Sou grato para com aquele que me fortaleceu, Cristo Jesus, nosso Senhor, que me considerou fiel, designando-me para o ministério, a mim, que, noutro tempo, era blasfemo, e perseguidor, e insolente. Mas obtive misericórdia, pois o fiz na ignorância, na incredulidade. Transbordou, porém, a graça de nosso Senhor com a fé e o amor que há em Cristo Jesus. — 1 Timóteo 1:12-14

Alguma coisa o tem prendido no passado?

Você já se sentiu desqualificado para ser usado por Deus?

Você se considera “indigno” por causa de algumas deficiências em suas habilidades ou pecados em seu passado, ou até mesmo devido a alguma batalha que está travando em sua vida agora mesmo?

Existe insegurança ou sentimento de inferioridade que o tem impedido de render a sua vida a Deus e ao Seu propósito para a sua vida?

Se respondeu sim a essas perguntas, como eu disse, você não está sozinho. Jamais devemos esquecer que somos privilegiados por servir a Deus, e apenas por Sua misericórdia e graça que podemos fazer isso. Considere algumas passagens importantes que revelam o discernimento de Paulo sobre a origem e a natureza do seu ministério e perceba que o seu passado não o impediu de entrar no seu futuro.

Porque eu sou o menor dos apóstolos, que mesmo não sou digno de ser chamado apóstolo, pois persegui a Igreja de Deus. Mas, pela graça de Deus, sou o que sou; e a Sua graça, que me foi concedida, não se tornou vã; antes, trabalhei muito mais do que todos eles; todavia, não eu, mas a graça de Deus comigo. — 1 Coríntios 15:9-10

… não que, por nós mesmos, sejamos capazes de pensar alguma coisa, como se partisse de nós; pelo contrário, a nossa suficiência vem de Deus, o qual nos habilitou para sermos ministros de uma nova aliança… — 2 Coríntios 3:5-6

Não que eu o tenha já recebido ou tenha já obtido a perfeição; mas prossigo para conquistar aquilo para o que também fui conquistado por Cristo Jesus. Irmãos, quanto a mim, não julgo havê-lo alcançado; mas uma coisa faço: esquecendo-me das coisas que para trás ficam e avançando para as que diante de mim estão… — Filipenses 3:12-13

Quais foram algumas das ideias-chave que direcionaram a perspectiva de Paulo sobre o seu ministério?

  1. Paulo nunca se esqueceu de onde tinha vindo. Ele reconhecia que Deus não o chamara porque ele era perfeito, ao contrário, chamara-o a despeito de sua hostilidade contra Jesus.
  2. A graça não era apenas a base para Deus salvar Paulo, mas também a base para a capacitação de Paulo no ministério.
  3. A graça era a base para o ministério de Paulo, mas ele trabalhou duro e fez a sua parte. Ele reconhecia que a sua obra não era independente de Deus, mas se dava em combinação com as obras de Deus nele.
  4. Paulo reconhecia que Deus era Aquele que o qualificava e o capacitava para ser um ministro.
  5. Paulo não considerava a si mesmo perfeito ou como tendo alcançado a perfeição. Ele reconhecia que ainda havia mais, e ele estava buscando o melhor de Deus.

A obra que realizamos para Deus não é fundamentada em nossa perfeição, mas em Sua misericórdia e graça. Todos nós somos uma “obra em progresso”. Não é o que fomos que importa; é onde estamos estabelecidos agora que conta para Deus. O seu passado não é desculpa para privá-lo do futuro que Deus tem para você. Deus tem uma obra para você realizar, e o que Jesus disse em Lucas 9:62 é válido para nós hoje: “Ninguém que, tendo posto a mão no arado, olha para trás é apto para o Reino de Deus”.

Autor: Vocacionados

Sou evangélico, casado, presbítero, professor, palestrante, tenho 4 filhos sendo 02 homens (Rafael e Rodrigo) e 2 mulheres (Jéssica e Emanuelle), sou um profundo estudioso das escrituras e de tudo o que se relacione ao Criador.