ALIMENTO DIÁRIO

PROVÉRBIOS 31: 10-31 – PARTE III

Alimento diário

A MULHER VIRTUOSA

 

III – A felicidade desta mulher virtuosa.

1. Ela tem a consolação e satisfação da sua virtude na sua própria mente (v. 25): “A força e a glória são as suas vestes”, em que ela se envolve, isto é, de que ela desfruta, e em que se mostra ao mundo, e assim recomenda a si mesma. Ela desfruta de uma firmeza e constância de mente, tendo ânimo para suportar as muitas cruzes e desapontamentos que até mesmo os sábios e virtuosos devem esperar encontrar neste mundo; e estas são as suas vestes, para defesa, bem como decência.

Ela tem atitudes honrosas com todos, e tem prazer em agir assim, e rirá no futuro; quando tiver mais idade, refletirá com satisfação sobre o fato de que não foi ociosa nem inútil quando jovem. No dia da sua morte, será um prazer pensar que viveu com algum bom propósito. Na verdade, ela se rirá em urna eternidade que há de vir; ela será recompensada pela sua bondade com abundância de alegria e prazeres, para sempre.

2. Ela é uma grande bênção para os seus parentes (v. 28).

(1) Os seus filhos crescem e a chamam bem-aventurada. Eles lhe dedicam palavras boas; eles mesmos são um elogio para ela, e estão prontos a lhe fazer grandes elogios; oram por ela, e bendizem a Deus por terem urna tão boa mãe. É urna dívida que têm para com ela, urna parte daquela honra que o quinto mandamento exige que se tenha com pai e mãe: e é uma honra dupla aquela que se deve a um bom pai e a uma boa mãe.

(2) O seu marido se julga tão feliz com ela, que aproveita todas as oportunidades para falar bem dela, como sendo uma das melhores mulheres. Não é nenhuma indecência, mas, na verdade, um louvável exemplo de amor conjugal, que os esposos e as esposas se deem, uns aos outros, os louvores devidos.

3. Ela tem boa reputação com todos os seus vizinhos, como Rute, a quem toda a cidade do seu povo sabia ser urna mulher virtuosa (Rute 3.11). A virtude terá o seu louvor (Filipenses 4.8). Uma mulher que teme ao Senhor terá o louvor de Deus (Romanos 2.29), e o dos homens, também. Aqui vemos:

(1) Que ela será muito louvada (v. 29): “Muitas filhas agiram virtuosamente”. As mulheres virtuosas, aparentemente, são joias preciosas, mas não joias tão raras como se pensava (v. 10). Houve muitas, mas esta é incomparável. Quem poderá achar alguém que se compare a ela? Ela supera a todas. Observe que aqueles que são bons devem desejar e cobiçar ser excelentes em virtude. Muitas filhas, na casa de seu pai, e quando solteiras, agiram virtuosamente; mas uma boa esposa, se for virtuosa, será superior a todas elas, e fará um bem maior do que elas poderão fazer. Ou, como explicam alguns: um homem não consegue ter a sua casa tão bem mantida por boas filhas, como por uma boa esposa.

(2) Ela será incontestavelmente louvada, sem contradição (v. 31). Alguns são louvados além do que lhes é devido, mas os que louvam a mulher virtuosa aqui apenas lhe dão o fruto de suas mãos; eles lhe dão aquilo que ela conquistou e que é, com justiça, devido a ela; ela será injustiçada se não for assim. Observe que devem ser louvados aqueles cujas mãos produziram frutos dignos de louvor. A árvore é conhecida pelos frutos, e. portanto, seus frutos forem bons, a árvore deve ter nosso elogio. Se os seus filhos forem diligentes e respeitos os com ela, e se comportarem como devem, então lhe darão o fruto de suas mãos; ela colhe o benefício de todos os cuidados que teve com eles, e se julga bem recompensada. Os filhos devem, portanto, procurar recompensar seus pais, e isto é exercer apieda­ de em casa (1 Timóteo 5.4). Mas, se os homens forem injustos, as suas próprias obras a louvarão às portas, abertamente, diante de todo o povo.

[1] Ela deixa que suas próprias obras a louvem, e não busca o aplauso dos homens. Não são verdadeiramente virtuosas as mulheres que se aprazem em ouvir elogios.

[2] As suas próprias obras a louvarão: se os seus parentes e vizinhos ficarem em silêncio, ainda assim as suas boas obras proclamarão o seu louvor. As viúvas fizeram o melhor elogio a Dorcas, quando mostraram as túnicas e vestes que ela tinha feito para os pobres (Atos 9.39).

[3] O mínimo que se pode esperar de seus vizinhos é que deixem que as suas próprias obras a louvem, e não façam nada para impedir isto. Que aqueles que fazem o que é bom tenham o louvor por isto (Romanos 13.3), e não devemos dizer ou fazer, com inveja, nada que diminua esse louvor, mas devemos ser provocados, por ele, a uma santa imitação. Não devemos falar mal de ninguém que tenha uma boa reputação, até mesmo da própria verdade. Este deve ser o espelho das mulheres, que elas deverão abrir para orientar o seu vestir; e, se o fizerem, os seus adornos serão dignos de louvor, e honra, e glória, na vinda do Senhor Jesus Cristo.

Autor: Vocacionados

Sou evangélico, casado, presbítero, professor, palestrante, tenho 4 filhos sendo 02 homens (Rafael e Rodrigo) e 2 mulheres (Jéssica e Emanuelle), sou um profundo estudioso das escrituras e de tudo o que se relacione ao Criador.