GESTÃO E CARREIRA

CONCILIANDO INTERESSES COM A GERAÇÃO Y

Transparência: abrir o jogo desde a seleção do jovem, de maneira a se obter união de interesse e sinergia de valores

Conciliando interesses com a geração Y

Existe grande expectativa e movimentação por parte das empresas sobre a forma adequada de extrair o melhor que os jovens podem dar, sem que ocorra o desencontro entre gerações.

A chave para essa fusão acontecer com sucesso trata-se de uma equação com dois coeficientes conhecidos (instrumentos disponíveis e valores) e de uma incógnita (como será utilizado pelas novas gerações o conhecimento que está adquirindo).

Utilizando desta equação, a empresa pode alcançar também, consequentemente, uma outra chave de sucesso para os negócios: manter este talento dentro do time de funcionários, uma vez que, no meio destas transformações que o mundo transita, encontrar e manter um funcionário de talento têm sido um grande desafio no recrutamento e gestão.

E, neste sentido está um grande desafio: se a empresa passar fortes instrumentos e consistentes valores éticos, sociais e ambientais, a partir de seus experientes profissionais, o novo jovem terá estrutura e melhores condições para utilizar seus conhecimentos e, assim, elevar paredes sustentáveis, olhando a necessidade de todos.

Uma rota que preserva os interesses e conhecimentos das partes é apresentada por Ruy Leal, superintendente do Instituto Via de Acesso.

TRANSPARÊNCIA: abrir o jogo desde a seleção do jovem, de maneira a se obter união de interesse e sinergia de valores;


DEFINIÇÃO CLARA DOS LIMITES: considerar que não existem jovens super-heróis, como não existem empresas perfeitas;


RESPEITO E CONFIANÇA NA RELAÇÃO: obtêm-se com critérios, diretrizes e planos claros, aceitos pelas partes;


CONSIDERAR, com interesse, as ideias e iniciativas;


FOCAR A REPUTAÇÃO: carreira se constrói com lisura e clareza;


NÃO DESEJAR O LUGAR DO PRÓXIMO DE FORMA ILÍCITA;
Jovem não é bibelô, mas também não é capacho;


SABER CONVIVER COM PENSAMENTOS E CRENÇAS DIFERENTES: não basta não concordar só porque é mais experiente ou convicto. É preciso saber debater e convencer;


NÃO COBIÇAR OS RESULTADOS E CONQUISTAS ALHEIAS: utilizá-los como benchmarking e para estabelecer novas metas pessoais.

Estamos vivendo um processo de transição de perfis e comportamentos. Os novos profissionais detêm de novas competências, habilidades e perspectivas – principalmente quando se fala em carreira.

Cabe às empresas uma preparação para saber lidar com este novo jovem. Com base nos apontamentos acima, Ruy Leal garante: “Com vontade genuína e com suas virtudes e defeitos, as partes se entenderão e construirão um futuro melhor”.

Autor: Vocacionados

Sou evangélico, casado, presbítero, professor, palestrante, tenho 4 filhos sendo 02 homens (Rafael e Rodrigo) e 2 mulheres (Jéssica e Emanuelle), sou um profundo estudioso das escrituras e de tudo o que se relacione ao Criador.